A aranha, poesia de Da Costa e Silva

7 06 2016

 

 

aranha1Aranha, ilustração de Christina Rossetti.

 

 

A aranha

 

Da Costa e Silva

 

Num ângulo do teto, ágil e astuta, a aranha,

Sobre invisível tear tecendo a tênue teia,

Arma o artístico ardil em que as moscas apanha

E, insidiosa e sutil, os insetos enleia.

 

Faz do fluido que flui das entranhas a estranha

E fina trama ideal  de seda que a rodeia

E, alargando o aranhol, os elos emaranha

Do alvo, disco nupcial, que a luz do sol prateia.

 

Em flóculos de espuma urde, borda e desenha

O arabesco fatal, onde os palpos apoia

E tenaz, a caçar os insetos se empenha.

 

Vive, mata e produz, nessa fana enfadonha;

E, o fascinante olhar a arder como uma joia,

Morre na própria teia, onde trabalha e sonha.

 

 

Em: Da Costa e Silva, Poesias Completas, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985 [edição do centenário] p.166





Na boca do povo: escolha de provérbio popular!

4 06 2016

 

 

3fec15d7f7751b08689e08aa91675e19Capitão Haddock, ilustração de Hergé.

 

 

“A barba não faz o filósofo.”





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

1 06 2016

 

Pedro Alexandrino (1856 - 1942), PESP, Frutas e Flores,1899,ost,69x124cmFrutas e flores, 1899

Pedro Alexandrino ( Brasil, 1856 – 1942)

óleo sobre tela, 69 x 124 cm

PESP Pinacoteca do Estado de São Paulo, SP





Idílio, poesia de Paulo Setúbal

30 05 2016

 

paquera, walter crane, 1877Ilustração de Walter Crane, 1877.

 

 

Idílio

 

Paulo Setúbal

 

 

“Vamos?” disseste… E eu disse logo: vamos!

Ia no céu, nos pássaros, nos ramos,

Uma alegria esplêndida e sonora;

E tu, abrindo ao sol como uma tenda,

Tua sombrinha de custosa renda,

Partimos ambos pela estrada afora…

 

Com que emoção — recordas? — com que gozo,

Eu vinha te esperar, vibrante e ansioso,

Nessas novenas de plangências cavas.

E como um cavalheiro que se preza,

Timbrava em te levar, depois da reza,

Até ao portão da chácara em que estavas.

 

Certa vez… Vá, não cores desse jeito!

Era de noite. Arfava-nos o peito.

Ardia em nós um lânguido desejo,

Tomei-te as mãos… Sorriste… E aí, num assomo,

As nossas bocas sem sabermos como,

Famintamente uniram-se num beijo!

 

 

Em: Alma cabocla, poesias de Paulo Setúbal, Paulo Setúbal, São Paulo, Ed. Carlos Pereira:s/d, 5ª edição [ Primeira edição foi em 1920]p. 135-136





Trova da amizade

27 05 2016

???????????????????????????????Briga de Pluto com Buldogue , ilustração de Walt Disney.

Não se rompe um laço antigo,

sempre há perdão, na amizade.

Quem deixa de ser amigo,

nunca o foi na realidade.

(Edgar Barcelos Cerqueira)





Rosinha da Roda, poesia de Stella Leonardos

24 05 2016

 

 

Edvard_Munch_-_Four_Girls_in_Åsgårdstrand_-_Google_Art_ProjectQuatro meninas em Åsgårdstrand, 1903

Edvard Munch (Noruega, 1863-1944)

óleo sobre tela, 87 x 111 cm

Museu Munch, Oslo

 

 

Rosinha da Roda

 

Stella Leonardos

 

 

Elas eram quatro rosas

Sendo cada qual mais bela.

A vermelha, a cor de rosa.

A de corola amarela…

Mas a quarta era Rosinha,

Branca branca, bem singela.

Levou-a Deus manhãzinha.

Que era rosa de anjo, aquela.

 

 

Em: Pedaço de Madrugada, Stella Leonardos, Rio de Janeiro, Livraria São José:1956, p.63





Trova da lição de mestre

17 05 2016

 

 

alice may cookIlustração Alice May Cook, c. 1918.

 

 

O grande tenor se cala

ante o pássaro silvestre.

– É o discípulo de gala

querendo escutar o mestre

 

 

(A. de Assis)








%d blogueiros gostam disto: