A missa da Capela Imperial, texto de Paulo Setúbal

4 06 2015

 

 

BRENNO TREIDLER - Rua Primeiro de Março, RJ, 1895 - aquarela - 23,3 x 35Rua Primeiro de Março, RJ, 1895

[Capela Imperial, antiga Sé, à direita]

Benno Treidler (Alemanha/Brasil, 1857-1931)

Aquarela sobre papel, 23 x 35 cm

PESP [Pinacoteca do Estado de São Paulo]

 

 

“A Capela Imperial… Ah! a mais bela coisa do Rio de Janeiro, nos começos do século passado, foram, sem dúvida alguma, as solenidades da famosa Capela. D. João VI, curiosa mistura de Rei e de frade, mandou decorá-la suntuosamente. Vieram trabalhar nela os nomes mais brilhantes da época. José de Oliveira pintou as paredes. Manuel da Cunha, o teto. Raimundo da Costa e Silva, a “Ceia”. E José Leandro, o célebre José Leandro, figura culminante do tempo, a grande tela do Altar-Mor. D. João VI, como todos os Braganças, adorava as pompas religiosas. Com generosidade de nababo, gastando às mãos cheias, el-Rei mandava buscar na Europa artistas reputadíssimos, compositores e músicos, castrati de larga fama, a fim de abrilhantar com eles as festas de sua Capela. Naquele recinto, com efeito, nos dias de gala, fremiu muita vez o gênio do padre José Maurício. Flamejou o talento magnífico de Neukomm. Ecoou a larga inspiração de Marcos Portugal. Ali, nas grandes cerimônias da religião, retumbou muita vez a voz de Mazziotti e de Tanners, os dois famosos contraltos italianos. Ali foram admirados e louvados, com grande entusiasmo para o bairrismo dos brasileiros, o tenor Cândido Inácio, que era a mais doce e a mais sonora garganta de Minas, assim como o baixo João dos Reis, cuja voz poderosa, da mais larga ressonância, fazia tremer nos caixilhos as vidraças da Capela.

Havia, portanto, razões de monta, e de sobejo, para que D. Domitila de Castro ansiasse por assistir à missa de domingo. O que mais a seduzia, porém não era, seguramente, o ir ver, entre os entalhes dourados da Capela, os painéis de José Leandro; nem escutar a música do padre mulato que enchia a Corte com a fama de seu gênio; nem tampouco ouvir a flamância de Mont’Alverne,o apregoado orador franciscano, cuja glória, que subira tão alto, começava então a crescer. O que a seduzia, o que a espicaçava mais agudamente, tornando-a tão alvoroçada por assistir àquela missa era poder — enfim um dia! — contempla a Corte bem de perto, misturar-se com orgulho às Damas do Paço, roçar por entre aquelas fidalgas emproadas, e mostrar, do alto de uma tribuna, acintosamente, as graças e os feitiços de sua mocidade e do seu fascínio.

Ah! Os requintes que pôs a perturbante senhora em se alindar para tão suspirado triunfo! As águas de cheiro! Os pós de França! As luvas de doze botões! O leque de marfim e ouro! Madame de Saissait, a modista francesa da rua do Ouvidor, preparou-lhe um vestido ousadamente bizarro, à Zamperini, moderníssimo, cor de cenoura, de corpete muito teso, com imensa e donairosa sobre-saia, caindo em ondas largas, bordado a fio de prata. E que apuro de detalhes… Desde o penteado alto, com o trepa-moleque de safiras, até o escarpim pequenino, de fivela dourada, tudo nela era encantador. E quando, diante do toucador, depois de empoada e perfumada, a cintilar de joias, D. Domitila se remirou no seu espelho de Veneza, correu-lhe a epiderme um arrepio voluptuoso, seus lábios sorriram o sorriso da vaidade. Estava magnífica! Olhos úmidos e negros, boca sangrenta, talhe ondeante, todo pluma, aqueles vinte e quatro anos, quentes, sazonados, irradiavam frescura e trescalavam juventude. “

 

Em: A Marquesa de Santos, romance histórico, Paulo Setúbal, Rio de Janeiro, Cia Editora Nacional: 1984, 12ª edição, pp, 76,77. Originalmente publicado em 1925.





Portugueses, europeus?

28 06 2008

 

 

Laurentino Gomes

                Laurentino Gomes

 

Acabo de ler esta passagem que transcrevo: 

 

Os portugueses, europeus? — Riu-se com mansidão.

— Nunca foram.  Não o eram antes e não o são hoje.  Quando conseguirem que Portugal se transforme sinceramente numa nação européia o país deixará de existir.  Repare:  os portugueses construíram a sua identidade por oposição à Europa, ao Reino de Castela, e como estavam encurralados lançaram-se ao mar e vieram ter aqui, fundaram o Brasil, colonizaram a África.  Ou seja, escolheram não ser europeus.  

 

[Um estranho em Goa, José Eduardo Agualusa, Gryphus: 2001, Rio de Janeiro, p. 46]

 

 E me lembrei de ter aprendido, agora com as comemorações dos 200 anos da chegada da corte portuguesa ao Rio de Janeiro, que um plano de fuga, para a corte, de Lisboa para o Brasil, já existia há muitos anos.   Laurentino Gomes, no seu brilhante livro 1808, mostra que tal plano já existia desde 1736, quando o então embaixador português em Paris, Luiz da Cunha, escrevia num memorando secreto a D. João V que Portugal não passava de “uma orelha de terra”, onde o rei “jamais poderia dormir em paz e em segurança”.  A solução sugerida por Cunha era mudar a corte para o Brasil, onde D. João V assumiria o título de “Imperador do Ocidente” e indicaria um vice-rei para governar Portugal. 

 

[1808, Laurentino Gomes, Planeta: 2007, São Paulo, p. 47]

 

 Aliás será interessante lembrar que o ensaista e historiador acabou de ser agraciado com o prêmio Prêmio da Academia Brasileira de Letras na categoria ensaio por este livro que narra a vinda da família real para o Brasil em 1808.   Um prêmio muito merecido.

 

 

 





Um dos mais belos parques: Passeio Público, RJ

22 06 2008

Passeio Público, Rio de Janeiro

Uma das grandes invenções do urbanismo do mundo romano foram as praças públicas. E elas estão conosco até hoje.  Gosto muito destas pequenas ilhas de verde, um repouso para todos nas grandes cidades.  E adoro as praças públicas no Rio de Janeiro. Dentre elas tenho o Passeio Público ocupando um lugar especial no meu coração.  Em parte  porque fui muitas vezes lá quando era pequena com meu pai, quando aos sábados de manhã eu o acompanhava nas compras da semana.  Assim desde cedo entendi o prazer de uma ilha de quietude e resguardo no meio da agitação.  

 

Esta foi a primeira praça pública do Rio de Janeiro, planejada e construída entre 1779 e 1783.  Decorado e desenhado por Mestre Valentim, que seguiu o estilo francês da época, com aléias in linhas retas.  Passeando por entre as sombras de suas árvores centenárias hoje em dia é difícil imaginar que ali, onde colocamos tão firmemente os nossos pés havia água.  Muita água.  Ele é o aterro da Lagoa do Boqueirão.  O líquido espelho negro, onde as lavadeiras cuidavam e quaravam as roupas, transformou-se numa área sólida, terra firme, com a terra do morro do cujas terras, Terras férteis pelo que se vê,  pelo viço do que aqui foi plantado.  A razão principal do aterro foi a salubridade.   Os temporais tropicais aumentavam o volume e a força das ressacas.  E logo após as chuvas quando as tormentas se voltavam para o Atlântico, carregando consigo as nuvens cinzentas e pesadas que por dias formavam uma abóbada densa sobre a cidade;  quando os ventos deixavam de ser perigosos transformando-se em meras brisas marinhas, a Lagoa do Boqueirão se tornava num foco para epidemias de tifo e varíola.  Ela havia sido já por mais de 150 anos uma fonte de dores de cabeça para  os administradores locais.

 

Construído durante o governo do Vice-Rei D. Luis Vasconcelos e Sousa, no final do século XVIII, o Passeio Público ficou esquecido pela população e acabou se deteriorando por falta de manutenção.  Sua degradação piorou de vez durante as fortes  ressacas de 1817, quando o mar, implacável, subiu sobre os canteiros do parque afetando as estruturas de dois pavilhões quadrangulares que existiam no terraço, onde paisagens brasileiras do pintor Leandro Joaquim faziam parte de uma exposição permanente no local.   Foi  D. João VI, — na época Príncipe Regente, residindo no Brasil – que  mandou que  estas construções fossem demolidas e que o terraço fosse ampliado.  Conservou-se pouco do desenho original: a Fonte dos Jacarés e as pirâmides esculpidas em 1807, em suma as obras de Mestre Valentim.

 

A última grande reforma do Passeio Público foi durante o Segundo Império.  De 1860 a 1861 o parque passou por remodelação orientada administrada por Francisco José Fialho, que escolheu para dirigir as obras o botânico francês Auguste François Marie Glaziou, botânico, paisagista e arquiteto.  As alamedas  que oitenta anos antes haviam sido planejadas num estilo neo-clássico amigo das linhas retas foram modificadas e tomaram curvas sensuais. O muro junto à rua do Passeio foi trocado por gradil de ferro sobre base de alvenaria.  Enquanto pequenos rios, e lagos foram adicionados, com pontes imitando bambu. O traçado francês, original, foi modificado para parecer mais natural recebendo assim um sotaque de jardim inglês. 

 

O papel de Glaziou foi muito importante,  Fascinado com a flora tropical ele procurou incluir neste parque uma grande variedade de plantas nativas.  O charme e encanto deste parque,  onde a temperatura é permanentemente amena,  foram tantos que ainda no século XIX, o frei franciscano José da Conceição Vellozo passou a dar aulas públicas de botânica no jardim do Passeio Público.  

 

São muitas as espécies vegetais dignas de admiração.  Aproximadamente 96 espécies de vegetais superiores [só 14 haviam sido introduzidos por Mestre Valentim] entre eles, árvores frutíferas, uma carreira de baobás africanos, árvores decorativas e de madeira nobre, imensas figueiras e gameleiras.  Além de belas arvores, arbustos, sombras fresquinhas e bancos para sentar e deixar as horas passarem, o Passeio Público tem um grande número de pequenos animais: gatos, patos, gansos, caxinguelês, e centenas de passarinhos.  Na minha infância não era raro vermos pequenos bandos de periquitos voando por entre as copas largas das árvores mais altas.  Levantando vôos curtos daqui pra lá e acolá eles eram como uma nuvem verde,  facilmente reconhecida pela algazarra dos gritos e pelo incessante palrear.   Eles em geral agitavam toda a vizinhança e os micos se excitavam também matraqueando entre eles, como se contassem as novidades do jardim.   

 

Hoje há poucos animais silvestres no parque.  Mas há muitos patos, marrecos, gansos, garças e outras aves.  As belas árvores,  os arbustos, as sombras fresquinhas e os bancos para sentar e deixar as horas passarem hoje nos alegram com também com gatos, caxinguelês e centenas de passarinhos.

 

 ———

 

Adiciono aqui conexão para outra postagem com fotos sobre o Passeio Público.  AQUI.





Difícil Escolha

16 06 2008

Recepção de inauguração    

 

Este não é o meu primeiro blog.  Considerando o pretendo fazer aqui foi difícil escolher o primeiro assunto.  Foi um obstáculo que eu mesma coloquei, numa fantasia de que deveria ser uma notícia importante.  Que arapuca!  Então começamos logo.

Inauguração da Galeria de Arte Fátima Mourão

Na quarta-feira passada o conhecido ateliê de artes plásticas Fátima Mourão, localizado na rua Saturnnino Brito, 67, no Jardim Botânico, mostrou a bela transformação por que passou a caminho de se transformar também numa galeria de arte.  Paredes chapiscadas em branco ou preto, acompanhadas de excelente iluminação, deram um novo visual ao que antes eram salas de trabalho de diversos artistas plásticos.

A exposição inaugural levou o nome de Obrigado D. João!  uma referência à comemoração dos  200 anos da chegada de D. João VI no Brasil.  Localizada próximo ao Jardim Botânico, uma das obras mais lembradas da herança legada pelo príncipe regente ao Brasil.  Vizinhos do jardim, os artistas deste ateliê fizeram uma bela homenagem ao legado do príncipe regente.  Dez artistas se reunem nesta coletiva:  Anna Luiza Trancoso, Aulio Sayão Romita, Carla Reis, Cláudio Roberto Castilho, Cristina Orensztajn, Fátima Mourão, Lia Belart, Lúcia Maria, Lucia de Lima e Marília Brandão.

 








%d blogueiros gostam disto: