Dez anos de blog Peregrina Cultural!

24 07 2018

 

 

aniversario vovo donalda, disneyVovó Donalda faz anos, ilustração Walt Disney.

 

Em meados de junho de 2008, ainda sem grande comprometimento, comecei o Peregrina Cultural.  Minha intenção era, e ainda é, levar ao conhecimento de um público maior, para além de especialistas, imagens da arte brasileira.  Naquela época havia pouco, muito pouco na internet, de graça, que cobrisse este aspecto.  Não havia um banco de imagens da arte brasileira em geral. E certamente muito pouco da arte chamada acadêmica.  Quis trazer ao público também parte do que havia sido descartado dos textos educacionais do passado que pudessem ser utilizados por educadores em escolas através do país.  Textos das antologias dos anos 40, 50, 60, 70 eram muito mais ricos em vocabulário, mais literários do que os que alunos leem hoje, infelizmente. E parece que acertei quando mostrei isso aos professores contemporâneos.  Nem todos, mas muitos sentiram essa necessidade.

Tive muito, muito sucesso.  De verdade.  Mais sucesso do que esperava e alguns dos meus textos (assinados por mim) foram liberados para uso nas escolas de vários estados do Brasil, Rio Grande do Sul tomando a liderança neste quesito.

Aos poucos a internet no Brasil mudou de perfil.  Mais pessoas se interessaram em compartilhar conhecimento. E com isso comecei a me dedicar mais a resenhas literárias e obras de arte, do que em trazer novidades arqueológicas, de pesquisa histórica ou curiosidades científicas porque outros blogs de muito sucesso preenchiam esta lacuna.  Muitos deles com mais de uma pessoa no gerenciamento.  Poucos descobrem que há uma única pessoa por trás de todas as postagens da Peregrina.  Manter-me como única contribuinte ajudou a dar consistência e sobretudo manutenção contínua.

Em dez anos este lugar se tornou meu canto de reflexões.  É um passatempo, um lugar para onde venho quando fujo da realidade. Construo-o tijolo por tijolo, nos dias bons e nos não tão bons.  É um prazer.  É também um prazer ter tido neste período (desde que comecei a contar) mais de 10.000.000 de visitantes, e ter mais de 3.000 seguidores.

Mantive o mesmo arranjo através dos anos, com uma foto de pescadores na praia de Copacabana no topo, porque é assim que me sinto, pescando e compartilhando imagens e ideias.  Escrevo pouco sobre minha vida.  Gostaria de fazer mais, mas há melhores escritores de blogues por aí.  Ocasionalmente sou tomada por uma lembrança ou uma experiência que desejo mostrar ao mundo.  Pago ao WordPress para não ter anúncios, é um luxo que me dou para manter o foco no que posto.

Devo muito ao incentivo que recebi dos meus leitores, que são uns poucos milhares por dia.  Mas já é bastante, muito mais do que um dia sonhei.  Agradeço também a todos que comentam, que  levam as postagens para outros blogs.  Acredito que conhecimento é para ser dividido.  Enfim, se não fosse por minha amiga Lígia Guedes, do blog Nós Todos Lemos, que me alertou a necessária comemoração, eu provavelmente não o teria feito.  Sei que blogs andam mudando, que o Instagram está tomando o lugar deles, mas aqui ainda é um lugar onde muitos vêm procurar informações e enquanto puder mantê-lo o farei. Entrar aqui e postar é um hábito, como para muitos é tomar um drinque, ler o jornal, tirar uma soneca após o almoço.

Muito obrigada pelo apoio, pelas visitas, pelas ideias, pelo carinho de todos vocês!
E vamos em frente.

 

 





Parabéns São Paulo, Parabéns Paulistanos, 458 anos!

25 01 2012

Pátio do Colégio como em 1858, 1918

José Wasth Rodrigues ( Brasil, 1891-1957)

óleo sobre tela, 100 x 66 cm

Museu Paulista, SP





12 de outubro — aniversário do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro

12 10 2011

O morro do Corcovado com a estátua do Cristo Redentor — que hoje faz 80 anos — é uma recordação onipresente na memória carioca!

Cristo Redentor, visto da Gávea, 2011.

Cristo Redentor, visto da Enseada de Botafogo, com a praia de Botafogo na linha do horizonte, 2007.

Cristo Redentor, vist0 da praia do Leme, 2006.

Cristo Redentor visto do Jardim de Alá, foto de 2006.

Cristo Redentor, visto da Praia Vermelha, 2007.

 

Parabéns Rio de Janeiro por abrigar uma das 7 maravilhas do mundo moderno!




Soneto de aniversário, Vinícius de Moraes

3 06 2011

 

Aniversário, 1915

Marc Chagall  ( Belarússia/França, 1887-1985)

Óleo sobre papelão, 81 x 100cm

MOMA: Museu de Arte Moderna de Nova York

Soneto de aniversário

………………….Vinícius de Moraes


Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece…
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece.

(Rio, 1942)





Uma exposição para se ver! A Cara do Rio, no CC Correios!

9 03 2011

Exposição A CARA DO RIO, coletiva, no Centro Cultural dos Correios.

—–

—–

Assim como temos Carnaval e outras festividades que marcam o calendário de eventos cariocas, tanto o morador como o visitante a esta cidade têm a oportunidade de se encontrar anualmente com uma grande variedade de artistas plásticos  dedicados ao Rio de Janeiro,  na exposição coletiva que já virou tradição carioca:  A Cara do Rio.  Todos os anos, no mês de aniversário da cidade somos presenteados por  Marcelo Frazão,  responsável pela curadoria, com a  exposição que celebra a cidade e que nesta edição alude ao tema:  Da minha Janela.

Maria, da série “Entre Água“, s/d

Pedro Farina  (Rio de Janeiro, 1987)

Jato de tinta sobre papel de algodão, 100 x 150 cm

www.pedrofarina.com

É difícil, ao nos depararmos com 100 diferentes visões do Rio de Janeiro, destacarmos uma única obra que tenha sobressaído aos olhos, que tenha falado ao coração do visitante.  O que dá para perceber, no entanto, é que as artes visuais vão muito bem obrigado.  Este grupo selecionado por Frazão se mostra criativo, impetuoso, testando os limites.  E o resultado é a fascinante combinação de soluções para o que “vejo da minha janela”.

—-

Copacabana III, s/d

Sonia Maria [de Faria Pereira] (Rio de Janeiro, contemporânea)

acrílica sobre tela  100 x 148 cm

www.soniamariaartes.com.br

—-

Como bem explica o curador na apresentação da mostra, a janela pode ser interpretada também como uma janela interior, uma janela para dentro.  “Não é apenas para olhar e interagir que vamos à janela.  Sua importância é bem maior, seja no plano físico, virtual ou no plano metafórico”.   Desse modo vemos verdadeiramente muitos diferentes Rios de Janeiro.

—-

—–

Minha terra tem palmeiras onde cantam sabiás, 2011

Lúcia de Lima (Rio de Janeiro, 1947)

acrílica sobre tela,   40 x 128 cm

www.luciadelima.com

—-

Há trabalhos para todos os gostos: fotografias, esculturas, pinturas e objetos.  A exposição consegue juntar visões bastante diversas cujo traço de união é sem dúvida o espírito carioca, mas que refletem também  a grande criatividade dos representados.

—-

Entardecer na enseada, s/d

Vera Strunck (Recife, 1927)

acrílica sobre tela, 90 x 70 cm

Vale a pena ir ao centro da cidade e ver esta exposição, não perca. A exposição fica  no Centro Cultural dos Correios até o dia 3 de abril de 2011.  Organize-se.  Não perca!

SERVIÇO:

Centro Cultural Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro
Corredor Cultural
20010-976 – Rio de Janeiro – RJ
Telefone: 0XX 21 2253-1580
Fax: 0XX 21 2253-1545
E-mail: centroculturalrj@correios.com.br

Funcionamento:

O Centro Cultural Correios recebe visitantes de terça-feira a domingo, das 12 às 19h
Entrada franca.





Feliz Aniversário, Rio de Janeiro — 446 anos!

1 03 2011
Lagoa Rodrigo de Freitas, ao fundo os Dois Irmãos e a Pedra da Gávea, Rio de Janeiro. 




Impressões sobre a festa, na Bahia, no aniversário do Imperador D. Pedro II, 1855

4 01 2011

Mural no Teatro João Caetano, 1931

[restaurado e modificado pelo próprio autor em 1964]

Emiliano Di Cavalcanti ( Brasil, 1897-1976)

óleo, 4,5m x 5,5m

Praça Tiradentes,  Rio de Janeiro

—-

Hoje, perambulando pelos meus livros voltei a ler algumas passagens de viajantes pelo Brasil ( uma das minhas leituras prediletas, assim como biografias) e me deparei com essa interessante descrição da festa de aniversário do Imperador D. Pedro II, celebrada na Bahia.  O texto é do Dr. Daniel P.  Kidder, que estava na Bahia na ocasião.  Ele e seu amigo James C. Fletcher escreveram O Brasil e os Brasileiros: esboço histórico e descritivo, que foi pubicado no Brasil em São Paulo, em 1941, pela Cia Editora Nacional com tradução de Elias Dolianiti.  A minha fonte, no entanto, é o livro  Coqueiros e Chapadões: Sergipe e Bahia, uma coletânea de textos  feita por Ernani Silva Bruno, com organização de Diaulas Riedel, publicado em 1959 peloa Editora Cultrix de São Paulo, capítulo de narrativa do Reverendo  norte-americano James C. Fletcher, que esteve percorrendo o Brasil como missionário,  entre os anos de 1851 e 1865.  O título dado a este texto é Ladeiras e Igrejas ( Na Bahia de Todos os Santos, 1855).  Espero que vocês gostem tanto quanto eu gostei.  A meu ver já se esboçavam muito bem algumas características bem brasileiras.  Numa época em que as mulheres ainda se vestiam com pesadas mantilhas, a festa de aniversário do imperador parece uma ocasião sem igual para abrir uma brecha nas pesadas regras sociais da época.  Note-se a mistura de raças e de classes sociais assim como a música como traço de união entre os brasileiros. 

—-

—-

“A calma das noites de verão produz sempre um encantamento sobre os nossos sentidos, mas havia uma expressão especial naquele espetáculo.  Não somente o observar se podia deleitar com as variadas e engenhosas exibições de luz artificial em torno dele, como também, erguendo seus olhos para o empírio, podia aí contemplar a obra do Todo Poderoso, tão gloriosamente desdobrado nas brilhantes constelações do céu austral.

A riqueza, o luxo e a beleza das baianas nunca se ostentaram com tanta felicidade como no seio da multidão que formada de milhares de pessoas assistia e tomava parte no espetáculo.  Que melhor ocasião se ofereceria do que aquela para um espírito disposto a filosofar sobre as coisas humanas!  Da velhice até a alegre juventude, nenhuma idade ou situação da vida deixava de estar ali representada.

O militar e o civil, o titular, o milionário e o escravo, todos se misturavam em um prazer comum.  Nunca tão numerosa freqüência de elementos femininos havia sido observada, emprestando sua graça a uma festividade pública.  Mães, filhas, esposas, irmãs, que raramente tinham permissão para deixar o ambiente doméstico, exceto para comparecer à missa da manhã, penduravam-se aos braços de seus cavalheiros e olhavam com indisfarçável espanto para os encantos que mais pareciam mágica, de tudo o que viam diante de seus olhos e em volta de si.  As cabeleiras negras e ondeantes, os olhos mais negros ainda e faiscantes, de uma beldade brasileira, juntamente com sua face às vezes também levemente sombreada, mostravam-se com grande encanto, tanto maior porque não as escondiam as abas do chapéu da moda.  As dobras graciosas de suas mantilhas, ou do rico e finíssimo véu que algumas vezes as substitui, usado de maneira indescritível, por cima do largo, alto e artístico chapéu que lhe adorna a cabeça, dificilmente pode ser imitado por uma moda estrangeira.  Todavia, o forte de uma dama brasileira está no seu violão, e nas doces modinhas que ela canta acompanhando-lhe as notas.”

——–








%d blogueiros gostam disto: