Sobre escrever, Ernest Hemingway

29 11 2017

 

 

Mikhail AnikeevLeitura, 1958

Mikhail Anikeev (Rússia, 1925)

óleo sobre tela

 

 

“Escreve, se puderes, coisas que sejam tão improváveis como um sonho, tão absurdas como a lua-de-mel de um gafanhoto e tão verdadeiras como o simples coração de uma criança.”

 

Ernest Hemingway





Karin Altenberg e a paisagem em seus romances

14 04 2015

 

 

Cecilia Rosslee (AfricadoSul) eminutosdepaz,ost,ColPartUns minutos de paz

Cecília Rosslee (África do Sul, contemporânea)

óleo sobre tela

www.ceciliarosslee.com

 

 

Achei interessante a descrição do valor da paisagem para Karilan Altenberg, escritora britânica, nascida na Suécia, que explicou no  artigo, Karin Altenberg: ‘landscape in my novels is not just backdrop – it is both stage and actor’ no jornal The Irish Times, a importância da localização em suas histórias. Para ela, a paisagem é muito mais que o simples ambiente em que a trama se desenvolve, ela é parte intrínseca da história.

“A localização do romance para mim é tão importante quanto a trama.  O lugar é um conceito existencial, intimamente ligado ao nosso estar no mundo.  Experimentamos nossa identidade, de maneira significativa, através do lugar e da comunidade a qual sentimos que pertencemos: uma espécie de lar arquétipo do qual  podemos sempre escapar e para o qual podemos regressar. E todos nós somos, até certo ponto, socializados através de paisagens, nomeando os lugares que nos são conhecidos familiares – é assim que existimos, através de uma cartografia da linguagem e de lugar. E isto é, em grande parte,  o que a arte tenta fazer: a classificação e o mapeamento de um lugar de existência.”

Para ela é necessário se infiltrar no ambiente em que sabe que colocará sua história, e só depois de ter assimilado e armazenado as informações do local, ela consegue ver seus personagens interagindo e tomando vida nas histórias que cria.

“Acho que o local que um escritor escolhe para sua narrativa está relacionado à sua sensibilidade. Sou sintonizada – e já observava de perto – o espaço ao ar livre, desde que era criança. Outros escritores podem ser mais conscientes da arquitetura, de interiores ou de paisagens urbanas. Também gosto de olhar para trás e sentir que a paisagem do passado é ao mesmo tempo terrivelmente real e totalmente de outro mundo – uma ficção maravilhosa.”

 

(tradução minha)





Escritor, profissão plurifuncional!

7 04 2015

Blaise Vlaho bukovac-2Jovens inglesas

Blaise Vlaho Bukova (Croácia, 1855-1922)

Recentemente a revista The Economist publicou um artigo sobre a necessidade dos escritores atuais voltarem a atenção para o lado comercial da profissão. Não necessariamente para a escrita comercial, mas para a contabilidade, para os números. Isso se faz necessário porque as editoras estão competindo por leitores e querem ver seus livros resenhados, blogados, comentados nas mídias sociais. Com um menor número de livrarias independentes não há mais atenção dada ao público mais exigente, aquele que se encantaria com uma obra de um tema menos popular. No momento, as editoras só se preocupam em favorecer alguns poucos títulos, para os quais sabem que terão leitores, cujo investimento para o marketing trará retorno garantido. Desse modo não gastam tempo nem dinheiro impulsionando escritores ainda desconhecidos ou livros com temas menos populares. A atenção das editoras se concentra nos títulos que têm maiores chances de venda. Desejam aqueles livros que criam seguidores, marcando lugar nos jornais, criando filas nas livrarias, às três da manhã para a primeira compra de um novo título. Os escritores que se cuidem. A indústria editorial anda muito bem obrigada. Em 2013, as publicações quintuplicaram, isso mesmo, cresceram cinco vezes quando comparadas com os números de dez anos atrás.

Hoje escritores precisam estar atentos aos diversos níveis de marketing começando pelos contatos com pessoas que podem influenciar nas vendas. Já se foi a era dos críticos literários, dos jornais especializados. Tudo hoje é marketing. Tornou-se importante o endosso de celebridades, de pessoas famosas. E se as vendas são muito boas, os próprios escritores se tornam celebridades. Nesse caso o problema é que eles podem ser pessoas introvertidas, dadas à reflexão e quase nunca à arte de vender. Muitos autores se sentem incomodados com técnicas de venda sugeridas por especialistas em marketing ou com a aproximação invasiva de um público curioso pelo que escritores consideram desimportante. Mas, como lembra a revista, nenhum escritor pode, como em priscas eras, se esquivar de fazer a sua parte na promoção do livro que lhe custou tanto tempo de dedicação.

guillaume le baubeHélène lendo

Guillaume le Baub (França, 1958)

técnica mista

lebaube.com

 

Isso não resolve, no entanto, um dos grandes problemas dos autores:  pouquíssimos conseguem viver exclusivamente da venda de seus livros. Mesmo aqueles que têm mais de um título vendendo bem não conseguem viver exclusivamente da escrita. Eles então suplementam sua subsistência dando palestras, fazendo consultoria ou ensinando. Seus honorários crescem de acordo com o sucesso de vendas. Hoje eles precisam de se envolver na campanha de marketing, precisam de uma página na web, nas redes sociais, canal no Youtube, pequenas histórias para download gratuito, como bônus para quem os segue e assim por diante. O emprego de um especialista em marketing não é raro e vale a pena saber que tópicos estão em pauta para o próximo livro.

Mas nada disso, absolutamente nada disso, funcionará a favor do autor se o livro publicado não tiver um mínimo de bom conteúdo, se não for bem escrito, sem erros gramaticais. A arte de escrever bem ainda é necessária. O que mudou é que o escritor precisa se dedicar à comercialização de seus livros, promovê-lo, escrever um blog, ter um website, encantar auditórios, dominar as redes sociais, polir sua imagem nas mesmas, agradar a gregos e troianos, ter senso de humor, ter assunto, estar do lado certo nas agendas político-sociais, alavancar vendas, favorecer encontros, suscitar interesse na sua pessoa ou nos seus livros, entusiasmar fãs, incrementar o guarda-roupa, sair bem na foto. É fácil! Ainda sonha em ser escritor?

Artigo mencionado: Authorpreneurship





10 regras para o escritor, por Zadie Smith

27 01 2015

 

ournal des Dames et des Modes (1811).Ilustração do Journal des Dames et des Modes, 1811 (França)

 

Zadie Smith, autora de  Sobre a Beleza, tem 10 conselhos para quem deseja ser escritor:

 

1 – Ainda criança trate de ler muitos livros. Passe mais tempo fazendo isso do que qualquer outra atividade.

2 – Já adulto, tente ler seu próprio trabalho como uma pessoa estranha o faria, ou melhor, como faria o seu inimigo.

3 – Não romantize a sua vocação.Você ou escreve bem, boas frases, ou não escreve. Não há isso de estilo de vida de escritor.  O que importa é o que você deixa escrito no papel.

4 – Evite seus pontos fracos.  Mas não se convença de que o que você não consegue fazer não vale a pena fazer.  Não esconda as dúvidas que você tem sobre sua própria capacidade com a máscara do desprezo.

5 – Deixe um bom tempo entre escrever alguma coisa e editá-la.

6 – Evite grupinhos, turmas e bandos. A presença de um grupo não irá fazer a sua escrita melhor do que ela é.

7 – Trabalhe em um computador que não esteja ligado à internet.

8 – Proteja o tempo e o espaço em que você escreve. Mantenha todo mundo do lado de fora, até mesmo as pessoas que lhe são mais caras.

9 – Não confunda honrarias com realizações.

10 – Fale a verdade através de qualquer uma das roupagens com que ela venha, mas diga a verdade. Resigne-se à tristeza pela vida inteira, por do não estar nunca satisfeito.

 

The Guardian





Palavras para lembrar — José Luís Peixoto

28 05 2014

Philip MaliavinJovem com livro, 1895

Filipp Andreevich Malyavin (Rússia, 1869 — França, 1940)

óleo sobre tela

 

 

“Escrever é um momento em que se olha para dentro, é, muitas vezes, recordar com os olhos abertos”.

José Luís Peixoto





A vírgula, os dois pontos e o ponto e vírgula

17 10 2013

AlexanderMRossiO matutino, s/d

Alexander M. Rossi (Inglaterra, 1840-1916)

óleo sobre tela, 60 x 90 cm

Hoje me diverti bastante com a leitura do artigo de Mário Sérgio Conti em sua coluna do jornal O Globo: 🙂 :O 😉 😦 [ isso mesmo, o título eram carinhas, que na versão digital do mesmo jornal chamou-se Máscaras em série] sobre o uso da vírgula, do ponto e vírgula, dos dois pontos e até mesmo das reticências.

Eu me diverti e fui obrigada a refletir: sinto saudades do bom uso desses importantes ajudantes do escritor. São os formadores do sentido de um texto.  Quando usados, andam mal usados. Eu, por acaso, gosto de vírgulas. Gosto, porque me delicia dar uma pausa ao leitor. Talvez seja uma atitude um pouco autocrática, imaginar que controlo o leitor: como e quando ele deve respirar. Mas, que seja, afinal o texto é meu.  E dar aquele tempo para enfatizar a ideia anterior, não tem preço.  Pausa é uma coisa séria: os comediantes sabem…  Uma pausa, no lugar errado, pode matar uma piada. Pode dar um sentido diferente ao que dizemos.

Infelizmente, como explica Mário Sérgio Conti, estamos sofrendo com a falta desses apetrechos. Começamos a sofrer quando a imprensa precisou, nas palavras de Conti, “almejar um público amplo e de educação desniveada”.  Adiconaria também às causas do desaparecimento do ponto e vírgula, a economia de papel. Pontos, vírgulas e demais sinais de texto comem papel. Minhas esperanças são duas: que a educação esteja mais nivelada, para cima, e já permita que tragamos de volta a pontuação ao texto; e que o mundo digital, onde não temos mais o uso do papel, nos traga o presente de fazer possível o retorno desses grandes amigos da escrita.  Mesmo que nossos textos tenham que ser de pequena monta, de poucas palavras, para não cansar o leitor desacostumado a pausar para pensar; que esses sinais voltem a fazer parte do nosso dia a dia.  Os pensamentos são, em geral, mais significativos com a pausa, a ponderação, o matutar… Perde quem não honra essas frações do minuto indicadas pelo escritor.





Como escrever um romance, texto de Katherine Pancol

16 02 2013

François Fressineir, Belles_Heures

Ponto alto, s/d

François Fressinier (França, 1968)

Técnica mista com pintura a óleo

www.françoisfressinier.com

“Olhou para o computador, um lindo laptop branco que esperava por ela de goela aberta sobre a mesa da cozinha, cheia de livros, faturas, canetas hidrocor, Bics, folhas de papel, migalhas do café da manhã. Seu olhar deslizou sobre o círculo amarelado deixado pelo bule de chá, a tampa do pote de geléia de damasco, um guardanapo enrolado como uma serpente branca…Precisava abrir espaço para poder escrever e deixar sua tese de habilitação de lado. Precisava de tanta coisa, tanta coisa, suspirou, repentinamente cansada diante da idéia de todo o esforço que teria de fazer. Como escolher o tema de um livro? Como criar os personagens? A história? As reviravoltas? Elas se originam nos acontecimentos exteriores ou na revolução dos personagens? Como começar um capítulo? Como organizá-lo? Devia reler seus trabalhos e pesquisas para evocar as façanhas de Rolland, Guilherme, o Conquistador, Ricardo Coração de Leão, Henrique II, pedir ao espírito de Chrétien de Troyes que baixasse sobre ela? Ou se inspirar em Shirley, Hortense, Iris, Philippe, Antoine e Mylène, vesti-los com um hennin medieval, um par de polainas ou tamancos, instalá-los no campo ou no castelo? O cenário muda, as oscilações do coração perduram. O coração bate, idêntico, em Leonor, Scarlett ou Madonna. As pregas de um vestido, as cotas e malha de ferro se desfazem em poeira, mas os sentimentos permanecem. Por onde começar?, repetia Josephine consigo mesma, observando a intensidade da luz daquele mês de janeiro baixar suavemente sobre a cozinha, iluminar com luz pálida aborda da pia e morrer no escorredor. Existe alguns livro de receitas para escrever? Quinhentos gramas de amor, 350gr de referências históricas, um quilo de suor… deixe cozinhar em fogo brando, em forno quente, mexa para evitar que grude ou forme caroços, deixe repousar três meses, seis meses, um ano. Stendhal, segundo dizem, escreveu o Cartouche de Parma em três semanas, Simenon finalizava seus romances em dez dias. Mas durante quanto tempo eles carregaram essas obras consigo e lhes deram alimento ao levantar de manhã, vestir as calças, beber seu café, recolher correspondência, observar a luz da manhã se espalhando sobre a mesa do café da manhã ou contar os grãos de poeira num raio de sol? Deixar o tempo agir. Encontrar seu modo de usar. Beber café como Balzac. Escrever em pé como Hemingway. Encerrada como Colette, quando Willy a trancafiava. Fazer pesquisa como Zola. Usar ópio, um bom tinto, hachiche. Vociferar como Flaubert. Correr, devagar, dormir. Ou não dormir como Proust. E eu? O tecido encerado da toalha da mesa da cozinha, o face a face com a pia, o bule de chá, o tique-taque do relógio, as migalhas do café da manhã e as prestações a pagar! Léautaud dizia: “escreva como quem escreve uma carta, não  releia; não aprecio a grande literatura só gosto da conversação escrita.” A quem posso enviar uma carta? Não tenho nenhum amante me esperando no parque. Não tenho mais marido. Minha melhor amiga mora no mesmo andar que eu.”

Em: Os olhos amarelos dos crocodilos, Katherine Pancol, Rio de Janeiro, Suma das Letras:2012, p.198-199.








%d blogueiros gostam disto: