Os mortos, poema de Ruy Espinheira Filho

2 11 2017

 

 

getty-pile-old-photos-58b9d29b5f9b58af5ca8ca8c

 

 

Os mortos

 

Ruy Espinheira Filho

 

Há uma luz suave em que respiram.

Não mudaram nada e fingem não ver

como sou mais moço na fotografia.

 

Contam histórias, sempre, mesmo quando em silêncio

(e tanto quanto se contam, contam-me também de mim).

Não mais precisam beber, só se refletem no copo

 

que ergo e em que bebo, por eles e por mim,

trespassado ainda dos sonhos que compunham a alma

de que se iluminava o moço nas fotografias.

 

Em: Sob o céu de Samarcanda: poemas, Ruy Espinheira Filho, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil e Fundação da Biblioteca Nacional: 2009, página 152.

 

 





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

1 11 2017

 

 

Henrique BERNARDELLI, Henrique,Cocos e Flores sobre a Mesa, 1926, ost, 67 x 55 cmCocos e flores sobre a mesa, 1926

Henrique Bernardelli (Chile /Brasil, 1857-1936)

óleo sobre tela, 67 x 55 cm





Esmerado: bolsa militar, século IX

31 10 2017

 

 

00purseBolsa militar, c.  800-20

Couro

Museu Nacional da Hungria, Budapeste

 

 

Os magiares  das estepes da Europa do Leste, invadiram a Itália no século IX, antes de se estabelecerem na Hungria.  Aqui temos um ‘sabretache‘ ou bolsa militar usada na cintura dos oficiais da cavalaria, do início do século IX.

 





Imagem de leitura — Robert Breyer

29 10 2017

 

 

Robert BreyerLeitoras, 1909

Robert Breyer (Alemanha, 1866-1941)

óleo sobre tela, 150 x 136 cm





Domingo, um passeio no campo!

29 10 2017

 

 

Archimedes Dutra, Paisagem rural, 1939, osm, 22 x 26 cmPaisagem rural, 1939

Archimedes Dutra (Brasil, 1908-1983 )

óleo sobre madeira, 22 x 26 cm





“O amante japonês” de Isabel Allende

29 10 2017

 

Toshiyuki Enoki, (Japão,1961) 1991, 9- x 9- cm Musica, JapanesO abraço

Toshiyuki Enoki (Japão, 1961)

Técnica mista, 90x 90 cm

 

Devo confessar que não me encontro entre os leitores aficionados de Isabel Allende.  Sua grande obra, A casa dos espíritos,  muito influenciada por Gabriel Garcia Marques, está entre seus primeiros trabalhos. Mais tarde veio Eva Luna que não chegou ao mesmo nível e daí para frente a escritora chilena tem revelado livros mais ou menos insossos, repletos de lugares comuns, sem grande cuidado na linguagem literária.  Continuo a encontrar esses mesmos problemas em O amante japonês.

Tudo se desenrola em torno de uma paixão mantida viva por 74 anos. Alma Mandel, que hoje mora numa casa para idosos, na Califórnia, havia nascido e vivido na Polônia, até ser embarcada para os Estados Unidos. Judia, seus pais decidem protegê-la, quando da invasão russa da Polônia, em 1939. Alma encontra abrigo com os tios Isaac e Lillian Belasco, em SeaCliff, Califórnia. Logo conhece Ichimei, um menino de origem japonesa cujo pai, jardineiro, trabalhava na propriedade. Um ingênuo romance toma os corações dos jovens, que se veem separados, quando o Japão ataca Pearl Harbor e os Estados Unidos entram na Segunda Guerra Mundial. O amor entre Alma e Ichimei, encontra diversos obstáculos através dos anos e é mantido às escondidas por Alma, por uma vida inteira.  Cartas descobertas por Irina Bazili, cuidadora, na casa de idosos, finalmente o revelam. Em paralelo, Seth, neto de Alma, procura dados para escrever a história da família. Em tempo, junto a Irina, conhece o romance proibido de sua avó, não sem antes cair de amores por Irina. A partir daí, seguimos duas histórias de amor, cada qual com seus problemas fazendo eco uma à outra.  Ambas mostram ter obstáculos que parecem intransponíveis. Nada mais corriqueiro.

 

O_AMANTE_JAPONES__1439502653521425SK1439502653B

 

Allende usa a duradoura paixão de Alma por Ichimei para desfiar, como contas de um colar, acontecimentos relevantes do século XX.  Vamos da Polônia, a São Francisco, passando pelo Texas.  Familiarizamo-nos com a perseguição aos judeus e sua diáspora, o Holocausto,  o aprisionamento de pessoas de origem japonesa nos Estados Unidos, e aos preconceitos raciais no país.  Por outro lado, seguindo o romance paralelo entre Seth e Irina, aprendemos sobre os problemas do mundo atual, a vivência inter-racial nos EUA,  pornografia infantil, filosofias da eutanásia para idosos com doenças terminais, situação da população gay no país e em São Francisco em particular. Somos espectadores de uma panóplia de aflições contemporâneas.

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIsabel Allende

 

Tudo é resolvido quando descobrimos que uma vida bem vivida dá conta de perdoar pecados do passado. E que há de haver resignação às reviravoltas do destino. Além de trama conhecida de amores proibidos, além das circunstâncias melhor descritas em outros obras sobre os fugitivos de guerra, este romance de Allende é recheado de rasas platitudes, frases prontas como as que encontramos nas postagens de redes sociais.  Mais que isso, há um tom proselitista e, por vezes, a linguagem nas descrições do romance entre Alma e Ichimei parece bastante anacrônica e melodramática. No todo, os diálogos são tediosos e Allende prefere contar mais do que mostrar.

No entanto tenho que admitir, que dos vinte e dois membros do meu grupo de leitura só três tiveram impressões semelhantes à minha.  Confesso que eu não teria lido este romance, não tivesse sido escolhido para leitura pelo grupo.  Li e confirmei as restrições ao estilo da escritora que já desenvolvera através dos anos e de outras leituras. Se você é fã de Allende, vá em frente e leia.  Pelo que percebi não é obra tão singular quanto outros de seus livros, mas para os aficionados, tudo indica que passou a prova.

Por outro lado se você espera passar as horas lendo uma obra que produza além de uma boa história, conhecimento, cuidado com a arte da escrita, criatividade na trama e personagens críveis;  se você se interessa por conteúdo e pela arte da escrita, recomendo que procure outro autor e outro título. É banal em todos os aspectos.





Flores para um sábado perfeito!

28 10 2017

 

 

Sylvio Pinto, Vaso com flores, ost, 106x127cmVaso com flores

Sylvio Pinto (Brasil, 1918-1997)

óleo sobre tela, 106 x 127 cm








%d blogueiros gostam disto: