A companhia de um cão, texto de William Boyd

14 04 2016

 

393.0LJovem homem e seu cão, 2005

Mihail Aleksandrov (Rússia/EUA, 1949)

óleo sobre tela,  55 x 65 cm

 

 

“Senti uma espécie de aflição tão intensa e pura, que achei que fosse morrer. Uivei feito um bebê com meu cachorro nos braços. Então coloquei-o em uma caixa de vinho, e o levei para o jardim onde o enterrei debaixo de uma cerejeira.

Ele é só um cachorro velho, digo para mim mesmo, e viveu uma vida de cachorro plena e feliz. Mas o que me deixa indescritivelmente triste, é que, sem ele, fico sem amor na vida. Pode parecer estúpido, mas eu o amei e sei que ele me amou. Isso significou que houve um fluxo descomplicado de amor recíproco na minha vida e acho difícil admitir que terminou. Olhe só para mim, murmurando, mas é verdade, é verdade. E, ao mesmo tempo, sei que uma parte da  minha tristeza é apenas autopiedade disfarçada. Precisei daquela troca e estou preocupado por não saber como viverei sem ela nem se conseguirei arranjar um substituto — quem dera fosse tão fácil quanto comprar um novo cachorro. Sinto muita pena de mim mesmo — é isso que é aflição.”

 

Em: As aventuras de um coração humano, William Boyd, Rio de Janeiro, Rocco: 2008, tradução de Antônio E. de Moura Filho, p. 503-4.





O mundo animal de Charles van den Eycken

7 10 2013

artwork_imcharleshvanden-eyckenTravessura, 1900

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 34 x 48 cm

66dab5667e9cCharles van den EyckenA tela rasgada, 1875

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 30 x 25 cm

027d22729ff3Charles van den EyckenBoa coisa não é, 1896

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 34 x 46 cm

Charles van den Eycken Jr  (1859-1923) - Chat aux lunettes, 1918O gato dos óculos, 1918

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre madeira, 22 x 16 cm

76418912c0faCharles van den EyckenSob o olhar da mãe, s/d

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre madeira, 33 x 45 cm

defdd84a5b85Charles van den EyckenBibliotecários felinos, s/d

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 46 x 56 cm

CHARLES VAN DEN EYCKEN (Belgian 1809-1891) Circus EntretainersArtistas de circo, 1890

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 43 x 46 cm

0aee29c4e3dfCharles van den EyckenAssinado e datado, 1907

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 34 x 46 cm

Charles van den Eycken Who is there, 1892Quem está aí?, 1892

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 63 x 96 cm

1cbda44315adCharles van den EyckenNo quarto de dormir, s/d

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela, 80 x 61 cm

8a008a8c37e3Charles van den EyckenUm companheiro perfeito para o chá, 1884

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre madeira, 36 x 27 cm

fe533e7a6288Charles van den EyckenUm visitante de surpresa, 1893

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre madeira, 27 x 36 cm

pierette-and-mifs-charles-van-den-eyckenPierrette e Mifs, 1892

Charles van den Eycken (Bélgica, 1859-1923)

óleo sobre tela





O melhor amigo do homem é sensível!

9 12 2008
Quem é?  Ilustração MW Editora e ilustrações

Quem é? Ilustração MW Editora e ilustrações

 

Há tempos que não falamos sobre cachorros aqui neste espaço.  Mas estes amigos nossos estão sempre nos nossos pensamentos.  E é bom que assim seja, pois as mais recentes pesquisas sobre cães mostram-no como um animal muito sensível, que sente ciúmes, inveja e sofre quando se acha injustiçado. 

 

É da Inglaterra que vem a mais recente confirmação de que o cão sente ciúmes quando seu dono faz carinhos em outro cachorro, que não seja ele. Até agora este comportamento só havia sido encontrado entre chimpanzés e seres humanos.  Mas não só cachorros sentem ciúmes, cavalos também de acordo com as declarações feitas por Paul Morris, psicólogo da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, que chefiou uma pesquisa sobre o comportamento emocional dos cães e outros mamíferos.  A teoria foi testada também na Áustria, na Universidade de Viena com 33 cães.  O resultado da análise feita sobre tratamentos diferenciados entre cachorros mostrou claramente que cães sofrem quando se sentem injustiçados.  E o demonstram com o que chamamos para os humanos de resistência passiva, ou seja: eles hesitam seguir os comandos de seus donos, ou simplesmente recusam primeiro, para depois obedecer sem entusiasmo. 

 

Estas mais recentes pesquisas divulgadas na edição do dia 8 de novembro de 2008, no Sunday Times e reproduzidas pela CNN, complementam estudos sobre a linguagem corporal canina feitos na Itália, e publicados no jornal Dallas News, cujos resultados foram publicados há mais ou menos um ano. As observações italianas estabelecem meios de um claro reconhecimento do estado de felicidade ou infelicidade dos cães, através da posição na qual abanam seus rabos.  Estas descobertas feitas por Giorgio Vallortigara, neurologista da Universidade de Trieste e dois veterinários Angelo Quaranta e Marcello Siniscalchi, da Universidade de Bari conseguiram desvendar os sentimentos dos cães de acordo com o lado [direito ou esquerdo da linha dorsal] em que abanam seus rabos. 

 

Quando cães se sentem muito felizes com uma atividade, com uma atenção, abanam seus rabos tendendo para o lado direito, enquanto seus rabos se voltam para o lado esquerdo quando se sentem insatisfeitos, em desacordo com o que lhes é apresentado.  O resultado é que aparentemente os músculos do lado direito da cauda refletem emoções positivas, enquanto que os do lado esquerdo da cauda retratam emoções negativas.

 

 

 





Vozes dos animais, poema de Pedro Diniz

13 07 2008
Animais da fazenda, ilustração de Steve Morrison

Animais da fazenda, ilustração de Steve Morrison

 

 

VOZES DOS ANIMAIS

 

Muge a vaca; berra o touro;

Grasna a rã; ruge o leão;

O gato mia; uiva o lobo;

Também uiva e ladra o cão.

 

Relincha o nobre cavalo;

Os elefantes dão urros;

A tímida ovelha bala;

Zurrar é próprio dos burros.

 

Sabem as aves ligeiras

O canto seu variar:

Fazem às vezes gorjeios

Às vezes põem-se a chilrar.

 

Bramam os tigres, as onças;

Pia, pia o pintinho;

Cucurica e canta o galo;

Late e gane o cachorrinho.

 

A vitelinha dá berros;

O cordeirinho, balidos;

O macaquinho dá guinchos;

A criancinha vagidos.

 

 

Pedro Diniz

 

 

 

Criança brasileira, Theobaldo Miranda Santos, Agir: 1950, Rio de Janeiro








%d blogueiros gostam disto: