O elefantinho, poesia infantil de Vinícius de Moraes

22 10 2017

 

 

elefante e abacaxi

 

O elefantinho

 

Vinícius de Moraes

 

Onde vais, elefantinho,

correndo pelo caminho,

assim tão desconsolado?

Andas perdido, bichinho,

espetaste o pé no espinho,

que sentes, pobre coitado?

 

— Estou com um medo danado

encontrei um passarinho.

 

Em: O mundo da criança, vol. 1: poemas e rimas,  Rio de Janeiro, Editora Delta: 1971, p. 61.

Em:





Trova do orvalho

19 10 2017

 

 

outono, folhas, brincadeira, menina

 

 

Pleno outono … e em meu atalho,

sem um amor que me acolha,

invejo a sorte do orvalho

que se abriga em qualquer folha.

 

(Edmar Japiassú Maia)





Trova do banqueiro

14 10 2017

 

bancoIlustração, ©Walt Disney

 

 

O trabalho do banqueiro

está no seu jogo impuro:

tem lucro com meu dinheiro

e ainda me cobra juro.

 

(Olympio Coutinho)





Visita do escritor Francisco Azevedo

24 09 2017

 

 

Grupo1O escritor Francisco Azevedo com o Grupo de Leitura Ao Pé da Letra, 24/09/2017.

 

 

O grupo de leitura Ao Pé da Letra teve o prazer de contar com a visita do escritor Francisco Azevedo, cujo livro Os novos moradores, lançado em junho deste ano, e já em sua segunda edição, foi a leitura escolhida para discussão no mês de setembro.

Seu terceiro romance, precedido por Arroz de Palma, Editora Record: 2008 e Doce Gabito, Editora Record: 2012, tem todas as marcas de um grande sucesso.  Situado no bairro da Gávea, no Rio de Janeiro ele se desenrola entre os ocupantes de duas casas geminadas na rua dos Oitis.  Enquanto a casa de cor cinza é habitada por uma família severa cujos membros são emocionalmente distantes uns dos outros, a outra, amarela, tem como residente uma família amorosa e alegre.  O relacionamento entre as famílias surge através dos filhos que com isso trazem para o âmago de cada núcleo familiar experiências e acontecimentos imprevisíveis.

 

4d73bf4b-5b13-4c82-af6e-05b60b529583

 

O grupo de leitores se deliciou com a franqueza, modéstia e simplicidade do autor, que dividiu com os presentes sua maneira de escrever,  explicou como as ideias se desenvolvem e abriu o leque de reações dos leitores aos seus livros, principalmente a este último, que trata de assunto familiar espinhoso. Francisco Azevedo foi espontâneo, e mostrou grande senso de humor ao se surpreender e divertir, aqui e ali, com a reação dos leitores a personagens, fatos e soluções de problemas encontrados no texto.

 

Grupo2.jpg

 

Grupo3

 

Foi sem sombra de dúvida uma noite memorável para os leitores.  Agradecemos a presença de Francisco Azevedo e sua esposa Edvane.  Aprendemos muito sobre o processo criativo e a maneira como sincronicidade parece agir em torno de uma criação literária, tornando-a quase inevitável.  Um grande abraço de todos do Ao Pé da Letra, desejo de muito sucesso ao escritor e até o próximo encontro.  Esperamos vê-lo quando seu próximo romance sair do prelo!

 

 





Resenha: “Um beijo de Colombina” de Adriana Lisboa

22 09 2017

 

 

illustration_j_c_leyendecker_9330225_clipped

Ilustração de C. J. Leyendecker, 1933, para capa da revista Saturday Evening Post, número de 25 de fevereiro.

 

 

Gosto imensamente da poesia de Manuel Bandeira.  Acho-o, se não o maior poeta do século XX, certamente entre os três mais importantes poetas brasileiros da época.  Acredito ter lido quase toda sua obra.  Um atrativo a mais para o livro Um beijo de Colombina de Adriana Lisboa é que Manuel Bandeira está presente, ou melhor, é a alma, do romance.  Por isso tive grandes expectativas ao abrir o livro.

Adriana Lisboa, por outro lado, só conheço de um livro anterior: Rakushisha.  Por ele, a autora passou a figurar no rol de escritores/ poetas favoritos, pois me lembro de sua prosa delicada, cheia de surpresas e  inusitadas visões dos temas do cotidiano.

 

ArquivoExibir.aspx

 

Acreditei, portanto, quando escolhi a leitura desse livro, que iria ter dupla apreciação, que iria ter deleite ao quadrado.  A prosa de Adriana Lisboa continua límpida, delicada, mesmo nesta obra, que  não é tão poética quanto minha memória atribuía a ela. Manuel Bandeira continua um dos grandes poetas brasileiros de todos os tempos.  Mas o poeta Manuel Bandeira perdeu-se nesse texto e Adriana Lisboa não mostrou a mágica de sua prosa-poética vista em outras de suas obras .

A trama se desenrola a partir de um casal de namorados, num relacionamento recente, em que de repente, a namorada, Teresa, morre afogada.  Para melhor entender o que acontece o rapaz revê a história deles até o afogamento em Mangaratiba (RJ). Aos poucos um retrato mais detalhado de Teresa, jovem escritora  às portas de um sucesso literário retumbante, começa a se firmar e surge a dúvida:  teria ela, excelente nadadora , sofrido um golpe do acaso? Ou o afogamento teria sido deliberado, um  suicídio?

 

image001Adriana Lisboa

 

A narrativa corre bem pelo primeiro terço do livro, para se perder e chegar a um final quase forçado, como se tivesse sido planejado de antemão e encontrasse dificuldade de desabrochar.  O mistério sobre a morte de Teresa, que poderia ser visto como um gancho para puxar o leitor a cada página não parece tão importante nem para o leitor, nem para o namorado narrador.  Não vi na trama secundária, seu envolvimento com uma antiga namorada, qualquer propósito a não ser o de lembrar o lugar de residência de Manuel Bandeira.

Enfim, uma ideia boa, com uma narrativa leve, que tinha tudo para ser mais do que só agradável, que infelizmente não chegou a encantar essa leitora.  Uma oportunidade perdida.  Adriana Lisboa continua com uma bela prosa, mas quase não chega ao que se propõe.





Cemitério, poesia infantil de José Paulo Paes

28 08 2017

 

 

james gilleard, cemitério de petsCemitério de pets, ilustração de James Gilleard para Walt Disney.

 

 

 

Cemitério

 

José Paulo Paes

 

“Aqui jaz um leão

chamado Augusto.

Deu um urro tão forte,

mas um urro tão forte,

que morreu de susto.

 

Aqui jaz uma pulga

chamada Cida

Desgostosa da vida,

tomou inseticida:

era uma pulga suiCida.

 

Aqui jaz um morcego

que morreu de amor

por outro morcego.

Desse amor arrenego:

amor cego, o de morcego!

 

 

Neste túmulo vazio

jaz um bicho sem nome.

Bicho mais impróprio!

Tinha tanta fome

que comeu-se a si próprio”.

 

 

Em: Poemas para brincar, José Paulo Paes, São Paulo, Ática: 1994.

 





Trova da esperança

26 08 2017

 

 

dcfc8c9da8e431861196f8b38f742d46--vintage-design-vintage-artIlustração anônima, década 1960

 

 

No porto dos meus anseios

esperanças são navios,

que de manhã partem cheios

e à tarde voltam vazios…

 

(Orlando Brito)

 








%d blogueiros gostam disto: