Cézanne retratando Vollard

27 03 2020

 

 

 

Cezanne_Ambroise_VollardAmbroise Vollard, 1899

Paul Cézanne (França, 1839 – 1906)

óleo sobre tela, 101 x 81 cm

Petit Palais, Paris

 

 

Ambroise Vollard, o grande galerista da arte moderna, foi retratado por muitos dos artistas que patrocinava, entre eles Cézanne.  Em suas memórias, Souvenirs d’un marchand de tableaux [Lembranças de um negociante de quadros], há a descrição de como Cézanne pintou seu retrato.

“‘Não cochile‘ Renoir me avisou, quando fui posar para Cézanne. No ateliê de Cézanne eu tinha que me sentar num banquinho colocado numa plataforma improvisada, apoiada em quatro tocos de madeira.

Vendo que eu não estava confiante da segurança dessa engenhoca, Cézanne disse com um sorriso convidativo, ‘nada acontecerá se você mantiver o equilíbrio’. E, além disso, posar, significa sentar sem se mover.’

Mas, bastou eu me sentar no lugar, a sonolência se apoderou de mim. Minha cabeça pendeu sobre os ombros. O equilíbrio se foi: plataforma, banco e eu fomos parar no chão.

Cézanne correu à frente.

Seu desgraçado!  Você atrapalhou a pose!  Deveria se sentar como uma maçã. Quem já viu uma maçã agitada?’

 

Livremente traduzido por mim, do livro Souvenirs d’un marchand de tableaux, Ambroise Vollard, editora Albin Michel: 1948.





Os singelos e extraordinários, vasos com flores de Édouard Manet

14 03 2019

 

 

 

 

Édouard_Manet_-_Fleurs_dans_un_vase_de_cristalFlores em um vaso de cristal, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 54 x 35 cm

Museu d’Orsay, Paris

 

 

Todos nós conhecemos as flores dos jardins do impressionista Claude Monet.  No entanto, poucos se lembram dos belíssimos vasos com flores de seu antecessor o pintor francês, realista, inovador, pai da pintura moderna: Édouard Manet.

 

 

448px-Manet,_Edouard_-_Lilacs_In_A_Vase,_c.1882Lilases brancos, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 54 x 42 cm

Alte Nationalgalerie, Berlim

 

Manet faz de seus arranjos de flores, alguns pequenos buquês, obras de impacto, pela pincelada forte, aparente, pelas cores contrastantes em alguns casos.  E poucos, realmente poucos pintores, conseguem com tão poucas marcas de um pincel, claramente visíveis, dar ao observador a sensação exata do cristal, de sua transparência e peso.

 

 

Édouard_Manet_-_Roses_et_tulipes_dans_une_vase_(RW_422)Rosas e tulipas em vaso, 1883

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 56 x 36 cm

Coleção Particular

 

Gosto de estudar naturezas mortas.  Elas estão entre os primeiros trabalhos que aspirantes a pintor fazem.  São cópias da natureza, em geral em ambiente fechado.  Aos poucos, por estudar a maneira de reproduzir o que está sendo retratado (flores, frutos, objetos) e colocar sua própria visão da arte,  os artistas se revelam.

 

 

vasePivoinesVaso com peônias, 1864

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 56 x 36 cm

Museu d’Orsay, Paris

 

Revelam-se não só ao retratarem o que veem, mas nos arranjos que escolhem, no contraste entre flores com pequenas pétalas de encontro àquelas que possuem pétalas ou folhas mais densas.

Os arranjos de flores de Édouard Manet fazem parte de duas diferentes fases de sua vida.  Inicialmente, nos anos 60 do século XIX ele pintou uma série de naturezas mortas de grande impacto e expressão.  Vinte anos mais tarde, já nos últimos anos de vida, voltou a retratar buquês, mais singelos mas não menos extraordinários, muitas vezes dando-os como presente a amigos.  Não raro os mesmos buquês que amigos traziam ao visitá-lo eram então retratados por Manet e “devolvidos” em forma de arte aos que lhe presentearam.

 

 

manet flores cristalFlores em vaso de cristal, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela

National Gallery of Art, Washington DC

 

Manet sempre deu grande importância à natureza morta.  É conhecida sua declaração sobre o assunto:  “Un peintre peut dire tout ce qu’il veut avec des fruits ou des fleurs et même des nuages. Vous savez, j’aimerais être le saint François de la nature morte.” [Um pintor pode dizer tudo que quer com frutas e flores e até mesmo nuvens. Quer saber, eu adoraria ser o São Francisco da natureza morta.”  (Citação no Catálogo do Musée d’Orsay, Paris).

 

 

lilases e rosasLilases e rosas, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 32 x 24 cm

Coleção Particular

 

 

display_image.phpRosas musgo em vaso, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 55  x 34 cm

Sterling and Francine Clark Art Institutem Williamstown, Ma

 

 

pink clematisCravos e clemátis, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 55 x 34 cm

Museu d’Orsay, Paris

 

 

display_image.phpMANETLilases e rosas, 1883

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela, 56 x 46 cm

Dallas Museum of Art, Dallas, Tx

 

Édouard Manet, Rosas, tulipanes y Lilas en un florero de cristal

Lilases e rosas, 1882

Édouard Manet (França, 1832-1883)

óleo sobre tela

Coleção Particular





Hora de celebrar! Feliz ANO NOVO!

31 12 2016

 

 

4Natureza morta com copos num cesto, 1644

Sébastien Stoskopff (França, 1597 – 1657)

óleo sobre tela, 52 x 63 cm

Strasburg, Musée de l’Oeuvre de Notre-Dame

 

 

Boas festas e Feliz 2017!

Salvar

Salvar





Imagem de leitura — Lucien Levy-Dhurmer

29 08 2016

 

 

Lucien Levy-Dhurmer (1865-1953) The reading (La lecture)A leitura

Lucien Levy-Dhurmer (França, 1865-1953)

pastel sobre papel, 45 x 58 cm

Salvar





Imagem de leitura — Jean-Baptiste Emile Corot

18 06 2016

 

 

corot19Valléda, 1870

Jean-Baptiste Emile Corot (França, 1796-1875)

óleo sobre madeira, 83 x 55 cm

Louvre, Paris

Salvar





Em três dimensões: Auguste Rodin

12 06 2016

 

The Kiss 1901-4 by Auguste Rodin 1840-1917O beijo, 1901-1904

Auguste Rodin (França, 1840-1917)

Mármore, 182 x 122 x 153 cm

Tate Gallery, Londres

 

Feliz dia dos namorados!




Eu, pintor: Jean-Baptiste Emile Corot

2 06 2016

 

 

corot02Autorretrato, 1825

Jean-Baptiste Emile Corot (França, 1796-1875)

óleo sobre papel colado em tela, 32 x 24 cm

Louvre, Paris








%d blogueiros gostam disto: