A crise econômica afeta os animais dos zoológicos nos EUA.

28 07 2009

_piggy_bank-4174476

 

Desde abril deste ano, que a rede de notícias ABC tem dedicado algumas de suas reportagens ao sofrimento dos grandes zoológicos dos EUA a partir da crise econômica.  Com seus orçamentos sofrendo grandes cortes, não só no financiamento dos governos como nas doações de instituições particulares, os zoológicos se vêem numa situação difícil tendo que escolher entre os empregos dos funcionários ou a eliminação de alguns animais de suas coleções.  Tudo isso acontecendo justo no momento em que famílias, limitadas nos seus orçamentos por causa da crise, têm procurado os parques zoológicos como um bom entretenimento, de custo baixo, apropriado a bolsos mais esquálidos, neste período de férias de verão.  

 

A82HD5

 

Cisnes, veados, antílopes, porcos-espinho, guanacos e morcegos, por exemplo, estão entre os animais que sairão das coleções do Zoológico do Bronx, em Nova York, que por incrível que pareça é mantido por uma das maiores instituições de preservação da natureza, a Wildlife Conservation Society.

monkey_money

O zoológico do Bronx, que tem 114 anos de existência, é um dos mais conhecidos e considerados zôos do mundo, mas mesmo assim sofre com a economia periclitante no país.   Como ponto turístico de valor, sua administratção teme que a instituição venha a ser conhecida como um zoológico sem animais.   Desde que a WCS reduziu seu orçamento anual por 15 milhões de dólares, cortes tiveram que ser feitos.  O zoológico do Bronx não é o único a sofrer durante a crise.  Outros zôos dos estados de Kansas, Connecticut, Missouri, Maryland acham-se em circunstâncias semelhantes, tendo que lidar com orçamentos minguantes e gerenciamento de dietas e nutrição para seus hóspedes do mundo animal.  Além disso, qualquer corte feito não pode retirar das exposições as principais atrações para o público porque aí sim, este público deixaria de vez de visitar os parques zoológicos e contribuir para o orçamento de manutenção dessas instituições com o valor das entradas e dos gastos nas lojas de lembranças.  É uma verdadeira saia justa que cada administrador de zoológico tem que considerar.  

broken-piggy-bank

 

Na maioria dos casos quem sofre primeiro são os humanos.  Viagens, treinamento, propaganda, serviços profissionais e almoxarifado foram reduzidos.  Depois disso, se um equilíbrio financeiro não é encontrado, são os animais que sofrem pequenos cortes.  Estes vêm em geral na redução de gastos de manutenção, com ênfase dada a uma dieta menos variada.  E alguns são escolhidos para irem para outro endereço.  

elephant-illustration-coloring-page

 

A maioria dos diretores de zoológicos sabe que retirar animais de suas coleções dilui o valor da instituição.   Mas o que não podem aceitar é ter que se descuidarem dos animais.  Este é o limite para todos os zoológicos.  Todos vêem a segurança e a saúde de seus animais como item de primeira ordem.  Mas as instituições estão sofrendo e ver que o zoológico do Bronx, mantido pela WCS, sofre com a crise econômica tanto quanto outros zôos, está soando um sinal de alarme para toda a sociedade americana.  

Fontes:

ABC  — 30/4/2009

ABC  — 11/7/2009





Museus nos EUA passam por mudanças

11 01 2009

 

david-teniers-1610-1690por-volta-de-1651

O Arquiduque Leopold Wilhelm na sua galeria de quadros em Bruxelas, 1651

David Teniers  ( Países Baixos, 1610-1690)

Óleo sobre tela,  127 x 162 cm

Petworth House

 

 

Hoje cedo dei uma lida rápida num artigo do New York Times, em que Holland Cotter explica que os maiores e melhores museus dos EUA passam no momento por dificuldades em continuar abertos.  Já que não haverá auxilio do governo para seus problemas financeiros.  O Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles por exemplo já acabou não só com todo o dinheiro que tinha investido como precisou recorrer ao apoio de um dos patronos do museu, o bilionário e colecionador, Eli Broad.

 

Para a maioria dos museus esta é a hora de agir.  Eles não podem ficar passivos principalmente  quando suas economias estão desaparecendo; quando seus patronos perdem muitos investimentos. Numa época de incerteza financeira as pessoas responsáveis como patronos esquecem dos museus.  Essas instituições precisam então fazer alguma coisa ou fecham.

 

Já há algum tempo muitos dos museus americanos andam afrouxando suas regras; modificando os modelos de templos da arte, tornando-se mais populares.  Trocam os antigos modelos por um que está cada vez mais popular: o “museu dos cidadãos”. Esse museu tem acima de tudo uma atmosfera mais fluida, mais informal e certamente mais popular em gosto e em acervo.

 

Essa reformulação em geral passa por uma  re-organização das coleções permanentes.  O Instituto de Artes de Detroit, por exemplo, trouxe para frente do seu imponente edifício a belíssima coleção de arte africana de seu acervo permanente, que hoje serve como sala de apresentação do museu.

 

Outra parte da reformulação é a popularização dos gostos e dos objetos a serem mostrados.  Exemplos das diferentes exposições, definitivamente mais populares nos museus:

 

1.                  O Museu do Brooklin já teve duas exposições bem mais populares que atraíram um bocado da população mais jovem e com menos cultura artística: objetos comerciais do hip-hop e outra exposição da parafernália de Star Wars.

 

2.         A Guggenheim por sua vez, teve a exposição da “ extravaganza de

            motorcicletas”.

 

 

 

Não tenho nada contra esforços para a popularização dos museus.  Por exemplo, acredito que para incentivar a leitura devemos dar todo apoio a quem queira ler mesmo que seja uma obra comercial.  O mesmo é claro acredito que possa ser aplicado aos museus.  Mas é preciso vermos se realmente cabe este grande número de museus ou se não estamos hoje em dia com uma tendência de tratarmos museus como pontos turísticos e assim sempre bem-vindos pelos governos municipais em qualquer lugar no mundo.  

 

Penso principalmente num absurdo carioca: toda casa com mais de 50 anos, num bairro populoso, passa a ser “tombada” depois de uma grita em geral que quem mora próximo e vai perder “ a vista” de seu apartamento se mais um edifício fosse construído no local.  Então temos mais uma casa que se transforma em centro cultural, como se esse fosse o único fim possível para alguma construção de dois ou três pavimentos.  Francamente, mesmo que se ainda fôssemos o centro cultural do Brasil, o que deixamos de ser há algum tempo, não teríamos cultura suficiente para enchermos significativamente todas as casas hoje transformadas em centros culturais.   O resultado é um nível muito baixo do que é apresentado lá, quando há alguma coisa apresentada.  Uma pena.

 

A popularização de uma instituição como um museu ou um centro cultural não é ruim desde que sirva de apresentação e que atraia, como um ímã,  um  público que se sente curioso o suficiente para ir ver, procurar e se instruir no que há de mais sério e mais complexo, nas outras exposições…

 

 





O mundo dos livros nos EUA preocupado: editoras e livrarias.

20 12 2008

maria-helena-vieiradasilvaportugal-1908biblioteca-1949

Biblioteca, 1949

Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992)

Óleo sobre tela

As grandes casas editoriais nos EUA tais como a Random House estão em pleno processo de cortar seus orçamentos, de cortar o número de empregados e estão também em processo de re-estruturação organizacional.  A Houghton Mifflin Harcourt parou de adquirir manuscritos para o resto do ano.  

 

O mundo editorial ainda está tentando absorver as más notícias do início do mês quando foi anunciado que diversas editoras começaram a despedir seus empregados e congelar os salários daqueles que permaneceram com estas companhias.  Tudo isso está acontecendo em pleno período natalino, responsável por 25% de todas as vendas do ano para as editoras.  

Ninguém pensou que as editoras fossem passar pelo período de declínio econômico no país sem sofrerem algumas conseqüências.   Mas quando as mudanças na Random House foram anunciadas no mesmo dia em que a Simon & Schuster e a companhia de publicações cristãs de Thomas Nelson, anunciaram também redução do quadro de empregados dessas companhias, o setor editorial dos EUA levou um choque,

Mesmo tomando conhecimento dos problemas da economia, a maioria das pessoas no mundo editorial ainda mantinha um enfoque otimista.  Livros, eles sabem de outras crises econômicas, são à prova de recessão, porque são baratos.  Pelo menos é este um dos princípios em que a indústria editorial americana sempre acreditou.  

Mas Larry Robin,  dono da livraria Robin’s Book que está no ramos desde 1960 não acredita que se possa acreditar mais nisso.  No mundo de hoje, livros já não são tão baratos.  Com o computador, com os Ipods, você consegue todo tipo de entretenimento barato.  Sua livraria que existe  no centro da cidade da Filadélfia desde 1936 está também fazendo uma re-estruturação.  Vai deixar de vender livros novos e se transformar num sebo.   Era uma questão de poder ficar ainda neste ramo por mais um ano.  Mas, não vejo futuro nisso.  Não vejo a economia melhorar em tão pouco tempo.   E tampouco vejo o modelo econômico de comércio a varejo como nós conhecíamos, voltando. 

Livrarias independentes há muito tempo que estão com dificuldades de sobrevivência nos EUA.  Sofrem desde que apareceram as grandes cadeias que compram muitos volumes, conseguem descontos das editoras e revendem com uma margem muito menor do que a necessária para que uma livraria independente sobreviva.   Mas hoje em dia, até as grandes cadeias de livrarias, tais como  Costco, Barnes & Noble, Borders e Books-a-million estão vendo suas vendas diminuindo, graças à concorrência das vendas on-line de companhias como a Amazon.

 

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Este artigo é uma tradução liberal do artigo do site da NPR,  National Public Radio, em Washington DC.

Para ler este artigo da NPR na íntegra, clique AQUI.

 

 

 

 





As viúvas das quintas-feiras, de Claudia Piñeiro

23 07 2008

 

 

Nas duas últimas décadas do século XX, a cidade de Raleigh na Carolina do Norte, EUA, vivenciou um grande surto econômico.  Com isto passou a ser um lugar ideal para muitos americanos morarem.  Habitações de todo tipo se fizeram necessárias e especuladores imobiliários assim como construtores juntaram esforços.  De um mês para o outro via-se comunidades inteiras aparecerem, onde antes só havia um sítio ou uma pequena fazenda nos limites urbanos da cidade.  Muitas vezes, lagos foram escavados, enormes, suficientes para uma pequena competição das menores embarcações.  Com freqüência estas comunidades também tinham seu próprio campo de golfe.  No início, estas novas residências apareceram preenchendo os lotes de ruas já existentes, preferencialmente em bons bairros; aqueles já delineados quanto aos seus habitantes.  Mas quando a migração interna do país — do centro-oeste ou norte para Raleigh, — aumentou, comunidades começaram a aparecer, cujo perfil era muito menos democrático do que a cidade havia tido até então.  Comunidades exclusivas, fechadas com muros e portões, com guardas e cercas eletrônicas apareceram; afinal, Raleigh e Cary, seu subúrbio, eram o próprio vale do silício da costa este dos EUA. 

 

Capa da edição brasileira

Capa da edição brasileira

Muitos foram os lagos e campos de golfe criados nesta região. Pertenciam a comunidades com centenas de casas, separadas por tamanhos e preços diferentes.  Não muito diferente do plano original de Brasília.  Casas de um certo preço, de um certo padrão próximas às suas semelhantes.  Edifícios de pequenos apartamentos no canto do terreno dedicado aos edifícios.  Numa área, casas tinham telhas de asfalto, em outra, casas de dois andares.  Tudo dentro das regras do plano urbano de desenvolvimento. Não há como sair da norma nestas comunidades.  Assim disfarça-se, também, a segregação financeira. 

 

Nestas comunidades fechadas, que lembram pequenas aldeias porque têm muitos serviços dedicados a uma pequena população: escolas de ensino básico, creches e até estádios esportivos; o que se vende é a sensação de segurança.   Ninguém questiona a falta de liberdade de mudar a cor do lado de fora da casa ou o tipo de telhado.  Cada uma tem regras específicas e claras estipuladas nas escrituras,  muitas das quais seriam inválidas  em território brasileiro. 

 

Vem à mente neste momento um bairro em Raleigh,  construído à volta de um lago – também escavado pelo homem.  Chamava-se: Rue Sans Famille.   Havia é claro muitas ruas nesta comunidade de centenas de casas.  A diferença deste bairro para outro estava numa única cláusula na escritura: a proibição de crianças morarem neste condomínio.  Assim, se você é jovem e está pensando aumentar a família, tem que primeiro vender a sua casa.  16 anos era a idade mínima para morar neste local.  Não importa se você é divorciado e os filhos vêm visitar.  A regra é clara e leva qualquer infrator à justiça:  sem crianças.

 

Eu me expando em explicações para simplesmente dizer que quando Claudia Piñeiro descreveu em seu livro As viúvas das quintas-feiras [Editora Alfaguara] a comunidade fechada nos arredores de Buenos Aires, pude imaginá-la muito bem.   Como seus semelhantes americanos, as pessoas que decidem morar em Altos de la Cascada  acreditam que não só o ar que respiram é mais limpo, mas que  todos os outros seres humanos não merecem nem o ar e nem o luxo que lhes é servido.  Como na Argentina, no Brasil e nos Estados Unidos, moradores de vizinhanças como essas fogem do crime, do perigo real ou imaginado que acreditam existir nas partes das cidades mais populosas e menos seletivas

Capa da edição argentina.

Capa da edição argentina.

 

 

 

 

Quando, no entanto, a economia local, regional ou mundial muda o perfil dos empregos e das companhias; e o desemprego, nunca antes previsto, começa ser percebido aqui e ali, penetrando até mesmo no território santificado destas comunidades, os habitantes destas ilhas de bem-aventurança, acham difícil manejar a realidade.  E de repente, se descobrem espiando vizinhos, analisando problemas com seus pares, com seus companheiros de golfe. Uma mudança brusca de status social se mostra difícil de ser encarada.  Há imediatamente uma divisão entre os verdadeiros sobreviventes – aqueles que se adaptam às novas circunstâncias – e os que insistem em viver como se nada pudesse os afetar.  A discriminação, no início sutil, chega a níveis impensáveis e a resoluções ainda mais incompreensíveis.

 

Passado na virada do século XXI, na Argentina, época em que aquele país sofria com uma crise econômica, os habitantes de Altos de La Cascada preferem ignorar a realidade fora das cercas de metal que os protege.   O romance, que tem um tempo rápido, maravilhoso, em plena compatibilidade com a época que está retratando, é muito intenso por mais ou menos seus primeiros dois terços.  Depois perde um pouco a mágica para recuperá-la no capítulo final com uma conclusão completamente inesperada.   Este final renasceu o meu interesse pela leitura e “salvou” o romance para mim.   Apesar do título, não são só as mulheres desta comunidade que são retratadas.  Seus maridos, seus filhos são tão parte da história quanto elas.   Diversos assuntos muito atuais são retratados de tal maneira que nos fazem pensar criticamente a respeito da sociedade em que vivemos: anti-semitismo, preconceito de cor, espancamento e abuso de mulheres, preferências sexuais inusitadas.  E para aumentar o nosso interesse há um mistério que precisa ser resolvido.  

 

Alejandra Lopez.

Claudia Piñeiro. Foto: Alejandra Lopez.

Acho que este é um ótimo livro para se levar numa pequena viagem de férias, para um fim de semana prolongado.  Ele mostra com cuidado o mundo em que todos nós vivemos e faz com que se considere: esta é  a maneira como realmente queremos viver nossas vidas?   Será que vale a pena nos isolarmos do mundo à nossa volta?  Vivermos rodeados só daqueles que se parecem conosco?  Perder o contexto, nos exilarmos da nossa textura cultural, é uma maneira plausível de solucionarmos problemas sociais?

Recomendo o livro.  Boa leitura.

 

Este livro ganhou o Prêmio Literário Clarín em 2005.

 

 

♦♦♦♦♦♦

 

Esta resenha apareceu primeiro em inglês na página: Living in the postcard.








%d blogueiros gostam disto: