Trova da árvore florida

5 06 2018

 

 

The Pied Piper of Hamelin by Kate Greenaway (1910)Ilustração de Kate Greenaway, 1910, para o Flautista de Hamelin

 

 

 

Para dar cor aos matizes

da mais bela floração,

humildemente, as raízes

vivem ocultas no chão !

 

 

(Cipriano Ferreira Gomes)





Sobre árvores: Erri de Luca

20 06 2017

 

 

vangoghcypresses1889Ciprestes, 1889

Vincent van Gogh (Holanda, 1853-1890)

óleo sobre tela, 93 x 74 cm

Metropolitan Museum, N.Y.

 

 

” Vou pelo campo com uma nova muda de macieira para plantar.

Deposito-a no chão, viro-a, olho seus ramos mal esboçados tentarem lugar no espaço em torno.

Uma árvore precisa de duas coisas: sustança sob a terra e beleza fora. São criaturas completas mas impulsionadas por uma força de elegância. Beleza necessária a elas é vento, luz, pássaros, grilos, formigas e uma meta de estrelas em direção às quais apontar a fórmula dos ramos.

A máquina que nas árvores impulsiona linfa para cima é beleza, porque só a beleza na natureza contradiz a gravidade.

Sem beleza a árvore não quer. Por isso para num ponto do campo e pergunto: “Aqui, quer?”

Não espero uma resposta, um sinal no punho em que seguro seu tronco, mas gosto de dizer uma palavra à árvore. Ela sente as bordas, os horizontes e procura um lugar exato para se erguer.

Uma árvore escuta cometas, planetas, nuvens e enxames. Sente as tempestades do sol e as cigarras sobre ela com a mesma urgência de velar. Uma árvore é aliança entre o próximo e o perfeito longínquo.

Se vem de um viveiro e tem de enraizar-se em solo desconhecido, fica confusa como uma jovem camponês no primeiro dia de fábrica. Assim levo-a a um passeio antes de escavar-lhe o lugar.”

 

 

Em: Três cavalos, Erri de Luca, São Paulo, Berlendis & Vertecchia: 2006, tradução de Renata Lúcia Bottini, página 26.





Dia da árvore, uma homenagem: a árvore na pintura do Brasil

21 09 2015

 

Alexandre Reider - óleo sobre tela - 0,20x0,24 cmPaisagem

Alexandre Reider (Brasil, 1973)

óleo sobre tela,  20 x 24 cm

 

ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988) Paisagem, osc, 34x26Paisagem

Alfredo Volpi (Itália/Brasil, 1896-1988)

óleo sobre cartão, 34 x 26 cm

 

 

BENEDITO, LUIZI (1933) - Paisagem Serrana com Estradinha,ost, 50 x 70.Paisagem serrana com estradinha

Benedito Luizi (Brasil, 1933)

óleo sobre tela, 50 x 70 cm

 

Bruno Bronislaw Lechowski (1887–1941),Paisagem

Bruno Bronislaw Lechowski (Polônia/Brasil, 1887–1941)

óleo sobre tela

 

 

BustamenteSa,Flamboyant,osm,1944,25x20Flamboyant, 1944

Rubens Bustamante Sá (Brasil, 1907-1988)

óleo sobre madeira, 25 x 20 cm

 

COCULILO, FRANCISCO - óleo stela, datado 46, medindo, 44 cm x 38 cmIpê amarelo com Baía de Guanabara ao fundo, 1946

Francisco Coculilo (Brasil, 1895-1945)

óleo sobre tela, 44 x 38 cm

 

 

Edson Lima (1936-2000) - Cajueiro e lazer - Óleo sobre tela - 50 x 67 cm - 2000Cajueiro e lazer, 2000

Edson Lima (Brasil, 1936-2000)

óleo sobre tela, 50 x 67 cm

 

FANG (Fang Chen-Kong) (1931) Paisagem. o.s.t. - 40 x 50 cm. .AssinadoPaisagem

Fang  [Fang Chen-Kong] (China/Brasil, 1931)

óleo sobre tela, 40 x 50 cm

 

Fulvio PENNACCHI (Brasil, 1905 - 1992)Árvore com pássaros,1986,técnica mista sobre placa de pedra, 44 x 28 cmÁrvore com pássaros, 1986

Fúlvio Pennacchi (Brasil, 1905-1992)

técnica mista sobre placa de pedra,  44 x 28 cm

 

 

GONÇALO IVO,Campo Cultivado,ost, outubro,1999Vargem Grande – Sítio S. João no verso35 x 24 cmCampo cultivado, 1999

Gonçalo Ivo (Brasil, 1924)

óleo sobre tela, 35 x 24 cm

 

 

Ricardo Schulz - óleo sobre tela - 35 x 24cmSem título

Ricardo Schulz (Brasil, 1946)

óleo sobre tela, 35 x 24 cm

 





Pitangueira, poesia de Palmira Wanderley

14 05 2015

 

TúlioMugnaini (Brasil, 1895-1975), Paisagem,ostcm, 27x 30cmColeção ParticularPaisagem

Túlio Mugnaini (Brasil, 1895-1975)

Óleo sobre tela colado em madeira, 27 x 30 cm

Coleção Particular

 

 

Pitangueira
 

Palmira Wanderley

 

 

Termina Agosto… A pitangueira flora…

A úmbela verde cobre-se de alvura;

E, antes que Setembro finde a aurora,

Enrubece a pitanga… Está madura.

 

Da flor, o fruto é de esmeralda, agora…

Num topázio, depois, se transfigura,

E, pouco a pouco, um sol de estio a cora,

Dando a cor dos rubis à canadura.

 

A pele é fina, a carne é veludosa,

Vermelha como o sangue, perfumosa

Como se humana a sua carne fosse…

 

Do fruto, às vezes, roxo como o espargo,

A polpa tem um travo doce-amargo,

— O sabor da Saudade, amargo e doce…

 

 

Em: Panorama da Poesia Norte- Rio-Grandense, Rômulo C. Wanderley, Rio de Janeiro, Edições do Val: 1965, p. 144-5.





Dia da árvore, 21 de setembro!

21 09 2014

 

 

 

antonio peticov, seven trees, 100 x 161cm ostSeven trees, 2002

Antônio Peticov (Brasil, 1946)

óleo sobre tela, 100 x 161 cm

www.art-bonomo.com

 

Nota: tenho a mesma imagem com duas descrições diferentes. Ambas levam o nome Seven Trees, mas aparecem com tamanhos diferentes e datas diferentes. A outra imagem vem de um casa de leilões.  Preferi esta por aparecer dentro do conjunto da obra do pintor e estar consistente com outras obras. Além do mais a galeria virtual está representando o artista.

Há é claro a possibilidade do pintor ter feito a mesma obra mais de uma vez. Isso não é raro. Muito pintores fizeram isso.





Canção da árvore, poesia de Correa Júnior

18 06 2013

arvore, mary blairIlustração Mary Blair.

Canção da árvore

Correa Júnior

    A árvore é flor, sombra na estrada,

    fruto que a sede nos mitiga.

    A árvore é dádiva sagrada:

    — dá-nos ao lar, multiplicada,

    o leito… a mesa… a porta… a viga!

    A árvore é paz, graça e doçura:

    simplicidade, amor, perdão!

    Mostra a esperança, na verdura

    de cada galho, e a dor obscura

    deixa escondida sob o chão.

    O ar purifica, ampara os ninhos:

    e sem vaidade, silenciosa,

    rica de bênçãos e carinhos,

    é, para nós e os passarinhos,

    a criatura mais piedosa.

    A árvore é flor, sombra na estrada,

    fruto que a sede nos mitiga.

    A árvore é dádiva sagrada:

    — dá-nos ao lar, multiplicada,

    o leito… a mesa… a porta… a viga!





O verde do meu bairro: Extremosa, ou Resedá

11 11 2012

Há algumas extremosas no meu bairro.  Sei que elas são muitas vezes vistas com desagrado, quase como uma praga, porque foram usadas para a arborização em muitas cidades brasileiras, em ruas movimentadas, em detrimento de outras espécies.  Nessa escolha importaram as qualidades: beleza, baixa altura, raízes que não destroem as calçadas e resistência.  A extremosa ou resedá não é nativa do Brasil e  pode criar problemas para muitas das árvores nativas de maior porte.  Talvez seja por isso, que nos EUA, nos estados  onde morei – Maryland, Virginia, Washington DC e Carolina do Norte–  elas são usadas em grande escala só nos canteiros do meio das estradas,  embelezando, delimitando e, por causa de sua baixa estatura, ajudando a bloquear a luz de caminhões vindos no sentido contrário.  Também são usadas nas beira de estradas, com uma boa separação de grama entre elas e a vegetação nativa.  Podemos ver na foto abaixo, um exemplo de como são usadas. Claro que muitas pessoas plantam resedás em seu jardim, mas simplesmente como um foco de cor para o verão, uma única árvore, onde podem ser vigilantes quanto às pragas.

Por que elas são olhadas com desconfiança?  Sua praticidade – fácil reprodução, manutenção e raízes que não prejudicam calçadas – levou muitos municípios brasileiros a plantarem quase que exclusivamente as extremosas em suas vias públicas.  Isso não só leva à possibilidade de monocultura, como pode afetar as árvores nativas porque o resedá é suscetível ao abrigo de pragas, como erva de passarinho, que vivem da habilidade de extrair seus nutrientes das árvores em que se instalam.  Seu uso tem sido desencorajado.  Mas mesmo assim, é um belo respingo de cor na paisagem, que, aqui no Rio de Janeiro, atravessa duas estações: primavera, verão.

Natural da Índia e da China, os primeiros pés de extremosa foram trazidos para os EUA ainda no século XVIII, mais precisamente em 1790, pelo botânico francês André Michaux (1746-1802), autor entre outros das obras: Histoire des chênes de l’Amérique, 1801 [História dos carvalhos da América] e Flora Boreali-Americana, 1803 [Flora da América do Norte].

A extremosa (Lagerstroemia indica) recebe diversos nomes no Brasil: Resedá, Suspiros, Julieta, Árvore-de-júpiter, Flor-de-merenda, Mumiquilho.  Caiu no gosto popular por causa de sua função decorativa.  Tem flores  em forma de espigas.  Dependendo da região onde é plantada floresce no verão ou no verão e na primavera (como é o caso aqui no Rio de Janeiro, onde a primavera é quente).  Suas flores podem ser de três cores: branca, rosa ou vermelha.  Deve ser podada durante o inverno e as flores aparecerão na ponta dos ramos que foram podados.   Suas folhas são elípticas alongadas.  Nas regiões frias a árvore perde todas as folhas no inverno.  Chega aos 6 metros de altura.

Para maiores informações:

Meu cantinho








%d blogueiros gostam disto: