Trova das nuvens

28 06 2016

 

nuvens, elizabeth shippen-greenIlustração Elizabeth Shippen-Green.

 

 

Lá no céu, nuvens brejeiras

fofocando no horizonte,

lembram moças palradeiras,

lavando roupa na fonte!

 

 

(Zeni de Barros Lana)

Salvar





Trova da mudanças

20 10 2015

 

 

Rose-Lily-ValleyAntigo cartão postal.

 

 

Meu Deus, que coisa mais triste

ver uma rosa murchar!

– Que pena, esta vida insiste

em tudo modificar!

 

(Elza Capanema Leitão)





“As moedas caídas do céu”, conto infantil das Histórias do Arco da Velha

4 08 2015

 

7af64c476092e9afb5e62d2fbe52a602Cartão de Natal, década de 1950.

 

As moedas caídas do céu

 

Conceição era uma pobre mas interessante menina, cujos pais haviam morrido. Era tão pobre, que não tinha nem um quarto, nem cama para se deitar; não possuía senão os vestidos que tinha sobre o corpo e um pequeno pedaço de pão que uma alma caridosa lhe havia dado; era, porém, boa e piedosa.

Como se achava abandonada de todo o mundo, pôs-se em viagem, confiando-se à guarda do bom Deus.

No caminho encontrou um pobre homem, que lhe disse:

— Ai de mim! Tenho muita fome! Dai-me um pouco de comer.

A menina deu-lhe o pai, dizendo:

— Deus te auxilie. — e continuou a caminhar.

Depois encontrou um menino que chorava, dizendo:

— Tenho frio, dai-me alguma coisa para cobrir-me.

Ela tirou o gorro e deu-lho.

Mais tarde ainda viu outro que estava trânsido de frio por falta de uma camisola, e deu-lhe a sua. Finalmente, um último pediu-lhe a saia, que ela deu também.

Caindo a noite, chegou a um bosque pedindo-lhe a camisa outro menino. A piedosa menina pensou:

— É noite escura, ninguém me verá. Posso bem dar-lhe a minha camisa. E deu-lha.

Assim nada mais possuía no mundo. Mas no mesmo instante as estrelas do céu puseram-se a cair e no chão elas se transformaram em belas moedas reluzentes. E embora ela tivesse tirado a camisa, tinha uma completamente nova, do mais fino tecido. Ela apanhou o dinheiro e ficou rica para o resto de sua vida.

 

 

Em: Histórias do Arco da Velha — Livro para crianças, de Viriato Padilha, Rio de Janeiro, Quaresma: 1947,pp: 91-92.





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

29 06 2015

 

homem com cachorro 1929Homem com cachorro, ilustração de 1929.

 

“Cuidado com o homem que não fala e com o cão que não ladra.”




Na boca do povo: escolha de provérbio popular

24 06 2015

 

bezerrinho mamandoIlustração sem identificação de autoria.

 

 

“Bezerro manso mama na mãe dele e na dos outros.”





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

21 04 2015

árvore. valerie greeleyÁrvore, ilustração Valerie Greeley.

“A árvore se conhece pelos frutos.”





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

24 03 2015

Romance, restaurante, John GannamRomance, ilustração de John Gannon.

“A palavras loucas, ouvidos moucos.”








%d blogueiros gostam disto: