Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

22 04 2015

 

BERNARDELLI (1858 - 1936) - Natureza morta - osc - 38 x 46Natureza morta, s.d.

Henrique Bernardelli (Chile/Brasil, 1858-1936)

óleo sobre tela, 38 x 46 cm





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

21 04 2015

árvore. valerie greeleyÁrvore, ilustração Valerie Greeley.

“A árvore se conhece pelos frutos.”





Trova sobre Tiradentes

21 04 2015

 

 

Carlos LOUSADA - O Rebelde óleo stela, 60 x 73cm. Assinado, 1961 e titulado no versoO Rebelde, 1961

Carlos Lousada (Brasil, 1905-1984)

óleo sobre tela, 60 x 73 cm

 

 

Tiradentes, tua glória
com teu corpo não morreu
e, em torno de tua história,
nossa história se escreveu.

 

(Arlindo Tadeu Hagen)





Uma chácara no Engenho Velho, texto de Pedro Nava

20 04 2015

CAROLLO, Edy Gomes (1921) Casario, o.s.m. - 33 x 40Casario

Edy Gomes Carollo (Brasil, 1921- 2000)

óleo sobre madeira, 33 x 40 cm

 

 

“A chácara da Prima Zezé descia de platô em platô até o nível da rua. Era só comparável à de minha avó materna, em Juiz de Fora. Só que nela predominavam as mangueiras de densa sombra e os jambeiros esgalhados. Prima Zezé gostava descer com o farrancho para o meio das árvores. Palestrar chupando fruta. Vamos seu Marote! Vamos seu Pedro! Vamos subir nessas árvores e apanhar uns jambos pra gente. Ou eram mangas. Ou eram abios. Ou eram sapotis. Subíamos: alto de ver os trens passando longe, na linha da Central e na outra direção, mais longe ainda, os da Leopoldina e os minaretes de Manguinhos. Lembro da queimadura que peguei no dorso da mão só de roçar casulos vazios em que a taturana deixara o pelo venenoso depois de virar frágil borboleta. A tarde descia e subíamos para jantar sob a lâmpada amiga do lustre baixo, baixo, sobre a mesa da sala de jantar. Foi aí nessa ocasião, que ouvi Prima Zezé fazer o inventário das joias da Inhá Luísa e dizer a minha Mãe que ela fora prejudicada na partilha. Minha Mãe que não! Zezé, fora tudo muito justo… Mas Prima Zezé que absolutamente! de jeito nenhum… E enumerava os adereços, as montagens, as rivières, os sautoirs, os berloques, os oiros, as pérolas, os diamantes, as marcassitas, as pedrarias. Mudavam de assunto, passavam Juiz de Fora num crivo. Às vezes baixavam a voz, riam muito.  Filhos do marido nada, Dibança! Filhíssimos do Seu Nanal da Tartaria. Isso. Esse mesmo, primo do Saninho Castro. Gente mais conhecida em Oliveira… A grande lâmpada acesa. Como calhaus, os besouros abatiam-se na brancura da toalha ou batiam no vidro do abajur. As mariposas faziam nuvem vinda da mata. A Amair trazia uma larga bacia cheia d’água onde os bichinhos se precipitavam vendo na lâmina líquida a reflexão das lâmpadas. de vez em quando um pio de mocho, tescunjuro! ou um silvo raro de locomotiva…”

 

 

Em: Chão de Ferro: memórias 3, Pedro Nava, Rio de Janeiro, José Olympio:1976, 2ª edição, pp. 164-165.

 





Trova sobre Tiradentes

19 04 2015

 

 

OLDACK DE FREITAS- Tiradentes. Óleo sobre tela, 53 x 65 cm. Assinado no canto inferior direito 1960.Tiradentes, 1960

Oldack de Freitas (Brasil, ?-?)

óleo sobre tela, 53 x 65 cm

 

 

No rol dos inconfidentes,
fiel à sua verdade,
deu a vida Tiradentes
por amor à Liberdade!

 

(Carolina Ramos)





Domingo, um passeio no campo!

19 04 2015

 

 

AUGUSTE P. - Paisagem - osm - 24 x 34Paisagem

Auguste Petit (França/Brasil, 1844-1927)

óleo sobre madeira, 24x 34 cm





Flores para um sábado perfeito!

18 04 2015

Di Cavalcanti (1897-1976) Vaso com flores, ost, 1936, 0,62x0,60, Palácio Bandeirantes, São PauloVasos com flores, 1936

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 62 x 60 cm

Acervo do Palácio Bandeirantes, São Paulo








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.335 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: