Resenha, “Guerra de gueixas” de Nagai Kafu

13 11 2016

 

 

kiseru-woodblock-print-geisha-dinner-1916Jantar de gueixas, 1916

Reprodução de gravura de Utagawa Toyokuni (Japão, 1769-1825)

xilogravura policromada, 17 x 26 cm

 

 

Não posso me considerar conhecedora de literatura japonesa. Kawabata, Murakami, Tanizaki, Kawakami, Matsuoka, Kirino, Inoue foram os únicos escritores lidos. Uma dúzia de obras, não me faz conhecedora. Particularmente quando se trata de uma de civilização milenar, repleta de biombos culturais, sussurros de entonação e gestos estudados.  Mas já li o suficiente para sentir que em Guerra de gueixas há uma diferença. A trama é contada com ritmo avançado, clareza de expressão, narrativa direta e descrições cândidas. Nagai Kafū economizou nas metáforas e tradicionais insinuações orientais. O resultado foi uma bela obra sobre um pequeno evento colocado num contexto franco e arrojado.

Depois de enviuvar Komayo, que havia sido gueixa, retorna à vida que tivera antes do casamento e participa da disputa por clientes para garantir boa sobrevivência no futuro. Nessa procura envolve-se com três homens e se vê no centro de uma competição com outras gueixas que, como ela, pensam em assegurar uma vida estável, nos dias em que a idade se mostrar como obstáculo. Procuram um único patrocinador. Komayo se depara, nessa competição, com uma escolha: proteção financeira sem amor ou uma paixão. Sozinha, suas escolhas determinarão o futuro. Não pode errar. Suas conquistas são objeto de ciúmes e inveja.

 

guerra_de_gueixas_1460222996577177sk1460222996b

Grande parte do que conheço sobre Shimbashi, o bairro das gueixas em Tóquio, veio através de obras de autores ocidentais, mais ou menos fascinados com o exotismo das gueixas, dos cerimoniais nas casas de chá, do teatro kabuki. Um grande livro que alargou o meu conhecimento sobre o assunto foi do escritor inglês Kazuo Ishiguro, Um artista do Mundo Flutuante. Mas Ishiguro escreveu também com conhecimento de segunda mão, já que passou a vida desde de os cinco anos  de idade na Inglaterra.  Pois, foi na obra de Nagai Kafū que vi o retrato do mundo flutuante por um escritor japonês descrito com desembaraço semelhante ao encontrado em muitas xilogravuras Ukiyo, abertamente sexuais. Em Guerra de gueixas a vida diária de Shimbashi é retratada sem romantismo, numa ostensiva rebeldia à habitual discrição sobre o assunto na terra do sol nascente.

Um dos pontos altos deste livro é o retratar das mudanças de comportamento na sociedade japonesa com a influência ocidental. A obra, lançada em 1916, é enraizada justamente nesse período de grande pujança econômica do país. Mas não faz qualquer menção aos grandes sacrifícios da população que caracterizaram a época entre o final do século XIX e a entrada do país na Segunda Guerra Mundial: as guerras contra a China e contra a Rússia. Isso só não empobrece o texto porque Nagai Kafū não se propôs a escrever um romance histórico, mas um obra de gênero. O que descobrimos são as pequenas maneiras em que a ocidentalização se dá na vida cotidiana da cidade.

 

nagai-kafuNagai Kafū

Guerra de gueixas é considerado um clássico da literatura japonesa moderna. Tem todo jeito de ser uma obra de transição, de um período em que a estética literária de Yasunari Kawabata se desloca para a de um Haruki Murakami. Ainda que Kawabata seja mais jovem, sua obra me parece mais ligada às tradições literárias nipônicas do que a de Nagai Kafū que o precedeu. Talvez isso seja só a visão de quem lê com os olhos do ocidente.  Mas sou pretensiosa ao fazer essa afirmação, consciente de meu conhecimento superficial de uma rica tradição literária.  A leitura de Guerra de gueixas é rápida, cheia de passagens memoráveis e de interessantes observações.  É leve. Tem um gosto de século XIX.  Mas vale muito a pena.  Devo ressaltar a bela edição da Estação Liberdade que dá gosto à leitura.  Recomendo.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar





Palavras para lembrar — Haruki Murakami

10 09 2015

 

 

Reading - Nakamura Daizaburo (1898-1947)Leitura

Nakamura Daizaburo (Japão, 1898-1947)

 

 

“Se você só lê o mesmo que todo mundo lê, acaba pensando o mesmo que todo mundo pensa.” 

 

Haruki Murakami





Uma história, duas versões, uma experiência rica e inesquecível

14 03 2014

KAWASE HASUI (1883 - 1957) - RAIN AT SHINAGAWA (Tokyo) , Woodcut, 1931.Chuva no Shinagawa, Tóquio, 1931

Kawase Hasui (Japão, 1883-1957)

Xilogravura policromada

Às vezes o acaso nos traz experiências interessantes. Tudo o que se precisa é ter o bom-senso de abrir as portas ao que acontece.  Há quatro semanas saí de casa para ir ao cinema.  Gosto muito de cinema, mas não me consideraria uma conhecedora profunda.  Nada além de ir regularmente ver a grande tela.  Há semanas que merecem mais de um filme.  Há semanas como a do Carnaval no Rio de Janeiro que merecem seis ou sete filmes!  Pois eu havia lido no jornal uma resenha muito interessante de um filme japonês. Gosto muito dos filmes orientais: japoneses, chineses e indianos. Gosto de me expor a outras estéticas.  Sempre que possível  vou atrás de filmes produzidos em lugares exóticos.  Como sou uma pessoa meio distraída, daquelas que faz uma coisa pensando em outra, que nunca sabe bem onde colocou o telefone celular e tem que telefonar do fixo para o seu próprio celular para achá-lo, saí de casa e fui ver o filme japonês sem prestar muita atenção à lista do jornal.

105706.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Era uma vez em Tóquio foi o filme que vi.  Não era o filme que eu imaginava ir ver. Cópia antiga, restaurada. Preto e branco. Tela pequena e uma história fascinante de um Japão pós-guerra, aparecendo ainda  conservador, diferente do Japão que conhecemos hoje, moderno, produzindo bens que nos seduzem. Homens e mulheres  em trajes tradicionais, cenas de natureza bucólica. A história é sensível.  Reflete as mudanças no Novo Japão de pós-guerra.  Filhos que saem de casa, de pequenos vilarejos e vão para Tóquio. Chegando lá transformam-se.  Casam-se, formam famílias e na procura pela sobrevivência nessa nova ordem social, não têm mais tempo para os pais. É um filme belíssimo, de grande sensibilidade na caracterização dos personagens, antiquado mas com uma magnífica fotografia. Dirigido por Yasujiro Osur o filme foi votado como melhor filme de todos os tempos numa pesquisa do British Film Institute com 358 diretores de todo o mundo. Se é ou foi “o melhor filme de todos os tempos”, não posso dizer, porque não tenho conhecimento para isso. Mas fiquei bastante impressionada e feliz de tê-lo conhecido.

24

Passados cinco dias me encontro em outra parte da cidade vendo o filme que tinha a intenção de ver originalmente, Era uma vez em Tóquio.  Tenho uma memória visual bastante boa, graças à minha profissão. É assim que historiadores da arte fazem associações entre artistas e suas obras.  Logo na primeira cena eu notei que estava vendo o mesmo filme. [A primeira cena tem uma alusão direta ao filme original no posicionamento da câmera]. Mas dessa vez o filme era a cores e em um Japão moderno.  Chamava-se agora, Uma família em Tóquio. Dirigido por Yôji Yamada, é uma refilmagem do anterior, celebrando o que Yasujiro Ozu fizera em 1953. E foi uma experiência extraordinária.  Foram duas horas encantadoras em que pude apreciar muito mais do que o filme, mais do que sua fotografia, do que o roteiro.  Pude rever a história de novo, perceber as mudanças feitas,os detalhes e relembrar os ângulos de onde as cenas haviam sido filmadas.  Não me lembro de ter tido uma experiência tão rica ou gratificante no cinema anteriormente.

Para quem se interessa em classificar, em ordenar o mundo, vou frustrá-los porque não consigo me decidir sobre a versão de que mais gosto. O filme de 2013 mostra um Japão bem mais descontraído, mais moderno.  No entanto sua paisagem permanece singularmente bucólica e as tradições familiares, ainda que tenham sofrido mudanças, parecem requerer o mesmo grau de sensibilidade no trato.  As situações estão adaptadas, há mudanças em alguns personagens, há outro que aparece, mas não senti nenhuma perda emocional com o que foi engendrado para a versão moderna. Psicologicamente o filme é fiel à primeira versão.  Estou acostumada a ver filmes baseados em romances. Vez por outra vejo refilmagens.  Recentemente vi a refilmagem de Cape Fear (1991), na televisão.  Mas não conhecia a primeira filmagem de 1962. Não me interessou.  Achei teatral demais.  Parte do que me seduziu nessa “experiência japonesa”, foi justamente não conhecer o primeiro filme e depois de cinco dias ver o segundo. Com a facilidade que temos hoje, pela internet, e se você é curioso sobre cinema, recomendo fazer o download desses dois filmes e vê-los em ordem. Acredito que venha a ser uma experiência inesquecível.





Imagem de leitura — Kikugawa Eizan

7 01 2013

Kikugawa Eizan (1787-1867), Reclining couple reading a love letter, ca. 1804-1818. Color woodblock print, Princeton EDU

Casal recostado lendo uma carta de amor, c. 1804-1818

Kikugawa Eizan ( Japão, 1787-1867)

Xilogravura policromada,

Universidade de Princeton, NJ

Kikugawa Eizan [Kikugawa é o nome de família deste artista japonês] nasceu em 1787. Estudou inicialmente com seu pai, Kikugawa Eiji, pintor no estilo Kano e mestre de leques.  Mais tarde desenvolveu suas técnicas sob a orientação de Suzuki Nanrei, artista no estilo Shijo, e com Totoya Hokkei que estudava Hokusai.  Aos poucos desenvolveu seu próprio estilo figurativo, concentrando-se primeiramente nas belas mulheres, bijin-ga, incorporando aspectos líricos e delicados ao seu trabalho que tipifica o estilo Utamaro. Mas, recusou explorar aspectos realistas, dando ênfase em seu lugar a sensualidade. Mostra sua afinidade com o furyo, na elegância de suas figuras, dando a muitas de suas obras esse título. Além das Bin-ga [mulheres belas] Eizan também se dedicou ao retrato de atores, a paisagens, animais e crianças.  Faleceu em 1867.





Imagem de leitura — Hiroshi Goto

21 11 2010

Kengo, 2002

Hiroshi Goto ( Japão, 1962)

Tinta para caligrafia sobre papel Washi

www.hiroshigoto.jp

Hiroshi Goto nasceu em Nagoya, no Japão em 1962.  Ilustrador japonês cujo trabalho dá ênfase a pessoas e objetos diários.  Seu estilo tem parentesco próximo com a pintura Nihon-ga.  Trabalhou já para muitas importantes revistas japonesas, inclusive a Shukan Shincho, a  Shunju Bungei, além de ter feito as ilustrações para livros como Koji Suzuki, Todo Shizuko, Igarashi Takahisa.    Desde de 2001 tem-se dedicado também ao design de tecidos.  Mais informações em seu site: www.hiroshigoto.jp





Imagem de leitura — Toraji Ishikawa

17 04 2009

toraji-ishikawa-japao-1875-1964-woman-reading-1935

Mulher lendo, 1935

Toraji Ishikawa (Japão 1875-1964)

Xilogravura

 

 

 

Toraji Ishikawa (Kochi, Japão, 1875-1964) – estudou com Koyama Shotaro.   Viajou por dois anos pela Europa e EUA [1902 a 1904].  De volta ao Japão fundou a “Taiheiyogakai”,  — uma associação de artistas,  pintores no estilo ocidental.  Em 1915 Toraji participou da Mostra  Panama-Pacific em São Francisco. Em 1934 completou a serie de dez nus femininos – em xilogravura — que talvez sejam seus mais conhecidos trabalhos.  A partir de 1943 torna-se diretor da Escola de Arte Pacífica e depois da Segunda Guerra Mundial trabalha na Universidade de Educação de Tóquio. Recebeu o Prêmio do Imperador da Academia Japonesa de Artes em 1953.

 

 

 





Imagem de leitura — Kikugawa Eizan

10 02 2009

 

kikugawa_eizan_1787-1867_the_courtisane_hanashiba_from_the_tamaya_house_reading_a_book_c__1816-18_national_museum_of_ethnology_leiden

A cortesã Hanashiba, da casa Tamaya, lendo um livro, 1816-1818

Kikugawa Eizan ( Japão 1787-1867)

Xilogravura

Museu Nacional de Etnologia, Leiden, Holanda.

 

Kikugawa Eizan – Japão – Edo — 1787-1867

 

Eizan estudou primeiro com seu pai, Kikugawa Eiji,  pintor do estilo Kano e também um fabricante de leques.  Mais tarde estudou com Suzuki Nanrei um pintor de Shijo e foi aluno também de Hokkei.  Eizan foi um dos mais prolíficos artistas japoneses da xilogravura.  Também teve uma longa vida. Considerado um dos melhores seguidores de Utamaro, cujo estilo ele tentou continuar depois da morte do artista em 1806.

 

O trabalho que Eizan  desenvolveu a partir do estilo Utamaro, seguindo perto as técnicas do mestre, como era hábito entre os artista ukiyo-e, é elegante e gracioso.   Sua obra pode ser vista desde a grande semelhança de estilo com o mestre, à uma estudada independência.  Aos poucos, à medida que se desvencilha das técnicas anteriores seus trabalhos ganham uma beleza singular.

 

 

 

 








%d blogueiros gostam disto: