“Chove. É Dia de Natal”, poema de Fernando Pessoa

4 12 2017

 

 

 

449b7c3185b8523b3ff29591d4d9ab0f

 

 

Chove. É Dia de Natal

 

Fernando Pessoa

 

Chove. É dia de Natal.

Lá para o Norte é melhor:

Há a neve que faz mal,

E o frio que ainda é pior.

 

E toda a gente é contente

Porque é dia de o ficar.

Chove no Natal presente.

Antes isso que nevar.

 

Pois apesar de ser esse

O Natal da convenção,

Quando o corpo me arrefece

Tenho o frio e Natal não.

 

Deixo sentir a quem quadra

E o Natal a quem o fez,

Pois se escrevo ainda outra quadra

Fico gelado dos pés.

 

Em: Cancioneiro, Fernando Pessoa, Cyberfil: 2002 –  página 34





Trova de Natal

1 12 2017

 

 

papai noel, dan andreasenPapai Noel, ilustração de Dan Andreasen.

 

 

Minha maior alegria,

no Natal, era a emoção

do amor, que meu pai

trazia sob a barba… de algodão!

 

(Sérgio Ferreira da Silva)

 





Os mortos, poema de Ruy Espinheira Filho

2 11 2017

 

 

getty-pile-old-photos-58b9d29b5f9b58af5ca8ca8c

 

 

Os mortos

 

Ruy Espinheira Filho

 

Há uma luz suave em que respiram.

Não mudaram nada e fingem não ver

como sou mais moço na fotografia.

 

Contam histórias, sempre, mesmo quando em silêncio

(e tanto quanto se contam, contam-me também de mim).

Não mais precisam beber, só se refletem no copo

 

que ergo e em que bebo, por eles e por mim,

trespassado ainda dos sonhos que compunham a alma

de que se iluminava o moço nas fotografias.

 

Em: Sob o céu de Samarcanda: poemas, Ruy Espinheira Filho, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil e Fundação da Biblioteca Nacional: 2009, página 152.

 

 





O elefantinho, poesia infantil de Vinícius de Moraes

22 10 2017

 

 

elefante e abacaxi

 

O elefantinho

 

Vinícius de Moraes

 

Onde vais, elefantinho,

correndo pelo caminho,

assim tão desconsolado?

Andas perdido, bichinho,

espetaste o pé no espinho,

que sentes, pobre coitado?

 

— Estou com um medo danado

encontrei um passarinho.

 

Em: O mundo da criança, vol. 1: poemas e rimas,  Rio de Janeiro, Editora Delta: 1971, p. 61.

Em:





Trova do orvalho

19 10 2017

 

 

outono, folhas, brincadeira, menina

 

 

Pleno outono … e em meu atalho,

sem um amor que me acolha,

invejo a sorte do orvalho

que se abriga em qualquer folha.

 

(Edmar Japiassú Maia)





Trova do banqueiro

14 10 2017

 

bancoIlustração, ©Walt Disney

 

 

O trabalho do banqueiro

está no seu jogo impuro:

tem lucro com meu dinheiro

e ainda me cobra juro.

 

(Olympio Coutinho)





Cemitério, poesia infantil de José Paulo Paes

28 08 2017

 

 

james gilleard, cemitério de petsCemitério de pets, ilustração de James Gilleard para Walt Disney.

 

 

 

Cemitério

 

José Paulo Paes

 

“Aqui jaz um leão

chamado Augusto.

Deu um urro tão forte,

mas um urro tão forte,

que morreu de susto.

 

Aqui jaz uma pulga

chamada Cida

Desgostosa da vida,

tomou inseticida:

era uma pulga suiCida.

 

Aqui jaz um morcego

que morreu de amor

por outro morcego.

Desse amor arrenego:

amor cego, o de morcego!

 

 

Neste túmulo vazio

jaz um bicho sem nome.

Bicho mais impróprio!

Tinha tanta fome

que comeu-se a si próprio”.

 

 

Em: Poemas para brincar, José Paulo Paes, São Paulo, Ática: 1994.

 








%d blogueiros gostam disto: