O início de uma amizade, lembranças provocadas pelo texto de Luís Jardim

8 12 2013

Paisagem com casa, 1946

Virgílio Carvalho de Araújo Lima (Brasil, 1886-1958)

óleo sobre tela, 47 x 65 cm

O texto de Luís Jardim que posto abaixo desencadeou um sem-número de divagações e reflexões, com as quais me lembrei de que a leitura é uma obra de dois autores: um pouco do escritor e muito do leitor.

“– O meu asilo era a casa de Compton.  A nossa amizade era “de madeira de lei”, dizia ele.  E de madeira provinha coincidentemente esse afeto recíproco, o meu pelo nobre estrangeiro ainda mais respeitoso e cheio de admiração.  Conhecemo-nos graças a uma trave de madeira que um dos carros do sítio carregava para uma cumeeira a ser levantada.  O inglês furava poços artesianos nas planícies da Lavoura Seca.  Precisava de um esteio a todo custo.  Dirigiu-se ao carreiro, ofereceu-lhe um preço exorbitante, mas o homem recusou a fortuna porque “o objeto era do patrão”.  Ouvindo-lhe os rogos engrolados, atendi-o:

— Para dar água à minha terra, a trave lhe fica de graça, senhor…

— Compton ou Capitão – disse-me o inglês, já de mão estendida para um laço de amizade.

Daí em diante as nossas relações cresceram e se firmaram.  Antes eu o procurava pela razão mesma da amizade e quase digo para ilustrar-me com o seu convívio.  O nosso perfeito entendimento em nada se alterou pelo fato de que eu desconhecia o seu idioma e ele ainda se encrespasse todo para falar o meu.  Somente, eu não tinha a sua franqueza, pois Compton achava, rindo-se de si próprio, que “arranhava um enxacoco”, palavra da minha língua que eu também ignorava.

Agradava-me particularmente a casa do amigo, de paredes recobertas de couros de bichos, de flechas, de penas, coisas que nos pertenciam, nativamente, e das quais não sabíamos tirar aquele efeito decorativo.  Apreciava as suas panóplias, “bárbaras”, como dizia ele, formadas de velhas e esquisitas pistolas de uso matuto, de facas, de punhais comprados nas feiras populares.  As suas cadeiras macias, o silêncio, os seus livros bem arrumados e cheios de ilustrações, o seu tapete, pele de onça de dentes arreganhados.  A sua casa era o modelo ideal que eu imaginava para a que viesse um dia a construir.  Mas a casa outrora desejada era agora um castelo sobre areia.

Já não eram esses pequenos luxos domésticos, essa paz interior, ornada com discrição e gosto, aquilo que eu procurava no doce lar do amigo.  Nem mesmo a sua amizade, franca e leal.  Procurava determinadamente a sua natureza cheia de experiência, sem devaneios nem fantasias, o seu comportamento de inglês robusto, cuja objetiva curiosidade dissecava as coisas, virando-as pelo avesso para ver como eram, como se constituíam e de onde procediam. Contentavam-me em proveito da minha indecisão, os seus reparos duros e frios, como este que me fez sobre o meu caso oculto, assunto aliás que nunca mais lhe falara:

 — Talvez aquilo que hoje faz sofrer seja exatamente motivo de rir mais tarde.  Contudo, essa é a vida, é óbvio.  Seria talvez absurdo imaginar o contrário.  Eis tudo.

 Era essa a realidade quase em relevo que eu agora procurava, em desacordo com a minha própria natureza.  E esse dom inglês de encarar materialmente os fatos, essa compreensão geral da vida atraía-me e me fazia bem como o ar puro sorvido depois de reclusões sufocantes.”

Em: As Confissões de meu tio Gonzaga, Luís Jardim, Rio de Janeiro, José Olympio:1963, 3ª edição.

Uma parede de tesouros, 1636,

Frans Francken , o jovem (Bélgica, 1581 – 1642)

Kunsthistorisches Museum, Viena.

Há pessoas que conseguem canalizar sua curiosidade para coleções de objetos que transformam ambientes em ninhos acolhedores e ricos em significado. É natural do ser humano o ato de colecionar, tomar posse daquilo que intriga. Desde os tempos nas cavernas arrecadávamos conchas, pedras roliças de rio,  plumas de um pássaro distante.  Está na nossa natureza, na nossa maneira de ser, a necessidade de colher, de trazer para si o que nos fascina. Às vezes é para marcar grandes ocasiões: caçadores que empalham cabeça do veado caçado na floresta.  Às vezes é para adquirir o poder mágico que associamos a um objeto como acontecia com o coral, visto na Idade Média como protetor contra o mau-olhado.  Coleções dizem muito sobre quem as fez.

Há muitos anos, nos EUA, fui ao leilão do espólio de uma senhora que falecera sem herdeiros. Arrematei grande parte de sua biblioteca, que nesse caso foi vendida em caixas, contendo indiscriminadamente 30 a 35 livros cada.  Na família éramos dois professores.  Livros sempre foram algo de corriqueiro, do dia a dia.  Comprá-los é como comprar gêneros de primeira necessidade.  Adquiri também nesse dia alguns itens de cerâmica francesa e outros objetos de cerâmica oriental.  Ms. Jenkins, como ficou conhecida para mim, viajara o mundo, e havia feito algo que eu sempre sonhei em fazer: atravessara a Europa em direção à Turquia pelo Orient Express, isso nos anos 20.  Como sei disso?  Pelos livros que me deixou.  Não que tenha me deixado.  Afinal eu os comprei.  Mas me senti como tendo recebido um presente dessa senhora.  Descobri quando abrimos as caixas de livros que compramos, muitas delas desejadas só por um ou dois títulos, é que nossos gostos, nossas preferências e maneiras de ver o mundo eram semelhantes.  Ms. Jenkins e eu teríamos sido farinha do mesmo saco, ou como dizem os americanos, ervilhas da mesma vagem. Teríamos sido amigas em vida se tivéssemos nos conhecido. Nossos gostos não eram semelhantes só nos livros, nas cerâmicas, nos tapetes, no brique a braque característico de um lar.  Havia algo místico, indefinível, na maneira como a cada caixa aberta, mais ela se fazia presente.

Por isso entendo que Compton no texto de Luís Jardim, acima, tenha se mostrado simultaneamente fascinante e familiar, que sua amizade com o narrador tenha se aprofundado.  Afinal os objetos que o fascinavam, que decoravam as paredes dessa casa de interior, falavam. Era uma linguagem silenciosa mas eloquente.  Foi fácil saber os interesses do dono da casa, reconhecer sua estética.  Daí certamente o senso de conforto do mineiro com o estrangeiro. Este ao abrir a sua casa deixara a descoberto sua personalidade, sua vida interior.  Era terreno fértil para o desabrochar de uma amizade.





A importante contribuição da Biblioteca Nacional para o projeto: biblioteca mundial

23 04 2009

biblioteca_nacional_aerea1

Biblioteca Nacional, av. Rio Branco, Rio de Janeiro.

 

 

 

A Biblioteca Nacional do Brasil, tem um patrimônio superior a 9 milhões de publicações, e foi considerada pela UNESCO como a 8ª maior biblioteca do mundo. A BN também é a maior biblioteca da América Latina.

A Fundação Biblioteca Nacional (BN) é uma das mais antigas instituições públicas brasileiras. Foi instalada oficialmente no Rio de Janeiro em 1810.  O núcleo original de seu poderoso acervo é a antiga livraria de D. José organizada sob a inspiração de Diogo Barbosa Machado, Abade de Santo Adrião de Sever, para substituir a Livraria Real, cuja origem remontava às coleções de livros de D. João I e de seu filho D. Duarte, e que foi consumida pelo incêndio que se seguiu ao terremoto de Lisboa de 1º de novembro de 1755.  A BN é hoje a maior fonte de pesquisa em livros, jornais e periódicos do país e tem a função de ser a depositária da memória bibliográfica e documental do Brasil.

 

 biblioteca_nacional_rio_de_janeiro-salao

 

 

 

Instalada em um imponente prédio estilo eclético (onde se misturam elementos neoclássicos), na Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro, abriga verdadeiras raridades da literatura. Obras impressas nos primórdios da invenção da imprensa, como a Bíblia Mongúncia (Bíblia Latina), publicada por Gutenberg e seus sócios, em 1462, é considerada pela chefe da Divisão de Obras Raras (Diora), a bibliotecária Ana Virginia Pinheiro, como uma das peças mais raras da divisão. Existem apenas outros 60 exemplares conhecidos desta bíblia em todo o mundo.

Há na Biblioteca Nacional obras ainda mais antigas, escritas a mão sobre pergaminho, como O Livro dos Evangelhos, do século XI, escrito em grego e considerado o livro mais antigo na América Latina. O conjunto de obras impressas mais antigas datam do século XV, são os ‘incunábulos’, livros publicados nos primeiros 50 anos da invenção da tipografia por Gutenberg, e publicados até o ano de 1500.

  

 bn-detalhe1

 

 

A maior parte deles está depositada na Divisão de Obras Raras – Diora –, onde podem ser consultados por pesquisadores especializados. A Diora guarda livros publicados entre os séculos XV e XVII e tem a missão de salvaguardar o acervo precioso da Biblioteca Nacional. Calcula-se que existam hoje mais de 70 mil obras na seção, em dois quilômetros de prateleiras. Na apreciação do acervo realizada em 1946, foram identificados 18 mil volumes na Diora. Os livros, alguns em pergaminho, são escritos em grego, latim, árabe, hebraico e línguas arcaicas ou mortas.   

A Biblioteca não estimula visitas às coleções especiais (Obras Raras, Manuscritos, Cartografia, Iconografia e Música). Recebe o pesquisador que tem interesses de pesquisa bem definidos e que traga carta de apresentação assinada pela instituição onde desenvolve a pesquisa ou de próprio punho, a título de declaração de idoneidade para consulta a acervo tão precioso”, informou Ana Virgínia.  O acesso restrito ao acervo da Diora se explica pela necessidade de proteger e preservar documentos únicos, datados, alguns deles, antes mesmo do descobrimento do Brasil. Os estudos são feitos através de microfilmes e material digitalizado, na falta destes, a consulta é direto no original.

 

 

 

 biblioteca-nacional-interno

 

 
O Depósito Legal é a principal fonte de captação de obras para a BN, mas as peças mais antigas e de grande valor histórico foram obtidas por meio de doações. A maior delas foi a coleção Dona Tereza Cristina Maria doada pelo imperador Dom Pedro II, quando estava no exílio em Portugal, em 1891. São mais de 48 mil peças, entre livros, manuscritos, partituras, gravuras, desenhos, fotografias e mapas. As coleções doadas à BN são privilegiados instrumentos de pesquisa sobre a história do Brasil.

Desejando consolidar a inserção da Fundação Biblioteca Nacional na sociedade da informação, foi lançado o Portal Institucional (www.bn.br), permitindo o acesso aos Catálogos on line . Em 2006 foi criada a Biblioteca Nacional Digital concebida de forma ampla como um ambiente onde estão integradas todas as coleções digitalizadas colocando a Fundação Biblioteca Nacional na vanguarda das bibliotecas da América Latina e igualando-a às maiores bibliotecas do mundo no processo de digitalização de acervos e acesso às obras e aos serviços, via Internet.

 

 bn-escadas-fatima-nascimento

 Foto: Fátima Nascimento

 

 

O prédio atual da Fundação Biblioteca Nacional teve sua pedra fundamental lançada em 15 de agosto de 1905 e foi inaugurado cinco anos depois, em 29 de outubro de 1910. O prédio foi projetado pelo General Francisco Marcelino de Sousa Aguiar, e a construção foi dirigida pelos engenheiros Napoleão Muniz Freire e Alberto de Faria. Integrado à arquitetura da recém-aberta Avenida Central, hoje Avenida Rio Branco, o prédio é de estilo eclético, em que se misturam elementos neoclássicos. As instalações do novo edifício correspondiam na época de sua inauguração a todas as exigências técnicas: pisos de vidro nos armazéns, armações e estantes de aço com capacidade para 400.000 volumes, amplos salões e tubos pneumáticos para transporte de livros dos armazéns para os salões de leitura.

Em meio à fachada principal, o edifício possui um pórtico com seis colunas coríntias, que sustentam o frontão ornamentado por um grupo em bronze, tendo ao centro a figura da República, ladeada por alegorias da Imprensa, Bibliografia, Paleografia, Cartografia, Iconografia e Numismática. O conjunto foi executado de acordo com maquete do artista nacional Modesto Brocos. Do lado direito da Portada, uma estátua de bronze, de Corrêa Lima, representa a Inteligência; uma outra, do lado esquerdo, da autoria de Rodolfo Bernardelli, representa o Estudo. Na parte superior da fachada, de cada lado do tímpano, vêem-se, em bronze, os anos da fundação da Biblioteca MDCCCX, e da inauguração do prédio, MCMX.

 

 

 bn

 

 

 

No saguão há, à direita e à esquerda, dois painéis do pintor norte-americano George Bidddle e dois baixos-relevos em bronze de sua esposa, a escultora Helena Sardeau Biddle. Essas obras de arte constituem oferta do governo dos Estados Unidos da América ao Brasil e foram inauguradas no dia 8 de dezembro de 1942. As escadas internas são de mármore com gradil de proteção em bronze com tratamento de pátina preta e friso formando o corrimão em latão dourado polido. No patamar do lance de escada entre o segundo e o terceiro andar, localiza-se o busto em mármore de D. João VI, esculpido em Roma, em 1814, por Leão Biglioschi e que pertenceu à Real Biblioteca.

Sob a clarabóia em vitral colorido, do saguão, e como que a sustentando, vêem-se 12 cariátides em gesso.Todo o conjunto do edifício é encimado por quatro clarabóias com vitral colorido; uma no zimbório central sobre o saguão; uma sobre a ala lateral dos armazéns de livros (à esquerda); outra sobre a ala lateral dos armazéns de periódicos (à direita), a quarta localiza-se sobre o salão da Divisão de Obras Raras. São dignos de nota os painéis assinados por artistas de renome, que decoram o terceiro e o quarto pavimentos. No terceiro, na Divisão de Obras Raras, antigo salão geral de leitura, encontram-se painéis de Rodolfo Amoedo, A Memória e A Reflexão, e de Modesto Brocos, A Imaginação e A Observação. No quarto andar, onde se localiza o Gabinete da Presidência, encontram-se mais quatro painéis, dois de Henrique Bernardelli, O Domínio do Homem sobre as Forças da Natureza e A Luta pela Liberdade, e dois de Eliseu Visconti, O Progresso e A Solidariedade Humana. Em espaço do andar térreo (ou primeiro andar) com aceso pela Rua México foi inaugurado no ano de 2000 um moderno auditório que levou o nome de Machado de Assis e uma galeria para exposições com os requisitos ideais de luz e temperatura. Esse espaço foi inaugurado com a magnífica exposição “Brasil 500 anos na Biblioteca Nacional”.

 





A casa de papel, de Carlos Maria Dominguez

25 06 2008

A Casa de Papel de Carlos Maria Dominguez

Acabo de ler A Casa de Papel do escritor argentino Carlos Maria Dominguez.   Lê-se numa tarde, com tempo suficiente para degustar o texto e para reler as partes mais interessantes.  É um livro pequeno, quase um conto prolongado.  Uma novela, no sentido mais tradicional da palavra, são 98 páginas. E, no entanto, é uma delícia entrar no mundo mágico de Dominguez e nos encontrarmos nesta sala de espelhos que ele criou tão cuidadosamente.

 

O livro mostra o comportamento de colecionadores de livros ou mesmo de colecionadores em geral.  Porque suas atitudes, não importa o que colecionem, (quer sejam caixinhas de fósforo, porcelana japonesa ou livros), suas paixões, suas manias e estranhezas, são todas as mesmas.   Carlos Maria Dominguez nos faz pensar nos excessos, no comportamento extremo.  Seu livro questiona onde fica aquela linha divisória, invisível, que marca a diferença entre o comportamento do louco e a maneira de ser de quem é considerado normal.    Seu foco são  livros.  Ele explora as conseqüências da paixão por livros como objetos e guardiões de idéias.  Mostra também  as armadilhas, os perigos, de comprar, armazenar e colecionar  livros.  Onde e quando parar?  Quem determina o limite?   Que limite?   E com destreza ele faz a pergunta que é o pesadelo de qualquer amante de livros:  qual deles guardar, como guardar, onde e por quanto tempo?  Depois de algum tempo o que se deve fazer com os  livros que você sabe que não irá mais ler?  

 

Na verdade, A Casa de Papel é uma grande reflexão na arte de ler, de estudar e na arte de se colecionar livros e idéias.  O texto está repleto de alusões literárias.  Diversos escritores e suas curiosas vidas são mencionados.  A referência mais central ou talvez eu deva dizer a referência mais entremeada no texto, a que mostra maior afinidade com o livro, é a história do escritor Joseph Conrad, publicada em 1917, que leva o título de Linha de Sombra.  Nesta história um marinheiro que quer deixar a vida no mar é seduzido a fazer uma última viagem na qual ele será o capitão do navio.  Ele aceita.  A viagem se transforma num pesadelo e os homens no navio ficam desesperados e à beira da loucura.  Será que colecionar pode levar a um tipo de loucura?  Onde está a linha que separa o são,  do doente quando o assunto é colecionar?

 

É impossível ler-se esta jóia de uma só vez sem perder muito de seu charme e tampouco de perder todas as possíveis reviravoltas e afinidades a outros livros que conhecemos.  Este é um texto muito compacto:  uma segunda leitura certamente enriquece a experiência.  Leia uma vez, e depois de novo.  Você não se arrependerá. Vai adorar.

 

Carlos Maria Dominguez

 

 

 

 

 

 

                  Carlos Maria Dominguez








%d blogueiros gostam disto: