Filhotes fofos!

17 01 2016

 

 

tiger-cubs_1014061iFilhotes de tigre, em reserva na Índia, em Timesofindia.indiatimes.com




Sei um ninho, poema de Miguel Torga

9 11 2015

 

perecastor-coucou-ill-illustrated by Feodor Stepanovich Rojankovsky, Rojan.Ilustração de um dos livros “Père Castor”, com ilustração provável de Feodor Stepanovich Rojankovsky, conhecido como Rojan.

 

 

Sei um ninho

 

Miguel Torga

 

 

Sei um ninho.

E o ninho tem um ovo.

E o ovo, redondinho,

Tem lá dentro um passarinho Novo.

Mas escusam de me atentar:

Nem o tiro, nem o ensino.

 

Quero ser um bom menino

E guardar

Este segredo comigo.

E ter depois um amigo

Que faça o pino

A voar…





Esmerado: Insígnia “The Strafford George”

24 08 2015

 

 

After Raphael, Lesser George, ‘The Strafford George’, Onyx, brown, light grey, dark grey, gold, silver, enamel, Dutch rose-cut diamonds, 25 years 17th century. Courtesy Royal Collection Trust .Her Majesty Queen Elizabeth II 2013Insígnia conhecida como: The Strafford George, século XVII
[D’Après Rafael]
Ônix marrom, cinza claro, ouro, prata esmalte, diamantes
Courtesia: Royal Collection Trust .Her Majesty Queen Elizabeth II

 

A miniatura em esmalte de São Jorge e o dragão, no reverso dessa insígnia é uma cópia de um quadro de Rafael, de 1506, hoje na National Gallery em Washington D.C.

 

Saint_george_raphaelSão Jorge e o dragão, 1506
Raphael Sanzio (Urbino, 1483-1520)
óleo sobre madeira, 28 x 21 cm
National Gallery, Washington DC




De olhos vendados, resenha de “A mulher silenciosa”, de A.S.A. Harrison

30 09 2014

 

 

frag_blindCabra-cega, 1756

Jean-Honoré Fragonard (França, 1732-1806)

óleo sobre tela,  116 x 91 cm

Toledo Museum of Art, Ohio

 

 

Ralph Waldo Emerson estava certo ao dizer: “É o bom leitor que faz o bom livro”. Isso se tornou evidente após a leitura de A mulher silenciosa de A. S. A. Harrison. Enquanto a maior parte das resenhas se concentra no suspense da trama, considerando esta publicação detetivesca, no meu grupo de leitura, o livro foi foco de uma discussão de hora e meia considerando o retrato psicológico da pessoa que se nega a ver a realidade de que não gosta. No hemisfério norte este livro foi lançado como ‘leitura de verão’, ‘leitura de férias’, o que quer dizer algo leve, inconsequente – aqui no Brasil estamos longe dessas segmentações editoriais por falta de leitores mesmo — e como ‘leitura praiana’ é entendida para a maioria como bom entretenimento, corretamente aliás, para nós, que aceitamos essa publicação sem a expectativa de um prazo de validade tão curto quanto a estação mais quente do ano, abre-se a possibilidade, não preconceituosa, de encontrarmos na intriga literária espaço para uma discussão aferventada sobre comportamentos decorrentes de traumas psicológicos.

Creio que fomos ajudadas em grande parte por termos duas psicanalistas na rodada de discussões, que nos enriqueceram o suficiente com referências de Freud a Lacan. Para mim, de forma oblíqua, este livro me lembrou um dos livros mais marcantes que li há uns anos, A solidão dos números primos de Paolo Giordano, por tratar das consequências na vida adulta de grandes problemas na infância. Em A mulher silenciosa, Jodi Brett é uma psicanalista que para -sobreviver traumas de infância, comporta-se como se não existissem, conseguindo mesmo esquecê-los providencialmente. Ela silencia. Passa a vida dessa maneira, organizada, sistemática, em controle. Vive maritalmente com um empreiteiro de sucesso, pelos último vinte anos. Ele, Todd Gilbert, também vítima de outro tipo de problema na infância, apesar de não gostar de falar no assunto, não o nega. Os dois parecem satisfeitos.

 

 

A_MULHER_SILENCIOSA_1396467668P

 

Todd que é um Don Juan tem casos inconsequentes com diversas mulheres. Jodi sabe. Age como se só desconfiasse. Mas, na prática, cala sobre o problema, movendo-se como um gato, silenciosamente, cozinhando sedutores jantares na esperança de mantê-lo no ninho caseiro o maior tempo possível. Ela trabalha só pelas manhãs e ele, homem de sucesso financeiro, permite que nada falte na vida luxuosa que têm em Chicago, à beira do lago, com o cachorro Freud, e sem filhos. O problema é que Todd se envolve com uma moça muito mais jovem. Envolvimento típico de crise de meia-idade, mas ela leva a sério. Engravida. Separação à vista para Jodi, vindo de surpresa. Há perda, muita perda, emocional, financeira e de confiança. Com o casamento dele, a pressão emocional aumenta e situação financeira despenca. Tudo acontece muito rápido e de modo definitivo. À beira da ruína, Jodi, traída, sente-se tentada a tomar uma atitude radical. Há dúvidas… Se ela toma ou não faz parte do enredo com desfecho absolutamente inesperado.

 

MAC18_THE_ENDMERGE-150x150A.S.A. Harrison

Mas não é a trama a única parte interessante deste romance. São as questões levantadas, principalmente aquelas girando em torno da ética, do comportamento moral de todos os quatro principais personagens do romance. Omissão e silêncio são as grandes ferramentas que alavancam essas questões. Culpa é uma companheira próxima. Fica assim a porta entreaberta para as considerações de responsabilidade pessoal de cada qual com a vida que se leva, e o alerta: temos muito a ver com destino que nos damos. Este desenvolvimento da leitura fica muito mais claro quando consideramos os fatos que levam ao final surpreendente.

Infelizmente não teremos nenhuma outra obra da autora. A. S. A. Harrison faleceu aos 65 anos de câncer, logo após a publicação deste livro.





As charmosas crianças dos postais de H. Dix Sandford

3 08 2014

 

 

1 - H. Dix Sandford 1

 

Procurei saber um pouco mais sobre a ilustradora Hilda Dix Sandford, mas nem nos meus livros, nem na internet consegui informações. Isso não impede que eu goste de seus cartões postais com grupos de crianças. Aqui vão alguns para o entretenimento de domingo. Às vezes esses cartões postais estão colocados na internet em ilustrações da Era Eduardiana — que se refere ao período de 1901-1910 na Inglaterra. Mas não tenho como saber se essa informação está correta. A roupa das crianças é definitivamente da época eduardiana.

 

2 - H. Dix Sandford

 

3 - H. Dix Sandford

 

4 -  Dix Sandford cinco de novo

 

5 -- Dix Sandford

 

6 Bcom 5-- Dix Sandford

 

7 - H. Dix Sandford

 

8 - H. Dix Sandford (unsigned)

 

9 - H. Dix Sandford

 

10 - H Dix Sandford

 

11 -- H DIX SANDFORD

 

13 -- a HILDA-DIX-SANDFORD-R

 

14 -  h dix sandford





Esculturas vivas em Montreal

31 07 2014
massive-hordicultural-sculptures-in-montreal-designboom-13Esculturas enorme em plantas vivas, representante do Kênia.

 

Hoje, à procura de outro assunto, acabei me deparando com o artigo no portal Designboom.com, com o título: Living Plant Sculptures at the Montreal Botanical GardensFiquei encantada com as fotos.

Trata-se de uma competição em horticultura, onde participaram mais de 40 esculturas em plantas,  em 2 e 3 dimensões que envolveram 200 artistas internacionais especializados em esculturas vivas de mais de 20 países.

massive-hordicultural-sculptures-in-montreal-designboom-21Uma história verdadeira, representou Xangai, China
 massive-hordicultural-sculptures-in-montreal-designboom-02Uma pomba para a paz, foi o trabalho da equipe de Hiroshima, Japão.
 massive-hordicultural-sculptures-in-montreal-designboom-15Lêmures, representaram a equipe de Madagascar.

 

massive-hordicultural-sculptures-in-montreal-designboom-12Estes Pássaros em voo, representaram a equipe da região de St. Léonard em Quebec.

 

massive-hordicultural-sculptures-in-montreal-designboom-03O homem que planta árvores, representando a equipe de Montreal.

É só clicar no link para ver outras fotos dessas esculturas espetaculares!

 

Um ótimo dia para vocês!





Que venha a COPA 2014! Estamos prontos! Rumo ao Hexa!

12 06 2014

 

 

 

gregorio gruber, Brasil, 1997, ost, 190x240Brasil, 1997

Gregório Gruber (Brasil, 1951)

óleo sobre tela, 190 x 240 cm

 

 








%d blogueiros gostam disto: