Natureza maravilhosa: borboleta transparente

4 03 2017

 

 

transparent-glasswinged-butterflyFoto: Greg Foster, fotografia feita no Smithsonian Museum, Viveiro de borboletas, Washington DC.

 

 

 

A Borboleta Transparente leva o nome científico de Greta Oto.   Natural da América Central:  México, Panamá. Ela também pode ser encontrada na Venezuela, na Colômbia e em algumas partes do Brasil. É  uma borboleta com asas transparentes exceto pelas bordas das asas  que são marrom avermelhado e fazem o efeito de pequenas janelas.  Não é comum, mas a espécie ainda não está em perigo. A razão de ser transparente é simples, ela não tem  escamas coloridas como as outras borboletas. Essa transparência serve de camuflagem.  O corpo é sempre escuro.  As asas abertas podem chegar a 6 cm de largura e  elas são bastante resistentes, podendo voar até 20 km por dia.

Salvar





Teia de aranha, poesia de Olegário Mariano

3 03 2017

 

 

gao-qipei-finger-painting-of-a-spider-on-a-web-china-1684Teia de aranha,  1684

Gao Qipei (China, 1660-1734)

Pintura a dedo, sobre o papel

 

 

 

Teia de aranha

 

Olegário Mariano

 

Dizem que traz felicidade a teia

De aranha. Surge um dia, malha a malha.

E a aranha infatigável que trabalha,

Mata os insetos quanto mais se alteia.

 

Sobe ao beiral. É um berço e balanceia

Ao vento que os filetes de oiro espalha.

E ao sol iluminado, que a amortalha,

A trama iluminada se incendeia.

 

Voa a primeira borboleta ebriada.

Vem louca, primavera de ansiedade,

Mas de repente, a asa despedaçada,

 

Rola… É o fim… A tortura da grilheta…

Maldita seja essa felicidade

Que vem da morte de uma borboleta!

 

 

Em: Toda uma vida de poesia — poesias completas, Olegário Mariano, Rio de Janeiro, José Olympio: 1957, volume 1 (1911-1931), p. 117.

 

 





Natureza maravilhosa: mariposa imperador

12 07 2015

 

Thysania_agrippina_0001b_L.DMariposa Imperador (Thysania agrippina), natural do Brasil. Foto: Wikipedia.

 

 

Essa é a maior mariposa do mundo! Tem 30 centímetros de uma extremidade da asa à outra.  Suas asas  são cinzentas, quase-brancas, manchadas de marrom.  São debruadas de linhas escuras que ressaltam a sinuosidade do intrincado desenho de suas asas. Essas apresentam desenhos geométricos, em preto, cinza e marrom.  Seu nome científico é Thysania agrippina,  mas nós a conhecemos como mariposa-imperador. É o maior lepidóptero noturno do mundo. Em outras palavras, a maior mariposa do planeta.

A família dos lepidópteros é a mesma a que pertencem as borboletas. A diferença básica é que estas são insetos diurnos, enquanto as mariposas são noturnas ou crepusculares.

 

Fonte: Wikipedia





Natureza maravilhosa! Borboleta 88

25 04 2015

 

 

butterflies-neglecta-sartore_1368_600x450Borboleta brasileira, [Diaethria neglecta], foto: National Geographic.

 

Comumente chamada de “Oitenta e oito” por causa do desenho de linha e pontos de suas asas, essa belíssima borboleta [Diaethria neglecta] é natural do Brasil.

Para mais informações clique aqui.

 





Imagem de leitura — Hélène Béland

18 08 2014

 

 

Hélène Béland, Canadá, Montréal, 1950) Visita inesperadaVisita inesperada

Hélène Béland (Canadá, 1949)

óleo sobre tela,  60 x 75 cm

Coleção Particular





Flores para um sábado perfeito!

12 07 2014

 

 

Cláudio BARAKE, Margarida e borboleta - acrílica sobre tela - 60x60 cm acie 2009Margarida e borboleta, 2009

Cláudio Barake (Brasil, 1966)

acrílica sobre tela, 60 x 60 cm





Natureza maravilhosa — mariposa amazônica [Myonia graba]

16 08 2013

Erbessa graba 5628-001aFoto: © Adrian Hoskins

Myonia graba é uma borboleta descrita pela primeira vez em 1899 por Druce.  Habita florestas tropicais encontradas em alturas de 200 a 800 metros.  Essas mariposas são naturais da região amazônica e dos Andes aparecendo  na Colômbia, Equador, Peru e Brasil.

Fonte: Learn about butterflies




Borboletas são? poema de Maria Helena Sleutjes

2 10 2012

Borboletas, ilustração de Brita Barlow, para capa da revista americana Better Homes & Garden, de setembro de 1933.

Borboletas são?

Maria Helena Sleutjes

Borboletas, como explicar?

São insetos…

Nem pensar!

São pedaços coloridos

Que voam.

Isto sim!

São as almas das flores

Visitando os jardins.

Isto sim!

Borboletas, como explicar?

São Lepidópteras…

Nem pensar!

São reflexos de anjos

Que flutuam.

Isto sim!

Borboletas

São pequenas bailarinas

São crianças dançarinas

Pedaços de serpentinas

No canto do meu olhar.

 –





A borboleta azul, poema de Faustino Nascimento

21 01 2010

 

Ilustração, Maurício de Sousa.

 

A borboleta azul

Faustino Nascimento

De uma clareira à borda da floresta,

Que o sol transforma em rútila vinheta,

Toda de azul, como quem vai à festa,

Passa, bailando, a linda borboleta.

Uma ninfa, talvez, fugindo à sesta,

Em busca de algum Pan, deusa faceta,

Toda beleza e graça manifesta,

Voejando, entre uma rosa e uma violeta.

Não tenta conquistar as altitudes,

Transpor abismos e vencer taludes,

Pois nasceu borboleta e não condor…

É que ela busca apenas a quem ama,

E despreza a riqueza, a glória e a fama,

Pois tem tudo na terra, tendo o amor…

Em:  Antologia Poética, Faustino Nascimento, Rio de Janeiro, Freitas Bastos: 1960, p.103.

—-

 

 

Antônio Faustino Nascimento (Missão Velha, CE, 1901-)  advogado, magistrado, escritor, poeta, ensaísta, jornalista, tradutor.  Em Fortaleza, fundou a revista Argus.

Obras

Juvenília, poesia, 1927

As Cosmogonias, ensaio, 1929

Paisagens sonoras, poesia, 1937

Ritmos do novo continente, poesia, 1939, 1943

Elogio do amor e da ilusão, poesia, 1941

Cantos da paz e da guerra, poesia, 1943

O refúgio sublime, poesia, 1945

Exortação, soneto em cinco idiomas, 1949

O sonho do fauno, poesia, 1950

Cântico ao nordeste, poesia, 1954

Caminhos do Infinito, poesia, 1956

A  fonte de Afrodite, poesia, 1958

A Alvorada, cântico a Brasília, 1958

Antologia poética, 1960

A vida, o amor e a ilusão, poesia, 1962

A terra de Israel, ensaios, 1967

Oriente e ocidente, história, 1973





Quadrinha da borboleta

27 10 2009

borboleta e menino

 

Borboleta multicor

tu me lembras, ao passar,

um bilhetinho de amor

dobrado em dois, a voar…

 

(J. G. de Araújo Jorge) 








%d blogueiros gostam disto: