Esmerado: Trono dos nove dragões

15 01 2020

 

 

 

2019_CKS_18229_0060_000(a_very_rare_and_magnificent_imperial_three-colour_carved_nine_dragon_l)Trono imperial dos nove dragões

Período Qianlong (1736-1795)

111 cm altura x 115 cm largura x 85 cm profundidade

 

 

O imperador Qianlong, que reinou sobre a China por seis d[ecadas de 1736 a 1795 ficou conhecido por sua vasta coleção de arte.  Ele expandiu o império chinês e considerou bem-vindas as influências estrangeiras.

Esse trono, raro, foi esculpido em laca de três cores. O corpo é feito de madeira macia, coberta por camadas de laca, provavelmente entre 100 a 150 finas camadas de laca, trabalho que pode ter durado mais ou menos 6 meses para ser executado.  Tratar com laca, era um trabalho muito demorado e só podia ser executado por excelentes esmaltadores.

 

detail-chinese-lacquer-throne

 

As cores da laca foram: vermelho, ocre e verde escuro.  è raro encontrar pecas com esse variedade de cores.  Dois dos dragões de cinco garras foram esculpidos em laca vermelha.

A decoração deste trono foi dedicada aos nove dragões, nuvens, morcegos,  folhas de lótus e pétalas. A parte mais interessante deste trono está no painel frontal onde vemos um dragão de cinco garras de encontro a um punhado de nuvens.  Os outro oito dragões encontrados no trono, cada um a procura de pérolas em flamas — que simbolizam sabedoria, harmonia e prosperidade na antiga cultura chinesa — estão representados nos partes laterais do trono.

 

CKS-18229-05142019-1

 

A ligação entre os dragões e o imperador da China se desenvolveu desde o imperador Amarelo (Huangdi), o primeiro imperador conhecido da China, cujas datas se aproximam dos anos 2697-2597 a.E.C.  De acordo com a lenda, o Imperador Amarelo se transformou num dragão quando morreu.

 

NOTA: Fotos e texto baseado no catálogo da Casa de leilões Christie’s de maio de 2019.

 





Esmerado: coroa de ouro, dinastia Tang

30 09 2019

 

 

2019_NYR_18338_0573_000(a_very_rare_gold_headdress_7th-9th_century)Raro adorno para a cabeça (grinalda)

Dinastia Tang, séculos VII-IX Era Comum,

ouro, 31 cm

China

 

Este é um exemplo da confluência de duas culturas em um único objeto, produzido na China, entre os séculos VII e IX. Além disso, esta coroa mostra alto grau de artesanato.

O cavalo galopante, que faz parte do design em cada ponta deste adorno de cabeça, mostra a influência de uma cultura nômade, de uma tribo, das estepes da Asia Central. As patas deste bravo animal praticamente não tocam o chão.  Parecem cavalos elevados a um status mítico, com chifres e ancas em chamas. Por outro lado, os desenhos de flores remetem à dinastia Tang, das linhas entrelaçadas que as sustentam.

É aí que encontramos o casamento de duas culturas em um único objeto.

 

 





Provérbio chinês

4 05 2019

 

 

 

plantando um jardim, clive upton, 1971Ilustração de Clive Upton, 1971.

 

 

“Podemos escolher o que semear mas somos obrigados a colher o que plantamos.”

 

Provérbio chinês

 





Uma técnica milenar

18 03 2019

 

 

a216cb5969572811092c0b30e315e829Vida na montanha no outono, 1970

Zhang Daqian (China, 1899 -1983)

pergaminho montado e enquadrado, tinta e cor sobre painel dourado japonês

58 x 43 cm

Coleção Particular

 

Um dos mais colecionados artistas chineses nas últimas décadas, Zhang Daqian, nasceu na província de Sichuan, veio de família de artistas e foi com sua mãe e irmãos mais velhos que aprendeu a pintar. Seguiu o tradicional aprendizado copiando grandes mestres, e aos poucos favoreceu o conhecimento de dois grandes artistas chineses Shitao (1642-1707) e Bada Shanren (1626-1705). Em 1941 sua vida artística deu uma importante virada: foi estudar, acompanhado de outros artistas,  por dois anos consecutivos o mural de pinturas budistas nas cavernas de Mogao e Yulin em Dunhuang.  Este estudo o transformou em grande conhecedor e colecionador de arte.

Durante a Guerra Sino-Japonesa,  estudou a tradicional pintura de figuras Tang-Song e a antiga pintura de paisagem monumental. Aprendeu tecnicas que usaria mais tarde  em seu próprio trabalho, tornando-se particularmente conhecido por suas pinturas de lótus, inspiradas em obras antigas.

No entanto, na década de 1950, quando começou a ter um problema de visão, Zhang Daqian passou a utilizar a antiga técnica de pintura chinesa do espirro. Ou seja, depois de embeber o papel de sua aquarela com água, o pintor então espirra tinta que se espalha de maneira errática, mas mesmo assim ainda um tanto controlada pelo pintor.  E daquela “mancha” colorida no papel, o pintor então produz o trabalho dando-lhe dimensões, perspectivas e sentido.  De todos os seus trabalhos, estes são os mais valiosos.

Proibido de voltar à China desde 1949, por causa do clima político,  Zhang residiu em vários lugares, incluindo Mendoza, na Argentina, São Paulo, Brasil, Carmel, Califórnia até se estabelecer definitivamente em Formosa, onde faleceu.

A aquarela acima é um bom exemplo das cores se misturando para formar a montanha em que vemos em seu cimo uma pequena aldeia.  Todas as cores da montanha foram misturadas e trazidas à cena pela técnica do espirro. Para nós do Ocidente essa técnica lembra a dos expressionistas abstratos da década de 1950, onde o acaso (até certo ponto controlado) tem papel de importância no resultado final.

Há na internet diversos vídeos com o pintor Zhang Daqian demonstrando sua maneira de pintar.  Vale a pena procurar.

 

 





Cuidado, quebra! Vasilha Chinesa século XV

12 03 2019

 

 

xuande dinasty (1426-1435)Vasilha,  reinado Xuande (1426-1435)

Dinastia Ming

Porcelana, com azul e branca, com pintura de frutos

29 cm de diâmetro

Assinada com seis caracteres sob o esmalte

 

Uma das características que mais impressiona na qualidade desta vasilha é a perfeita espessura da porcelana em todo o objeto, qualidade difícil de ser mantida pois a porcelana tende a encolher muito quando colocada no forno em sua fabricação.

Além disso o desenho dos seis ramos com frutos, com características naturalistas, também é original para a época.  Estamos nos dias de hoje acostumados a ver pássaros e frutos desenhados de maneira natural, mas na época, o detalhe de cabinho dos frutos estar subdividido como se tivesse sido arrancado da árvore, é fora do comum, e mostra mão exímia na pintura.

Outra característica que exalta a peça é a assinatura referente ao reinado que aparece proeminente, mostrando orgulho de fabricação.  Em geral, essas assinaturas eram colocada no fundo da peça, do lado de baixo.

 

 

Fonte: Revista da casa de leilão Christie’s.





Primavera: provérbio chinês

20 09 2018

 

 

primavera 4

 

“O arrependimento é a primavera das virtudes.”




Provérbio chinês

15 02 2018

 

 

 

n13896Peônias

Ou-Yang Guo-De (China, contemporâneo)

aquarela sobre papel de arroz

Oriental Outpost

 

 

 “Todas as flores do futuro estão nas sementes de hoje”

 

Provérbio chinês

 





Esmerado: pote chinês com tampa e ormolu

9 01 2018

 

 

 

261171-1331635304

Pote de porcelana com acabamento em verde-jade [celadon] decorado com desenhos de pinheiro e bambu crescendo por entre pedras, uma corça e dois pássaros em azul cobalto sob o vidrado,  com acabamentos em bronze dourado no estilo de Luis XV e carrapeta final em forma de crisântemo.

Fabricado na China, e na França, 34 x 31 x 21 cm

Coleção Real da Inglaterra, [Royal Trust Collection]© Her Majesty Queen Elizabeth II, 2017

 

393052-1384772594

 

Provavelmente esta é a mesma peça de porcelana listada em 1826 como pertencente ao Pavilhão Brighton, antiga residência real localizada em Brighton, Inglaterra. Depois de importado da China, foi ornamentado com bronze dourado [ormolu].

 

393051-1371134442





Em três dimensões: Han Meilin

11 10 2017

 

 

23General Guan Yu, que viveu no século III (220-280), 2016

Han Meilin (China, 1936)

Bronze, 58 metros de altura e 1.320 toneladas

Guan Gong Cultural Park, Província Hubei, China

 





Resenha: “Balzac e a costureirinha chinesa”, Dai Sijie

28 11 2016

 

 

63-cao-quantang-mountain-villageAldeia montanhosa

Cao Quantang (China, 1957)

Aquarela e guache sobre papel

 

 

 

Reli neste fim de ano o livro Balzac e a costureirinha chinesa de Dai Sijie. Estou envolvida no projeto Eu também leio e uma das minhas funções é selecionar textos que adolescentes ou jovens adultos possam achar interessantes, fora das escolhas óbvias desse nicho de mercado.  Minha memória não anda tão má assim, este é um livro de que muitos jovens adultos poderão gostar.

Trata-se de dois rapazes de dezessete anos, citadinos, com famílias exercendo profissões liberais, que se encontram numa aldeia montanhosa, distante de tudo, ao serem mandados pelo regime de Mao Tse Tung  para trabalhos forçados, participando, contra a vontade, do sistema de re-educação conhecido como ‘Revolução Cultural’ da década de 1960 na China.

 

untitled

 

São rapazes comuns.  Trazem com eles um conhecimento rudimentar da cultura ocidental. A esta altura tudo ocidental é proibido pela ditadura chinesa. Um deles toca violino, não muito bem.  Outro tem grande habilidade de contar histórias.  São essas pequenas habilidades, mal-ajambradas, e referências com o mundo ocidental, que os levam a aventuras em meio a um povo brutalizado pelo trabalho árduo e muita pobreza.  Nesse meio tempo os jovens conhecem a bela costureirinha da aldeia, assim como outro rapaz, filho de gente importante, que como eles faz o trabalho forçado de re-educação.  Mas este tem um segredo: acesso a livros de literatura ocidental, que trouxe escondido.

Muitas peripécias levam os rapazes a ter acesso a uma pequena obra  Balzac: Úrsula Mirouët.  Atraídos pela bela jovem costureira, eles se dispõem a recontar a história do romance que havia sido traduzido para o chinês, mas era obra proibida durante o governo de Mao.  O efeito da literatura ocidental, principalmente francesa é sentido quase imediatamente.   Mais tarde outros livros são lidos que semeiam a procura da felicidade e um sentido de liberdade na jovem costureira.

 

dai-sijieDai Sijie

 

A literatura como redentora não chega a ser um tema fora do comum.  Leitores e escritores estão cientes desse poder e com frequência gostam de reparti-lo, como acontece com os personagens dessa obra. Tudo indica que tem muitas passagens da própria vida do autor que, além de escritor, é diretor de cinema.  A importância da literatura francesa é  uma reflexão da própria vida do autor, que nascido na China, reside na França desde 1984.  Balzac e a costureirinha chinesa é leitura rápida, sem grande expectativa literária.  Agradável e pequeno, o livro serve para lembrar o poder da palavra escrita, e o poder de se conhecer outros mundos, vidas e personagens através dos livros.  Já faz mais do que muita coisa publicada por aí.

Salvar

Salvar








%d blogueiros gostam disto: