Nossas cidades: Belém

8 02 2016

 

 

_{5E133DEA-6412-4129-98F5-6AED980EE5B4}_belemtraçosMercado Ver-o-peso, 2012

Guataçara Monteiro (Brasil, 1984)





Imagem de leitura — Michel Simonidy

7 02 2016

Poster by Michel SimonidyCartaz Le Figaro, 1900

Michel Simonidy (França, 1870-1933)





Domingo, um passeio no campo!

7 02 2016

 

 

RUDOLF WEIGGEL - Vida de Jangadeiro, arredores de Olinda - Óleo sobre tela - 81 x 65 - Década de 50Vida de jangadeiro, década de 1950

Rodolfo Weigel (Áustria/Brasil, 1907-1987)

óleo sobre tela, 81 x 65 cm





Flores para um sábado perfeito!

6 02 2016

 

BANDEIRA DE MELO 1958 FLORESóleo sobre tela, 60 x 73 cm, assinado e datado 1958, canto inferior esquerdo.Flores, 1958

Bandeira de Mello (Brasil)

óleo sobre tela, 70 x 73 cm





Os Carnavais de Di Cavalcanti

6 02 2016

 

 

di cavalcanti carnavalescosCarnavalescos, década 1940

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela,  46 x 55 cm

 

Emiliano Di Cavalcanti  (1897-1976) foi um dos grandes herdeiros do cubismo europeu na arte brasileira.  Ficou muito conhecido pelo retrato de mulatas.  No entanto sua perene dedicação ao tema do Carnaval, das máscaras e dos pierrôs e colombinas, trai sua origem carioca.  Não conheço nenhum outro pintor brasileiro tão fascinado pelo tema carnavalesco, quer como um retrato da festa de rua, quer como um devaneio, uma pintura onírica e sensual. Aqui vão algumas dessas obras, ainda que eu não tenha esgotado o assunto.

 

di cavalcanti figuras_carnavalescas_24_5Figuras Carnavalescas, 1965

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela,  100 x 82 cm

 

Di Cavalcanti carnavalCarnaval, 1970

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela,  97 x 146 cm

 

Di Cavalcanti carnaval II ost 114 x 146 cm 1965Carnaval II, 1965

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela,  114 x 146 cm

 

Di CAVALCANTI O Grande Carnaval 1953-thumb-800x642-48998Grande Carnaval, 1953

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela

 

Di CAVALCANTI, 1924, CarnavalCarnaval, 1924

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 73 x 89 cm

Museu FAAP, São Paulo

 

DI CAVALCANTI Carnaval - 1972-thumb-800x522-48995Carnaval, 1972

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre  tela

 

DI CAVALCANTICarnaval, 1968

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 33 x 46 cm

 

Di Cavalcanti, carnaval no morroCarnaval no morro, 1965

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 115 x 146 cm

 

Emiliano Di Cavalcanti, Carnaval - osc. - med. 30,5 x 20 cmCarnaval

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre cartão, 30 x 20 cm

 

118_grupo_carnavalesco_II di cavalcanti 1960sGrupo carnavalesco II, década de 1960

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela

 

di cavalcanti,carnaval_1960Carnaval, 1960

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela

 

Di Cavalcanti, Um sonho de carnavalUm sonho de Carnaval, 1955

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 130 x 160 cm

[Esta tela foi uma das telas brasileiras usadas pela companhia Havaianas, para sandálias com temas brasileiros]

 

dicavalcanti-carnaval-oleosobretela-acidedat1968-90x63cmCarnaval, 1968

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 90 x 63 cm

 

DI CAVALCANTI, Emiliano (1897-1976)Carnaval. Óleo sobre tela, 61 x 46 cm. Assinado embaixo 1972.Carnaval, 1971

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela,  61 x 46 cm

 

Di Cavalcanti, carnaval, 1972. ostCarnaval, 1972

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela

 

DI Cavalcanti, carnaval_na_ruaCarnaval na rua, 1952

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela

 

Há outras telas com esse tema. Algumas delas já fazem parte deste blog, postadas em anos anteriores. Não vou repeti-las. Mesmo assim é evidente a fascinação do pintor com o tema.

 

Bom Carnaval a todos vocês!

 





Rio de Janeiro, cidade olímpica!

5 02 2016

 

 

Isabela Francisco (Brasil, 1960) Bossa Nova, tec mistast, 180 x 180cmBossa Nova

Isabela Francisco (Brasil, 1960)

técnica mista sobre tela, 180 x 180 cm





Sob um pessegueiro, poesia de Paulo Setúbal

4 02 2016

 

 

amor, romance, Russell Sambrook (1891 – 1956)Ilustração de Russell Strambrook.

 

 

Sob um pessegueiro

Paulo Setúbal

Ao Ademar, irmão e amigo

 

 

Foi pelo tempo alegre da moenda,

Quando aos quinze anos, tudo nos sorria,

Que nós tecemos, juntos, na fazenda,

Toda uma história de infantil poesia.

 

E sob um pessegueiro, amplo e robusto,

Cheio de frutos e de passarinhos,

Foi que nós ambos, pálidos de susto,

Nos encontramos certa vez, sozinhos.

 

Tão confusos, tão tímidos ficamos,

Ao vermo-nos juntinhos no pomar,

Que nós, olhando os pêssegos nos ramos,

Nem tínhamos coragem de falar.

 

Mas de repente — que ventura louca!

Ela sorriu-me, trêmula de pejo,

E eu lhe furtei da pequenina boca,

Um pequenino e delicioso beijo…

 

Foi desde então que na minh’alma eu trouxe,

Como lembrança desse amor fagueiro,

Esse beijinho estaladinho e doce,

Que nós trocamos sob o pessegueiro.

 

 

Em: Alma cabocla,Poesias de Paulo Setúbal, Paulo Setúbal, São Paulo, Ed. Carlos Pereira:s/d, 5ª edição [ Primeira edição foi em 1920]p. 87-88

 

 








%d blogueiros gostam disto: