Dia 11: O sertão, desafio da escrita, #PHpoemaday

11 06 2014

 

 

ROSÂNGELA MARASSI - Ipê amarelo - Óleo sobre telaIpê amarelo

Rosângela Marassi (Brasil, contemporânea)

Óleo sobre tela

 

 

Os ipês no sertão

 

Não me venha falar de tristeza
quando fala do sertão do Cariri.
Se você diz que a paisagem é cinza
é porque não conhece o sertão
patriótico na paisagem:
alegre, em flor, verde e amarelo.
É porque nunca viu o sertão de setembro;
o sertão dos ipês de puro ouro
salpicando felicidade na estação que se inicia.
Esses ipês renovam as esperanças no futuro
e alimentam a chama do amor à terra.
Quando vir as cores do sertão florado
Entenderá porque a bandeira do país
tremula no horizonte, lembrando o Cariri.

 

© Ladyce West, Rio de Janeiro, 2014





Viva o Dia da Bandeira! 19 de novembro!

19 11 2013

Berenic [ Berenice Barreto Fernandes]  (Brasil, Ceará,) Brasilindio, 2000, ast, 50 x80Brasilíndio, 2000

Berenic [Berenice Barreto Fernandes] (Brasil, contemporânea)

acrílica sobre tela, 50 x 80 cm





Terras do Brasil, poesia de D. Pedro II, na Semana da Pátria

1 09 2013

Bandeira_do_Brasil_1-_By_Digerson_Araaujo__(1)Bandeira do Brasil, 2011

Digerson Araújo (Brasil, 1952)

60 x 40 cm

Digerson Araújo

Terras do Brasil

D. Pedro de Alcântara

Espavorida agita-se a criança,

De noturnos fantasmas com receio.

Mas se abrigo lhe dá materno seio,

Fecha os doridos olhos e descansa.

Perdida é para mim toda esperança

De volver ao Brasil; de lá me veio

Um pugilo de terra, e nesta, creio,

Brando será meu sono e sem tardança.

Qual o infante a dormir em peito amigo,

Tristes sombras varrendo da Memória,

Ó doce Pátria, sonharei contigo!

E entre visões de Paz, de Luz, de Glória,

Sereno aguardarei, no meu jazigo,

A Justiça de Deus na voz da História.

Em: Poetas Cariocas em 400 anos, seleção de Frederico Trotta, Rio de Janeiro, Editora Vecchi:1965, pp.149-150





Dia da Bandeira: variações sobre a Bandeira do Brasil

13 11 2012

A Pátria, 1905

Pedro Bruno, (RJ, 1888-1949)
óleo sobre tela
Museu Histórico do Rio de Janeiro

Dia 19 de novembro comemoramos o Dia da Bandeira do Brasil.   Aqui estão algumas variações sobre a nossa bandeira.  Vocês estão convidados a mandar, suas próprias variantes sobre a nossa bandeira: desenhos, pinturas. Aqui vão alguns exemplos para vocês se inspirarem.  Quem quiser contribuir mande-me o seu email e eu entro em contato.

Bandeira do Brasil, criação fotográfica de Culiculicz.

Retirado de:

http://flickr.com/photos/62759970@N00/167812480/

Bandeira do Brasil, 1995

Regina Mello ( MG, Brasil, 1959)

Módulos de madeira, pintados em acrílica

250 x 160 cm

www.reginamello.xpg.com.br

Bandeira do Brasil, [Bandeira brasileira] s/d

Olavo Campos (São Paulo)

Madeira reciclada

Bandeira do Brasil

Paulo Sérgio Zerbato (Brasil, 1971)

http://paulosergiozerbato.blogspot.com.br

Bandeira do Brasil

Morandini, designer ( de seu blog: http://blog.morandini.com.br/ )

Técnica mista com folhas de árvores

Bandeira do Brasil, feita com pintura de mãos de crianças do Instituto La Fontaine, Belo Horizonte, MG.

http://institutolafontaine.blogspot.com

Boi Bandeira, 1968

Humberto Espíndola (Brasil, 1943)

óleo sobre tela

Painel do Brasil no Memorial do Imigrante, São Paulo

Yes, nós temos banana, 1999

Nelson Leirner (Brasil, 1932)

colagem sobre serigrafia, 74 x54 cm

Brasil humanitário [da Série Bandeiras Brasileiras]

Touth Andrade (Brasil, 1962)

óleo sobre tela, 80 x 90 cm

http://digitalconsciousness.com/artists/TouthAndrade/

Bandeiras Brasileiras, II

Touth Andrade ( Brasil, 1962)

http://digitalconsciousness.com/artists/TouthAndrade/

Papai Noel brasileiro,

Luis Saguar (Brasil)

Ilustração

http://saguardesign.blogspot.com.br/





Viva o dia da Independência! Viva o 7 de setembro!

7 09 2011

Esta é a 1ª bandeira do Brasil, depois da nossa independência!

Um bom feriado a todos!





Poema de Murillo Araújo no DIA DA BANDEIRA — 19 de novembro

19 11 2008

bandeira-do-brasil

 

COM AS ESTRELAS NATAIS

 

Murillo  Araújo

 

 

Alta, nas nuvens e nos ventos, alta,

no turbilhão se enrola e se levanta.

Como a bandeira de heroísmo salta!

Como a bandeira de heroísmo canta!

 

Ondeia audaz.  Sonha nos grandes mastros

por entre incandescências de arrebóis.

Vibram em suas asas de ouro e de astros

as almas legendárias dos heróis.

 

Oh contemplar assim, por toda a vida,

os seus clarões sublimes e supremos!

Resplende, em sua rama enflorescida,

o céu de estrelas sob o qual nascemos.

 

No exílio… à morte, pela terra imensa,

possamos vê-la rútila e imortal…

e se a tivermos sobre nós suspensa

nós dormiremos sob o céu natal.

 

 

Retirado de: A Estrela Azul: poemas para crianças, 1940 em Poemas Completos de Murillo Araújo

 

 

 

Murillo Araújo – ou Murilo Araújo — (MG 1894 – RJ 1980) jornalista, formado em direito.  Poeta, escritor, teatrólogo, ensaísta.

 

Obras:

 

Carrilhões (1917)  

A galera (escrito em 1915, mas publicado anos depois)

Árias de muito longe (1921)

A cidade de ouro (1927)

A iluminação da vida (1927)

A estrela azul (1940)

As sete cores do céu (1941)

A escadaria acesa (1941)

O palhacinho quebrado (1952)

A luz perdida (1952)

O candelabro eterno (1955)

 

Prosa:

A arte do poeta (1944)

Ontem, ao luar (19510 — uma biografia do compositor Catulo da Paixão Cearense

Aconteceu em nossa terra (pequenos casos de grandes homens)

Quadrantes do Modernismo Brasileiro (1958)

 

Outros poemas de Murillo Araújo (Murilo Araújo neste blog):

Dois tesouros na pátria

Romance dos Dois Pedros

Dia de festa





Um dos mais belos hinos… para comemorar o 7 de setembro

7 09 2008

MENINO COM BANDEIRA, 1980s

Marysia Portinari (Brasil, 1937)

Óleo sobre tela

Coleção particular

 

FIBRA DE HERÓI (Bandeira do Brasil)

Letra: Teófilo de Barros Filho
Música: Guerra Peixe
 
Se a Pátria querida
For envolvida pelo perigo,
Na paz ou na guerra
Defende a terra contra o inimigo.
Com ânimo forte,
Se for preciso, enfrenta a morte!
Afronta se lava
Com fibra de herói de gente brava.
 Bandeira do Brasil,
Ninguém te manchará;
Teu povo varonil
Isso não consentirá.
Bandeira idolatrada,
Altiva a tremular
Onde a liberdade
É mais uma estrela a brilhar.
 

 

 

 

 

 

NOTA DA PEREGRINA:

Na escola municipal em que fiz os meus primeiros anos escolares, cantávamos um hino, antes de começar as aulas, duas vezes por semana.  Em geral cantávamos o Hino Nacional para ficarmos “afiados” quando viesse a visita de alguma pessoa importante à escola, principalmente porque esta escola levava o nome de um país do Novo Mundo, e vez por outra, havia um adido cultural que vinha lá do consulado para nos prestigiar com sua presença.  [Pensando bem, acredito que isto se devesse ao esforço da diretora da escola].

De todos os hinos que cantávamos este era DE LONGE o preferido de todos.  Era o hino mais popular entre nós.  Hoje, quando penso nesta escola, agradeço à boa diretora que tivemos que exigia tanto esforço nosso e de seus professores.  D. Mercedes, muito obrigada!








%d blogueiros gostam disto: