Sirva algo quente para causar uma boa impressão!

24 10 2008

Ilustração: Maurício de Sousa

 

Hoje pela manhã o programa de rádio ALL THINGS CIONSIDERED, da National Public Radio em Washington DC teve um segmento muito interessante sobre a diferença na percepção que temos,  de pessoas que acabamos de encontrar, quando temos em nossa mão um copo de conteúdo quente ou de conteúdo frio.  Quero dizer, você está tomando uma xícara de chá quente.  Tem esta xícara na mão.  De repente você é apresentado a alguém.  A sua tendência será de achar que esta pessoa, que você acaba de encontrar é uma pessoa amável, simpática, generosa.  Enquanto que se você tivesse nas mãos um copo de açaí gelado, sua tendência seria de achar o novo conhecido frio, antipático.

Este estudo conduzido pela Universidade de Yale foi cuidadosamente controlado.  Voluntários – estudantes – não sabiam quando o estudo começaria.  A conclusão depois de muitos testes foi que depois de segurar alguma coisa quente, mesmo que por segundos, o nosso julgamento de uma pessoa até então desconhecida é muito mais positivo, do que se segurarmos alguma coisa gelada.  

Há indicadores de que algumas emoções começam primeiro no corpo humano e só mais tarde são registradas pelo cérebro.   O estudo, feito por Lawrence Williams, professor na Universidade de Colorado, foi estudado Poe ele durante sua monografia, quando doutorando da Universidade de Yale; e foi publicado nesta semana na revista SCIENCE.  Andreas Meyer-Lindberg, diretor do Instituto Central para Saúde Mental da Alemanha, corrobora com estas descobertas, lembrando que alguns cientistas acreditam que tanto o medo quanto a felicidade são emoções que começam primeiro como uma reação física, que manda uma mensagem para o cérebro  nos permitindo sentir a emoção.

Para o artigo inteiro e para o áudio do programa, clique AQUI.





O cheiro do medo: ratos e peixes na berlinda.

31 08 2008

 

De acordo com o resultado de uma pesquisa feita na Suíça e noticiada no programa da rádio NPR nos EUA:  All Things Considered  (21-8-2008 )  pelo jornalista Christopher Joyce,  sabemos  hoje que o medo tem o seu próprio cheiro e também que ele vem do feromônio do  alarme, que animais produzem quando sob influência do estresse.  

 

Os cientistas ainda não sabem como tudo funciona.  Sabem que há um órgão no nariz dos ratos que detecta o feromônio do alarme.  Isto quer dizer que de fato existe o tal cheiro do medo.   O órgão que sente este cheiro é chamado de gânglio de Grueneberg, que são uma trouxinha de células próximas a ponta do focinho do rato.

 

Na Universidade de Lausanne, a bióloga, Marie-Christine Broillet separou quantidades de ar de gaiolas em que ratos envelhecidos foram submetidos à eutanásia.   Quando os pesquisadores expuseram ratos jovens e saudáveis a este ar, os neurônios do gânglio de Grueneberg se modificaram.  E o comportamento dos ratos também se modificou: correram para o lado oposto da gaiola e viraram estátuas, não se mexiam.

 

Para a confirmação da descoberta, submeteram ratos a outro teste, desta vez, removendo as células de percepção do glânglio.  Estes ratos, por sua vez, não demonstraram nenhum alarme quando expostos ao feromônio do medo.  Não houve reação alguma. 

 

É interessante notar que há um outro ser vivo que parece usar constantemente sua habilidade de detectar através de um feromônio, situações de alarme.   São os peixes.  Quando atacados por um peixe maior, eles secretam uma substância pela pele, a que se deu o nome em alemão de schreckstoff, que significa “coisa de grito”.

 

O alarme dado pelos peixes de perigo à vista, está sendo estudado pelo zoólogo Nathaniel Scholz, que tem se dedicado ao estudo de quanto a poluição das águas afeta a abilidade dos peixes de perceber uma situação de alarme, de sentir o schreckstoff.  Até o momento sua pesquisa descobriu que o cobre presente nos elementos urbanos poluidores da água proíbe os peixes de perceberem quando estão correndo perigo.  Em outras palavras,  eles não conseguem cheirar o feromônio do medo.  





Preço da fama para os atores: O caçador de pipas

5 07 2008
Ilustração de Mariângela Haddad

Ilustração de Mariângela Haddad

Uma das grandes vantagens da internet é que hoje podemos ouvir os nossos programas de rádio favoritos, mesmo que estejamos a milhares de quilômetros da estação de rádio que nos acolhia quando morávamos aqui, ali ou acolá.  Acabou-se a dependência na HORA DO BRASIL, na VOA (Voice of America) ou na BBC (Bristish Broadcasting Company) para se saber o que os outros estão fazendo, dizendo ou armando.  Agora, é só ligarmos nossos computadores e nos conectarmos com nossa estação de rádio predileta e notícias, músicas e comentários vão saindo dos nossos alto-falantes como se estivéssemos em outro lugar.

 

Nem sempre consigo seguir um dos meus programas favoritos nos EUA:  All Things Considered, da NPR (National Public Radio) nos EUA.  Mas há dois dias ouvi uma reportagem interessante sobre o menino Zekeria Ebrahimi, que fez o Jovem Amir, no filme O caçador de pipas.  Mesmo depois de muito tempo, ele ainda não conseguiu ter uma vida normal desde que participou da produção do filme.

 

 

Amir e Hassam conversam, foto de divulgação do filme

Amir e Hassam conversam, foto de divulgação do filme

 

Desde o início, durante as filmagens algumas polêmicas surgiram.  O diretor, Marc Forster, tentando dar à tela a maior veracidade possível, contratou atores que se enquadrassem nas restritas descrições do livro sobre etnia, idade, dialeto, sotaque e até mesmo a paisagem montanhosa, que apesar de ter sido filmada na China, retrata uma realidade muito próxima daquela encontrada no país dos talebãs. 

 

No início do filme há a cena que transforma o personagem principal e que o leva, 30 anos mais tarde, a vir redimir seus pecados:  o estupro de Hassam por um grupo de meninos.  Esta cena — a violação de Hassam, o caçador de pipas do título — não é só o ponto de partida da culpa do narrador, Amir, testemunha do estupro que nada faz, mas também um eloqüente retrato da maneira como minorias étnicas —  como os Hazaras, minoria xiita– são tratadas.

 

Este espelho realista foi mais acertado do que o governo do Afeganistão e sua minoria religiosa poderiam aceitar.   Como a bruxa de Branca de Neve eles  não conseguiram se ver nem na descrição do livro, nem nas imagens do filme.  E logo veio a censura.  O filme não pode ser projetado no país. “Há cenas que exibem atos de violência sexual que são etnicamente orientadas“, explicou o vice-ministro da Cultura Najib Malalai.

 

Mas, estamos nos tempos da aldeia global, da comunicação eletrônica, cópias piratas foram feitas e circuladas pelo país, enfrentando a censura Talebã governamental religiosa.  Cópias pirateadas apareceram em todo canto. 

 

Andrew H.  Walker

Khaled Hosseini com Zekeria Ebrhimi. Foto: Andrew H. Walker

 

Com a censura no Afeganistão a Paramount tratou da segurança pessoal de seus pequenos atores: mudou as três crianças do território afegão para os Emirados Árabes.  Lá, desde novembro de 2007, elas encontraram refúgio e permaneceram acompanhadas de um guardião cada.  Paramount colocou os meninos em escolas particulares, alugou apartamentos para eles, pagou às famílias um salário mensal e arranjou emprego para os guardiões.   

 

Mas, passado algum tempo, Zekeria Ebrahimi voltou à terra natal, saudoso da família.  Infelizmente, ele agora se encontra incapaz de ir à escola ou deixar sua própria casa. Afegãos que viram o filme consideram a película como um insulto e acham que a cultura nacional foi preconceituosamente mal representada.  Além disso, eles atribuem ao filme o aumento das tensões entre minorias no país, que há décadas dividem os habitantes.  

 

O medo de que Zekeria possa cair nas mãos de revoltosos continua.  O menino teve que sair da escola em que se inscreveu em Cabul porque colegas de turma da minoria Hazara queriam matá-lo, linchá-lo, o quanto antes.  A família se mudou.  Mas a ida para um outro bairro de nada adiantou.  As perseguições continuaram.  Zekeria não vai mais à escola e não sai de casa.  Está sendo educado em casa por seu tio.  A família, representada pela tia Waheeda Ebrahimi, quer mais proteção.  Quer emigrar para os EUA, o único lugar em que acreditam poderão viver em paz.

 

Mas nestes tempos de vacas magras nos EUA e de medo de imigrantes de origem muçulmana, há limites sérios sobre o que a Paramount pode fazer.  A companhia preferiria que a família toda fosse para o Dubai.  Neste meio tempo, preso por uma situação em que não tem nenhum controle, Zekeria leva uma vida de prisioneiro em sua própria casa, em seu próprio país.  

 

Vale lembrar as palavras do vice-ministro da cultura sobre a proibição da projeção do filme no país e perguntar a ele se a visão de um lado, não se aplicaria também à uma visão do outro lado, já que tanto o personagem Amir quanto Zekeria são da minoria Pashtu.

 

Um membro de uma etnia que é agredido por pessoas de uma etnia diferente leva a crer que esta etnia está ligada a esse tipo de ato“, declarou Malalai. “É um ato cultural, isso não pode ser aceito“, acrescentou.

 

NOTA: O filme O caçador de pipas é baseado no romance de Khaled Hosseini do mesmo nome.

 

 

Ilustração de Mariângela Haddad

Ilustração de Mariângela Haddad

 

 

 

 

 

 

 

 

 








%d blogueiros gostam disto: