Novo dinossauro descoberto na China!

23 10 2008

Arqueólogos na China descobriram fosseis de um dinossauro do tamanho de um pombo que acreditam ser um ancestral não-direto dos pássaros.  O fóssil preservado numa rocha na Mongólia, no condado de Ningcheng no Norte da China, tem 90% de seu corpo preservado.  Deve ter habitado a Terra aproximadamente há 176 – 146  milhões de anos passados, no Médio ao Jurássico Tardio.   

 

O novo dinossauro, recebeu o nome de Epidexipteryx  hui – que em grego quer dizer: o que tem penas de exibição.   Pela data ele se mostra antecessor, ou seja, mais antigo do que os dinossauros Archaeopteryx, que viviam por volta de 155 to 150 milhões de anos atrás, e que são as primeiras aves, com aspecto de dinossauro. 

 

A aparência do Epidexipteryx é interessante.  Tinha penas, mas não voava.  Tinha uma arcada dentária projetada para fora, como a maioria dos carnívoros, mas pesava só aproximadamente 164 gramas.  Os cientistas ainda não sabem de que se alimentava.  Suas refeições seriam de insetos?  De outros répteis ou anfíbios?  Ou seria ele vegetariano, alimentado-se de plantas?   Tinha quatro longas e finas penas saindo de seu curto rabo.  Era bípede (um terópode) pequeno.  O que o faz singular são as quatro longas penas, que saíam da cauda e neste caso específico, para nossa felicidade, ficaram bem preservadas.  Os investigadores julgam que estas penas, que se parecem com uma fita poderiam não só serem ornamentais mas talvez até ajudado no seu movimento por entre ramos de árvores.  Como ornamentação elas deveriam cumprir uma função importante para a reprodução. Há muitas espécies de aves com penas grandes e de cores exóticas, que são importantes para o ritual de acasalamento. O mesmo poderia acontecer com o Epidexipteryx.  Já suas penas curtas, que cobrem o corpo todo do dinossauro provavelmente funcionariam com protetores da temperatura, insulando o corpo do animal das mudanças em temperatura.   Na época em que este dinossauro vivia erupções vulcânicas eram muito comuns.  Ele era parte de um ambiente cheio de lagos e árvores.  Junto a este dinossauro diversos insetos, plantas, salamandras, lagartos, pterossauros cabeludos e mamíferos primitivos voadores e nadadores foram encontrados.

 

Cientistas estão certos de que este dinossauro não pertence ao grupo Microraptor , que são dinossauros apresentando penas e que os acredita-se que voava além de planar.  Mas como o Microraptor – um dinossauro que viveu mais tarde entre 130 a 125 milhões de anos – também tinha dois grupos de asas semelhantes aos primeiros bi planos. Esta nova descoberta ajuda na evidência, muito importante, da relação entre dinossauros e pássaros.  O esqueleto tinha várias características parecidas com os das aves e os paleontólogos colocaram a espécie ao lado das primeiras linhas evolutivas dos dinossauros voadores.   Apesar de este dinossauro não poder ser considerado na linha direta dos ancestrais dos pássaros, é um dinossauro que tem a mais próxima relação filogenética aos pássaros.  Conseqüentemente, pode fornecer informações sobre a transição dos dinossauros a pássaros, incluindo as mudanças ocorridas nas penas e nos rabos.  A sua descoberta nos leva mais próximo do pássaro ancestral – o grande pai dos pássaros que conhecemos hoje.  Descobre-se também com este novo achado que a complexidade da evolução dos dinossauros para pássaros é maior do que até aqui imaginávamos.  

 

Esta descoberta foi publicada na revista científica Nature, com edição desta semana,  por um grupo de investigadores da Academia de Ciências da China, encabeçada por Zhonghe Zhou do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e  Paleo-antropologia da Academia de Ciências da China em Pequim.  

Para saber mais clique:

Aqui

Aqui

Aqui





Descobertos: peixes a 7.700 metros de profundidade!

18 10 2008

Cientistas japoneses e ingleses publicaram fotos e um vídeo de peixes descobertos a profundidades nunca antes exploradas.  Um grupo de peixes, conhecidos como LIPARÍDEOS foram registrados em imagens a aproximadamente 7.700 m abaixo do nível do mar, no oceano Pacífico, no Trench japonês [cânion submerso no mar do Japão].     

 

Comumente chamados de peixes-girinos, caramujos marinhos ou lesmas-marinhas, os liparídeos apresentam muitas adaptações para poderem viver com uma pressão aquática tão grande e a escuridão do meio ambiente.

 

Estes peixes não têm espaço para ar no corpo.  Resultado: a pressão aquática não os afeta.  No entanto sabemos que nesta profundidade impulsos elétricos não podem ser transmitidos para as células nervosas ou músculos.  Estes peixes então devem ter adaptações de nível molecular e de ultra-estrutura que não são perceptíveis para nós.  A esperança é um dia podermos pescar estes espécimes. 

 

Apesar de não haver luz nesta profundidade, estes peixes têm olhos, que são localizados na parte frontal da cabeça, disse Monty Priede, diretor do Oceanlab da universidade de Aberdeen na Escócia, que dirige a pesquisa.  Eles devem usar os olhos para captar bioluminescência – que são relâmpagos de luz produzidos por animais nesta profundidade.  As luzes das nossas câmeras são tão fortes que eles não conseguem detectar.  Então podemos dizer que a concepção de ver que nós temos, eles não têm.  Para nós é como se fossem cegos. Eles são capazes de caçar e comer, por exemplo, camarões, mas eles o fazem percebendo vibrações na água.

National Public Radio, Washington DC, 11/10/2008

Para o vídeo destes peixes, clique AQUI.

 

Para o artigo inteiro da NPR, clique AQUI.

 

 

 

 

 

             Japan Trench





Plante uma árvore! Faça o seu bairro, um bairro verde!

21 09 2008

 

 

 

 

A Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro conscientiza sobre importância de plantar árvores nas ruas:

 

A Fundação Parques e Jardins vai lançar uma campanha para conscientizar a população sobre a importância da arborização urbana. O objetivo é oferecer informações sobre os benefícios produzidos pelas árvores para a qualidade de vida, como embelezamento paisagístico, diminuição da temperatura em áreas mais quentes e redução da poluição ambiental.

 

A iniciativa surgiu após a constatação do alto índice de rejeição ao plantio de árvores nas ruas, principalmente nas regiões Norte e Oeste. Por isso, o início da campanha será pelo bairro de Piedade, onde 15 agentes ambientais capacitados darão informações sobre as vantagens de ter as ruas arborizadas e vão incentivar os moradores a adotar a muda plantada na sua rua, se comprometendo a cuidar do seu desenvolvimento.

 

Está na hora de tomarmos todas estas iniciativas sob nossa próprias rédeas.  Afinal, somos nós, cidadãos, que nos beneficiamos com o plantio de árvores em todos os bairros.  A hora é agora!  Mova-se!

TORNE A SUA CIDADE MAIS VERDE!





Sucesso! BIO-EYES um projeto para o estudo da ciência.

26 08 2008
Paulistinhas

Paulistinhas

BIOLHOS  — esta foi a melhor tradução que encontrei para o nome de um projeto de grande sucesso nos EUA — chamado Bio-EYES – que até o momento compreende as cidades de Baltimore, em Maryland, Filadélfia na Pensilvânia e South Bend no estado de Indiana.  Este programa de incentivo aos estudos, direcionado a crianças pobres, de bairros carentes destas cidades, propaga conhecimentos de ciências naturais, incentiva os estudos da genética e ajuda a demonstrar métodos científicos de pesquisa aos que muitas vezes nem pensariam que poderia haver um futuro para eles em semelhante setor.

 

Como quase todo bom projeto, BIO-EYES surgiu organicamente, como por acaso, para preencher um vazio no seio das comunidades pobres.  Não foi pensado por um governo e então aplicado.  Cresceu de uma necessidade e se enraizou pela infinita boa-vontade dos muitos profissionais que o lideram.  Começou inicialmente de graça, num laboratório local, servindo a uns poucos alunos.  Hoje é uma ONG que já cobre as necessidades de tres comunidades em cidades distantes, entre si, mas semelhantes em carência.

 

Em 2001, o biólogo americano Dr. Steven A. Farber acabava de inaugurar seu primeiro laboratório na universidade Thomas Jefferson na Filadélfia.  Um sonho de qualquer cientista que se preze, este laboratório repleto com maquinaria de ponta, levava o seu nome na porta, uma indicação que de que as pesquisas ali realizadas estavam todas sob sua responsabilidade.  Enquanto ainda desempacotava caixas de papelão e em meio a muita bagunça, Dr. Farber fazia planos para continuar a pesquisa que vinha fazendo sobre a genética da digestão de gorduras.  Por isso, seu laboratório, comportava além dos instrumentos científicos esperados um aquário onde cardume de peixes Paulistinhas fazia repetidas viagens de um canto ao outro, movendo-se incessantemente.  O Danio rerio nome científico do peixinho listrado que no Brasil chamamos de Paulistinhas é um dos seres mais usados em alguns tipos de experimentos científicos hoje em dia por serem de manutenção barata, por se reproduzirem rapidamente e por terem seus corpos transparentes, o que ajuda em muito o entendimento de qualquer processo biológico.  

 

Desde 1993, todos os anos, no dia 24 de abril, nos EUA, há a campanha [“Take your kid to work Day”]  Leve seu filho para o trabalho hoje,  uma campanha nacional (hoje em dia inclui o Canadá também) organizada para expor crianças ao ambiente de trabalho de seus pais, deixá-las curiosas sobre o mundo adulto, assim como, no futuro, ajudá-las a decidir sobre planos de carreira.  Crianças de 6 a 15 anos participam deste evento, no país inteiro.  Em 2001, enquanto ainda arrumava seu laboratório, alguém guiando um grupo de crianças pelo hospital vizinho sugeriu:  “ Ei, depois dessa visita, passem lá no laboratório do Dr. Farber para verem o aquário com os Paulistinhas.”

 

As crianças que visitaram o então recém inaugurado laboratório ficaram fascinadas.  Naturalmente intrigadas por animais, neste laboratório elas foram apresentadas ao elementos básicos da ciência biológica podendo apreciar os órgãos internos dos peixes – porque são translúcidos – puderam achar maneiras de descobrir o peixe macho do fêmea,  puderam “caçar” um macho e uma fêmea para serem colocados num aquário exclusivamente usado para reprodução e  na discussão sobre a aparência dos futuros peixinhos chegaram às linhas gerais do estudo de genética.  Todos estes conhecimentos foram passados de maneira esquemática, mas bastante interessante para instigar os alunos a considerarem as ciências seriamente.  Dr. Farber mostrou às crianças através de seu poderoso microscópio o coração dos peixes vivos bombeando células vermelhas.  O sucesso foi imediato.  E logo, logo, sem ter feito qualquer plano, seu laboratório virou parada obrigatória para qualquer turma de estudantes das escolas de nível básico e médio em dias de excursão.    

 

Na verdade, foram tantas as visitas que estas começaram a perturbar o projeto de pesquisa do Dr. Farber.  Assim, ele se dirigiu ao diretor da instituição.  Juntos acharam que havia bastante interesse para justificar uma posição para um professor de nível básico para servir de guia para os visitantes.  Procuraram então por uma maneira de financiar um professor por ano, para esta posição.  O professor, eles sabiam, tinha a maneira correta de interessar ainda mais os alunos visitantes.  Sabia exatamente como trazer um mundo de informações ao nível de conhecimento dos jovens.  

 

Assim foi o início da ONG BIO-EYES que tem como objetivo levar conhecimento cientifico às crianças na escola além de promover a curiosidade e o estudo da ciência.  Quando a ONG  — pelo menos na cidade de Baltimore — descobre que há um aluno ou aluna com talento para as ciências, com aptidão e gosto para este tipo de trabalho a ONG dirige o aluno a uma das escolas públicas modelo que dão maior incentivo aos estudos das ciências.  Hoje o projeto é bem mais elaborado.  BIO-EYES trabalha em direto contato com cada professor interessado em trazer sua turma e por uma semana as crianças são responsáveis por anotar nos “cadernos científicos” que lhes são dados suas observações junto aos peixinhos no aquário.   A descoberta ainda na idade tenra de talento em potencial entre esses alunos vindos de áreas e de famílias carentes é um dos grandes objetivos da organização.  

 

Nestes 7 anos de existência o sucesso vem quase que de imediato, revelado no número de cartas que as crianças escrevem depois das visitas, demonstrando interesse em seguirem uma profissão que inclua o que elas viram na visita ao laboratório e na observação dos cardumes de Paulistinhas, nos aquários de experimentos.  

 

 

Este artigo foi baseado na entrevista dada pelo Dr. Farber à jornalista do New York Times Claudia Dreifus, publicada no dia 29 de julho de 2008, com o título: A Conversation With Steven A. Farber: To Teach Genetics, Zebra Fish Go to School.  [Conversa com Steven A. Farber — Ensinado genética, Paulistinhas vão à escola].

 








%d blogueiros gostam disto: