Rio de Janeiro, um parque à beira-mar

3 07 2020

 

 

FERNANDO CORREA E CASTRO (1933). Campo de Santana em Dia de Sol, ao Fundo Torre do Corpo de Bombeiros, óleo stela, 40 x 50.Campo de Santana em dia de sol, ao fundo torre do Corpo de Bombeiros

Fernando Corrêa e Castro (Brasil, 1933)

óleo sobre tela, 40 x 50 cm

 





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

1 07 2020

 

 

GUTTMAN BICHO, GALDINO (1888-1955). Tacho, Espigas de Milho e Cocos sobre a Mesa, óleo smadeira, 38 X 50. Assinado no c.i.e e datado (1944) no versoTacho, Espigas de Milho e Cocos sobre a Mesa, 1944

Galdino Guttman Bicho (Brasil, 1888-1955)

óleo sobre madeira, 38 X 50 cm





Nossas cidades: Curitiba

30 06 2020

 

 

Guido Viaro – Água Verde, Curitiba, 1947Água Verde, Curitiba, 1947

Guido Viaro (Itália-Brasil, 1897 – 1971)

óleo sobre tela





Flores para um sábado perfeito!

27 06 2020

 

 

BIANCO, Enrico, Flores,o s chapa de madeira industrializada, 1966, 73 x 49 cmFlores, 1966

Enrico Bianco (Itália/Brasil, 1918 – 2013)

óleo sobre chapa de madeira, 73 x 49 cm





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

24 06 2020

 

 

MARYSIA PORTINARI. Pera e uva - o.s.t. - 18 x 24 cm - assinado no cie.Pera e uva

Marysia Portinari (Brasil, 1937)

óleo sobre tela, 18 x 24 cm





Flores para um sábado perfeito!

20 06 2020

 

 

antonio-helio-cabral-vaso-de-flor-oleo-sobre-tela-100 x 80 cmVaso de flores

Antonio Hélio Cabral (Brasil,1948)

óleo sobre tela, 100 x 80 cm





Rio de Janeiro, um parque à beira-mar

19 06 2020

 

 

 

YOSHIYA TAKAOKA, Quadrado da Urca - Rio de Janeiro ,Aquarela sobre papel. Ass. dat. 1938 inf. esq. 25 x 30 cm.Quadrado da Urca, Rio de Janeiro, 1938

Yoshiya Takaoka (Japão/Brasil, 1909-1978)

aquarela sobre papel, 25 x 30 cm





As velhas árvores, Olavo Bilac

16 06 2020

 

 

Edgar Walter - Quadro á óleo sobre tela representando Parque com figuras.54 x 72 cmParque com figuras

Edgar Walter (Brasil, 1917-1994)

óleo sobre tela, 54 x 72 cm

 

As velhas árvores

 

Olavo Bilac

 

Olhas estas velhas árvores,  — mais belas,

Do que as árvores moças, mais amigas,

Tanto mais belas quanto mais antigas,

Vencedoras da idade e das procelas…

 

O homem, a fera e o inseto à sombra delas

Vivem livres de fomes e fadigas;

E em seus galhos abrigam-se as cantigas

E alegria das aves tagarelas…

 

É preciso, desde a infância,

Ir preparando o futuro;

Para chegar à abundância,

É preciso semear…

 

Não nasce a planta perfeita,

Não nasce o fruto maduro;

E, para ter a colheita,

É preciso semear…

 

Em: Poesias infantis, Olavo Bilac, Rio de Janeiro, Francisco Alves: 1949, pp 115-116





Nossas cidades: Guarapari

16 06 2020

 

 

JOSÉ MARIA DE ALMEIDA (Portugal 1906 - MG 1995)Guarapari, o.s.t - datado no verso 1963.,45x32cmGuarapari, 1963

José  Maria de Almeida (Portugal-Brasil 1906 -1995)

óleo sobre tela, 45 x 32cm

 

 





A dacha de Boris Pasternak

15 06 2020

 

 

RESCALA, JOÃO JOSE (1910-1990). Paisagem com Casario e Riacho no Estado do Rio, óleo s cartão, 26 X 32. Assinado no c.i.d. (Década de 30).Paisagem com casario e riacho no Estado do Rio, década de 1930

João José Rescala ( Brasil, 1910-1990)

óleo sobre cartão, 26 X 32 cm

 

Sempre quis saber exatamente o que era uma dacha.  Ouvia falar que russos de alguma importância saíam nos verões para suas dachas.  Havia mágica a respeito desta palavra.  Um encantamento. Qual não foi minha surpresa, no ano passado, descobrir que dachas talvez não fossem mais especiais do que uma casa de campo, num local próximo à natureza, como muitos têm nas cidades montanhosas ou praieiras aqui no país.  Mais ainda,  o governo russo tenta acabar com essas casas de veraneio, e restabelecer algumas como propriedade agrícola. Calcula que haja no país mais de sessenta milhões de dachas.   Então não eram locais tão especiais, penso.

Recentemente li Os segredos que guardamos de Lara Prescott, traduzido por Alessandra Esteche, para um grupo de leitura.  A narrativa é dividida em dois locais, em Washington DC, e na Rússia, envolvendo o escritor Boris Pasternak, recipiente do prêmio Nobel de literatura de 1958. Grande parte da vida do autor de Dr. Jivago recontada no livro se passa na dacha do escritor.  Finalmente pude satisfazer minha curiosidade.  E a conclusão é simples: dachas são apenas casas de veraneio, algumas mais ricas na decoração do que outras.  Aqui estão as fotos da dacha de Boris Pasternak para dar uma ideia do que parecia algo mágico nos tempos da Russia comunista, já que só os “queridinhos do governo” tinham acesso e possuíam estes refúgios. Hoje é um museu.

 

195324Dacha do escritor Boris Pasternak.

 

227bffc5fe0e4ff2088abb82cb3dd547Dacha do escritor Boris Pasternak.

 

5ab4e1bb85600a2a38066fd7

 

ac-21117427

 

photo3jpg

 

Интерьер-5

 

Цветы

 

Интерьер6

 

Столовая-в-доме-музее-Пастернака

 








%d blogueiros gostam disto: