Rio de Janeiro, um parque à beira-mar

24 01 2020

 

 

 

ANGELO CANNONE - Paisagem do Rio de Janeiro - óleo sobre eucatex - ass. inf. dir. - 20 x 30 cm.Paisagem do Rio de Janeiro, Praia de Copacabana vista da Pedra do Leme

Angelo Canonne (Itália/Brasil, 1899 – 1992)

óleo sobre eucatex, 20 x 30 cm.





Rio de Janeiro, à beira da Guanabara!

27 12 2019

 

 

BENIGNO - Praia de Copacabana, 1992,ost16 x 22 cmPraia de Copacabana, 1992

José Benigno (Brasil, 1955)

óleo sobre tela, 16 x 22 cm





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

6 04 2018

 

 

 

Antônio Garcia Bento (1897-1929). Paisagem do Rio de Janeiro, visto do Posto SEIS . Óleo sobre tela colado em papelão. Assinado e datado cid. 1929. 27 x 34,5 cmPaisagem do Rio de Janeiro, visto do Posto Seis, 1929

Antônio Garcia Bento (Brasil, 1897-1929)

Óleo sobre tela colado em papelão, 27 x 34 cm





Escrevendo resenhas

20 03 2018

 

 

 

escrevendo, perfil

 

 

Muitas vezes me perguntam a razão de escrever resenhas de livros.  É minha maneira de colocar um ponto final na leitura.  Não tenho treinamento em literatura, em história da literatura, apesar de ter inicialmente começado meus estudos universitários na Universidade Federal Fluminense em francês.  Mas logo saí para a história da arte.

Nessa época, eu já estava familiarizada com muitas obras da literatura francesa, por ter frequentado desde os onze anos de idade a Alliance Française. O método de ensino da Aliança sempre utilizou textos da literatura para ilustrar a cultura e a língua.  Além disso, tive muita sorte de ter usufruído, quando ainda estava com meus quinze, dezesseis, dezessete anos,  das aulas de Monsieur Cox, na Aliança de Copacabana, à rua Duvivier, em que ouvíamos as gravações de peças de Molière, Racine e outros dramaturgos clássicos franceses, feitas pela Comédie-Française. Acompanhávamos as vozes dos atores lendo os textos e parando de vez em quando para as explicações de M. Cox, em francês, é claro, linha por linha, colocando em contexto de época, social e cultural aquilo que ouvíamos, o que se passava no palco.  Era só som.  Nada mais.  Nenhum filme ou vídeo.  Uma das melhores maneiras de se treinar o ouvido, e certamente um dos mais interessantes cursos de francês e de literatura que já tive.  Talvez seja por isso que tenho muito carinho pela cultura francesa e que não deixo de assistir ao programa La Grande Librairie, na TV5, com François Busnell, que todos podem acessar pela internet também e ganhar conhecimento testemunhando as maravilhosas conversas de Busnell com escritores da atualidade franceses ou não.  Mas essa é uma grande digressão.

Escrevo resenhas em parte para resolver para mim mesma as razões de ter “gostado” ou não de um romance.  Em geral só escrevo sobre aqueles livros que são bons, muito bons, ou espetaculares.   Livros de que não gosto, em geral deixo passar.  A não ser que o não gostar tenha chegado a um nível de desgosto tão grande, mas tão grande que não posso me conter e preciso espalhar a notícia a todos que ainda pensam em poder ler aquele traste.  São poucos os que me afetam dessa maneira.

Uma coisa que talvez passe desapercebida para os leitores é que mudo de opinião à medida que vou escrevendo minha resenha.  Um livro às vezes vai do bom ao brilhante, quando percebo, por ter que pensar nele e em suas diversas correlações, o quão complexo ele é, e o quanto eu poderia ter apreciado ainda mais na minha leitura.  Um livro em que isso aconteceu recentemente foi A vida peculiar de um carteiro solitário, do canadense Dénis Thériault, que considerei bom, mas melhor ainda quando escrevi sobre o livro, e ainda mais espetacular quando, após ter escrito a resenha, contei para amigos a história do carteiro.  De repente, eu vi que tinha lido um daqueles livros muito, muito bons.  Mas raramente o contrário acontece.  Então, a resenha, sedimenta as minhas primeiras observações.  Isso não quer dizer que eu não mude de ideia mais tarde.





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

23 06 2017

 

 

telas 057Praia da Copacabana no inverno, RJ

Pedro da Costa (Brasil, contemporâneo)

Aquarela sobre papel

http://ppedrodacosta.blogspot.com.br





Rio de Janeiro, cidade olímpica!

22 04 2016

 

 

Maria Augusta,Copacabana Posto 6,46 x 61 cm – OST,Ass. CID e Dat. 2004Copacabana, Posto 6, 2004

Maria Augusta  (Brasil, 1927-2012)

[Maria Augusta de Oliva Morgenroth]

óleo sobre tela, 46 x 61 cm





Rio de Janeiro, cidade olímpica!

29 01 2016

 

 

Castro Almeida (Brasil, 1941) Copacabana, Princesinha do Mar, at, 60 x 100 cmCopacabana, Princesinha do Mar

Castro Almeida (Brasil, 1941)

acrílica sobre tela, 60 x 100 cm





Rio de Janeiro, cidade olímpica!

8 01 2016

 

 

ALCY VIANNA - COPACABANA - OSE - 46X55cm.Copacabana

Alcy Vianna (Brasil, 1937)

óleo sobre eucatex, 46 x 55 cm





Rio de Janeiro, comemorando 450 anos!

12 06 2015

 

 

RUBEM DUAILIBI - Três VW em Copacabana e Ipanema - Acrílico s tela colado e silk-screen - 100 x 100 cm - ass. inf. direito e verso - 2008 -Três VW em Copacabana e Ipanema, 2008

Rubem Duailibi (Brasil, 1935)

Acrílica e silkscreen colada sobre tela, 100 x 100 cm

 





Copacabana no início, por Pedro Nava

4 04 2015

ana vasco, copacabnaCopacabana, 1901

Anna Vasco (Brasil, 1881-1938)

óleo sobre tela

“Às vezes saímos para fazer visitas. Eu gostava das da zona sul e nascente Copacabana. O mar era entrevisto de longe, logo que se desembocava nos altos do Túnel Velho. Lá íamos visitar a grande amiga de tia Alice, solteirona e rica, que a todos impressionava pela dignidade de sua presença, pela miopia e pela peruca que usava aberta no meio da testa e esculpindo dois bandós simétricos de cabeleira de santo de pau. Sua vida era austera e piedosa: sempre condenava as fraquezas e escorregões da carne.  Assim atravessou mocidade, a segunda mocidade, ficou madura, mas ao galope dos quatro cavaleiros do apocalipse da menopausa — arranjou seu Landru. Não a matou — mas foi roendo aos poucos seus prédios, suas apólices, suas joias, suas ações, suas pratas, seus cristais, suas porcelanas e quando já não havia o que cardar, plantou a noiva de tantos anos. Morreu abandonada pelo moço (que ela achava a cara de George Walsh), curtida de paixão e marginalizada pela família. Sua pobreza tornava-a mais culpada aos olhos dos sobrinhos. Eu gostava de sua casa, de seu beijo estalado, do seu sempiterno bolo de aipim e do seu convite sugestão amplidão azul. Vamos menino! tire os sapatos e vá brincar na areia! Ia e pasmava. As  ondas vinham altas, empinadas, lisas, oscilantes, como que hesitantes, como se se fossem cristalizar naquele bisel ou coagular-se naquele dorso redondo da serpente marinha coleando do Leme à Igrejinha; paravam um instante de instante, suspensas um instante, decidiam de repente e deflagravam quebrando num estrondo barulhos luzes marulhos espumas — se procurando nos leques se sobreabrindo  sobre as areias. Era mais ou menos no Posto 5 e ainda havia conchas para apanhar, tatuís para desentocar no praiol deserto e impoluído. Ou simplesmente andar, sentindo nas solas nuas a frescura da praia molhada e seu derrobamento  sob os pés inseguros, ao retorno das águas. …”

Em: Chão de Ferro: memórias 3, Pedro Nava, Rio de Janeiro, José Olympio: 1976, 2ª edição, p. 76








%d blogueiros gostam disto: