Uma Teoria do Big Bang já no século XIII

16 03 2014

dn25223-1_300Retrato de Roberto Grosseteste, século XIII

Iluminura em manuscrito na Biblioteca Britânica.

Um texto do século XIII produziu um modelo matemático do universo que antecipa problemas com a nossa melhor compreensão do Big Bang. Quando físicos traduziram o texto De luce do latim descobriram que em 1225, o teólogo Grosseteste,  enquanto estudava a luz,  havia esbarrado na idéia do multiverso.  Nessa época os texto de Aristóteles tinham acabado de ser redescobertos e Grosseteste propôs um universo de nove esferas concêntricas que teriam se iniciado com um relâmpago de luz, empurrando tudo para fora a partir de um ponto em uma grande esfera.

É claro que ele não percebeu que poderia haver muitos multiversos”, disse Tom McLeish, um físico na Universidade de Durham, na Grã-Bretranha.  “Mas o que as pessoas daqui a 800 anos irão pensar também das nossas teorias?  É com um pouco de humildade que se nota que estamos limitados pelo que podemos e o que não podemos ver.

Para mais informações veja o artigo no NEW SCIENTIST.





O nascer do ouro

26 07 2013

???????????????????????????????Tio Patinhas lê o jornal dentro de seu cofre, ilustração Walt Disney.

A colisão entre duas estrelas mortas liberando grandes quantidades de energia pode ter criado todos os elementos pesados na Terra,  ​​como o ouro.

Essa é a principal conclusão feita por pesquisadores do Centro para Estudos da Astro-física  Harvard-Smithsonian (Cfa).  Eles estimaram que a colisão e posterior surto de energia conhecido como explosão de raios gama, liberaram tanto quanto a massa de 10 luas de elementos pesados ​​– inclusive ouro.

A equipe liderada por Edo Berger calcula que, combinando a estimativa de ouro produzido por um único curto GRB com o número de explosões como essas que ocorreram  através da vida do universo, eles acreditam que todo o ouro no cosmos pode ter vindo de explosões de raios gama.  O ouro é raro na Terra, em parte, porque também é raro no universo, e ao contrário de elementos como carbono ou ferro, não pode ser criado dentro de uma única estrela.  Muito pelo contrário,  aparece só em um evento mais cataclísmico.

neutron-star-collisionDesenho artístico de uma explosão de duas estrelas de neutron.  Ilustração Dana Berry.

De acordo com Berger, uma explosão de raios gama é um flash de luz de alta energia (raios gama) a partir de uma explosão  energética extrema. A maioria dessas explosões são encontradas no universo distante. Os pesquisadores estudaram em particular a explosão conhecida como GRB 130603B, que, a uma distância de 3.9 bilhões de anos-luz da Terra, é uma das explosões mais próximas já presenciadas  até o momento. Explosões de raios gama vêm em duas variedades – longas e curtas – dependendo de quanto tempo o flash de raios gama dura.  A explosão GRB 130603B, detectada pelo satélite Swift da NASA, em 03 de junho, durou menos de dois décimos de segundo.

Fonte: Network World





Você sabe o que é Matéria Escura? Veja o vídeo e a tradução abaixo.

4 10 2011

Professor Ludovico. Ilustração de Walt Disney.

=-

Hoje descobri uma excelente postagem no RADAR CIENTÍFICO — postagem de 29/9, que me apresso a dividir com vocês.  

Tradução do vídeo de  Ademir Xavier

“Você nunca teve a impressão de que há algo maior que você não pode ver? Sim, há, e se chama ‘matéria escura’. Essa matéria está espalhada por todo o espaço, abarcando a Via Láctea e todas as outras galáxias. É quatro vezes mais comum no universo do que a matéria visível. Você nunca poderá vê-la ou observá-la. Então como sabemos que está lá? Por causa da Gravidade. Uma galáxia é como um enorme carrossel que está sempre girando. Para que se mantenha coesa, as estrelas têm que ficar em posições certas. Por isso, a gravidade é importante. De outra forma, as estrelas voariam soltas pelo espaço. O problema é que a força da gravidade que mantém tudo que vemos, não é forte suficiente para manter as estrelas da galáxia juntas. Todas as estrelas deveriam voar para fora desse carrossel. Mas elas não fazem isso. É como se uma corda invisível as mantivesse no lugar. Físicos acreditam que essa força provém da massa de coisas que não podemos ver. E ai entra a matéria escura. E como sabemos a velocidade das estrelas em galáxias distantes? Por causa do efeito Doppler, que é o mesmo efeito que faz com que sirenes de polícia mudem de timbre quando elas passam correndo por nós. E isso também funciona para a luz. Essa é maneira com que sabem a sua velocidade (na estrada) e como astrônomos medem a rotação das galáxias. Assim usamos coisas que podemos ver para nos dizer algo sobre o que não podemos ver.”





Terra e Vênus têm relâmpagos em comum

1 10 2010

Concepção artística mostra como seriam os relâmpagos que ocorrem em Vênus, similares aos da Terra, Foto: ESA

Uma equipe de cientistas vindos de diversas universidades descobriu que, mesmo com grandes diferenças entre suas atmosferas, Terra e Vênus possuem mecanismos de produção de relâmpagos bastante semelhantes.  A pesquisa foi apresentada esta semana no Congresso Europeu de Ciência Planetária.

Os cientistas declararam que esperam, com a descoberta, tornar possível entender a química, as dinâmicas e a evolução das atmosferas dos dois planetas. Os graus de descarga elétrica, a intensidade e a distribuição espacial são os principais pontos comparáveis.

Estudos anteriores indicavam que ondas magnéticas e óticas de Vênus poderiam ser produzidas por relâmpagos. A possibilidade foi confirmada por telescópios que capturaram imagens de relâmpagos no planeta.

Quando nuvens se formam, tanto na Terra como em Vênus, a energia que o Sol deposita no ar pode ser solta como uma poderosa descarga elétrica. Quando as partículas das nuvens colidem, a carga elétrica é transferida de grandes partículas para pequenas. A separação das cargas causa os relâmpagos.

O estudo apontou que a força dos relâmpagos também são similares. Foram analisados relâmpagos em Vênus por 3,5 anos terrestres. Comparando as ondas eletromagnéticas produzidas pelos dois planetas, foram encontrados fortes sinais magnéticos em Vênus, que fazem a produção ser comparável à da Terra.

 —

Fonte: Terra





A luz do nascimento das estrelas

27 09 2010

 

Foto: Nasa/Divulgação

Astrônomos descobriram um novo fenômeno cósmico, batizado de “coreshine“, que revela novas informações sobre como estrelas e planetas surgem. Os astrônomos descobriram que os negros núcleos de nascimento de estrelas emitem luz em certos comprimentos de onda de infravermelho.

As imagens mostram uma escura massa de gás e poeira, um núcleo no qual nascem estrelas e planetas, mas que emitem luz em comprimentos menores do infravermelho. A análise desse fenômeno revela informações sobre a idade e consistência dos novos surgimentos. Os astrônomos divulgaram que encontraram diversas ocorrências desse fenômeno em lugares escuros do espaço.

A imagem à direita mostra o núcleo negro visto por longas luzes infravermelhas. Já a imagem central o mostra visto por meio de ondas infravermelhas curtas. Nesta imagem, as luzes do núcleo brilham mais porque estão refletindo luzes de estrelas novas. Esta luz é o novo fenômeno. A imagem à esquerda é a soma de ambas. “Nuvens negras na Via Láctea, longe da Terra, são lugares enormes nos quais nascem estrelas. Mas elas são ‘tímidas’ e se escondem em camadas de poeira que nos impedem de ver o que ocorre dentro“, disse Laurent Pagani, membro do Observatório de Paris e do Centro Nacional de Pesquisas Científicas francês. “Encontramos um jeito de observá-los. Eles são como fantasmas, os vemos mas também vemos através deles“, completou.

Em 2009, a equipe de Pagani observou um caso deste fenômeno. Ficaram surpresos ao ver brilhos de estrela saindo de um núcleo negro na forma de luz infravermelha que o Spitzer podia observar. Agora, foram analisados 110 núcleos, dos quais metade possuía o novo fenômeno cósmico.

Fonte: Terra





Um planeta semelhante à Terra

21 12 2009

 

Esta ilustração mostra como o planeta recém-descoberto pode estar orbitando sua estrela vizinha, que é menor do que o sol da Terra
——

Um grupo de astrônomos descobriu um novo planeta muito parecido com a Terra, maior do que ela, e que poderia ter mais da metade de sua superfície coberta por água, mostra um estudo publicado na revista especializada Nature. A “Super-Terra”, como está sendo chamado o planeta (cujo nome oficial é GJ 1214b), está a 42 anos-luz de distância em outro sistema solar, e seu raio é 2,7 vezes maior que o da Terra.

Sua descoberta, relatada no estudo do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, representa “um grande passo à frente” na busca por mundos semelhantes à Terra, estimou Geoffrey Marcy, da Universidade da Califórnia, que escreveu um comentário sobre a “Super-Terra” na revista  Nature. O que ainda falta descobrir é a composição gasosa de seu entorno, destacou.

O GJ 1214b tem uma órbita de 38 horas em torno de uma estrela pequena e fraca, que foi vista pela primeira vez por oito telescópios terrestres comuns – não muito maiores daqueles usados por observadores amadores, de acordo com o Centro Harvard-Smithsonian.

Sua relativa proximidade torna possível estudá-lo a ponto de determinar sua atmosfera. “Isso faria dele a primeira ‘Super-Terra’ com atmosfera confirmada – mesmo que esta atmosfera provavelmente não seja boa para a vida como a conhecemos“, explicou David Charbonneau, que coordenou a equipe de pesquisa.

A temperatura do novo planeta, no entanto, é muito alta para abrigar formas de vida como as terrestres, explicaram os cientistas do Centro Harvard-Smithsonian em uma nota. Sua densidade sugere que o planeta “é composto por cerca de três quartos de água e gelo, e um quarto é rocha.  Há também fortes indícios de que o planeta possua uma atmosfera gasosa“.

Os cientistas calcularam a temperatura do GJ 1214b entre 120 e 280 graus Celsius – apesar da estrela central de seu sistema solar ter cerca de um quinto do tamanho do Sol. “Apesar de sua temperatura alta, este parece ser um mundo de água“, disse Zachory Berta, estudante que primeiro identificou indicações da presença do planeta.

É muito menor, mais frio e mais parecido com a Terra do que qualquer outro exoplaneta“, indicou Berta em uma nota. Exoplaneta ou planeta extra-solar é qualquer um localizado fora do nosso Sistema Solar. Berta explicou que parte da água da “Super-Terra” provavelmente está em estado cristalino, que existe em ambientes com pressão atmosférica pelo menos 20 mil vezes superior à encontrada ao nível do mar em nosso planeta.

Entretanto, numa comparação com o CoRoT-7b – outro planeta descoberto pelos cientistas que apresenta semelhanças com a Terra -, o GJ 1214b é bem mais fresco, segundo os astrônomos. O CoRoT-7b, por outro lado, tem densidade próxima à da Terra (5,5 gramas por centímetro cúbico) e parece ser rochoso, enquanto o novo planeta aparenta ser bem menos denso, com 1,9 grama por centímetro cúbico.

Para manter a densidade do planeta tão baixa assim é preciso que contenha grandes quantidades de água“, afirmou Marcy. “Deve haver uma enorme quantidade de água, pelo menos 50% de sua massa“.

—-

—–

Fonte: Portal Terra





Um anel gigante em torno de Saturno

7 10 2009

saturno anel gigante

 

 

Cientistas da Nasa (Agência Espacial americana) descobriram um anel gigante em torno de Saturno, em cujo diâmetro caberiam alinhados 1 bilhão de planetas do tamanho da Terra. Sua parte mais densa fica a cerca de 6 milhões de km de Saturno e se estende por outros 12 milhões de quilômetros, o que o torna o maior anel de Saturno. A altura do halo é 20 vezes maior que o diâmetro do planeta.

Trata-se de um anel superdimensionado“, definiu a astrônoma Anne Verbiscer, da Universidade da Virgínia em Charlottesville e uma das autoras de um artigo sobre a descoberta publicado na revista científica Nature. “Se ele fosse visível a partir da Terra, veríamos o anel com a largura de duas luas cheias, com Saturno no meio“, comparou a cientista.

Verbiscer e seus colegas utilizaram uma câmera de infravermelho a bordo do telescópio espacial Spitzer para fazer uma “leitura” de uma parte do espaço dentro da órbita de Phoebe, uma das luas de Saturno. Segundo a astrônoma, o anel é praticamente invisível por telescópios que utilizam luz, já que é formado por uma fina camada de gelo e por partículas de poeira bastante difusas.

As partículas estão tão distantes umas das outras que mesmo se você ficasse em pé em cima do anel, não o veria“, disse Verbiscer. Os cientistas acreditam que a lua Phoebe é que contribuiu com o material para a formação do anel gigante, ao ser atingida por cometas. A órbita do anel está a 27 graus de inclinação do eixo do principal e mais visível anel de Saturno.

Os cientistas acreditam que a descoberta do anel poderá ajudar a desvendar um dos maiores mistérios da astronomia – a lua Iapetus, também de Saturno. A lua foi descoberta pelo astrônomo Giovanni Cassini em 1671, que percebeu que ela tinha um lado claro e outro bastante escuro, como o conhecido símbolo yin-yang.

Segundo a equipe de Verbiscer, o anel gira na mesma direção de Phoebe e na direção oposta a Iapetus e às outras luas e anéis de Saturno.

Com isso, o material do anel colide constantemente com a misteriosa lua, “como uma mosca contra uma janela“.

 

Fonte: TERRA








%d blogueiros gostam disto: