“Lembrança do mundo antigo”, poema de Carlos Drummond de Andrade

5 02 2018

 

 

domingo claudio dantasDomingo

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela

 

 

Lembrança do mundo antigo

 

Carlos Drummond de Andrade

 

 

Clara passeava no jardim com as crianças.

O céu era verde sobre o gramado,

a água era dourada sob as pontes,

outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados,

o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,

a menina pisou na relva para pegar um pássaro.

O mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era tranquilo ao redor de Clara.

As crianças olhavam para o céu… Não era proibido!

A boca, o nariz, os olhos estavam abertos…

Os perigos que Clara temia eram a gripe, o calor, os insetos.

Clara tinha medo de perder o bonde das 11 horas,

esperava cartas que custavam a chegar,

nem sempre podia usar vestido novo. Mas passeava no jardim pela manhã!!!

Havia jardins, havia manhãs, naquele tempo!!!

 

 

Em: Poemas para a Infância: antologia escolar, editado por Henriqueta Lisboa, s/d, São Paulo: Edições de Ouro, p. 26-7





Espelho literário

21 10 2017

 

 

claudio dantas, iluminadaIluminada

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela, 70 x 100 cm

 

Leio hoje de Tahar Ben Jelloun , o livro Partir. Trata-se de um autor francês de origem marroquina.  Dele já li O último amigo uma pequena joia literária um quase um conto.  Como há tempos me interesso sobre a questão de imigração,  escolhi ler Partir, publicado no Brasil em 2007 pela Bertrand Brasil, cujo tema é justamente o desejo de emigrar para lugares onde se possa viver com decência.

A situação econômica, social e política no Rio de Janeiro tem feito muitos de meus conhecidos emigrarem: Portugal, EUA, Espanha, Israel são alguns dos países de preferência.  Reconheço que a ideia já passou por mim, mas acho que ainda tem jeito, que não é hora de desamarrar o barco.  A decisão pode até ser mais fácil para quem, como eu, viveu a maior parte da vida adulta fora do Brasil, mas é sempre complexa. Por isso mesmo emigração,  ser imigrante em terra alheia, a questão da identidade cultural são todos temas ricos e importantes para mim.

Mas eu não contava, ao ler sobre o Marrocos, de me encontrar diante de um espelho do Brasil. Já logo entre a primeiras 30 páginas, vi detalhadas cenas da realidade marroquina, que levam o personagem principal a tentar emigrar.  Elas parecem descrever o Brasil.  Aqui duas passagens nas páginas 23 e 24.

“Os partidos políticos lamentavelmente fracassaram, não souberam ouvir o que lhes dizia o povo.Eles passaram ao largo disso. Tenho raiva principalmente dos socialistas, que acreditaram numa mudança do governo, que jogaram o jogo do poder e nada fizeram para que a coisa mudasse.”

“É intolerável que um doente que se dirige aos hospitais do Estado seja abandonado porque o hospital está sem recursos. É por isso que intervimos concretamente nos lugares onde o Estado é falho. Nossa solidariedade não é seletiva. É preciso que este país seja salvo; está com comprometimento demais, corrupção demais, injustiça demais e desigualdades. Não pretendo resolver todos os problemas, mas não fazemos outra coisa senão ficarmos de braços cruzados esperando que o governo se ponha a serviço dos cidadãos.”

Em: Partir, Tahar Ben Jelloun, Bertrand Brasil: 2007, página, 23- 24

 

Não quero com isso imaginar que tenho que aceitar essa realidade porque não há solução, porque é assim em qualquer lugar do mundo.  Ao contrário, conheço países em melhores condições e imagino que seria mais fácil para o Brasil chegar aos níveis de desenvolvimento que já presenciei do que o Marrocos, não querendo desmerecer o país africano.

Mas, começo a entender melhor o retrato psicológico de meus amigos que abandonaram o país, e também o retrato dos temores e incertezas que acompanharam meus antepassados, um avô e 3 bisavós ao saírem de suas terras natais, procurando melhores portos onde seus descendentes pudessem viver melhor que eles mesmos.

Esse é um dos encantos da literatura.  Ela nos faz pensar.  Reconhecer nossos problemas pessoais ou sociais.  E é possível que até nos ajude a encontrar soluções.  No momento, este livro me faz pensar sobre o futuro dos meus familiares.





Coisas de criança…

12 10 2016

 

 

natalia-com-palhacinhos-marysia-portinariNathalia com palhacinhos, 1999

Marysia Portinari (Brasil, 1937)

óleo sobre tela, 100 x 80 cm

 

 

djanira-menino-com-patinete-ost-cid-dat-59-1003-x-811-cmMenino com patinete, 1959

Djanira da Motta e Silva (Brasil, 1915-1979)

óleo sobre tela, 100 x 81 cm

 

 

gabriela-dantes-homenagem-ao-ano-internacional-da-crianca-ost-43-x-53cm-1979-localizado-salvador-baHomenagem ao ano internacional da criança, 1977

Gabriela Dantes (Uruguai/Brasil, 1914)

óleo sobre tela, 43 x 53 cm

 

georgina-de-albuquerque-menino-ose-32x27cm-assinadoMenino

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885-1962)

óleo sobre eucatex, 32 x 27 cm

 

 

santa-rosa-garoto-com-pipa-osm-dat-42-33-x-41-cmGaroto com pipa, 1942

Tomás Santa Rosa ( Brasil, 1909-1956)

óleo sobre madeira, 33 x 41 cm

 

 

gino-bruno-brinquedos-oleo-sobre-tela-60-x-80-cmBrinquedos

Gino Bruno (Itália/Brasil, 1899-1977)

óleo sobre tela, 60 x 80 cm

 

joao-machado-serigrafia-69-100-imperio-da-infancia-ii-medidas-50-x-70-cmImpério da infância II

João Machado (Brasil, contemporâneo)

serigrafia, 50 x 70 cm

 

 

marcio-pita-brincando-de-roda-50-x-70-cmBrincando de roda

Márcio Pita (Brasil, 1958)

óleo sobre tela, 50  x 70 cm

 

 

claudio-dantas-baixa-temporadaBaixa temporada, 2010

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela, 90 x 120 cm

 

 

reynaldo-fonseca-brasil-1925criancas-no-patio-gicle-sobre-tela-80-x-1-00Crianças no pátio, 1980

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

óleo sobre tela, 100 x 130 cm

 

 

portinari_meninosbrincandooleo-sobre-tela-1955-60-x-72-5-cmMeninos brincando, 1955

Cândido Portinari (Brasil, 1903-1962)

óleo sobre tela, 60 x 72 cm

 

 

waldomiro-santanna-1952menino-na-bicicletaoleo-sobre-placa40-x-50-cmMenino na bicicleta

Waldomiro Sant’Anna (Brasil, 1952)

óleo sobre placa, 40 x 50 cm

 

darcy-penteado-menino-brincando-ost-dat-1973-med-50-x-40-cmMenino brincando, 1973

Darcy Penteado (Brasil, 1926-1987)

óleo sobre tela, 50 x 40 cm

Salvar





Brincadeiras de crianças! No Dia da Criança!

12 10 2015

 

portinari_meninosbalanco, óleo sobre tela, 1960, 61 x 49 cm.Meninos  no balanço, 1960

Cândido Portinari (Brasil, 1903-1964)

óleo sobre tela,  61 x 49 cm

 

ANSELMO RODRIGUES - Bambolê - 70 x 80 cm - OST - Ass. CID e Dat. 1984Bambolê, 1984

Anselmo Rodrigues (Brasil, 1948)

óleo sobre tela, 70 x 80 cm

 

DARCIO LIMA - Óleo sobre tela, 65 cm x 55 cm (obra), assinado no canto inferior direito e datado de 1980,Menino com tambor, 1980

Dárcio Lima (Brasil, 1951-1993)

óleo sobre tela, 65 x 55 cm

 

Edésio Esteves, Brincadeira de Criança, 1972,ost, 65x54 cmBrincadeira de Crianças, 1972

Edésio Esteves (Brasil, 1916)

óleo sobre tela, 65 x 54 cm

 

Gentil Garcez (Brasil, 1903, 1992) Crianças pegando coco, 1954, ose, 30 x 20 cmCrianças pegando coco, 1954

Gentil Garcez (Brasil, 1903-1992)

óleo sobre tela, 30 x 20 cm

 

INIMÁ DE PAULA (1918 - 1999) - O Menino no Cavalo de Carrocel, guache, 44 x 28. Assinado e datado (1976)O menino no cavalo de carrossel, 1976

Inimá de Paula (Brasil, 1918-1999)

guache sobre papel, 44 x 28 cm

 

Quaglia, DiabolôDiabolô, 2013

João Quaglia (Brasil, 1928)

óleo sobre tela, 50 x 40 cm

 

Adelson Santos - Jogo de cartas de baralho, o.s.t. - 85 x 120 cm. Assinado e datado 2003.Jogo de cartas de baralho, 2008

Adilson Santos (Brasil, 1944)

óleo sobre tela, 85 x 120 cm

 

ARTHUR TIMOTHEO DA COSTA, No atelier - óleo sobre tela - 80x120cm - ass., datado e localizado cie. 1907 - Rio(Coleção particular ROSANA POCINHO)No ateliê, 1907

Arthur Timótheo da Costa (Brasil, 1882-1923)

óleo sobre tela, 80 x 120 cm

 

milton da costa, carrossel, 1963,ost 38 x 41Menina no Carrossel, 1963

Milton Dacosta (Brasil, 1915-1988)

óleo sobre tela, 38 x 41 cm

 

 

Cláudio Dantas, (Brasil, contemporâneo) Infância, 2010, ost, 70 x 100Infância, 2010

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela, 70 x 100 cm

 

Ronaldo Noronha, Menino e pipa, ost,82 x 71 cmMenino e pipa

Ronaldo Noronha (Brasil, 1938)

óleo sobre tela, 82 x 71 cm

 

Teruz, Orlando, Cabra Cega, OST, 22 x 16, ACID, 1974Menina brincando de Cabra-cega, 1975

Orlando Teruz (Brasil, 1902- 1984)

óleo sobre tela, 22 x 15 cm

 

VAGNER ANICETO- OST DATADO DE 1986, MEDINDO 30 CM X 21 CM.Crianças brincando, 1986

Vagner Aniceto (Brasil, 1950)

óleo sobre tela, 30 x 21 cm





S. Francisco de Assis, protetor dos animais… 4 de outubro!

4 10 2015

 

 

Cláudio Tavares,São Francisco, 2006,ost, 30 x 40São Francisco, 2006

Cláudio Tavares (Brasil, contemporâneo)

óleo sobre tela, 30 x 40 cm

 

 

Petrônio Bax, São Francisco de Assis, ost, 60 x 40cmSão Francisco de Assis, 1978

Petrônio Bax (Brasil, 1927)

óleo sobre tela, 60 x 40 cm

 

Nando Ribeiro - São Francisco - Óleo sobre tela - 100x60cmSão Francisco

Nando Ribeiro (Brasil, 1963)

óleo sobre tela, 100 x 60 cm

 

MANOEL COSTA (1943). São Francisco, óleo s madeira, 61 X 35. Assinado no c.i.d e datado (2011) no versoSão Francisco, 2011

Manoel Costa (Brasil, 1943)

óleo sobre madeira, 61 x 35 cm

 

John Graz (Genebra 1891-São Paulo 1980),São Francisco, aquarela, 1978, 48 x 35São Francisco, 1978

John Graz (Suíça/Brasil, 1891-1980)

aquarela sobre papel, 48 x 35 cm

 

Jenner Augusto, São Francisco, 1982, ost, 62 x 37São Francisco, 1982

Jenner Augusto (Brasil 1924-2003)

óleo sobre tela, 62 x 37 cm

 

INOS CORRADIN. São Francisco - o.s.e. - 38 x 32 cm - assinado no cieSão Francisco

Inos Corradin (Itália/Brasil, 1929)

óleo sobre eucatex, 38 x 32 cm

 

HUMBERTO DA COSTA Guache 44 X 34 cm São Francisco 78 ass. Inf. Dir.São Francisco, 1978

Humberto da Costa (Brasil, 1941)

Guache, 44 x 34 cm

 

Fúlvio Pennacchi,São Francisco,Serigrafia 96de130 - 60x44cmSão Francisco

Fúlvio Pennacchi (Itália/Brasil, 1905-1992)

Serigrafia, tiragem de 130, 60 x 44 cm

 

CLAUDIO DANTAS. São Francisco, óleo stela, 61 x 50. Assinado no c.i.e. e datado (2011) no verso.São Francisco, 2011

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela, 61 x 50 cm

 

 

Djanira São Francisco de Assis Óleo sobre tela. Assinado inferior direito 73 x 60 cm.São Francisco de Assis

Djanira da Motta e Silva (Brasil, 1914-1979)

óleo sobre tela, 73 x 60 cm





Está difícil para todo mundo! Até para os museus europeus!

6 04 2015

A Visit to the Munich Pinakothek (1917). Charles Friedrich Alfred Vetter (German, 1858-1936). Oil on canvas.Uma visita à Pinacoteca de Munique, 1917

Charles Friedrich Alfred Vetter (Alemanha 1858-1936)

óleo sobre tela

 

O jornal americano The New York Times publicou um artigo Seeing a Cash Cow in Museums Precious Art, sobre as dificuldades que museus no mundo inteiro estão tendo para manter suas coleções intactas sem que os governos de seus países, resolvam vender alguma peça do acervo para pagamento de dívidas.

É desesperador para nós que trabalhamos com cultura e com história cultural ver que o alto valor de obras de arte em coleções públicas pode servir de tentação para que se resolva problemas de gestão governamental, usando a liquidação do passado, a história daquela cultura, do local ou do país.

Como lembra o diretor do museu da Westfália, Hermann Arnold, vender uma peça ou a parte de uma coleção, que se encontra em um museu ou galeria pública, é semelhante a vender a história da sua família.  Você faria isso?  Você venderia aquele colar de ouro miudinho da sua bisavó com um santinho esmaltado, ou cruz, ou crucifixo ou ainda a estrela de Davi, que você se lembra ter visto no colo de sua avó, depois no de sua mãe e finalmente, o receberia e colocaria em volta de seu próprio pescoço? É claro que não.  Faz parte de quem você é.  Da ligação entre as gerações.  Mostra o elo que você é entre o futuro e o passado.  Marca a sua existência para você e para seus descendentes.

 

Nicholas Chistiakov, Casal no museu, 2013, ost, 90x120cm, ColPart, GBCasal no museu, 2013

Nicholas Chistiakov (Belarus/EUA, 1981)

óleo sobre tela,  90 x 120cm

Coleção Particular, Grã-Bretanha

 

 

Há que se pensar em soluções criativas para o problema.  No ano passado o Museu de Arte de Detroit, no estado de Michigan nos EUA, esteve às vésperas de liquidar sua coleção para saldar as dívidas com os aposentados municipais de Detroit.  O museu não tinha nada a ver com esses aposentados.

Aqueles que falam mal dos capitalistas, e dos empresários no mundo ocidental, poderiam aprender um pouquinho com a lição dada por esses mesmos elementos “da insensível burguesia”.  Movidos pela responsabilidade de manter o acervo de um dos melhores pequenos museus nos Estados Unidos, Detroit Institute of Art, empresários da cidade se cotizaram e conseguiram pelo menos retardar a venda, enquanto se espera que o governo encontre outra maneira de subsidiar os recursos das aposentadorias do município.  Foram 27 milhões de dólares, muito menos do que a venda do acervo do museu traria, mas trouxe esperança. [Wall Street Journal].

 

 

claudio dantas 14Prodígio

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela, 120 x 160 cm

 

 

Alguns museus na Inglaterra já se desfizeram de obras de seus acervos.  E o governo português se encontra em impasses judiciais sobre a venda de 85 Mirós apreendidos na nacionalização de Banco Português dos Negócios.  A coleção estimada em 36 milhões de euros, no ano passado, enche os olhos daqueles que querem resolver de maneira fácil o débito governamental de 110 bilhões de euros.  Desfazendo-se de algumas propriedades o governo conseguiu 11 bilhões de euros e se vê salivando com o prospecto desses meros 36 milhões de euros.

O que não está entrando na conta é o valor do patrimônio cultural para as gerações de futuros portugueses. Tampouco leva-se em consideração os outros tantos 36 milhões de euros, renováveis perpetuamente, que esses Mirós poderiam trazer em turismo a um país que depende muito desta indústria e que está sempre – como qualquer país estaria — tentando trazer turistas de melhor qualidade, de maior poder aquisitivo. Uma vez incorporada na cultura, essa coleção assim como qualquer outra, teria valor inestimável, centenas, milhares de vezes mais produtivo do que a passageira solução de um problema fiscal que governos têm a obrigação de saber resolver.  Isso é válido para Portugal, Inglaterra, França, Alemanha, EUA, Brasil e qualquer outro país que esteja enamorado dessa solução fácil demais para ser realmente verdadeira.

Se o pior acontecer, perdemos para sempre a possibilidade de compreendermos o nosso próprio percurso no planeta.  Porque uma vez vendidos, esses patrimônios culturais entrarão nas coleções particulares dos novos-ricos chineses, sauditas, se não forem parar em total obscurantismo nos portos francos de Singapura ou Genebra.

Há de haver uma solução que sirva melhor ao todo — a todos os cidadãos.





Dia 12 de outubro — Dia das crianças e como elas brincam! – 2

12 10 2014

 

 

Djanira da Motta e Silva, Meninos com Pipa, ost, 1966, estudo de painel, 65 x 81 cmMeninos com pipa, 1966

Djanira da Motta e Silva (Brasil, 1915-1979)

óleo sobre tela, estudo para painel, 65 x 81 cm

 

João Quaglia.Cama de Gato – 2013,Óleo Sobre Tela - 60 x 50 cmCama de gato, 2013

João Quaglia (Brasil, 1928)

óleo sobre tela,  60 x 50 cm

 

Jorge Mori,Crianças brincando,ost, 1945, 33,5 x 41 cm.Crianças brincando, 1945

Jorge Mori (Brasil, 1938)

óleo sobre tela, 33 x 41 cm

 

Marcio Pita - Quadro futebol de botão quadro óleo sobre tela 40x60cmFutebol de botão

Márcio Pita (Brasil, 1958)

óleo sobre tela, 40 x 60 cm

 

Menase Waidergorn (1927),Jogadores de xadrez, ost,30x40cmJogadores de xadrez

Menase Waidergorn (Brasil, 1927)

óleo sobre tela, 30 x 40 cm

 

SYLVIO PINTOMenino.osp, 1964 51 x 40 cmMenino, 1964

Sylvio Pinto (Brasil, 1918-1997)

óleo sobre papel, 51 x 40  cm

 

Menina e Bicicleta, de 1965, Milton DacostaMenina de bicicleta

Milton Dacosta (Brasil, 1915-1988)

óleo sobre tela

 

Mariza lacerda, (Brasil, 1939)  ano 2012, 60x50cm, Oleo sobre TelaCiranda, 2012

Marisa Lacerda (Brasil, 1939)

óleo sobre tela, 60 x 50 cm

 

portinari_cambalhotaóleo sobre tela, 1958, 59.5 x 72.5 cm.Cambalhota, 1958

Cândido Portinari (Brasil, 1903-1962)

óleo sobre tela, 59 x 72 cm

 

REYNALDO FONSECA (1925),Menina e o macaco,1977,ost, 95 x 130 cmA menina e o macaco, 1977

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

óleo sobre tela, 95 x 130 cm

 

Heraldo Pedreira (BA 1948) Cidade ao cair da tarde, 1985, 35 x 50A cidade ao cair da tarde, 1985

Heraldo Pedreira (Brasil, 1948)

óleo sobre tela,  35 x 50 cm

 

Claúdio Dantas, ( Brasil, contemporâneo), Revoada, 2010, ost, 80x 100, don quixoteRevoada, 2010

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela 80 x 100 cm

 

 

Enrico Bianco, Boloa de gude,Jogando bolinha de gude

Enrico Bianco (Itália/Brasil, 1918-2013)

óleo sobre tela

 

Edmar Fernandes - Quadro óleo sobre MDf 17x27cm subindo no pau de seboSubindo no pau de sebo

Edmar Fernandes (Brasil, 1982)

óleo sobre placa, 27 x 17 cm

 

TERUZ, Orlando (1902 - 1984) - Meninas na Gangorra, o.s.t. - 80 x 100 cm. Assinado, datado 84 e localizado Rio eMeninas na gangorra, 1984

Orlando Teruz (Brasil, 1902-1984)

óleo sobre tela, 80 x 100 cm








%d blogueiros gostam disto: