Trova da amizade

27 05 2016

???????????????????????????????Briga de Pluto com Buldogue , ilustração de Walt Disney.

Não se rompe um laço antigo,

sempre há perdão, na amizade.

Quem deixa de ser amigo,

nunca o foi na realidade.

(Edgar Barcelos Cerqueira)





Resenha: “O último amigo” de Tahar Ben Jelloun

5 05 2016

 

 

CPH60817Dois amigos, com texto de Cícero sobre amizade, c. 1522

Jacopo Pontormo (Itália, 1494-1557)

óleo sobre madeira, 88 x 68 cm

Fondazione Giorgio Cini, Veneza, Itália

 

 

Aviso aos leitores: nem sempre o tema de um livro é aquele abertamente citado pelo autor ou sugerido pelo título. O último amigo é uma joia, uma obra prima, de narrativa em espiral, um quase ensaio sobre a ilusão, sobre a autoilusão, sobre amizade, traição, ciúme e inveja. É um livro muito mais complexo do que suas poucas 120 páginas poderiam sugerir.

Trata-se do retrato de uma dessas amizades que nasce nos anos de escola, que se desenvolve através da juventude, que assim como seus componentes ela também amadurece, sobrevive a percalços, casamentos, exílio, e nos re-encontros através do anos parece se fortalecer, se solidificar. Sua base está na franqueza, na compreensão do outro, no conhecimento do passado em comum, no desejo generoso de que o outro seja bem sucedido, que desfrute do melhor.

 

 

O_ULTIMO_AMIGO_1327443063B

 

Tahar Ben Jelloun divide sua obra em três partes. Começa com uma longa e detalhada descrição de Ali, que na primeira pessoa relata o caminho percorrido pela amizade dele por Mamed. Nossa identificação com o narrador é imediata.  Sentimos que o conhecemos e por isso mesmo nos chocamos tanto quanto ele, quando seu amigo de infância o surpreende com um corte irremediável na amizade de vida inteira. Na segunda parte, temos a versão de Mamed sobre essa mesma amizade.  Também descrita na primeira pessoa e curiosamente mostrando outros fatos outro enfoque nos eventos que marcaram o relacionamento desses dois amigos. É aí que sabemos de sua decisão de cortar os vínculos fraternais entre ele e Ali. Na terceira parte temos o testemunho de Ramon, uma amigo dos dois protagonistas, mas não tão chegado a eles.

A amizade é o tema. Tanto Ali quanto Mamed professam profundos sentimentos um pelo outro.  Nas narrativas de ambos sabemos dos gestos magnânimos e sacrifícios que cada um fez em nome dessa amizade. Mas no tecido do texto, no forro desse longo relacionamento encontra-se outro sentimento: a inveja.  Inveja que Mamed chama ciúmes. E é ela que acaba por corroer o laço entre eles. Mamed não esconde esses sentimentos rasteiros em seu depoimento: “Acontecia de eu ficar com ciúmes de Ali também, porque ele era mais culto do que eu, porque vinha de uma família quase aristocrática, porque era mais bonito e que, graças a seu casamento, tinha ficado rico.” [96-7]. E mesmo que ao cortar os laços de amizade que tem com Ali imagine, ou diga tratar-se de generosidade, essa ação não esconde a fraude de seus próprios sentimentos.  Pois só a ilusão de uma boa ação poderia justificar para si mesmo a traição que comete, interferindo na amizade de longa data. A desculpa é fraca.

 

Tahar Ben JellounTahar Ben Jelloun

 

Jean Cocteau é conhecido por ter dito que “A felicidade de um amigo deleita-nos. Enriquece-nos. Não nos tira nada. Caso a amizade sofra com isso, é porque não existe.”  Acredito que este seja o retrato do que se passa aqui. Mamed tinha emocionalmente uma estatura pequena e não conseguiu honrar os sentimentos de seu único e exclusivo amigo.

Este é um grande livro numa pequena aparência.  Tornou-se um de meus favoritos, e por isso recomendo a todos que gostam de pensar um pouco, de explorar a natureza humana, de se envolver num debate interno e julgar se o ato de Mamed é um gesto de amizade ou de traição.  Aqui esta a minha opinião.  Talvez você tenha uma opinião diversa.  Leia-o.





Trova da felicidade

31 07 2015

 

 

almoço ao ar livre, steven dohanosAlmoço ao ar livre, Steven Dohanos.

 

 

Amigo, na sua idade,

não conte a idade a ninguém,

mas conte a felicidade

pelos amigos que tem.

 

(Edmilson Ferreira Macedo)





Uma grosa de livros lidos

12 04 2015

Young Woman in the Reading Room in a Library, Thomas Jakob RichterJovem na biblioteca

Autoria disputada. Charpentier?  Thomas J. Richter ?

óleo sobre tela.

 

 

Hoje o grupo de leitura Papa-livros completa 12 anos de atividades ininterruptas.  Foram 144 livros lidos.  Uma grosa.  Não é um pequeno sucesso.  Num país em que poucos têm o hábito da leitura essa é uma etapa a ser comemorada.  Das 20 pessoas ativas 4 estão nele desde o primeiro ano,  3 são “fundadoras” (pertencem desde de o primeiro encontro) e a quarta, a partir do segundo encontro. Mas temos algumas com 11 e 10 anos de grupo, 8 e assim por diante.

O grupo de leitura já passou por muitas transformações. Começou na casa de uma de nós. Hoje se encontra em lugar público. Já fomos um grupo misto, hoje somos só mulheres.  Decidimos que preferimos assim. Já tivemos falecimento, divórcio, reconciliação, viuvez,  netos, casamentos de filhos, divórcio de filhos, e tudo mais que aparece na vida normal de pessoas normais.  No momento, temos um filhote, bebê de menos de 1 ano, Pedro, nosso talismã. Gostamos de festas.  Fazemos duas por ano.  Hoje e no Natal. O grupo inclui pessoas dos 32 aos 86 anos. Somos católicos, judeus, budistas, ateus e tudo combinado… O que nos une é a vontade de ler.  Depois, gostamos das discussões sobre o que lemos. E aos poucos as amizades se estreitam. Mas pense bem, quantos amigos, que não trabalham com você, você vê durante o ano, pelo menos 12 vezes?  Garanto que não são muitos. Amizades não aparecem automaticamente, principalmente depois que somos adultos. No nosso caso, amizades vêm com os encontros mensais e encontros que cada um tem com membros do grupo, à parte, durante o mês. Com telefonemas. Com uma foto mandada por email; uma mensagem por celular. Encontros fora do grupo são incentivados, pois só assim as amizades conseguem florescer; se solidificam.

Incentivo todos que gostam de ler a participarem ou a formarem um grupo de leitura. Garanto que isso dará uma repaginada na sua vida.  É impressionante a pluralidade de reações a um livro, a uma obra, a um enredo. De repente vemos aquilo que lemos de uma forma diferente… Temos tido muito mais pedidos para entrada no grupo do que é possível atender.  O ideal são 12 pessoas.  Já havíamos aumentado para 15, por concessões a membros.  E recentemente, desde novembro do ano passado, passamos a ser 20, quando adotamos os membros órfãos do grupo de leitura Entrelinhas, nascido com a nossa bênção e que se desfez.  Ganhamos nós, porque tivemos uma renovada total, não só nas discussões como nas propostas de leitura.  Desde o início nos comprometemos a não ler os clássicos tradicionais.  Procuramos os livros que acabaram de ser lançados, ou algum que tenha impressionado alguém. Nossas discussões são informais, às vezes pendem para o lado pessoal, às vezes para a análise mais formal.  Com frequência falamos de história, de política, de problemas sociais. Muitas vezes de experiências que vivemos. Cada livro traz consigo uma variedade enorme de assuntos que podem ou não ser abordados.  Só depende da vontade do grupo.  Temos as profissões mais variadas: psicólogos e psicanalista, advogadas, escritora, arquiteta, artista plástica, ambientalista, relações internacionais, tradutora/intérprete, engenheira, mães de família, professoras de ioga, língua estrangeira e outras.

Quando fizermos quinze anos faremos uma grande festa, reunindo todos os membros presentes e passados.  Pensando longe?  Acho que não. Quando já se leu 144 livros, o que são 36 mais?  Nada… uma brisa…

Quero expressar publicamente o meu apreço a todas que contribuíram para mais um ano de atividades e sucesso. Sem a contribuição de cada uma não teríamos sucesso. Em ordem alfabética: Albertina, Ana Maria, Andréa, Chaia, Camille, Cibele, Elizabeth, Fabiana, Gisela, Inez, Léa, Luba, Lucia L., Lúcia S., Magali, Maria Eugênia, Melissa, Mônica, Rosi e Vera. Que venham mais 12 anos.  E muitos outros mais. Foi a dedicação de vocês, o comprometimento, a habilidade de se desvencilhar de obrigações uma vez por mês, a boa vontade de muitas vezes ler aquele livro que não agrada, a aceitação de que nem sempre as discussões são interessantes mas continuar para ver no que dá, a aceitação de opiniões contrárias ao que se pensa, e o respeito às decisões sempre democráticas. Por tudo isso, pelo calor humano, pela simpatia com o outro, pelo bom humor, pelo dar-se e receber, por tudo que temos feito juntas, o meu profundo agradecimento.  São vocês que fazem o grupo.  Eu, só organizo.  Aproveito para agradecer também ao nosso garçom favorito, Sr. Deusdeth, por sempre nos dar atenção tomando nota dos detalhes de cada pedido de exceção: “sem alface”, “com queijo”, “sem amendoim”, “posso substituir…”, etc. Não é fácil com 20 mulheres.  Enfim estou grata a todos. Pronta, para mais doze aventuras por ano!





Trova da amizade

15 10 2014

 

amigos, bons, margret borissCartão postal, Margret Boriss.

 

 

Guardada como fragrância,

a verdadeira amizade

não se perde na distância,

adormece na saudade.

 

(Ângela Togeiro)

 





Quadrinha do verdadeiro amigo

13 03 2014

doente, dodoi, Margret BorissIlustração de Margret Boriss.

Somente um bem acontece

quando a gente cai doente:

aí é que se conhece

quem é amigo da gente.

(Aloísio Alves da Costa)





Grupo de leitura: como fazer? Comece o seu ano com um deles!

22 01 2012

Férias em Cannes, Itzchak Tarkay (Iugoslávia, 1935).

Um bom número de leitores me contatou  — até agora foram 23  — querendo fazer parte do grupo Papa-livros.  Surpreende tanto interesse.

Mesmo para quem mora no Rio de Janeiro há um problema com o pedido de entrada no Papa-livros: já estamos completos, e temos fila de amigos e conhecidos que esperam por uma desistência.  Como esse grupo inicialmente era só de amigos e se encontrava na casa dos membros, a preferência sempre foi dada a quem já se conhecia ou a quem vinha com referência interna.  Era até uma questão de segurança.

Hoje nos encontramos num local público, onde comemos e bebemos à vontade, mas não dá para termos mais do que 15 pessoas.  Já foi difícil arranjar um local com mesa redonda ou quadrada onde pudéssemos sentar 15.  Esse já é um número muito grande.  É difícil manter 15 pessoas, todas com opiniões e que se conhecem bem entre si, sem que o grupo se divida em pequenos grupinhos de 2 ou 3 pessoas elaborando um ponto paralelo, uma lembrança trazida à mente pela leitura.   Quantas e quantas vezes não temos que interromper – qual numa sessão do plenário – bater na mesa e dizer:  Calma, calma, um de cada vez!

Quando abri a página do Papa-livros no blog, pensei em dar idéias para outros fazerem o mesmo e talvez até um dia podermos trocar experiências ou sugestões.  Minha intenção também foi mostrar as nossas escolhas, que são sempre baseadas no voto democrático.   Depois de quase 9 anos de encontros mensais –  faremos 9 anos em abril de 2012  – temos muito poucas regras para o grupo,  todas atingidas pelo consenso.

1 — Queremos ler ótimos livros, mas não necessariamente os clássicos.
2 — Raramente lemos alguma coisa que alguém já tenha lido – é uma surpresa para todos.
3 — Não lemos livros de contos, nem lemos poesia.
4 – A discussão está limitada ao dia em que nos encontramos.  Ou seja, não lemos, digamos: Os Miseráveis de Victor Hugo, e passamos dois ou três encontros com esse tópico.  Há muitos grupos que fazem isso.
5 – Temos dois encontros especiais no ano: abril quando comemoramos o nosso aniversário e o encontro de dezembro quando fazemos uma festa de Natal, com troca de presentes Amigo Oculto e outras brincadeiras que animam todo mundo.

É só.

[Cada grupo tem  suas próprias regras.  Já participei anos atrás, quando eu ainda morava em Baltimore, nos EUA, de um grupo de leitura de História.  Líamos livros de história, biografias de persoangens históricos, etc.  Na mesma base, com enocntros uma vez por mês.  Esse grupo era muito pequenino, mas completamente internacional: éramos uma brasileira, uma francesa, uma belga, uma queniana e duas indianas.  Todas mulheres.   Mantivemos o grupo funcionando por quase 3 anos.  Depois algumas voltaram para seus países de origem e o grupo acabou].

Chá no terraço,1900, Charles Joseph Frédéric Soulacroix (França 1858-19330

A cada encontro depois da discussão do livro em pauta, listamos os livros que estão sendo sugeridos pelos membros do grupo.  Conversamos sobre os resumos dos livros e votamos.  Às vezes bons livros não são escolhidos por alguma característica especial do grupo.  Por exemplo, em 2011, havíamos lido: O último cabalista de Lisboa, de Richard Zimler,  A mão de Fátima, de Ildefonso Falcones e já sabíamos que iríamos ler Instruções para salvar o mundo de Rosa Montero, mais no final do ano.   Quando  A máquina de fazer espanhóis, do valter hugo mãe foi sugerido, apesar de ser um ótimo livro, foi derrotado na votação, porque a maioria estava cansada da península ibérica.  Queríamos mudar de ares.

Vivemos uma democracia dentro do grupo e assim temos que ter jogo de cintura e aceitar essas estranhezas, senão não há grupo.
Além dos livros que discutimos, há os livros em paralelo.  Corre entre nós o empréstimo de livros que rodam paralelamente à leitura do mês.

Lemos mesmo é ficção.

Nós nos encontramos uma vez por mês, no terceiro domingo do mês.  Há raras excessões quanto ao domingo, mas sempre uma vez por mês.  As excessões levam em conta o Carnaval ou algum outro acidente de percurso, mas são raras.  No início do ano já sabemos todas as datas em que nos encontraremos, até dezembro.  É uma questão de organização.   A pessoa que tem a responsabilidade de organizar, passa em dezembro a lista com a data de todos os encontros do próximo ano, já com adaptações quanto a feriados, etc.  Essa lista também é acompanhada da lista de todos os membros seus telefones e suas datas de aniversário. Por exemplo em 2012 nos encontraremos nas seguintes datas: 01/22; 02/26; 03/18; 04/15; 05/20; 06/17; 07/15; 08/19; 09/16; 10/21; 11/18 e 12/16.  Como é importante que haja compromentimento, essa é uma das maneiras.  Todo mundo já sabe desde o início do ano as datas que precisarão ser bloqueadas.  Se alguém não pode participar, falta.   Mais de seis faltas, perguntamos se essa pessoa realmente quer continuar.  Nesses anos de encontros isso só aconteceu uma vez.  Outras pessoas saíram, é claro.

Uma semana antes do encontro a pessoa que organiza manda um email para os membros lembrando do encontro.

ORGANIZANDO O GRUPO

O que percebi pelos emails e pedidos para entrada no Papa-livros é que as pessoas gostariam de já entrar para um grupo formado.  Há vantagens:  você não precisa bolar a organização e se não quiser continuar é mais facil de sair…

Mas a minha sugestão é que se você quer um grupo de leitura convide 2 amigos ou conhecidos para começar…  Assim você fará o seu grupo, com amigos que têm mais ou menos o seu perfil, que trarão amigos de gostos semelhantes para a sua vida e aumentarão a sua área de convívio social.  As pessoas têm muito medo do compromisso… Mas sem esse compromisso nada vai adiante.  E depois do compromisso inicial é preciso sermos bons na manutenção do grupo.

Nem todos que começam a participar continuam.  Prepare-se para que alguns desapareçam.  Há muitos motivos.  Às vezes a pessoa gosta da idéia de ler, mas não faz tempo para ler; ou entra no grupo por culpa, sabendo que deveria ler mais, mas não consegue manter o ritmo.  Há quem desista porque não consegue abrir espaço naquelas datas, com aquela regularidade.  Há quem não goste das escolhas dos livros, quem prefira os clássicos, ou quem prefira mangás… ou o que seja.  Essas rejeições não podem afetar o grupo.  Outra pessoa entrará…

Uma tarde no Salon, s/d,  Salvador Sanchez Barbudo Morales (Espanha, 1858-1917)

A menor reunião que tivemos foi num domingo de fim de semana com feriado, quando na véspera meia cidade havia ficado debaixo d’água por causa de tempestades.  Fizemos o encontro assim mesmo, 5 pessoas e decidimos sobre o próximo livro.  No encontro seguinte fizemos uma breve discussão do livro anterior para que todos participassem, mas sem entrar muito a fundo.

Quando, no início, eu dizia a amigos e conhecidos: 1 vez por mês! —  eu via seus olhos se arregalarem, como se aquilo fosse muito compromisso, muito tempo, muita frequência, muito sistemático.  Todos queriam uma coisa assim, mais leve, digamos: venha quando puder… venha quando gostar do livro…   Como se viessem só na base do Vamos conversar sobre o livro do Janjão Bolinha….  Venha se puder….   Não dá.  Isso é igual a trabalho voluntário.  Só porque é voluntário não quer dizer que pode não vir, pode faltar, pode vir quando quiser…  Nada se constrói dessa maneira, nem mesmo as amizades que se fazem através dos anos.   E elas contam, e elas são importantes.

Hoje o Papa-livros  é um grupo de  amigos.  A úlitma pessoa a entrar foi em março de 2011.   Substituiu uma médica que saiu porque  está fazendo cursos para outra especialização.  Além do encontro mensal, não fazemos muito mais juntos.  Saímos ocasionalmente para um ou outro programa fora do grupo de leitura… É um cinema, é um teatro, um concerto, etc.  Mas afinal quantos amigos você realmente vê uma vez por mês?  Tenho certeza de que poucos.  Quando saimos não vamos em grupo, as 15 pessoas.  Vão duas ou três fazer isso,  duas ou três fazer aquilo, até porque nem todos gostam da mesma coisa, nem todos têm o mesmo tempo ou o mesmo interesse em outras atividades.  Mas aos poucos vamos nos tornando amigos.  Uma amizade interessante que escuta muito, que está sempre ali, pelo menos uma vez por mês…  No nosso grupo, desde que começamos, já tivemos viuvez, divórcio, casamentos de filhos, divórcio de filhos,  reconciliação de casamento, troca de empregos, filho sem emprego, filho em vestibular,  pais idosos precisando de atenção, perda de pais ou entes queridos e assim por diante.  Só não tivemos nascimentos de filhos…  Porque uma coisa que descobrimos é que pessoas com crianças pequenas, têm realmente mais dificuldade de manter compromissos.  Até mesmo na nossa festa de Natal, que todos detestam perder, tivemos esse ano uma falta, porque a filha de 12 anos de um membro tinha um recital de dança justamente naquele domingo…  15 pessoas de diferentes idades, com vidas normais, no período de quase 9 anos passam por tudo isso, e nem por isso faltam aos encontros, porque amizades são formadas  e porque também estávamos lá nas horas de tristeza e de alegria, sem nos intrometermos.   É justamente o fato de estarmos sempre mantendo o estipulado que dá a establidade ao grupo.  Nao posso ressaltar mais esse aspecto.

Alfredo’s Café in Capri, 1990, Pauline Comanor,  aquarela.

A DISCUSSÃO 

No nosso grupo ninguém é especialista em leitura ou em literatura.  As discussões partem da visão de cada leitor sobre a obra.  Às vezes começamos muito simplesmente com um: Não gostei…  ou,  Achei muito bonito mas faltou um final conclusivo…  Daí, partimos para a discussão porque invariavelmente alguém vai ter uma outra impressão.  Ou alguém vai ter uma idéia brilhante que ninguém mais teve.  A maioria dos membros anota passagens que justificam as suas posições e ilustram suas observações. É só isso.  Simples assim…  Uma boa idéia é para a pessoa que dirige o encontro ( isso pode ser sempre a mesma pessoa ou pode ser selecionada por revesamento, ou ainda por sorteio) ter uma série de perguntas sobre o texto que a princípio são usadas só para a conversa começar.

PAPA-LIVROS NO BLOG:

Fiz uma tentativa no ano passado para abrir uma discussão no blog sobre os mesmos livros que o Papa-livros escolheu.  Mas não acredito que teha dado muito certo.  Em parte, por meu problema de não estar com tempo para dar atenção à discussão.  Há também o fato do Papa-livros raramente ler um best-seller, um livro da moda.  Temos a tendência de sair um pouco do que está sendo lido, do que está sendo discutido por todos… Então os títulos escolhidos pelo grupo nem sempre são os que seriam comprados pelos nossos leitores.  Acredito que eu não vá continuar essa tentativa de discussão no blog.  Vou me limitar às resenhas dos livros de que gostei, como tenho feito desde o início.








%d blogueiros gostam disto: