O verde do meu bairro: hibisco-colibri

11 05 2011

Hibisco-colibri, [Malvaviscus arboreus]

Nos fundos do edifício onde eu morava quando era criança, aqui no Rio de Janeiro, havia um muro alto que dava para os fundos de uma escola.  Ao longo desse muro, no nosso jardim, estavam plantados hibiscos-colibris, como os da foto acima.  A minha lembrança dessas plantas vai além do contraste do verde escuro de suas folhas com o vermelho-alaranjado das flores que nunca se abrem.  Elas vão além também dos beija-flores que tremulavam em vôos rápidos em torno dessas flores.  Minhas memórias estão associadas ao gosto de mel que sentíamos quando chupávamos suas pétalas, após retirarmos o fundo da flor [a sépala]. E sugávamos.  Fazíamos isso quando não havia nada melhor para fazer, quando as brincadeiras se esgotavam ou quando esperávamos nossos amigos descerem para brincar.   Na verdade não era muito doce, tinha uma lembrança do gosto de mel.  Como gosto, não era lá nada demais.  Mas gostávamos de fazer isso porque demonstrávamos  nossos conhecimentos, nossa sabedoria adquirida ‘na rua’.

Esses hibiscos, não existem nos Estados Unidos – na parte continental – onde morei por muitos anos.  Tampouco sobrevivem no Mediterrâneo e vizinhanças, por onde também permaneci alguns anos.  E toda vez que eu vinha ao Brasil, visitar a família, ficava encantada com o colorido exemplar desses arbustos, que abundam na paisagem urbana do Rio de Janeiro.   Agora, residente da cidade, faço parte daqueles que fotografam a beleza tropical dessa planta.  Adoro-a!  Se eu tivesse um jardim, esse hibisco certamente teria um lugar reservado.

Hibisco-colibri

´-

=

Salta aos olhos a luxúria de suas flores vermelhas ao encontro da folhagem.  Esse é um arbusto que pode chegar a uns quatro metros de altura e parece ter flores o ano inteiro, ainda que aqui no Rio de Janeiro,  os meses de outono parecem trazer maior abundância nessas plantas.  É nativo do Brasil, da América do Sul e do México.  Tem a peculiaridade de ter flores, vistosas que nunca se abrem. Permanecem fechadas, próprias mesmo para os biquinhos longos dos beija-flores que as adoram.  Dá uma única flor, por ramo, na ponta, e pende como um sininho solitário.  Mas o efeito é espetacular, quando vemos muitos “sininhos” vermelhos…  É muito usada em cercas vivas, ou, como no caso mostrado na foto, debruçando-se sobre um muro.   É um arbusto lenhoso que exige pouca manutenção, mas precisa de sol, abundante e solo fértil. Não se dá bem no frio, nem em lugar de geada.  Sua reprodução é por estaquia de galhos e se reproduz facilmente.

Para maiores informações:    Jardineiro





Beija-flores: muitos mergulhos por amor!

15 06 2009

beija-flor-grande

 

Uma ave tão pequenina – 8 a 10 cm —  detém o invejável recorde de ser, proporcionalmente, mais rápida  e de resistir melhor à gravidade do que do aviões caça O macho da família dos beija-flores Anna, faz tudo isso por amor.

 O velho ditado diz que o amor move montanhas.  Entre os beija-flores ele bate recordes de velocidade.  Esses colibris da espécie Ana, conseguem atingir os 27,3 metros por segundo.  Comparado ao comprimento do seu corpo, – 8,5 a dez centímetros – eles são mais rápidos do que a mais rápida das andorinhas, do que um falcão peregrino ou um jato militar.

 A velocidade atingida pelos colibris é a maior já registrada por um vertebrado, em comparação ao seu tamanho, afirma o zoólogo Christopher James Clark, da Universidade da Califórnia. O cientista conseguiu captar em fotografia de alta velocidade os vôos de acasalamento dos beija-flores machos.  Esses são os chamados vôos picados, manobras de alto risco, executadas pelos colibris para atraírem a atenção das fêmeas.  Esses vôos picados são importantes para a sedução das fêmeas, pois produzem um silvo característico, bastante forte.  As fêmeas são atraídas pelo silvo intenso.  Os vôos picados, são mergulhos rápidos, feitos em média 15 vezes próximo à fêmea.  Desta maneira os beija-flores se  submetem a mais elevada força de gravidade até hoje registrada por um vertebrado em manobra voluntária.  Os mergulhos dos machos são elemento central da sedução nos colibris, além é claro da exuberância cromática da plumagem que exibem na cabeça e pescoço durante a época de acasalamento.  Esta estratégia de sedução aerodinâmica coloca os colibris no limite das suas capacidades, escreve James Clark no texto divulgado esta semana na revista Proceedings of the Royal Society B.

Fontes:

Portal Terra

Diário de Notícias, Lisboa








%d blogueiros gostam disto: