Domingo, um passeio no campo!

30 04 2017

 

 

edgar walter Ovelhas pastando - óleo sobre telaOvelhas pastando

Edgar Walter (Brasil, 1917-1994)

óleo sobre tela, 80 x 100 cm





Flores para um sábado perfeito!

29 04 2017

 

 

Evilásio Lopes (1917 - 2013 Rio de Janeiro) sem assinatura, OST natureza morta vaso de flores 65 cm por 50 cmVaso de flores

Evilásio Lopes (Brasil, 1917 – 2013)

óleo sobre tela, 65 x 50 cm





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

28 04 2017

 

 

Marie Nivoulies de Pierrefort (1879-1968) Praia de Paquetá, c1940, ost, 97x87Praia de Paquetá, 1940

Marie Nivouliès de Pierreford (França/Brasil, 1879-1968)

óleo sobre tela, 97 x 87 cm





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

26 04 2017

 

 

Mario Zanini - frutas e garrafa, óleo sobre tela, medindo 45cm x 30cmFrutas e garrafa

Mário Zanini (Brasil, 1907- 1971)

óleo sobre tela, 45 x 30 cm





Os colonos, poesia de Paulo Setúbal

25 04 2017

 

 

GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1885 - 1962) - Colheita, o.s.e., 29,5 X 38,5 cm,Colheita

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 – 1962)

óleo sobre tela, 29 x 38 cm

 

 

Os Colonos

 

Paulo Setúbal

 

Lá vem o dia apontando…

Que afã! Já todos de pé!

Ruidosos, tagarelando,

 

Vão os colonos em bando

Para os talhões de café.

 

À luz do sol que amanhece,

Por montes, por barrocais,

Por toda parte esplandece,

Com sua esplêndida messe,

O verde dos cafezais.

 

Começa o rude trabalho.

Que faina honrada e feliz!

Inda molhados de orvalho,

Flamejam, em cada galho,

Os bagos como rubis.

 

Trabalham.  que ardor de mouro!

Todos derriçam café.

Parece um rubro tesouro,

Que cai numa chuva de ouro,

Dos ramos de cada pé.

 

Ao meio-dia, aos ardores

Do alto sol canicular,

Os rudes trabalhadores,

Ao longo dos carreadores,

Põem-se todos a cantar.

 

Pela dormência dos ares,

Sob estes céus cor de anil,

Cantam canções populares,

Que lá, dos seus velhos lares,

Trouxeram para o Brasil.

 

Aqui, um forte italiano,

Queimado ao sol do equador,

Solta aos ventos, belo e ufano,

Num timbre napolitano,

A sua voz de tenor!

 

Há uma terna singeleza

Nas trovas que um outro diz;

Um rapagão de Veneza

Tem, no seu canto, a tristeza

Das águas do seu país.

 

E uma sanguínea espanhola,

De grandes olhos fatais,

Em baixa voz cantarola

Uns quebros de barcarola,

Magoados, sentimentais…

 

Que cantem! … Essa cantiga

Brotada do coração,

Seja a prece que bendiga

A terra que hoje os abriga,

A pátria que lhes dá pão.

 

Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1967, Coleção Henriqueta, pp. 56-57.

 

 

Salvar

Salvar





Nossas cidades: Cuiabá

24 04 2017

 

 

YAREMA OSTOG (Austria, 1910- Brasil+ 1996) - Paisagem de Cuiabá,, O.S.T, 1950,38x46 cPaisagem de Cuiabá, 1950

Yarema D’Ostrog Gembatiuk (Áustria/Brasil, 1910-1996)

óleo sobre tela, 38 x 56 cm





23 de abril: São Jorge

23 04 2017

 

 

Augusto Herkenhoff, São Jorge, ost. 80 x 60 cmSão Jorge, 2009

Augusto Herkenhoff (Brasil, 1965)

óleo sobre tela, 80 x 60 cm

 

 

 

Salvar








%d blogueiros gostam disto: