Eu vou pra beira do mar, poesia de Luiz Peixoto

2 06 2020

 

 

Hugo Adami. Paisagem praiana, óleo sobre tela, med. 60 x 80 cm, assinado c.i.direito. Pílade Francisco Hugo AdamiPaisagem praiana

Hugo Adami (Brasil, 1899 — 1999)

óleo sobre tela,  60 x 80 cm

 

 

Eu vou pra beira do mar

 

Luiz Peixoto

 

Eu vou pra beira do mar

esperar uma sereia,

que canta as canções do Vento,

que canta as canções do Mar.

 

Em noite de lua-cheia,

com ela vou me casar.

 

No leito branco da areia,

com ela vou me deitar.

 

E todo o amor que incendeia

meu coração vou lhe dar.

 

Quando a última candeia

das estrelas se apagar,

bem sei que ela irá embora,

mas um dia há de voltar.

 

As sereias vão e voltam,

São como as ondas do mar…

 

Em: Poesia de Luiz Peixoto, Rio de Janeiro, Editora Brasil-América:1964, p. 96





Trova da fé

28 05 2020

 

 

1c4106e83f878db09e55e0d43b1a50a5Tintin ia viajar, ilustração de Hergé.  (O trem para Nyon?…  Muito tarde, Senhores: lá vai ele, agora mesmo.)

 

 

Quem vai sem fé… sem coragem,

no embarque do trem da vida,

decreta o fim da viagem

antes mesmo da partida!

 

(José Almir Loures)





Confiança, poesia de Abel Silva

25 05 2020

 

 

b69c45bc9389e7c7fbf8bad718726ec8Ilustração de Kathy Wolmack

 

 

Confiança

 

Abel Silva

 

Sou destituído de fé religiosa

mas confio. Não tenho alternativas.

Eu não conheço o engenheiro

mas entro neste prédio.

Não conheço o piloto

e embarco no avião.

Não sei quem plantou

colheu ou preparou:

mas bebo o vinho

e como o pão.

 

Em: Mundo delirante: poesias, Abel Silva, Rio de Janeiro, Europa: 1990, p. 18





O relógio, poema de Jorge de Lima

17 05 2020

 

 

l27horlogedesapience28theclockofwisdom29fromabout1450O relógio do saber, século XV. — L’Horloge de Sapience (Bruxelles, Bibliothèque Royale , ms. IV 111

 

O relógio…

 

Jorge de Lima

 

Relógio, meu amigo, és a Vida em Segundos…

Consulto-te: um segundo!  E quem sabe se agora,

Como eu próprio, a pensar, pensará doutros mundos

Alma que filosofa e investiga e labora?

 

Há de a morte ceifar somas de moribundos.

O relógio trabalha… E um sorri e outro chora,

Nas cavernas, no mar ou nos antros profundos

Ou no abismo que assombra e que assusta e apavora…

 

Relógio, meu amigo, és o meu companheiro,

Que aos vencidos, aos réus, aos párias e ao morfético

Tem posturas de algoz e gestos de coveiro…

 

Relógio, meu amigo, as blasfêmias e a prece,

Tudo encerra o segundo, insólito — sintético:

A volúpia do beijo e a mágoa que enlouquece!

 

[A Instrução, Maceió, 1907]

 

Em: Poesias Completas, Jorge de Lima, vol. I, Rio de Janeiro, Cia. José Aguilar Editora: 1974.p. 45





Eu e a árvore, poesia infantil de Martins d’Alvarez

11 05 2020

 

 

meninos na arvore

 

Eu e a árvore

 

Martins d’Alvarez

 

Quando nasci, papaizinho

plantou, em nosso quintal,

uma arvorezinha esguia,

para ver qual de nós duas

cresceria mais depressa,

qual mais alta ficaria.

 

Mamãe cuidava de mim

e papai cuidava da árvore,

toda noite e todo dia.

Mas, enquanto eu engordava,

crescendo para todo lado,

a arvorezinha subia…

 

Hoje, já estamos crescidas.

Ela bate no telhado…

Eu só alcanço a janela;

mas por vingança, eu me trepo

nos galhos, até ficar

muito mais alta que ela.

 

Em: O mundo da criança: poemas e rimas: , vol. I, Rio de Janeiro, Delta: 1975, p. 99

 

 





“Bosquejo” poesia de Raimundo Correia

27 04 2020

 

 

Eduardo Feitosa, (Brasil, Sb do campo, 1957)mãe e filha, ostMãe e filha lendo

Eduardo Feitosa (Brasil, 1957)

óleo sobre tela

 

 

Bosquejo

 

Raimundo Correia

 

Repica o sino na matriz da vila,

Como um dia de gala…

São dez horas somente; o sol rutila,

Faísca o espelho de cristal na sala.

 

A pêndula palpita,

Compassada e monótona;  singelo,

Numa gaiola, elétrico saltita

Um canário amarelo.

 

São dez horas; erguidas

As persianas deixam ver, distantes,

Das árvore floridas

As frondes verdejantes.

 

Sutil essência de magnólia e rosa

Repassa o ambiente,,,  e a mãe a ler ensina,

Sorrindo  carinhosa,

A loura filha,  ingênua e pequenina.

 

 

Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1967, Coleção Henriqueta, p. 24.

 

 





Trova do beijo

20 04 2020

 

 

1950sIlustração  revista americana dos anos 50.

 

 

Num beijo fez imortal

o nosso amor sem ressábios:

um romance original

escrito por quatro lábios.

 

(Lilinha Fernandes)








%d blogueiros gostam disto: