Esmerado: coroa de ouro, dinastia Tang

30 09 2019

 

 

2019_NYR_18338_0573_000(a_very_rare_gold_headdress_7th-9th_century)Raro adorno para a cabeça (grinalda)

Dinastia Tang, séculos VII-IX Era Comum,

ouro, 31 cm

China

 

Este é um exemplo da confluência de duas culturas em um único objeto, produzido na China, entre os séculos VII e IX. Além disso, esta coroa mostra alto grau de artesanato.

O cavalo galopante, que faz parte do design em cada ponta deste adorno de cabeça, mostra a influência de uma cultura nômade, de uma tribo, das estepes da Asia Central. As patas deste bravo animal praticamente não tocam o chão.  Parecem cavalos elevados a um status mítico, com chifres e ancas em chamas. Por outro lado, os desenhos de flores remetem à dinastia Tang, das linhas entrelaçadas que as sustentam.

É aí que encontramos o casamento de duas culturas em um único objeto.

 

 





Provérbio chinês

4 05 2019

 

 

 

plantando um jardim, clive upton, 1971Ilustração de Clive Upton, 1971.

 

 

“Podemos escolher o que semear mas somos obrigados a colher o que plantamos.”

 

Provérbio chinês

 





Uma técnica milenar

18 03 2019

 

 

a216cb5969572811092c0b30e315e829Vida na montanha no outono, 1970

Zhang Daqian (China, 1899 -1983)

pergaminho montado e enquadrado, tinta e cor sobre painel dourado japonês

58 x 43 cm

Coleção Particular

 

Um dos mais colecionados artistas chineses nas últimas décadas, Zhang Daqian, nasceu na província de Sichuan, veio de família de artistas e foi com sua mãe e irmãos mais velhos que aprendeu a pintar. Seguiu o tradicional aprendizado copiando grandes mestres, e aos poucos favoreceu o conhecimento de dois grandes artistas chineses Shitao (1642-1707) e Bada Shanren (1626-1705). Em 1941 sua vida artística deu uma importante virada: foi estudar, acompanhado de outros artistas,  por dois anos consecutivos o mural de pinturas budistas nas cavernas de Mogao e Yulin em Dunhuang.  Este estudo o transformou em grande conhecedor e colecionador de arte.

Durante a Guerra Sino-Japonesa,  estudou a tradicional pintura de figuras Tang-Song e a antiga pintura de paisagem monumental. Aprendeu tecnicas que usaria mais tarde  em seu próprio trabalho, tornando-se particularmente conhecido por suas pinturas de lótus, inspiradas em obras antigas.

No entanto, na década de 1950, quando começou a ter um problema de visão, Zhang Daqian passou a utilizar a antiga técnica de pintura chinesa do espirro. Ou seja, depois de embeber o papel de sua aquarela com água, o pintor então espirra tinta que se espalha de maneira errática, mas mesmo assim ainda um tanto controlada pelo pintor.  E daquela “mancha” colorida no papel, o pintor então produz o trabalho dando-lhe dimensões, perspectivas e sentido.  De todos os seus trabalhos, estes são os mais valiosos.

Proibido de voltar à China desde 1949, por causa do clima político,  Zhang residiu em vários lugares, incluindo Mendoza, na Argentina, São Paulo, Brasil, Carmel, Califórnia até se estabelecer definitivamente em Formosa, onde faleceu.

A aquarela acima é um bom exemplo das cores se misturando para formar a montanha em que vemos em seu cimo uma pequena aldeia.  Todas as cores da montanha foram misturadas e trazidas à cena pela técnica do espirro. Para nós do Ocidente essa técnica lembra a dos expressionistas abstratos da década de 1950, onde o acaso (até certo ponto controlado) tem papel de importância no resultado final.

Há na internet diversos vídeos com o pintor Zhang Daqian demonstrando sua maneira de pintar.  Vale a pena procurar.

 

 





Cuidado, quebra! Vasilha Chinesa século XV

12 03 2019

 

 

xuande dinasty (1426-1435)Vasilha,  reinado Xuande (1426-1435)

Dinastia Ming

Porcelana, com azul e branca, com pintura de frutos

29 cm de diâmetro

Assinada com seis caracteres sob o esmalte

 

Uma das características que mais impressiona na qualidade desta vasilha é a perfeita espessura da porcelana em todo o objeto, qualidade difícil de ser mantida pois a porcelana tende a encolher muito quando colocada no forno em sua fabricação.

Além disso o desenho dos seis ramos com frutos, com características naturalistas, também é original para a época.  Estamos nos dias de hoje acostumados a ver pássaros e frutos desenhados de maneira natural, mas na época, o detalhe de cabinho dos frutos estar subdividido como se tivesse sido arrancado da árvore, é fora do comum, e mostra mão exímia na pintura.

Outra característica que exalta a peça é a assinatura referente ao reinado que aparece proeminente, mostrando orgulho de fabricação.  Em geral, essas assinaturas eram colocada no fundo da peça, do lado de baixo.

 

 

Fonte: Revista da casa de leilão Christie’s.





Primavera: provérbio chinês

20 09 2018

 

 

primavera 4

 

“O arrependimento é a primavera das virtudes.”




Provérbio chinês

15 02 2018

 

 

 

n13896Peônias

Ou-Yang Guo-De (China, contemporâneo)

aquarela sobre papel de arroz

Oriental Outpost

 

 

 “Todas as flores do futuro estão nas sementes de hoje”

 

Provérbio chinês

 





Esmerado: pote chinês com tampa e ormolu

9 01 2018

 

 

 

261171-1331635304

Pote de porcelana com acabamento em verde-jade [celadon] decorado com desenhos de pinheiro e bambu crescendo por entre pedras, uma corça e dois pássaros em azul cobalto sob o vidrado,  com acabamentos em bronze dourado no estilo de Luis XV e carrapeta final em forma de crisântemo.

Fabricado na China, e na França, 34 x 31 x 21 cm

Coleção Real da Inglaterra, [Royal Trust Collection]© Her Majesty Queen Elizabeth II, 2017

 

393052-1384772594

 

Provavelmente esta é a mesma peça de porcelana listada em 1826 como pertencente ao Pavilhão Brighton, antiga residência real localizada em Brighton, Inglaterra. Depois de importado da China, foi ornamentado com bronze dourado [ormolu].

 

393051-1371134442








%d blogueiros gostam disto: