Mardi-Gras, Terça-feira Gorda!

5 03 2019

 

 

J. CARLOS (1884 - 1950) - Tempo de Carnaval, rara aquarela sobre cartão, capa da revista Fon-Fon, med. 35 x 22,5cm, assinada e localizada Rio.Tempo de Carnaval

J. Carlos (Brasil, 1884 – 1950)

aquarela sobre cartão (capa da revista Fon-Fon),  35 x 22 cm

 

 

 

Muitos já esqueceram que o Carnaval marcava originalmente um único dia.  A palavra Carnaval, de acordo com Antonio Houaiss,  é originária no latim clássico CARNEM LEVÁRE, ( “abstenção de carne”).  Essa expressão está presente em diversos dialetos italianos,  aparecendo na língua falada em Milão em 1130,  CARNELEVALE, aparecendo no italiano do século XIV como CARNEVALE.  Foi para o francês em 1552 como CARNEVAL e 130 anos mais tarde, em 1680 como CARNAVAL.  Nessa forma é adotada pelas outras línguas europeias, no século XVII.

Abstenção de carne?  Sim, porque é nesta terça-feira (e o Carnaval propriamente dito é terça-feira) que se encerra o período que antecede a Quaresma, compreendendo os 40 dias antes da Semana Santa e Páscoa. Ela se inicia na Quarta-feira de Cinzas e termina no Domingo de Ramos.  É observada por um grande número de cristãos: católicos, anglicanos, luteranos, metodistas.  Para seguidores dessas religiões cristãs  este período é de reflexão, abstinência e penitência e reflete os 40 dias que Jesus Cristo passou no deserto.  Inicialmente a celebração desse ritual data de meados do século IV (ano 350).

É por causa do início do período de abstenção, de penitência, de  sacrifícios que o Carnaval tomou este nome, afinal é o último dia permitido para exageros. Na quarta feira começa o tempo de reflexão e de despedida da carne.

Mardi-Gras é a expressão francesa para este dia: Terça-feira Gorda. Mardi em francês significa terça-feira, enquanto gras quer dizer gordura.   Mardi Gras é o último dia de se comer carne, comer alimentos gordos, mesmo que em muitos países europeus ainda se esteja no inverno, estação que requer alimentação mais rica.

—  —  —  —

Há uma famosa representação da Luta entre o Carnaval e a Quaresma, de 1559, na fascinante obra do pintor holandês do século XVI, Pieter Brueghel, o velho, (grafia também pode ser Bruegel).

 

Öèôðîâàÿ ðåïðîäóêöèÿ íàõîäèòñÿ â èíòåðíåò-ìóçåå Gallerix.ruO embate entre Carnaval e Quaresma, 1559

Pieter Brueghel, o Velho (Flandres [Bélgica], c. 1525- 30 — 1569)

óleo sobre painel de madeira, 118 x 164 cm

Museu de História da Arte de Viena, Áustria

 

DETALHE

 

Pieter_Bruegel_the_Elder-_The_Fight_between_Carnival_and_Lent_detail_3

Vejam que a batalha está travada entre o Gordo Carnaval, segurando um espeto cheio de carnes e a magra Quaresma, num carrinho puxado por religiosos.

 

Öèôðîâàÿ ðåïðîäóêöèÿ íàõîäèòñÿ â èíòåðíåò-ìóçåå Gallerix.ru

Senhor Carnaval, gordinho e montado num barril de vinho, segura espeto com carne de javali e outras carnes.  É seguido por serventes com copos e bandeja com comidas. Tudo à sua volta reflete abundância.

 

Öèôðîâàÿ ðåïðîäóêöèÿ íàõîäèòñÿ â èíòåðíåò-ìóçåå Gallerix.ru

Dona Quaresma, do outro lado, esquálida, vem num carrinho de madeira, com alguns pães a seus pés e segura uma chapa com peixes grelhados.  Seu carro é puxado por religiosos e seguido por pessoas com matracas, objetos usados na Sexta-feira Santa no lugar de sinos.

 





Carnaval por Carlos Drummond de Andrade

13 02 2018

 

 

 

Rosina Becker do Valle,Carnaval,ost,1956, 63 x 96 cmCarnaval, 1956

Rosina Becker do Valle (Brasil, 1914-2000)

óleo sobre tela, 63 x 96 cm

 

 

“O povo toma pileques de ilusão com futebol e carnaval. São estas as suas duas fontes de sonho.”

 

Carlos Drummond de Andrade

 

 

drummond.cdaCarlos Drummond de Andrade (1902 – 1987)




Carnaval por Vinícius de Moraes

12 02 2018

 

 

 

Mario Gruber, fantasiado- 2001, ast, 55x55Fantasiado,  2001

Mário Gruber (Brasil, 1927 – 2011)

acrílica sobre tela, 55 x 55 cm

 

 

“O carnaval. A festa onde os tabus perdem força e as permissões tornam-se hiperbólicas.”

 

 

Vinícius de Moraes

 

 

vinicius-de-moraesVinícius de Moraes (1913 -1980)

 

 





Carnaval por Graciliano Ramos

11 02 2018

 

 

EDESIO ESTEVES (1916-). Bloco de Carnaval, óleo s tela, 60 X 73Bloco de Carnaval

Edésio Esteves (Brasil, 1916)

óleo sobre tela, 60 x 73 cm

 

 

“Se a única coisa que de o homem terá certeza é a morte; a única certeza do brasileiro é o carnaval no próximo ano.”

 

Graciliano Ramos

 

graciramosGraciliano Ramos (1892-1953)




Carnaval por Vergílio Ferreira

9 02 2018

 

 

 

Adilson Santos, (Brasil, 1944) Menina com a máscaraMenina com a máscara

Adilson Santos, (Brasil, 1944)

óleo sobre tela

 

 

 

“Que ideia a de que no Carnaval as pessoas se mascaram. No Carnaval desmascaram-se.”

 

 

 

Vergilio_Ferreira

Vergílio Ferreira (1916-1996)




Carnaval lendo!

21 02 2017

 

 

 

pascual-carlos-esteban-argentina-1938a-leitora2001-acrilica-sobre-tela55x46cmA leitora, 2001

Pascual Carlos Estebán (Argentina, 1938)

acrílica sobre tela, 55 x 46 cm

 

 

Pensa em passar o Carnaval em casa lendo?  Aqui vão algumas sugestões de leitura.  Uns livro são mais grossos do que outros.  Você terá que ver quantos dias de folga irá dedicar à leitura. Procure pelas sinopses on line.

Todos os livros aparecem em catálogos online de grandes livrarias, mesmo não tendo sido publicados em 2017.

 

Pequena joia da literatura japonesa:

O fuzil de caça, Yasushi Inoue, São Paulo, Estação Liberdade: 2010, 112 páginas

 

Livro leve e romântico, quase um conto de fadas francês:

A caderneta vermelha, Antoine Laurain, Rio de Janeiro, Alfaguara: 2016, 134 páginas

 

Livro com pegada histórica, sobre adaptação a um novo ambiente, bom astral:

A garota de Boston, Anita Diamant, São Paulo, Nversos: 2016, 240 páginas

 

Livro não ficção que faz pensar, aprender e é de fácil leitura:

Sapiens, uma breve história da humanidade, Yuval Noah Harari, Porto Alegre: 2015, 462 páginas

 

Livro que virou filme:

Um homem chamado Ove, Fredrik Backman, Rio de Janeiro, Alfaguara: 2015, 352 páginas

 

Livro brasileiro histórico/suspense/ação:

O romance inacabado de Sofia Stern, Ronaldo Wrobel, Rio de Janeiro, Record: 2015, 256 páginas

Salvar

Salvar





Imagem de leitura — Margaret Pappas

15 02 2015

 

Palhaço lendo Wall street journal, margaret-pappas,(EUA, contemp)ost, 90 x 60 cmPalhaço lendo Wall Street Journal

Margaret Pappas (EUA, contemporânea)

óleo sobre tela,  90 x 60 cm





Trova do Carnaval

14 02 2015

 

 

REYNALDO Fonseca (1925) Figura com máscara, o.s.t. - 46 x 38 cm. Ass. e dat. 2006Figura com máscara, 2006

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

óleo sobre tela, 46 x 38 cm

 

 

Neste carnaval sem fim

do mundo que Deus nos deu,

fantasiei-me de mim

e ninguém me conheceu.

 

 

(Maria Helena Vaquinhas de Carvalho)*

 

*Como apareceu na Coluna Falando de Trova, de José Ouverney.

 

 





Carnaval na pintura, seleção de 2015

10 02 2015

ARTUR THIMOTEO - Carnaval - Óleo sobre tela - 1913 - Coleção particularCarnaval, 1913

Arthur Timótheo da Costa (Brasil, 1882-1922)

óleo sobre tela

Coleção Particular

 

Antonio Gomide, Pierrot e Colombina,ose, 40x32Pierrot e Colombina, década de 1920

Antônio Gomide (Brasil, 1895-1967)

óleo sobre eucatex, 40 x 32 cm

 

ALOYSIO ZALUAR,Clóvis , guache, medindo 36 x 49 cm.Clóvis, s/d

Aloysio Zaluar (Brasil, 1937)

guache sobre papel, 36 x 49 cm

 

Gilberto Trompowsky (Brasil, 1912-1982)escola de samba, osm, 1953, 38 x 46 cmEscola de samba, 1953

Gilberto Trompowsky (Brasil, 1912-1982)

óleo sobre madeira, 38 x 46 cm

 

Augustus Earle-jogos-durante-o-entrudo-no-Rio-de-Janeiro-Aquarela-circa 1822Jogos durante o Entrudo no Rio de Janeiro, 1822

Augustus Earle (Inglaterra, c. 1793- c. 1838)

aquarela sobre papel

 

Mario Gruber, 1981, Figura de CarnavalFigura de Carnaval, 1981

Mário Gruber (Brasil, 1927)

óleo sobre tela, 80 x 80 cm

 

erico santos (RS) carnaval80x60cm2010_GRCarnaval, 2010

Érico Santos (Brasil, 1952)

óleo sobre tela, 80 x 60 cm

www.ericosantos.com.br

 

Emiliano Di Cavalcanti, Carnaval - osc. - med. 30,5 x 20 cmCarnaval

Emiliano Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976 )

óleo sobre cartão

 

 

 

 

 





O Carnaval de Pedro Nava

3 02 2015

 

 

J. Carlos Paratodos 01Arlequim e Colombina, 1927

Capa da Revista Para Todos,26 de fevereiro de 1927

J. Carlos (Brasil, 1884-1950)

 

 

“Água não era só de chuva e de enchente. Mais abundante era a dos entrudos.  Carnaval. Passavam uns escassos mascarados, dominós de voz fina, diabinhos com que o Benjamim Rezende se divertia arrancando o rabos, quebrando os chifres. O Paulo Figueiredo, encantando minha avó com seu Pierrot  recamado de lantejoulas. Os primeiros lança-perfumes — Vlan e o Rodo. Mas o bom mesmo era o entrudo. Havia instrumentos aperfeiçoados para jogar água, como os relógios, assim chamados  porque esses recipientes imitavam a forma de um relógio fechado, com dois tampo metálicos flexíveis que, quando apertados, deixavam air um delicado esguicho de água perfumada. Havia de todos os tamanhos, desde os pequeninos, que vinham no bolso, aos enormes, que ficavam no chão e eram acionados com o pé. Havia os revólveres — seringas que imitavam a forma da arma — cano metálico e o cabo de borracha que se apertava, apontando quem se queria molhar. Os limões de todos os tamanhos e de todas as cores que eram preparados com semanas  de antecedência e em enorme quantidade. Continham água de cheiro, água pura, água colorida, mas os que caíam da sacada do Barão vinham cheios de água suja, de tinta, de mijo podre. Desciam ao mesmo tempo que as cusparadas das moças.  Além dos relógios, dos revólveres, dos limões, eram mobilizadas todas as seringas de clister e improvisados seringões com gomos de bambu. Todos os pontos estratégicos da casa eram ocupados com jarras, baldes, latas e bacias para esperar os atacantes. Porque havia os assaltos de porta a porta.  Éramos investidos pelos Pinto de Moura e depois do combate, já encharcados, confraternizávamos, para atacar a casa dos Gonçalves.  Logo depois já era um grupo maior que avançava sobre as fortalezas fronteiras dos Couto e Silva e do tio Chiquinhorta, onde nos esperavam valorosamente o Antonico e o Mário Horta. Meu pai comandava a refrega protegido nas dobras de um vasto macfarlane, cujas asas davam-lhe gestos de pássaro gigante. Acabava tudo numa inundação de vinho-do-porto, para rebater e cortar o frio. À noite meu Pai penava com asma…”

Em: Baú de Ossos: memórias, Pedro Nava, Rio de Janeiro, Sabiá: 1972, p. 261-62.








%d blogueiros gostam disto: