Trova do Ano Novo

2 01 2018

 

 

527MiscBonneAnnee

 

 

“Ano Novo, vida nova”

– reza o dito popular.

Tal fato só se comprova

se você mesmo mudar.

 

 

(Sonia Regina Rocha Rodrigues )





Hora de celebrar! Feliz ANO NOVO!

31 12 2016

 

 

4Natureza morta com copos num cesto, 1644

Sébastien Stoskopff (França, 1597 – 1657)

óleo sobre tela, 52 x 63 cm

Strasburg, Musée de l’Oeuvre de Notre-Dame

 

 

Boas festas e Feliz 2017!

Salvar

Salvar





Aurora de um novo ano: 2016!

1 01 2016

 

evelyn de morgan,Aurora triunfante, 1873

Evelyn de Morgan (GB, 1855-1919)

óleo sobre tela, 114 x 170 cm

Russell-Cotes Art Gallery & Museum, Dorset, Inglaterra

 

 

Feliz Ano Novo!
Que 2016 traga bons ventos e boas novas para todos nós.




Está na folhinha! Um ano novo se inicia: 1º de janeiro!

1 01 2015

1 de janeiro, 3 quatro meninas

 

1 de janeiro, 4 com coelhinhos

 

1 de janeiro, 5 com gatinho

 

1 de janeiro, 6 com abundancia

 

1 de janeiro, 7 menina com azevinho

 

1 de janeiro, 9 com rosas

 

1 de janeiro, 10, com porquinhos e cogumelo

 

35c3d768c506e4ba731ce50edd1ee319

 

1 de janeiro, bebe

 

12006823_l Frances brundage

 

b47e2d20687de4bf0c1decdbc101a345

vintage-new-years-postcard-print-289x450

1 de janeiro, menina com laço de fita

 

1 de janeiro, 8 com tambor e boneca

ANO NOVO, menina na porta.

1 de janeiro, menino com gatinho





O cogumelo da sorte e seus companheiros no Ano Novo

30 12 2014

 

7e88103c42f9bd274b2a5fa92700b5de

Aqui no Brasil nós nos preocupamos em subir um degrau à meia noite, pular ondas no mar, fazer um desejo jogando sobre o ombro o caroço da primeira cereja do ano.  Sementes de uvas, de romãs e muitas outras frutas são guardadas para trazer dinheiro e sorte.

Na Europa do Norte, Alemanha, Áustria, Escandinávia, França, Inglaterra, Irlanda outros símbolos de  boa sorte foram e são usados até hoje, nos cartões de boas festas, nos desejos de prosperidade.  Eles incluem porcos, símbolo da abundância, trevos de quatro folhas, ferradura, joaninhas e cogumelos vermelhos de bolinhas brancas [amanita muscaria] em geral, mas nem sempre acompanhados de elfos.

Em seguida, alguns postais antigos para vocês conhecerem essas novas maneiras de desejar boa sorte, ainda hoje usadas nesses países.

2d04c7b30635054fab3d148fb97ac3ca

6b0854feea8620ad10918eea0577d18f

6cc7d07398fbef42196b00a4620d59ee

6c83de1110938ae11433872b81e49301

52eb59c3b95a388d90f95f9baec0d279

3127615997_17428bb6a1_z

741b14c3e989c911a21351e79400ae58

2896689c842444417b1357b4381fbc9e

aecac12a22344ac191a5752e4b9e8259

cd481fe8b2a8754b7ee9e5dfea743af0

d7c3db7836c48ef200a8f03500c5c7b0ee5bc087d118cccb5ff714e816c69189

f3cab4a5e49160a62f2d0ede53c8e57c

xmascard11

Com ou sem cogumelos da sorte, aqui fica, antecipadamente o desejo de um bom 2015 para todos!





Listas, metas e o Ano Novo

5 01 2014

Carrie Graber, Cool Chardonnay on a Sunny Patio by Carrie GraberChardonay refrescado no pátio ensolarado II

Carrie Graber (EUA, contemporânea)

óleo sobre tela, 35 x 45cm

www.paragonfineart.com


Sou dada a metas.  Elas delineiam a minha vida, mas não sou escrava delas.  Elas simplesmente me ajudam a fazer muitas coisas diferentes, ao mesmo tempo.  Devo a elas a organização à minha volta. É natural, portanto, que a cada ano eu anote detalhes necessários para que algumas metas sejam alcançadas nos 12 meses seguintes. Faço uma lista longa e variada- a deste ano conta com 83 itens — com muitas coisas fáceis de serem cumpridas para me dar incentivo ao longo do ano, quando risco os itens já preenchidos ou descartados. Um exemplo: trocar a lata de lixo.  Quero uma menor.  A que tenho está em perfeitas condições, mas não preciso de tanto espaço…  Há meses que penso em fazer isso, mas como não é essencial, acaba sendo uma compra postergada. Minha lista inclui desde conserto da porta do armário que está emperrando, até objetivos mais abstratos, como averiguar as melhores datas para uma futura (daqui a mais de um ano) aventura de subir as montanhas Atlas no Marrocos no dorso de um burrico.  Aos poucos, no curso do ano, vou me sentindo bem, porque objetivos que pareciam grandes ou numerosos, subdivididos em pequenas frações encontraram uma solução e tocam a vida para frente.  Sou como uma formiga: todo dia uma pequena decisão é tomada e ao final de certo tempo… Bem, ao final de certo tempo tenho uma montanha de resultados. Alguns positivos, outros nem tanto.  Sou o oposto de meu marido, que prefere atacar muitas coisas de uma só vez, e assim se preocupa menos ao longo do ano, naquele ramerrão enfadonho.  Ele juntaria alguns problemas na cozinha e um dia sairia para resolvê-los todos,de uma vez, quando também compraria a nova lata de lixo. Eu ficaria desnorteada com essa atitude. A ansiedade seria minha companheira noturna e me acordaria às 3 da manhã de qualquer noite, preocupada com os 7 a 15 itens necessários na cozinha e como dar conta deles.  Cada qual com sua maneira.  Talvez aí resida o equilíbrio do casamento, o que me afeta não chega a fazer cosquinhas no meu cara metade…

Lilla Cabot Perry , No estúdio,(EUA, 1848-1933), ost, 65 x 81cmNo estúdio, s/d

Lilla Cabot Perry (EUA, 1848-1933)

óleo sobre tela, 65 x 81cm

Tenho duas agendas. Uma de papel — que é a minha vida. Não posso perdê-la.  Ali marco TUDO. E tenho a agenda eletrônica para uso imediato. Datas que não podem ser esquecidas, por exemplo pagamento de condomínio. Quero todos os apitos a que tenho direito nesses quesitos de lembranças das obrigações… Porque não quero perder massa cinza com essas tarefas repetitivas. É na agenda de papel que a lista, às vezes muito maior em comprimento do que a própria agenda é colada, a essa tripa de papel, dobrada e redobrada junto à capa. Assim não a esqueço e vez por outra sou obrigada a ler o que escrevi próximo à virada do ano. É como me lembro dos meus objetivos gerais.

Minhas listas precisam ser mais detalhadas do que: ler mais; ver meus amigos com mais frequência, fazer exercício… Para mim, fazer uma lista assim é o mesmo que não fazer.  Digamos que eu queira ver meus amigos com mais frequência.  Esse é um tema muito geral, para ser colocado no papel.  Começo pensando nos amigos que gostaria de ver.  Mentalmente abro espaço no meu ano para eles.  Lembro que a Mariazinha dá aulas à noite e só pode se encontrar comigo aos sábados de manhã; que não vejo a Chiquinha faz tempos. E assim por diante. Seleciono algumas. Na lista geral um item será: telefonar para Chiquinha, Mariazinha, Joaninha, Juninha, Norminha e Belita. Eventualmente, acabo telefonando para cada uma e marcando um encontro. Mas não faço isso tudo junto.  Cada vez que leio a minha lista de objetivos sou lembrada das amigas, eventualmente será o momento propício para um telefonema. E, como mágica, no fim do ano, em geral terei feito contato com todas as pessoas da lista.

Quando recentemente falei disso para uma amiga, ela achou estranho, que eu estava “agendando contatos que deveriam ser  mais naturais”. Mas isso não tira a naturalidade do meu relacionamento com os meus amigos.  Tenho um amigo com quem me encontro todas as quintas-feiras. O fato de marcarmos o encontro e já anteciparmos o próximo não retira o prazer de estarmos juntos. Não é nem uma questão de todos sermos atarefados. Assim como meu marido tem outras prioridades, também os meus amigos as têm e é natural que os eventos diários nos levem a “esquecer” de telefonar, de marcar uma data para ver fulano. Não ter sido espontâneo não quer dizer que não vale, que é de uma “frieza de emoções incompatíveis com uma amizade”, como ouvi dessa amiga. São maneiras diferentes de encarar as suas necessidades. Delineando-as, com maior precisão encontro um jeito de honrá-las.  Mas cada qual tem sua maneira de levar a sério suas emoções.

E você?  Você faz listas de Ano Novo?





O que você faz para ser feliz?

1 01 2014
Blessing_fu
Símbolo chinês da felicidade

Feliz Ano Novo!

 A felicidade… Sua busca está na moda.

Estudos em neurologia, sociológicos e de direito examinam, no mundo inteiro, neste preciso momento, o que é a felicidade.  E mais, se é um direito do indivíduo. Termos chegado a esse debate representa um passo enorme na história da humanidade: um  módico dos direitos humanos foi alcançado por uma parte significativa da população mundial ou não estaríamos a discutir com tanto ardor um sentimento tão completamente subjetivo.

A música de Clarice Falcão “O que você faz para ser feliz?” usada recentemente como jingle para o anúncio de um supermercado na televisão, revela um importante conhecimento, mesmo com seu jeitinho de cultura pop: a felicidade, como a beleza, está nos olhos de quem vê, ou nesse caso, de quem sente. Ela depende exclusivamente de você. Daquilo que você escolhe, do que você constrói.  Ela requer autoconhecimento e auto-aceitação. Ela está presente, aí dentro de você. É preciso só despertá-la…

Que 2014 lhe traga o autoconhecimento necessário à sua felicidade.








%d blogueiros gostam disto: