Em três dimensões: Relicário de Santa Balbina, c. 1520-30

20 11 2016

 

 

santa-balbina-inicio-do-seculo-xvi-metropolitanRelicário de Santa Balbina, 1520-1530

Anônimo, provavelmente de Bruxelas, Bélgica

madeira, tinta e folha de ouro; 44 x 40 x 15 cm

Metropolitan Museum, Nova York

 

 

balbina-2Verso, Relicário de Santa Balbina, 1520-1530





Esmerado: Tapeçaria Belga, c. 1600

23 06 2015

 

 

71de39ef40a6caacc67465628159a6e6Imperador da antiguidade a cavalo, c. 1600

Tapeçaria de parede em lã e seda

Bruxelas, 298 x 380 cm

 

 





Imagem de leitura — Alfred Stevens

25 11 2014

 

 

alfred stevensA senhora de amarelo, 1863

Alfred Stevens (Bélgica, 1823-1906)

óleo sobre tela

Museus de Belas Artes da Bélgica, Bruxelas





Imagem de leitura — Mig Quinet

30 03 2014

Mig Quinet (Bélgica1906-2001) A leitora, 1942, ost, 39 x 43cmA leitora, 1942

Mig Quinet (Bélgica, 1906-2001)

óleo sobre tela, 29 x 42 cm

Mig Quinet — Nasceu em Ransart em junho de 1906. Cursou a Academia de Belas Artes de Bruxelas. Trabalhou no serviço cultural do Palais des Beaux-Arts, em Bruxelas de 1928 a 1931. Reuniu-se depois ao grupo fauvista de Brabant. Interessada em avant-garde, fez a sua primeira exposição individual em 1938. Foi uma dos fundadores da Jeune Peinture Belge (1945-1948), ela aparece em quase todos os eventos e defende ao lado de Anne Bonnet, a presença das mulheres na arte deste grupo de inovadores. Defende firmemente também a agressão cromática e simplificação das formas. No início da década de 1950, sua pintura passa para uma abstração geométrica (1949-1957) e depois lírica (1957-1963) com um frescor cheio de espontaneidade e uma paleta de cores brilhantes. Voltou mais tarde à arte figurativa. Mig Quinet é considerada uma das mais originais coloristas da arte belga. Faleceu em Watermael-Boitsfort em Maio de 2001 .





Museus nos EUA passam por mudanças

11 01 2009

 

david-teniers-1610-1690por-volta-de-1651

O Arquiduque Leopold Wilhelm na sua galeria de quadros em Bruxelas, 1651

David Teniers  ( Países Baixos, 1610-1690)

Óleo sobre tela,  127 x 162 cm

Petworth House

 

 

Hoje cedo dei uma lida rápida num artigo do New York Times, em que Holland Cotter explica que os maiores e melhores museus dos EUA passam no momento por dificuldades em continuar abertos.  Já que não haverá auxilio do governo para seus problemas financeiros.  O Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles por exemplo já acabou não só com todo o dinheiro que tinha investido como precisou recorrer ao apoio de um dos patronos do museu, o bilionário e colecionador, Eli Broad.

 

Para a maioria dos museus esta é a hora de agir.  Eles não podem ficar passivos principalmente  quando suas economias estão desaparecendo; quando seus patronos perdem muitos investimentos. Numa época de incerteza financeira as pessoas responsáveis como patronos esquecem dos museus.  Essas instituições precisam então fazer alguma coisa ou fecham.

 

Já há algum tempo muitos dos museus americanos andam afrouxando suas regras; modificando os modelos de templos da arte, tornando-se mais populares.  Trocam os antigos modelos por um que está cada vez mais popular: o “museu dos cidadãos”. Esse museu tem acima de tudo uma atmosfera mais fluida, mais informal e certamente mais popular em gosto e em acervo.

 

Essa reformulação em geral passa por uma  re-organização das coleções permanentes.  O Instituto de Artes de Detroit, por exemplo, trouxe para frente do seu imponente edifício a belíssima coleção de arte africana de seu acervo permanente, que hoje serve como sala de apresentação do museu.

 

Outra parte da reformulação é a popularização dos gostos e dos objetos a serem mostrados.  Exemplos das diferentes exposições, definitivamente mais populares nos museus:

 

1.                  O Museu do Brooklin já teve duas exposições bem mais populares que atraíram um bocado da população mais jovem e com menos cultura artística: objetos comerciais do hip-hop e outra exposição da parafernália de Star Wars.

 

2.         A Guggenheim por sua vez, teve a exposição da “ extravaganza de

            motorcicletas”.

 

 

 

Não tenho nada contra esforços para a popularização dos museus.  Por exemplo, acredito que para incentivar a leitura devemos dar todo apoio a quem queira ler mesmo que seja uma obra comercial.  O mesmo é claro acredito que possa ser aplicado aos museus.  Mas é preciso vermos se realmente cabe este grande número de museus ou se não estamos hoje em dia com uma tendência de tratarmos museus como pontos turísticos e assim sempre bem-vindos pelos governos municipais em qualquer lugar no mundo.  

 

Penso principalmente num absurdo carioca: toda casa com mais de 50 anos, num bairro populoso, passa a ser “tombada” depois de uma grita em geral que quem mora próximo e vai perder “ a vista” de seu apartamento se mais um edifício fosse construído no local.  Então temos mais uma casa que se transforma em centro cultural, como se esse fosse o único fim possível para alguma construção de dois ou três pavimentos.  Francamente, mesmo que se ainda fôssemos o centro cultural do Brasil, o que deixamos de ser há algum tempo, não teríamos cultura suficiente para enchermos significativamente todas as casas hoje transformadas em centros culturais.   O resultado é um nível muito baixo do que é apresentado lá, quando há alguma coisa apresentada.  Uma pena.

 

A popularização de uma instituição como um museu ou um centro cultural não é ruim desde que sirva de apresentação e que atraia, como um ímã,  um  público que se sente curioso o suficiente para ir ver, procurar e se instruir no que há de mais sério e mais complexo, nas outras exposições…

 

 





Imagem de leitura — Fernand Toussaint

9 10 2008

A Carta de Amor, s/d, Fernand Toussaint (Bélgica, 1873-1955)

 

Fernand Toussaint, (Bélgica 1873-1956) pintor belga, nascido em Bruxelas, famoso pelas naturezas mortas e retratos.  Aluno de Jean Portaels em Bruxelas e depois e em Paris onde refinou seu estilo com a atenção do pintor Alfred Stevens.  








%d blogueiros gostam disto: