E afinal, qual é mesmo a sua grande ideia?

2 06 2010

 

Pato Donald tem uma ideia brilhante!  Ilustração Walt Disney.

 

Foi Platão quem primeiro fez a analogia entre a luz e uma idéia.  Desde então idéias podem ser más, boas, mas sempre eletrizantes nas mãos dos artista gráficos.  Estes sim são sempre brilhantes!

 A associação da luz com uma nova idéia, auxiliando a solução de um problema tem-nos fascinado desde a antiguidade e acompanhado até os dias de hoje.   Parece que agora estamos um passo adiante:  o psicólogo social Michael Slepian, trabalhando na Universidade Tufts, nos EUA, publicou no Journal of Experimental Social Psychology os resultados de sua pesquisa que avaliava se a presença de uma lâmpada, isso mesmo, da lâmpada em si, aquele objeto pelo qual passa a eletricidade, poderia ter um papel significativo como auxiliar de novas idéias. 

Cascão tem uma ideia simples.  Ilustração Maurício de Sousa.

E não é que pode?   

Parece que as lâmpadas podem de fato ajudar uma pessoa a ter uma intuição na resolução de um problema.  Uma lâmpada agiria como um estímulo à imaginação.   Apesar de a intuição ser um fenômeno bastante conhecido e muito estudado, ainda é uma capacidade humana completamente misteriosa para os cientistas.  E o que Michael Slepian apurou é que a “idéia da lâmpada” trabalha no nosso inconsciente de tal maneira que realmente associamos o objeto à clareza de pensamento.  Ela nos dá uma maior tendência de descobrir novos ângulos de um problema, de resolver uma questão de maneira mais criativa.  A pesquisa tenta documentar os sinais sutis que podem influenciar o nosso comportamento.  [Para maiores detalhes sobre a pesquisa de Michael Slepian, por favor clique  AQUI e AQUI.]

 Não me cabe julgar os méritos de sua pesquisa.  Mas reconheço que a imagem de uma lâmpada está a tal ponto associada ao surgimento de uma idéia que expressões inteiras podem ser substituídas pela lâmpada ou por sua imagem modificada.  E é uma comunicação popular e eficiente.  Tão emblemática quanto,  nos últimos 40 anos, o coração vermelho veio a ser para o verbo amar: por exemplo, a expressão “ eu amo ler”, pode ser também escrita: eu + [imagem de um coração]+ ler, sem qualquer perda de significado.

 —

Aqui, então um  grupo de imagens que poderiam levar o nome:  arte gráfica da idéia brilhante. 

Professor Pardal e seu auxiliar Lampadinha, ilustração Walt Disney.

Mesmo sem idéias, o Professor Pardal é acompanhado por sua lampadinha que continua a trabalhar.  Foi justamente com o Professor Pardal que conheci a primeira associação de lâmpada com idéia, e para mim, a conexão entre esses dois é tão perfeita que o inventor Pardal não existe no meu imaginário seu seu ajudante Lampadinha. 

Zé Carioca tem uma idéia luminosa!  Ilustração Walt Disney.

Quem percebeu que a ideia luminosa de Zé Carioca é representada por uma lâmpada na forma de pena?  Ela poderia fazilmente, se colorida de verde, se inserir no seu topete. É ou não brilhante?

O Palhacinho Alegria, Ilustração Editora Abril.

O palhacinho Alegria só poderia ter uma idéia engraçada, e ela vem de chapéu de palhaço igual ao dono!

Pato Donald, ilustração de Walt Disney.

O Pato Donald deveria ser brasileiro, porque certamente não desiste nunca.  E  continua a ter idéias duplamente valiosas, apesar de nós sabermos, de antemão, os resultados da maioria dos seus empreendimentos!

Do Contra tem uma idéia característica.  Ilustração Maurício de Sousa.

Uma ideia contrária só poderia ser expressada dessa maneira, é ou não é?  Brilhante!

Chico Bento, ilustração Maurício de Sousa.

Chico Bento tem uma ideia antiga.  Uma ideia de outros tempos…  Talvez uma idéia interiorana, caipira? 

Piteco tem uma ideia, ilustração Maurício de Sousa.

Piteco, o homem das cavernas tem uma ideia de  acordo com os seus tempos, nem poderia ser diferente.  Será que elas seriam tão brilhantes quanto as de raio laser?

——–

Ilustração Maurício de Sousa.

—-

E os animais pensam da mesma forma que nós….  Mas isso nós já sabíamos!

A verdade é que nenhuma dessas imagens poderia ter sido entendida por nós se a representação de uma ideia ( brilhante ou não) já não estivesse bem enraizada no nosso inconsciente.  A imagem, então, de uma lâmpada, funciona como um ideograma, em que diferentes contextos mudam de acordo com as diferenças no mesmo tema.  A lâmpada, o faixo de luz, está tão enraizada no nosso inconsciente que pensamentos mais complexos ainda do que uma imagem de uma história em quadrinhos estão nos dias de hoje sendo transmitidas com uma simplicidade invejável:

—-

Uma idéia rentável, vendável, lucrativa…

Uma idéia de destaque, única entre outras…

—-

Uma nova idéia…

—-

Uma ideia verde, uma ideia ecológica …

E afinal, qual é mesmo a sua grande ideia? 




Em tempos de crise… Entrevista para emprego

13 08 2009

 

 

entrevista_emprego

 

Algumas dicas que ajudam alunos entrando no mercado de trabalho.  Essas dicas foram sugestões de G. Krishnamukar, publicadas no jornal The Hindu, da Índia, no dia 11 de agosto.  Elas também são válidas para o lado de cá do mundo.  A tradução, adaptação são minhas.

Companhias têm exigido bastante no momento de recrutamento nessa hora de crise mundial, com o objetivo de escolher só os melhores profissionais.  

Com o número de vagas reduzido, candidatos, principalmente os recém formados,  precisam apurar suas aptidões para corresponder à crescente concorrência. Aqui estão algumas dicas que podem ajudar a que estiver à procura de um novo emprego.

• As grandes companhias  estão à cata de pessoas independentes. Empresas querem pessoas dispostas a assumir novas responsabilidades.

• Os candidatos a emprego terão necessariamente que aprender novas ferramntas de trabalho. Para aqueles que resistem à uma nova aprendizagem, a um novo treino em diferentes áreas,  o trajeto para emprego relevante será mais difícil.

• As empresas também querem maior empenho de seus empregados, na garantia do sucesso que a empresa terá no futuro.  A dedicação do empregado não pode ser comprometida.  Se você fizer alguma coisa, será melhor fazê-lo com todo o seu empenho, se o fizer só para terminar a tarefa, pensando que você afinal não foi contratado para aquilo, o investimento da companhia em você não valerá a pena. É um desperdício de tempo para você e para eles.

• É preciso que o candidato tenha bom desempenho para  trabalhar em equipe.  Em geral novos empregados precisam se encaixar  numa equipe já existente para atuarem numa empresa.

• Os jovens precisam aumentar suas habilidades em comunicação.

• Os requisitos para um candidato a emprego estão mais exigentes. Uma das principais razões para a rejeição de um candidato nas entrevistas é a falta de habilidade, de comunicação oral e escrita. Você pode melhorar sua comunicação só mesmo com a prática.  Não há alternativa.

• As empresas preferem pessoas que tenham capacidade de fazer várias tarefas diferentes, sem se limitarem ao nicho específico para o qual foram contratadas.





Mapa de 14.000 anos desenhado numa pedra

7 08 2009

SPAIN ARCHEOLOGY STONE MAP

 

Arqueólogos da universidade de Zaragoza, liderados pela cientista Pilar Utrilla, descobriram o que acreditam ser o mais antigo mapa da Europa Ocidental, numa caverna na Espanha.   Desenhos feitos com riscos numa pedra do tamanho própria para caber na palma da mão, datando de aproximadamente 13.660 anos, parecem ter sido utilizados como mapa, mostrando uma montanha, rios, lagos e um animal caprino.  A pesquisa que levou 15 anos – a pedra foi encontrada em 1994 – foi publicada no Journal of Human Evolution.  A pedra foi descoberta na caverna de Abauntz Lamizulo,  que a tradição mantém ser o abrigo das “lâmias” – ninfas mitológicos com pés de pássaros.   A caverna, dizem os arqueólogos, teria sido de importância estratégica para o homem caçador, pois se encontra acima de um cânion em cujo vale abaixo animais certamente  pastavam.  As riscas na pedra parecem mostrar as curvas de rios e riachos abaixo, enquanto que outras marcas parecem fixar pontos de importância para orientação> um pico idêntico ao desenhado na pedra pode ser visto da caverna.  

 

pedra

 

Esta pedra foi desenhada numa época de grande atividade humana na região de Navarra da Espanha.  Seres humanos estavam movendo-se cada vez mais para o norte e precisavam cooperar e até mesmo dividir terras.  Isso estaria localizado imediatamente depois dos 3.000 anos da Idade do Gelo.  Toda essa atividade faria mapas terem grande importância.  Nem todos os arqueólogos concordam com a interpretação de que essa pedra seria um mapa.  O argumento       que defendem é que a familiaridade do homem com o meio ambiente naquela época  faria o uso de mapas desnecessário.  

 

pedra 2

 

FONTE: Daily Mail





As línguas estão acabando!

20 11 2008

torres-de-babel

Construção da Torre de Babel , 1424-25

Mestre do Duque de Bedford, (França, circa 1405-1435)

Iluminura.

 

 

Um artigo recente da revista O Economista, fala com pesar sobre os milhares de línguas humanas em processo de extinção.  Apesar de ser interessante sabermos a maneira como seres humanos pensam e de como desenvolveram maneiras de pensar, parece inevitável que num mundo de comunicações instantâneas algumas línguas deixem de existir.  

 

As projeções são de que a maioria das 7000 línguas do mundo não serão mais faladas até o final deste século; 200 línguas africanas morreram no último século e 300 mais correm sério risco de desaparecerem.  No Sudeste da Ásia 145 línguas estão prestes a desaparecer, entre elas a língua Manchu falada na China, a Hua falada em Botswana, e a Gwich’in falada no Alasca.

 

Parece-me inexorável o desaparecimento destas línguas.  Principalmente quando a comunicação entre povos tornou-se comum e diária.  Num mundo em que pelo simples ligar de um aparelho de televisão uma pessoa é exposta a uma dúzia de línguas, essas, que ouvimos, parecem ser de maior importância para a própria sobrevivência do ser humano; sem se falar nas linguas usadas nas comunicações virtuais.  Este é um desenvolvimento natural.  Se nos lembrarmos bem, outras tantas línguas  já desapareceram através dos milênios tais como a língua Acadiana, Etrusca, Tangut, Chibcha e muitas, muitas outras,  algumas até de que não se tem noção.   

 

Algumas línguas, hoje, mesmo usadas por um grupo significativo de pessoas, estão sendo aos poucos trocadas por línguas que possam trazer maior sucesso econômico e conseqüentemente  melhor nível de sobrevivência para aqueles que as falam.   Assim, aos poucos, a pluralidade lingüística da Rússia está desaparecendo à medida que a juventude descobre ser indispensável o uso do Russo no cotidiano.  O mesmo acontece com habitantes da China e do Tibete que sentem necessidade de trocar suas respectivas línguas natais pelo Mandarim, a língua de franco acesso no território chinês.

 

Assim como há aqueles que querem salvar as espécies de animais em perigo de extinção, há muita gente querendo salvar, preservar se possível, línguas que tem poucos habitantes usando-as como no exemplo citado pela revista O Economista de Peter Austin, um lingüista Australiano.  Ele menciona:  Njerep, uma das 31 línguas em extinção tem no momento só 4 pessoas que a falam e todas acima de 60 anos de idade.   

 

Mas línguas são difíceis de serem preservadas, pois uma língua só faz sentido quando é falada e entendida.  Se não tem mais essa função entre os seres humanos, deixou de ter razão para a sua sobrevivência, porque deixou de produzir  aquilo a que se propõe: comunicação.

 

Este é um aspecto muito diferente dos apresentados pelos animais em extinção, que muitas vezes se acham nestas condições,  porque há muito mais demanda para suas virtudes ou suas qualidades do que esses animais têm em capacidade de reprodução.  Assim me parece ser o caso do marfim dos elefantes, das peles de jacarés, da carne de baleia, da carne do urso polar.  Por outro lado, uma língua não desaparece porque muitos querem falá-la.  Ao contrário, ela desaparece porque já não comporta a realidade em que precisa ser acionada.  

 

Saber lidar com a mudança de uma realidade para outra foi o que fez com que os seres humanos sobrevivessem.  A perda voluntária de uma língua como está acontecendo nas culturas mencionadas faz parte deste processo de sobrevivência humana.  E da seleção natural entre os seres vivos. 

 

 

 

Para ler o artigo da revista O Economista.

 

Mestre do Duque de Bedford: Pintor de iluminuras.  Échamado de Mestre do Duke de Bedford por não se saber seu nome original.  Leva então o nome pela comissão que recebeu de John, Duque de Bedford, entre os anos de 1422 e 1435.  Quando a serviço do duque deve ter recebido o título de Assistente Mestre do Duque de Bedford, por causa da importância das obras a ele requisitadas.  Seu estilo em iluminuras é identificado pela maneira de modelar o corpo humano, pela restrição cromática de sua palheta e pelo pouquíssimo uso da folha de ouro como embelezamento.   





Unicamp interpreta as vozes dos animais!

29 10 2008

A Universidade Estadual de Campinas [Unicamp] apoiada pelo CNPq/MCT, acaba de desenvolver um software capaz de interpretar a vocalização dos animais suínos, bovinos e aves, identificando se estão com frio, fome ou sob algum tipo de estresse.

O software que está em fase de patente terá um custo barateado para ser usado como instrumento na busca do bem-estar animal.

Alguns dados interessantes foram mencionados no artigo em que este post de baseia, do Jornal do Comércio, de 29/10/2008, versão impressa, página B-11.  Por exemplo:  “pintinhos nas primeiras três semanas,  têm uma tendência para sonorizar menos quando estão expostos a um ambiente com conforto térmico.  Quando a temperatura diminui, a freqüência de vocalização vai aumentando, ” disse Irenilza de Alencar Naas, pesquisadora e coordenadora do projeto.

Também bezerras mais jovens apresentam  maior estresse com a separação da matriz.  E os pesquisadores registraram cinco tipos diferente de gritos no repertório dos leitões.

Ao que parece, a data de nos comunicarmos com os animais está próxima.





O canto do peixe-balão: sedução a meia voz

22 07 2008

Recentemente a Associated Press, noticiou que uma pesquisa financiada pelas National Science Foundation e pelos National  Institutes of Health nos EUA,  descobriu que “cantar ao pé do ouvido” é um comportamento de conquista sexual usado não só por seres humanos, batráquios e mamíferos. Surpreendentemente, os peixes podem, agora, ser incluídos nesta lista.  Tudo indica que os sons que os peixes produzem não cheguem a ser um canto tal como associamos aos dos pássaros, ou até mesmo aos assobios das baleias ou  ao coaxar dos sapos.   Parece mais um murmúrio musical, um “cantar de boca fechada” registrado entre os peixes-balão na hora de atrair o sexo oposto.

 

A equipe do neurobiólogo Andrew H. Bass, da Universidade de Cornell, se concentrou no estudo dos peixes-balão.  Observaram o animal desde larva por já se saberem de antemão que eles produziam mais de um som.  Mas o Professor Bass, rapidamente explica que não se trata de um uso mais sofisticado, refinado de um cérebro de peixe.  A melodia, ou melhor, o murmúrio emitido pelos peixes-balão está longe das melodias dos pássaros ou dos sons produzidos por mamíferos.  Mesmo assim, trata-se de um sistema complexo de neurônios engajado na produção destes sons, um sistema antigo, que remonta às centenas de milhões de anos em que a evolução da vida no planeta, como a conhecemos, se formou.

 

São dois os sons produzidos pelo peixe-balão:

 

1) um murmúrio, como se fosse o zumbir de uma abelha.  Este é o canto Donjuanesco que atrai a fêmea para o macho. 

 

2) o outro é um som ameaçador, usado quando o peixe sente a necessidade de proteger seu território de reprodução.  

 

A localização dos nervos vocais descritos na pesquisa corresponde a sistemas semelhantes encontrados nos sapos, pássaros e mamíferos.   Mas muito mais pesquisas como esta ainda serão necessárias para podermos ter uma melhor idéia da evolução da comunicação entre os animais.








%d blogueiros gostam disto: