Ferreira Gullar: arte contemporânea

4 12 2016

 

 

the_scream_pastelO grito da natureza, 1895

Evard Munch (Noruega, 1863-1944)

pastel sobre papelão, 79 x 59 cm

Coleção Particular de Leon Black

 

 

“O principal problema da arte contemporânea é que se confundiu expressão com arte. Perdeu-se a noção de que uma coisa pode ser expressiva sem ser arte. Por exemplo: se eu dou um grito, isso é expressão, mas não é arte. Para que esse grito se torne arte, é preciso que eu o transforme num poema, ou que um pintor como [Edvard] Munch faça um quadro como O Grito, em que aquilo vira uma obra plástica. Se eu me sentar no chão em cima de terra, mesmo que seja no museu, não é obra de arte. Pode ser uma atitude, uma performance adotada como protesto, como manifestação, mas não é obra de arte.”

 

Ferreira Gullar

 

 

ferreiragullar5Ferreira Gullar (Brasil, 10-09 1930 — 4-12-2016)

 

 

Faleceu hoje um dos nossos maiores poetas. 
Perdemos todos.




Do prazer da língua, Muriel Barbery

23 11 2016

 

 

alice-small-pardon-bunch-casamento-eua-1904-1992margueriteMarguerite

Alice Small Pardon (EUA, 1904-1992)

[Alice Bunch, depois do casamento]

óleo sobre tela

 

 

 

“… acho que a gramática é uma via de acesso à beleza. Quando a gente fala, lê ou escreve, sente se fez ou leu uma frase bonita. Somos capazes de reconhecer uma bela construção ou um belo estilo. Mas, quando sabemos gramática, temos acesso a outra dimensão da beleza da língua. Saber gramática é descascá-la, olhar como ela é feita, vê-la toda nua, de certa forma. E aí é que é maravilhoso. Porque pensamos:’Como isto é bem-feito, como é bem elaborado!’, ‘Como é sólido, engenhoso, rico, sutil!’.

 

Em: A elegância do ouriço, Muriel Barbery, São Paulo, Cia das Letras:2008, página, 168. [tradução de Rosa Freire d’Aguiar].

Salvar





Palavras para lembrar — George R. R. Martin

21 11 2016

 

 

christopher-cart-eua-contemporaneolivro-de-arte-aquarela-e-pincel-secoLivro de Arte

Christopher Cart (EUA, contemporâneo)

aquarela e pincel seco

 

 

 

“Um leitor vive mil vidas antes de morrer. O homem que não lê vive só uma.”

 

George R. R. Martin





Flores para um sábado perfeito!

19 11 2016

 

 

claudio-barake-copos-de-leite-e-macasCopos de leite e maçãs

Cláudio Barake (Brasil, 1966)

acrílica sobre tela, 59 x 59 cm





Rio de Janeiro, cidade olímpica!

14 10 2016

 

 

virgilio-dias-largo-santa-ritaLargo de Santa Rita

Virgílio Dias (Brasil, 1956)

óleo sobre tela, 70 x 100 cm

www.virgiliodias.com.br

 





Da memória, Arnon Grunberg

4 10 2016

 

 

fulvio-de-marinis-italia-1971-jpg-com-vinhoCom vinho

Fulvio de Marinis (Itália, 1971)

óleo sobre tela

 

 

“Você é escravo de suas lembranças. Simples assim… Algumas pessoas se lembram de coisas que nunca aconteceram. Até isso ocorre. São escravas da ficção. Mensageiras de seu próprio mito.”

 

 

Em: Tirza, Arnon Grunberg , Rio de Janeiro, Estação Londres: 2015, p. 174

Salvar

Salvar





Resenha: “Que ninguém nos ouça” de Leila Ferreira e Cris Guerra

1 10 2016

 

 

david-hettinger-in_her_room-ostEm seu quarto

David Hettinger (EUA, 1946)

óleo sobre tela

www.dhettingerstudio.com

 

 

Gosto de sair da minha zona de conforto na leitura. Mesmo assim repito tendências.  Além de ficção literária leio biografias, história, ficção histórica, ensaios, crônicas e contos, crônicas de viagem. Cheguei a Que ninguém nos ouça através da recomendação de um amigo, já que ando à procura de boas obras brasileiras que não exijam um PhD em niilismo para serem apreciadas. Seleciono livros para o projeto Eu também leio, de incentivo à leitura. Por isso, alargo meus horizontes, sobretudo no âmbito nacional.

Desde que passamos a nos comunicar eletronicamente filmes e livros têm refletido essa atividade.  No cinema, Mensagem para você (1998) foi um grande sucesso entre comédias românticas do final do século. Há muitos livros que usaram o mesmo conceito de trocas de emails, como parte da trama. Todos seguem a antiga tradição de romances epistolares entre os quais está As relações perigosas do francês Chordelos de Laclos, tão ao gosto das intrigas de alcova do século XVIII. Essa obra teve um renascimento depois que foi adaptada para o teatro e mais tarde alvo de uma série televisiva. Usando a mesma técnica epistolar, adaptada ao email,  li num passado próximo,  A pesca do salmão no Iêmen, de  Paul Torday, que também se tornou obra cinematográfica e a deliciosa obra de Fal Azevedo, Minúsculos assassinatos e alguns copos de leite, merecedora de mais atenção do que recebeu desde que foi publicada em 2007.

 

 

que_ninguem_nos_oua_1457784582571241sk1457784582b

 

Careço entender o sucesso de Que ninguém nos ouça. Situada tanto na tradição epistolar quanto na corrente brasileira de crônicas do cotidiano, essa publicação não chega a satisfazer qualquer dessas categorias. Falta-lhe fundura.  Trata-se de uma coletânea de emails entre duas mulheres desprovida de argúcia ou estilo. Precisava de um bom editor, que se dedicasse à eliminação de repetições, que sugerisse cortes para maior realce a textos de interesse geral.  Leitores citam leveza e simplicidade como qualidades do livro.  Uma obra despretensiosa não precisa ser rasa para ter charme. Magnetismo vem justamente da frase bem aplicada e significativa, sem dar espaço ao lugar comum.  Infelizmente a chamada sabedoria, filosofia de vida, mencionada pelos leitores deste livro não passa de frases para cartões de aniversário, de amizade, de apoio ao amigo em apuros, frases usadas em cartões vendidos em papelarias de bairro. Elas também servem para postagem nas páginas do Facebook, como truísmos ou verdades incontestáveis. A obra é repleta dessas banalidades. As trivialidades são intermitentes.  E as situações cotidianas descritas pelas autoras pintam clichês que não atiçariam a curiosidade do mais dedicado voyeur.

 

 

foto-cris-e-leilaLeila Ferreira e Cris Guerra

 

Entendo que essa publicação não tem objetivo de obra literária, ainda que suas autoras sejam ambas escritoras. Temos maravilhosos mestres da crônica que abordaram assuntos triviais e conseguiram tornar esses pequenos ensaios verdadeiras obras de arte.  Seria bom se ambas as autoras tivessem se inspirado nesses mestres do cotidiano e desenvolvido uma obra de maior peso.

Não recomendo.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar








%d blogueiros gostam disto: