Fantasias, conto infantil de Wilson W. Rodrigues

12 05 2015

 

 

ursinho equilibrista

 

Fantasias

 

Os dois Ursos haviam se convertido na atração máxima do grande baile de Carnaval do Teatro Municipal.

Um deles, entre risos dos foliões, acabara, havia pouco, com todas as frutas que ornamentavam as mesas, devorara um enorme peixe e a mais volumosa bandeja de salada russa. Nem por isso parecia saciado, pois se atirara à geleia e ao creme com a volúpia de um menino. Bebeu dúzias e dúzias de cervejas geladinhas; comeu dezenas de camarões recheados, coxinhas de galinha, ovos, uma quantidade assombrosa de comida e doces sem conta.

Perto da meia-noite, os alto-falantes convocaram os foliões para o famoso desfile do Concurso de Fantasias.

Todos aplaudiram:

— Os Ursos! Os Ursos!

O primeiro deles levantou-se e apontou a passarela:

— Vamos, seremos os Reis do Baile.

— Eu não, resmungou o outro.

— Não vai participar do desfile?

— Não.

— Sem você … que será de mim?

E numa confissão melancólica:

— Um casal de Ursos não é a mesma coisa que um Urso solitário. Perderei o prêmio.

— Não vou, nem devo ir… já é muito tarde.

— Mas a festa mal começou!

— Por isso mesmo, não quero estragar a alegria de ninguém. À meia noite, todos terão de arrancar as máscaras.

— E que tem isso?

— Acontece que eu não uso máscara. Eu sou um Urso mesmo.

 

***

Em:Contos dos caminhos, Wilson W. Rodrigues, Torre Editora, Estado da Guanabara, s/d, pp: 31-34





O Príncipe, conto de Wilson W. Rodrigues, uso escolar

27 08 2014

 

WTBendaIlustração de W.T. Benda para capa da revista LIFE de agosto de 1923.

 

 

O Príncipe

 

Wilson W. Rodrigues

 

 

As feições do príncipe eram desconhecidas.

Jamais alguém vira o seu rosto.

Em sua corte trabalhavam os artesãos mais hábeis, os melhores desenhistas, as costureiras mais famosas.

A observação era invariável:

— É preciso que essa máscara fique mais bela; do contrário, o Príncipe recusará.

As máscaras deviam ser sempre mais belas, pois, desde menino, o Príncipe usava todos os dias, uma nova máscara.

Dir-se-ia que elas o fascinavam, pois sempre parecia feliz.

Um dia, quando tomava parte numa caçada, o Príncipe afastou-se de sua gente e se perdeu.

Pela noite inteira, ninguém o encontrou.

De manhã, quando cruzava o vale, o Príncipe avistou uma donzela que voltava da fonte, bilha ao ombro.

Estava sedento, pediu:

— Posso beber da tua bilha?

A jovem reconheceu o Príncipe Mascarado, e com galanteria ofereceu:

Só se beberes na concha das minhas mãos.

O Príncipe desmontou. Em terra, curvou-se; nesse instante, ela, num gesto tão rápido quanto impensado, arrancou-lhe a máscara, e deu um grito de espanto.

— Sou tão feio assim?

— Não. Tu és mais belo que todas as tuas máscaras.

 *****

Em: Contos do Rei do Sol, Wilson W. Rodrigues, Rio de Janeiro [Estado da Guanabara], Editora Torre: s/d, pp: 21-26

 





21 de abril, Dia de Tiradentes, pelos olhos de Tibicuera

20 04 2009

dsc06460

Capa da 4ª edição: 1947

 

 

 

 

 

Continuamos aqui com a narrativa sobre Tiradentes e sua morte, pelos olhos de Tibicuera.

 

 

41

 

A cabeça na ponta do poste

 

 

Um tal Joaquim Silvério dos Reis, coronel dos dragões, tinha denunciado os conspiradores.

 

Para encurtar o caso:  Cláudio Manoel da Costa enforcou-se na prisão.  O poeta Gonzaga foi mandado para a África, para bem longe da Marília dos seus sonhos.  Muitos tiveram a  mesma sorte.  Outros foram condenados à morte.

 

Chegaram-nos notícias de Tiradentes.  Submetido a interrogatórios repetidos, ele insistia em negar a culpabilidade dos amigos.  Dizia-se o único responsável por tudo: o animador, o chefe e principal culpado da tentativa de revolta.

 

A pena de morte dos outros foi comutada.  Mas Tiradentes foi levado à forca.  Eu não quis assistir ao seu martírio.  Sei que ele manteve a coragem e a fé até o fim.  Não fraquejou.  Foi levado para o patíbulo num cortejo assustador.  Devia impressionar naquela bata branca que ia ser sua mortalha.  Levava na mão um crucifixo preto, para o qual ele olhou o todo o tempo, murmurando preces.

 

Quando me disseram que o corpo de Tiradentes fora esquartejado, sendo sua cabela espetada na ponta de um poste  — estremeci de raiva e cheguei a chorar de sentimento.  E não sei se por influência dos versos de Gonzaga, começou a dansar em minha cabeça esta frase: “Aquela cabeça na ponta do poste é uma bandeira, a bandeira da nossa liberdade.”

 

Foi assim que terminou a aventura da “Inconfidência Mineira”.  Foi assim que perdi o meu amigo José Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes.  

 

 

 

 

Em: As aventuras de Tibicuera: que são também as aventuras o Brasil, Érico Veríssimo, Porto Alegre, Livraria do Globo: 1947, 4ª edição., ilustrado por Ernst Zeuner.





Tibicuera acompanha Tiradentes!

19 04 2009

tibicuera

Tibicuera, 1937

Ernst Zeuner, (1895-1967)

Ilustração: As aventuras de Tibicuera

 

 

 

 

 

Neste Dia do Índio, tão próximo do Dia de Tiradentes, nada melhor do que nos lembramos do mártir da independência através dos olhos de Tibicuera.  Para quem não sabe quem é Tibicuera, posso adiantar que ele é um indiozinho, criação do grande escritor gaúcho, Érico Veríssimo.  Tibicuera nasceu no século XV e presenciou a chegada dos portugueses.  Como seu amigo Pajé lhe ensinou um segredo, Tibicuera viveu muito tempo, sendo capaz de acompanhar a história do Brasil de seu descobrimento até 1940.   Assim, foi testemunha grande parte da nossa história.  

 

Aqui está o que ele testemunhou da Inconfidência Mineira.

 

 

 

 

40

 

A CONSPIRAÇÃO

 

 Uma noite os conspiradores se reuniram na casa de Tiradentes.  Tive o prazer de lhes fazer um bom café.  Enquanto eles discutiam, fiquei junto da porta, indo de quando em quando passear pelo corredor e espiar pela fresta da janela, a ver se se aproximava algum vulto suspeito.

 

As pessoas que lá estavam eram Joaquim José da Silva Xavier, o meu querido chefe; Alvarenga Peixoto, o tenente-coronel Francisco de Paula Freire de Andrada, José Álvares Maciel, o padre Carlos Correa de Toledo e Melo, o coronel Domingos de Abreu…  e não me lembro mais de nenhum outro nome.

 

O plano era simples.  Quando o governo fizesse a cobrança dos impostos – a “derrama” – explodiria o movimento.  A senha era esta:  Hoje faço o meu batizado.

 

O povo se revoltava, conseguia a adesão dos dragões, que seriam influenciados por Tiradentes e pelo seu comandante Paula Freire de Andrada.  Prenderiam as autoridades portuguesas.  Libertariam os escravos.  Instalariam muitas fábricas importantes – todas as fábricas que um decreto recente de Portugal proibira de funcionar no Brasil. E a nova nação teria uma bandeira com este dístico: Libertas quæ sera tamen. Quando os incofidentes falaram nisto, não gostei.  Eu não entendia.  Fiquei sabendo depois que era uma frase latina do poeta Virgílio.  Queria dizer: Liberdade, ainda que tarde.

 

O padre Toledo junto com Alvarenga Peixoto conseguiu convencer o desembargador Tomás Antônio Gonzaga e o dr. Cláudio Manuel da Costa a aderirem ao movimento.  Gonzaga era poeta.  Estava apaixonado por uma moça, Dorotéia.  Fazia versos em que lhe dava o nome de Marília.  Sempre impliquei com este costume que os poetas têm de não darem o  nome verdadeiro às coisas.  Mas eu gostava de Gonzaga, que era um homem melancólico de ar sonhador.  Muita vez levei recados seus à noiva.  Foi um romance bonito mas que não teve aquele final dos romances antigos: Casaram-se e foram muito felizes.

 

A idéia marchava.  Tiradentes resolveu ir até o Rio a serviço da revolução. Acompanhei-o montado num burro emprestado.  Foi uma viagem dura.  Chegamos à capital do Brasil e uma tarde percebi que estávamos sendo seguidos.  Disse de minhas desconfianças a Tiradentes.  Ele sorriu e troçou:

 

— Tibicuera está vendo fantasmas…

 

Mas eu sentia a nosso redor a sombra de espiões.  Passei a andar inquieto e de olho alerta.

 

Tiradentes parava na casa de um amigo na rua dos Latoeiros, que hoje se chama Gonçalves Dias.  Um dia ouvimos barulho de passos na rua.  Devia ser uma patrulha, a julgar pela cadência das batidas no calçamento.  O dono da casa foi à janela e empalideceu.  Voltou-se para o hóspede e não teve voz para lhe dizer que a casa estava cercada.  Tiradentes compreendeu tudo num relance.  Gritou:

 

— Foge, Tibicuera!

 

E precipitou-se para a porta dos fundos.  Era tarde.  Prenderam-no cinco soldados.  Mais dois caminhavam para mim.  Dei um salto de tigre e desandei a correr pelo corredor…  Derrubei o primeiro homem que encontrei pela frente.  Escalei-o com a agilidade de um … de um homem perseguido.  Poucos segundos depois eu entrava na varanda de uma casa desconhecida onde duas mulheres se puseram a gritar.   Ganhei o pátio dessa casa, saltei por cima de novo muro e me vi noutra rua.   Comecei a andar com naturalidade.  Caminhei durante meia hora.  Estava fora de perigo.  Mas um pensamento tomara conta de mim:  Era preciso avisar os inconfidentes de Vila Rica.  Com as economias que tinha comprei um burro e me pus a caminho.  Quando, dias depois, cheguei a Vila Rica foi para saber que todos os inconfidentes estavam presos.  

 

 

 

 

Ernst Zeuner (1895 — 1967) foi um pintor, desenhista e ilustrador alemão, radicado no Brasil.  Zeuner estudou na Academia de Artes Gráficas de Leipzig e veio para o Brasil em 1922, mais especificamente, para Porto Alegre, onde realizou um trabalho de orientação e formação de muitos artistas gráficos gaúchos. Notabilizou-se pela contribuição dada à Revista do Globo, onde atuou como ilustrador.

 

 

Para outro trabalho de Ernst Zeuner, clique abaixo:

 

Imigrantes





Imagem de leitura — Reynaldo Fonseca

15 12 2008

 

reynaldo-fonseca-brasil-1925contando-historias-ost-200280x100cm1

Contando histórias, 2002

Reynaldo Fonseca, Brasil (1925)

Óleo sobre tela, 80 x 100 cm

Coleção Particular

 

Reynaldo Fonseca — Recife, 1925  — transferindo-se para o Rio de Janeiro em 1944, tornou-se aluno de Portinari.  Faz uma viagem à Europa, em 1949, voltando ao Rio de Janeiro onde estuda com Henrique Oswald, no Liceu de Artes e Ofícios.   Retorna  ao Recife  e estuda o «modelo vivo».  Expõe com sucesso desde 1958 (Recife) e desde 1969 (Rio de Janeiro), tendo dividido sua atividade artística entre os dois centros.

 








%d blogueiros gostam disto: