Papalivros, um grupo de leitura, 15 anos de existência!

16 04 2018

 

 

30708363_10216448248102687_3601373864887582720_nBolo de comemoração dos Quinze Anos do Grupo de Leitura Papalivros

Da Graça Pâtisserie, em Copacabana

 

 

Em março de 2003, três meses após o meu retorno ao Brasil, pensei abrir caminho para novas amizades e atiçar fogo nos velhos relacionamentos depois de décadas fora do país. Resolvi fazer no Rio de Janeiro um grupo de leitura nos moldes que conhecera no estrangeiro.

Nos Estados Unidos, nos meus primeiros anos, tive o apoio da Secretaria de Estudantes Estrangeiros da Universidade Johns Hopkins.  Através deles fui apresentada a maneiras de complementar  renda e também, modos de me integrar à vida do país, o que incluiu pertencer a grupos que se encontravam não mais do que uma vez por mês.

Participei de grupos de culinária, onde a cada mês uma pessoa mostrava em sua cozinha, como fazer uma especialidade de seu país de origem.  Participei de grupo de estudos (leituras) de história da Europa. E antes mesmo de completar seis meses no país, entrei para um grupo de leitura. Grupos de leitura são comuns nos EUA.  Morei por muitos anos no país, em três diferentes estados e no Distrito de Columbia e em todos os locais fui membro de um grupo de leitura.

É um meio de se conhecer pessoas, de descobrir afinidades, aprofundar o conhecimento geral.  Ainda me lembro com prazer de algumas leituras dos dois anos em que pertenci ao primeiro grupo, na cidade de Baltimore: John Steinbeck, Of mice and men;  John Fowles, The MagusThe once and future king, T. H. White, All creatures great and small, James Herriot, Watership Down, Richard Adams, Breakfast of Champions, Kurt Vonegut,  Burr, Gore Vidal.  Desses tornei-me fã de Vidal, de Vonegut, e Fowles.  E apaixonada pela história do Rei Artur. Em outros grupos de leitura, conheci dezenas de autores americanos e estrangeiros que me roubaram o coração e a atenção.  E mais, fiz grandes amizades nesses grupos.  Pessoas com afinidades.  E aprendi, sobretudo, a respeitar os gostos de cada um, a ouvir as opiniões dos outros sem interferir e a aceitar que cada um de nós tem gosto único e que ele pode mudar através dos anos.

Minha intenção de abrir um grupo de leitura aqui no Rio de Janeiro, cidade de festa, sol, samba e extroversão, foi recebida com surpresa e descrença. Mas à maneira americana, fui pragmática.  Segui em frente até ver no que dava.  E deu samba.  Muito além das minhas expectativas.  Neste mês de abril o Grupo de Leitura Papalivros (nome escolhido por votação logo no primeiro encontro) completa 15 anos de existência.  Começamos com seis pessoas.  Minhas primas, minha cunhada, uma amiga de mamãe.  Quinze anos depois, ainda temos sete membros que entraram no primeiro ano, dos familiares só minhas primas. Somos 22 pessoas, todas mulheres, mas já foi um grupo misto. Somos leitoras.  E amigas. Nossas idades variam dos 34 anos aos 90.  E continuamos muito amigas, a cada ano, mais amigas.

15 anos, 180 livros, 180 encontros, sem nenhuma falha.  É para nos orgulharmos de nós mesmas, do nosso comprometimento, que melhor acontece quando a verdadeira amizade brota e é cuidada.  Que venham mais 15 ou 30.  É um prazer pertencer a esse grupo.

 

 





Maluquices do “H”, poesia de Pedro Bandeira

13 04 2018

 

 

 

7b9805ed4acaf9957778f6949d5e11d9

 

 

Maluquices do H

 

 

Pedro Bandeira

 

O H é letra incrível,
muda tudo de repente.
Onde ele se intromete,
tudo fica diferente…

Se você vem para cá,
Vamos juntos tomar chá.
Se o sono aparece,
tem um sonho e adormece.
Se sai galo do poleiro,
pousa no galho ligeiro.
Se a velha quiser ler,
vai a vela acender.
Se na fila está a avó,
vira filha, veja só.
Se da bolha ele escapar,
Uma bola vai virar.
Se o bicho perde o H,
com um bico vai ficar.
Hoje com H se fala,
sem H é uma falha.
Hora escrita sem H,
ora bolas vai ficar.

H é letra incrível,
muda tudo de repente.
Onde ele se intromete,
tudo fica diferente…

 

 

Em: Mais respeito, eu sou criança, Pedro Bandeira, São Paulo, Moderna: 1994

 





Lendo: “O projeto Jane Austen”, Kathleen Flynn

9 04 2018

 

 

DSC03755

 

LENDO:

O PROJETO JANE AUSTEN
Kathleen A. Flynn
Editora Única: 2108, 280 páginas

SINOPSE

Metas cada vez mais agressivas, resultados desafiadores e o desejo constante de crescer. Este é o resumo da vida do profissional de vendas, especialmente daquele que almeja o posto e o reconhecimento de liderança.

Inglaterra, 1815.
Rachel e Liam são dois viajantes do futuro que chegam à antiga Londres com a missão mais audaciosa do que qualquer viagem no tempo que já ocorreu: encontrar Jane Austen, ganhar a confiança dela e roubar um manuscrito inacabado.

Ela, uma médica; ele, um ator. Selecionados e treinados cuidadosamente, tudo o que Rachel e Liam têm em comum é a admiração pela autora e a situação extraordinária em que se encontram – e que obriga Rachel a colocar seu jeito independente de lado e deixar Liam assumir a liderança enquanto se infiltram no círculo da família Austen.

Além do desafio de viver uma mentira, Rachel luta para diagnosticar a doença fatal de Jane. À medida que a amizade das duas se fortalece e o seu relacionamento com Liam torna-se complicado, Rachel faz de tudo para reconciliar seu verdadeiro eu com as convicções da sociedade do século XIX.

O tempo está acabando. Rachel e Liam conseguirão deixar o passado intacto?

Depois desse encontro com Jane Austen, a vida que os espera no futuro será o bastante?





Trova dos teus caminhos

5 04 2018

 

 

martine+et+jeanIlustração de Marcel Marlier ( Bélgica, 1930-2011)

 

 

Trago minhas mãos manchadas

de sangue, pelos espinhos

das mil rosas perfumadas

que espalhei nos teus caminhos…

 

 

Izo Goldman





Oceano, poema de Manuel Bandeira

2 04 2018

 

 

il_340x270.1167755797_2ng2

 

 

Oceano

 

Manuel Bandeira

 

Olho a praia. A treva é densa.

Ulula o mar, que não vejo,

Naquela voz sem consolo,

Naquela tristeza imensa

Que há na voz do meu desejo.

 

E nesse tom sem consolo

Ouço a voz do meu destino:

Má sina que desconheço,

Vem vindo desde eu menino,

Cresce quanto em anos cresço.

 

– Voz de oceano que não vejo

Da praia do meu desejo…

 

Em: Estrela da Vida Inteira- poesias reunidas, Manuel Bandeira, Rio de Janeiro, José Olympio: 1979, pp 30.





Arrumando as estantes

28 03 2018

 

 

biblioteca, Jean Calhoun, AmericanGirl1932-11Ilustração de Jean Calhoun, para capa de American Girl, Novembro 1932.

 

 

São mais ou menos 1200 livros, espalhados pela casa. Esse é um cálculo geral.  Multipliquei os livros pelo número de prateleiras de cada estilo.  Não parecem ser tantos.  Eram mais.  Doei, larguei, me despedi de pelo menos uns 200 com a mudança.  Hoje mesmo selecionei  9 volumes de livros de arte e alguns de clássicos da literatura que tinha em duplicata com traduções diferentes. Desde que a grande estante foi montada, já passei adiante mais de 40 volumes.  É pouco em relação ao todo, mas ajuda.

Meu maior problema é como organizar para encontrar rapidamente o livro que procuro.  A antiga disposição não era eficiente e retratava meus interesses de oito anos atrás, desde a última mudança.  Aquela foi radical pois, convencida de que jamais iria lidar com história da arte,  fazia mais de 15 anos que não lidava com isso, chamei um sebo do centro da cidade e com ele se foram 450 livros de arte.  Ironia do destino.  Ano e meio se passa e fui chamada para dar aulas de estilo em uma escola design de interiores.  Estas aulas me levaram a dar um curso de história da arte por 4 anos para uma turma interessadíssima o que, por sua vez, me levou de volta às salas de aula no nível universitário e pós-graduação.  Como é o provérbio popular?  A gente põe e Deus dispõe.  Sim, provou ser verdadeiro mais uma vez.

Desta vez separei as coisas de maneira diferente. Dei maior ênfase à ficção: brasileira e estrangeira.  Separei em duas … DUAS!!!! … longas prateleiras os livros em português que pretendo ler em futuro próximo. Não são só de autores que escrevem em português.  Mas livros em português.  No entanto, três longas prateleiras para história medieval não foram suficientes.  Não sei ainda como subdividir (textos originais x comentários?)  essa estante tende a ser multiplicada já que contemplo uma publicação no campo. Clássicos americanos e ingleses, em inglês: Chaucer, Shakespeare, Keats, Poe, Hawthorne, Melville, Emerson, Thoreau, James, e outros, uma área dedicada às especialidades do cara-metade.  Clássicos gregos, romanos, filósofos, etc. ocupam prateleiras próprias, quase todos em inglês ou francês.  Realmente não os tenho em português e muitos deles não têm tradução.  Sempre me pergunto a razão de certos textos serem tão difíceis de se encontrar a preços razoáveis.  O asno de ouro de Lúcio Apuleio, essencial para qualquer educação redondinha, ou está esgotado ou está caro.  Versões, interpretações modernas, de Jung, ou outros existem, mas e o texto original?  De que adianta sabermos interpretações se não conhecemos o original?  Textos dos santos: Santo Anselmo, S. Tomás de Aquino, Santa Teresa, Santo Agostinho assim como A Lenda Dourada de Jacopo de Voragine,  entre outros fora da norma, como coletânea de textos não incluídos na bíblia, contemporâneos aos textos bíblicos, livros sobre a Cabala, textos sobre o Éden anteriores à era  cristã, todos entraram em medieval e renascença.

Há livros de psicologia e filosofia aos montes. Muitos sobre o cristianismo, porque ele moldou o pensamento ocidental. Mesmo assim, desta vez foram-se as bíblias.  Tínhamos cinco bíblias em casa: católica, protestante, etc.  Ficamos com a publicada pela Oxford University Press, sem denominação, mas com toda a Apócrifa. Outra área de interesse são relatos de viagem.  Tenho de todos os tipos de diversos séculos diferentes e lugares variados. Estes mereceram uma prateleira inteira, porque gosto de ler sobre isso.  E aí coloco Marco Polo ao lado de Freya Stark?  E assim continuo.  Claro que uma área está habitada pelos 73 livros de cozinha brasileira, portuguesa, americana, italiana, francesa, inglesa, africana, oriental: a mente precisa de bons textos mas o corpo depende da boa comida.

Está difícil de organizar.





Escrevendo resenhas

20 03 2018

 

 

 

escrevendo, perfil

 

 

Muitas vezes me perguntam a razão de escrever resenhas de livros.  É minha maneira de colocar um ponto final na leitura.  Não tenho treinamento em literatura, em história da literatura, apesar de ter inicialmente começado meus estudos universitários na Universidade Federal Fluminense em francês.  Mas logo saí para a história da arte.

Nessa época, eu já estava familiarizada com muitas obras da literatura francesa, por ter frequentado desde os onze anos de idade a Alliance Française. O método de ensino da Aliança sempre utilizou textos da literatura para ilustrar a cultura e a língua.  Além disso, tive muita sorte de ter usufruído, quando ainda estava com meus quinze, dezesseis, dezessete anos,  das aulas de Monsieur Cox, na Aliança de Copacabana, à rua Duvivier, em que ouvíamos as gravações de peças de Molière, Racine e outros dramaturgos clássicos franceses, feitas pela Comédie-Française. Acompanhávamos as vozes dos atores lendo os textos e parando de vez em quando para as explicações de M. Cox, em francês, é claro, linha por linha, colocando em contexto de época, social e cultural aquilo que ouvíamos, o que se passava no palco.  Era só som.  Nada mais.  Nenhum filme ou vídeo.  Uma das melhores maneiras de se treinar o ouvido, e certamente um dos mais interessantes cursos de francês e de literatura que já tive.  Talvez seja por isso que tenho muito carinho pela cultura francesa e que não deixo de assistir ao programa La Grande Librairie, na TV5, com François Busnell, que todos podem acessar pela internet também e ganhar conhecimento testemunhando as maravilhosas conversas de Busnell com escritores da atualidade franceses ou não.  Mas essa é uma grande digressão.

Escrevo resenhas em parte para resolver para mim mesma as razões de ter “gostado” ou não de um romance.  Em geral só escrevo sobre aqueles livros que são bons, muito bons, ou espetaculares.   Livros de que não gosto, em geral deixo passar.  A não ser que o não gostar tenha chegado a um nível de desgosto tão grande, mas tão grande que não posso me conter e preciso espalhar a notícia a todos que ainda pensam em poder ler aquele traste.  São poucos os que me afetam dessa maneira.

Uma coisa que talvez passe desapercebida para os leitores é que mudo de opinião à medida que vou escrevendo minha resenha.  Um livro às vezes vai do bom ao brilhante, quando percebo, por ter que pensar nele e em suas diversas correlações, o quão complexo ele é, e o quanto eu poderia ter apreciado ainda mais na minha leitura.  Um livro em que isso aconteceu recentemente foi A vida peculiar de um carteiro solitário, do canadense Dénis Thériault, que considerei bom, mas melhor ainda quando escrevi sobre o livro, e ainda mais espetacular quando, após ter escrito a resenha, contei para amigos a história do carteiro.  De repente, eu vi que tinha lido um daqueles livros muito, muito bons.  Mas raramente o contrário acontece.  Então, a resenha, sedimenta as minhas primeiras observações.  Isso não quer dizer que eu não mude de ideia mais tarde.








%d blogueiros gostam disto: