Curiosidade sobre Dostoiévski

25 05 2020

 

 

Edvard_Munch_-_At_the_Roulette_Table_in_Monte_Carlo_-_Google_Art_ProjectNa mesa da roleta no cassino em Monte Carlo, 1892

Edvard Munch (Noruega, 1863-1944)

óleo sobre tela, 74 x 116 cm

Museu Munch, Oslo

 

Fiódor Dostoiévski, escreveu a novela, O jogador, publicada em 1867, como pagamento de uma dívida de jogo. Parte das dificuldades financeiras que sofreu por toda vida era resultado de seu vício de jogador. A primeira vez que se dedicou à roleta, jogo que o seduziu de imediato, foi em 1862,  Numa das vezes em que perdeu, em 1866, concordou em escrever um livro em um mês. Se não conseguisse abdicaria os direitos de autor, de todos os livros até então publicados, em benefício de F. T. Stellovsky,  conhecido editor dos maiores escritores russos da época. A aposta acordada tinha prazo até 1º de novembro daquele ano.  O jogador, obra que Thomas Mann considerou uma das melhores de  Dostoiévski, foi escrita em 26 dias.  Para isso Dostoiévski deixou de lado o manuscrito de Crime e Castigo, em que trabalhava. E pediu auxílio da estenógrafa Anna Grigoryevna para poder entregar o manuscrito em tempo.  Um ano depois,  eles se casaram.





O humor de Mark Twain

3 04 2017

 

 

DohanosIlustração de Stevan Dohanos, para The Saturday Evening Post, Janeiro, 1946.

 

 

Um dia, durante uma série de palestras  do gênero comédia em pé, através do país, Mark Twain entrou numa barbearia para fazer a barba.  Twain contou, então, ao barbeiro que era sua primeira visita à cidade.

“Você escolheu uma boa hora para vir,” disse o barbeiro.

“Sim?” respondeu Twain

“Mark Twain dará uma palestra hoje à noite. Imagino que você vá querer vê-lo?”

“Acho que sim…”

“Já comprou sua entrada?”

“Não, ainda não,”

“Bem, já está esgotada. Só terá lugar em pé.”

“É a minha sina,” disse Twain com um suspiro.  “Sempre fico em pé quando aquele cara visita a cidade!”





Curiosidade sobre os livros

26 11 2015

 

fec5822c66d68fbe92bcb0aa87485479

 

Título e nome do autor no dorso dos livros, não foi uma constante na história dos livros. Nos primeiros livros essas informações se encontravam na capa da frente e na do verso.  Mais tarde elas se encontravam só na capa da frente. E finamente no dorso. A ordem reflete a maneira como os livros eram guardados. Primeiro, durante o início até meados da Idade Média, eles eram guardados sobre uma mesa, ou superfície. Depois, mais tarde na Idade Média, eram guardados de pé com a capa da frente à mostra, de cara para o leitor. E finalmente, no período moderno, título e nome do autor passaram para o dorso quando os livros foram guardados em estantes, como fazemos até hoje.





Lua de mel, uma tradição das tribos germânicas

16 03 2015

 

 

noiva, bradshaw crandell_cosmo36julNoiva, ilustração de Bradshaw Crandell, Cosmopolitan, 1936.

 

“A origem da lua-de-mel vem de captura. Entre as tribos germânicas muitas vezes o homem capturava a sua amada e a mantinha cativa desde a lua cheia até a seguinte, tomando uma mistura afrodisíaca, adoçada com mel, para que a amada se rendesse aos seus encantos. Com o tempo os germânicos já não raptavam suas futuras esposas e celebravam seu casamento na lua nova, servindo uma bebida à base de água e mel para garantir boa sorte.”

 

Em: Sempre, às vezes, nunca – etiqueta e comportamento, Fábio Arruda, São Paulo, Arx: 2003, 8ª edição, p: 43.





Anedota da vida de Voltaire

7 10 2014

 

 

post-chaise-in-the-era-of-louis-xvIlustração L. Caplain.

 

“Voltaire querendo entrar ocultamente em Paris, foi detido nas barreiras entre os malsins que lhe perguntaram se traria na carruagem alguma cousa que pagasse direitos.

— Não senhores, respondeu ele; o único contrabando que aqui vem, sou eu.”

 

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  25 de dezembro de 1859, p.12. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC: 2008, p. 218.

 

NOTA DA PEREGRINA:

Malsim, plural Malsins: polícia ou fiscal alfandegário.





Uma família de matemáticos… texto de Leonard Mlodinow

10 07 2014

 

 

2-the-great-comet-of-1556-science-source xiloXilogravura alemã de 1556 em livro científico retratando a passagem de um cometa.

 

“…E numa outra noite de céu limpo, na porção de terra chamada Basileia, na Suíça, outro homem destinado à grandeza também estava prestando atenção. Era um jovem teólogo que, fitando a cauda brilhante e nebulosa do cometa, deu-se conta de que queria dedicar sua vida à matemática, e não à Igreja. Dessa decisão nasceu não apenas uma nova carreira para Jakob Bernoulli, como também o que se tornaria a maior árvore genealógica na história da matemática: nos 150 anos entre o nascimento de Jakob e o ano de 1800, a família Bernoulli gerou muitos filhos, dos quais aproximadamente a metade foi brilhante — entre eles, oito matemáticos notáveis, dos quais três (Jakob, seu irmão mais moço Johann, e o filho de Johann, Daniel) são tidos atualmente como alguns dos maiores matemáticos de todos os tempos.

 

Em: O andar do bêbado: como o acaso determina nossas vidas, Leonard Mlodinow, tradução Diego Alfaro, Rio de Janeiro, Zahar: 2009, p. 118

 








%d blogueiros gostam disto: