Dia das Mães! Mães na pintura brasileira

12 05 2019

 

 

 

Di Cavalcanti, 1949.MaternidadeMaternidade, 1949

Emiliano Di Cavalcanti (Brasil, 1897 – 1976)

óleo sobre tela, 100 x 81 cm

 

 

 

AURELIO D'ALINCOURT (1919 - 1990)Maternidade, óleo sobre eucatex, 41 x 33 cmMaternidade

Auréio d’Allincourt (Brasil, 1919- 1990)

óleo sobre eucatex, 41 x 33 cm

 

 

 

Tarsila do AMaral,Maternidade , 1938Maternidade, 1938

Tarsila do Amaral (Brasil, 1886 – 1973)

óleo sobre tela, 100 x 88 cm

Coleção Particular

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) MAternidade, 1970, óleo sobre tela, 61 x 46cmMaternidade, 1970

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

óleo sobre tela, 61 x 46cm

 

 

Pennach, MATERNIDADE 10 x 5,5 cmtécnica mistaassMaternidade, 1974

Fulvio Pennacchi (Itália/Brasil, 1905 – 1990)

Técnica mista, 10 x 5,5 cm

 

 

GINO BRUNO - (Brasil,1889 - 1977)Maternidade - óleo sobre tela - 80 x 61 cmMaternidade

Gino Bruno – (Brasil, 1889 – 1977)

óleo sobre tela , 80 x 61 cm

 

 

Elon Brasil Materndade xinguana, 2000. tec mista,130cm diam.

Maternidade Xinguana, 2000

Élon Brasil (Brasil, 1957)

técnica mista, 130 cm diâmetro

 

 

Ernesto Quissak Júnior, sem

Maternidade

Ernesto Quissak Júnior (Brasil, 1935-2001)

óleo sobre tela





Feliz “Dia das Mães”!

13 05 2018

 

 

 

Maternidade, -1937-óleo- sobre tela-60 x 75 cmMaternidade, 1937

Emiliano Di Cavalcanti(Brasil, 1897 – 1976)

óleo- sobre tela,  60 x 75 cm





Então, que livro dar para sua mãe?

12 05 2018

 

 

 

Bernard Charoy (França 1931) a leitura, ost, 74 x 61cmA leitura

Bernard Charoy (França, 1931)

óleo sobre tela, 74 x 61cm

 

 

Bem, é sábado à noite.  Amanhã celebramos o Dia das Mães.  Você deixou para última hora aquela lembrancinha para dizer à mulher mais importante da sua vida, que ela merece todo seu carinho?  E ela gosta de ler?  E você não tem a mínima ideia do que dar para ela?  Aqui vão algumas sugestões que ajudarão a pensar o presente certo.  Pelas sinopses você pode identificar qual deles seria de maior interesse dela.  As livrarias estarão abertas amanhã, com certeza, e prontas para empacotar sua escolha num belo papel de presente.

Mona Lisa: a mulher por trás do quadro, Dianne Hales,  Editora José Olympio: 2018: 392 páginas

MONA_LISA__A_MULHER_POR_TRAS__1516736507749935SK1516736507B

A história de vida da Mona Lisa, o rosto mais famoso do mundo das artes Em Mona Lisa: a mulher por trás do quadro, Diane Hales mergulha na sociedade florentina dos séculos XV e XVI em busca de respostas sobre Lisa Gherardini, a mulher retratada na pintura de Leonardo da Vinci e pouco conhecida. E seria impossível contar a história de Lisa sem falar sobre as tramas políticas que moldaram a vida das italianas durante o Renascimento, as famílias proeminentes de Florença e o papel da mulher naquela época. Diane vasculhou arquivos em estado precário, caminhou pelas ruas degradadas e conheceu a vizinhança onde Lisa nasceu, conversou com seus descendentes, e se aventurou pelos mais antigos palácios de Florença.
Com a ajuda de Hales, seguimos os passos dos Gherardini até o nascimento de Lisa, seu casamento com Francesco Del Giocondo, seu encontro com Leonardo, sua vida de esposa e mãe e, por fim, sua morte. Como resultado temos uma biografia recheada de história e memória – um tour por Florença e uma jornada de descoberta que recria o dia a dia de Lisa em uma época que se equilibra entre o medieval e o moderno. Mona Lisa: a mulher por trás do quadro faz um panorama da Florença de Leonardo e Lisa e aproxima o leitor de suas trajetórias.

 

O círculo dos Mahé, Georges Simenon, Cia das Letras: 2017, 120 páginas

O_CIRCULO_DOS_MAHE_1512424502735512SK1512424503B

Aos trinta e cinco anos, casado e com dois filhos, o dr. François Mahé ainda mora com a mãe e leva uma típica vida pequeno-burguesa. Certo verão ele decide ir com a família à ilha de Porquerolles, no sul da França. No entanto, um constante mal-estar o impede de desfrutar o paraíso mediterrâneo. Ao ser chamado para examinar uma mulher no leito de morte, o médico se vê entre uma família humilde e fica fascinado pela mais velha dos três filhos, uma jovem muito magra que usava um vestido vermelho. Começa então uma história de obsessão e crise profunda, e somos levados pela jornada sombria da alma do protagonista. A morte da mãe também abalará as estruturas do dr. Mahé e, com o passar do tempo, ele será impelido a retornar à ilha mediterrânea ano após ano, como que hipnotizado pela garota. Com sua prosa enxuta e fluente, Simenon faz um retrato soturno da psique de um homem medíocre que vislumbra uma alternativa à banalidade, mas sofre para conseguir alcançá-la.

 

A mulher na escada, Bernanrd Schilink, Record: 2018, 210 páginas

A_MULHER_NA_ESCADA_1515885879747012SK1515885879B

Por décadas, o mundo da arte acreditou que um quadro estava perdido. Em um museu na Austrália, um homem se depara com uma tela que retrata a mulher por quem, há muito tempo, arriscou tudo e que, em seguida, desapareceu misteriosamente de sua vida. Quando era um jovem advogado, ele foi atraído para um relacionamento complicado e destrutivo, um triângulo amoroso formado por um pintor, pela mulher cujo retrato ele havia feito e pelo marido dela. Os três o envolveram em uma rede de obsessão, intriga e traição. Agora, ao se ver diante da pintura que desencadeou tudo, o advogado precisa lidar com o passado e com o que sua vida se tornou. E, quando ele consegue localizar a mulher, é forçado a enfrentar o verdadeiro significado do amor que nutria por ela e a influência que esse sentimento teve por toda a sua vida.

“A mulher na escada”, de Bernhard Schlink, autor do best-seller “O leitor” é um romance intrincado, comovente e encantador sobre criatividade e amor, sobre os efeitos da passagem do tempo e, acima de tudo, sobre os arrependimentos que nos acompanham ao longo da vida.

 

A livraria, Penelope Fitzgeral, Bertrand: 2018, 160 páginas

A_LIVRARIA_151594176724861SK1515941768B

O livro que deu origem ao filme estrelado por Emily Mortimer, de A ilha do medo, e Patricia Clarkson, de House of Cards Florence Green, uma viúva de meia-idade, decide abrir uma livraria — a única — na pequena Hardborough, uma cidade costeira no interior da Inglaterra. Florence não esperava, contudo, que seu projeto pudesse transformar Hardborough em um campo de batalha: enquanto a influente e ambiciosa Violet Gamart, que tinha outros planos para a centenária casa que ela escolheu como sede, faz de Florence sua inimiga, a empreendedora também conquista um aliado na figura do excêntrico Sr. Brundish. Na história de Florence Green enfrentando a cortês mas implacável oposição local, vê-se a denúncia de uma estrutura de privilégios apoiada em invejas e crueldades, e, no microcosmo de Hardborough, Penelope Fitzgerald monta um cenário repleto de detalhes precisos e personagens atemporais.

 

O projeto Jane Austen, Kathleen Flynn, Única: 2018, 280 páginas

O_PROJETO_JANE_AUSTEN_1513872524740201SK1513872525B

Metas cada vez mais agressivas, resultados desafiadores e o desejo constante de crescer. Este é o resumo da vida do profissional de vendas, especialmente daquele que almeja o posto e o reconhecimento de liderança.

Inglaterra, 1815.
Rachel e Liam são dois viajantes do futuro que chegam à antiga Londres com a missão mais audaciosa do que qualquer viagem no tempo que já ocorreu: encontrar Jane Austen, ganhar a confiança dela e roubar um manuscrito inacabado.

Ela, uma médica; ele, um ator. Selecionados e treinados cuidadosamente, tudo o que Rachel e Liam têm em comum é a admiração pela autora e a situação extraordinária em que se encontram – e que obriga Rachel a colocar seu jeito independente de lado e deixar Liam assumir a liderança enquanto se infiltram no círculo da família Austen.

Além do desafio de viver uma mentira, Rachel luta para diagnosticar a doença fatal de Jane. À medida que a amizade das duas se fortalece e o seu relacionamento com Liam torna-se complicado, Rachel faz de tudo para reconciliar seu verdadeiro eu com as convicções da sociedade do século XIX.

O tempo está acabando. Rachel e Liam conseguirão deixar o passado intacto?

Depois desse encontro com Jane Austen, a vida que os espera no futuro será o bastante?

 

Um cavalheiro em Moscou, Amor Towles, Intrínseca: 2018, 464 páginas

UM_CAVALHEIRO_EM_MOSCOU_1515720646746406SK1515720646B

Nobre acusado de escrever uma poesia contra os ideais da Revolução Russa, Aleksandr Ilitch Rostov, “O Conde”, é condenado à prisão domiciliar no sótão do hotel Metropol, lugar associado ao luxo e sofisticação da antiga aristocracia de Moscou. Mesmo após as transformações políticas que alteraram para sempre a Rússia no início do século XX, o hotel conseguiu se manter como o destino predileto de estrelas de cinema, aristocratas, militares, diplomatas, bons-vivants e jornalistas, além de ser um importante palco de disputas que marcariam a história mundial. Mudanças, contudo, não paravam de entrar pelo saguão do hotel, criando um desequilíbrio cada vez maior entre os velhos costumes e o mundo exterior. Graças à personalidade cativante e otimista do Conde, aliada à gentileza típica de suas origens, ele soube lidar com a sua nova condição. Diante do risco crescente de se tornar um monumento ao passado até ser definitivamente esquecido, o Conde passa a integrar a equipe do hotel e a aprofundar laços com aqueles que vivem ao seu redor. Com sua perspectiva única de prisioneiro de duas realidades distintas, o Conde apresenta ao leitor sua sabedoria e sensibilidade ao abandonar certos hábitos e se abrir para as incertezas de novos tempos que, mesmo com a capacidade de transformar a vida como a conhecemos, nunca conseguirão acabar com a nobreza de um verdadeiro cavalheiro.

 

Todos estes livros vão com minha recomendação. Boa sorte!





Feliz Dia das Mães!

14 05 2017

 

 

Max Ernst voit la mere - Marie et JesusA Virgem corrigindo o Menino Jesus na frente de três testemunhas, 1926

Max Ernst (Alemanha, 1891- 1976)

óleo sobre tela,  196 x 130 cm

Museu Ludwig, Colônia





Dia das Mães!

8 05 2016

 

AURELIO D'ALINCOURT (1919 - 1990)Maternidade, óleo sobre chapa de madeira industrializada - 45 x 37 cm. Ass.Maternidade

Aurélio D’Alincourt (Brasil, 1919-1990)

óleo sobre madeira, 45 x 37 cm





Feliz Dia das Mães!

10 05 2015

 

 

ss-120502-animal-moms-06.ss_full

7198_1280x800

13-qrDd6q8

sobaki-schenok-mat-detenysh

filhotinho516

78486843

9686110

 

Baby-horse-hd-wallpapers

179671_d2bdd0677fa8fb00e289765c3e183d7b_large

 

FELIZ DIA DAS MÃES!





Dia das Mães com arte brasileira!

11 05 2014

 

 

Di Cavalcanti, Maternidade,ost, (década de 1950)65,5 x 50 cmMaternidade, década de 1950

Emiliano Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 65 x50 cm

 

Manabu-Mabe-MaternidadeManabu Mabe – Maternidade – 100 x 73 cmMaternidade, s/d

Manabu Mabe (Japão 1924-Brasil 1999)

óleo sobre tela, 100 x 73 cm

 

icaMater, 1985

Sérgio Martinolli (Itália, 1938, radicado no Brasil)

óleo sobre tela, 60 x 80 cm

 

Orlando teruz. maternidadeMaternidade

Orlando Teruz (Brasil, 1902 – 1984)

óleo sobre tela, 81 x 100 cm

 

José Pancetti, (1902-1954)Maternidade, 1954,  Campinas, ostMaternidade, 1954

José Pancetti (Brasil, 1902-1958)

óleo sobre tela

 

Lazar Segall, Maternidade, 1922, aquarela sobre papel e grafiteMaternidade, 1922

Lasar Segall (Lituânia, 1891- Brasil, 1957)

aquarela e grafite sobre papel

 

CARMO SOÁ (1962)Proteção,2009,ost, 56 x 46cmProteção, 2009

Carmo Soá (Brasil, 1962)

óleo sobre tela, 56 x 46 cm

 

Haydea Santiago Folguedos na Varanda OSM, ACID,1946 21x15 R$980 Victor BragaFolguedos na varanda, 1946

Haydéa Santiago (Brasil, 1896-1980)

óleo sobre tela, 21 x 15 cm

 

Eliseu Visconti, boa-noiteBoa noite, 1910

Eliseu Visconti (Itália 1866-Brasil 1944)

óleo sobre tela, 62 x 76 cm

Coleção Particular

 

Reynaldo Fonseca (1925)Maternidade Gravura 39-300 65 x 50 cm. BaseMaternidade

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

Gravura, 65 x 50 cm





Uma influência marcante…

11 05 2014

 

 

Mamãe, aniversário, 73 anos, foto do MarcusMinha mãe, aos 73 anos.

 

Do muito que ela me ensinou, ficou também o exercício diário da leitura.

Minha mãe foi quem incendiou meu hábito da leitura. Desde o momento em que corri para ela, encantada, dizendo que conseguia ver, como em um sonho, as coisas que lia no livro, minha mãe tomou as rédeas do meu desenvolvimento como leitora. Lembro-me muito bem, ela estava cozendo, alguma coisa pequena, à mão. Parou tudo para me dizer que era assim mesmo, que eu estava mostrando que estava lendo muito bem e que há algum tempo ela esperava que eu lhe trouxesse essa notícia. Eu tinha acabado de fazer seis anos.

A influência de minha mãe foi crucial para que eu me tornasse uma leitora. Sua direção foi firme, sem que eu sentisse, e durou até o final dos meus primeiros anos na adolescência. Foi ela quem me apresentou à leitura de “gente grande”, quando aos dez anos me deu O tronco do ipê, seguido depois de A Moreninha, A pata da gazela, Helena, A mão e a luva. Livros lidos e relidos através da adolescência e mantidos até hoje entre os “muito queridos”. Assim foi a minha estréia na imaginação romântica da menina-moça, cercada dos clássicos brasileiros. Mas, sabiamente mamãe nunca me proibiu ler nada – houve uma exceção, única. Dos dez aos quatorze anos li quase todos os clássicos no século XIX no Brasil, os românticos; assim como li dezenas de volumes da Biblioteca das Moças; dezenas de mistérios de Agatha Christie, Ellery Queen, Charlie Chan, Arsène Lupin, Maigret, além dos grandes livros de aventuras de Alexandre Dumas e Julio Verne. Ela lia e eu lia. Ela lia primeiro. Era importante para mim ver minha mãe lendo esses livros e depois recebê-los de suas mãos, dizendo “muito bom, você vai gostar”. Mamãe gostava do que ela chamava romances de capa-e-espada. Dumas, principalmente. Mas lemos as aventuras do Zorro, numa tiragem de livro de bolso baratinha.

Esses anos, que hoje se chamam pré-adolescência, foram caracterizados por terem a leitura como principal meio de entretenimento. Víamos televisão, mas ela não foi nunca a primeira fonte de prazer. E as férias eram passadas na praia de manhã cedo e na poltrona, sentada de lado, com o rosto de encontro ao estofamento, as pernas encolhidas e os livros empilhados ao lado. Vez por outra íamos ao cinema, não muito. A leitura era o bastante.

Desses hábitos de leitura o único que não vingou foi a leitura em espanhol. Por volta dos meus dez, onze anos, mamãe me apresentou ao livro Platero y yo. Reclamei que era em espanhol, mas ela me disse que eu lesse, que acabaria entendendo, e qualquer dúvida que tivesse que a consultasse. Minha mãe era professora, formada em línguas neo-latinas e lia com facilidade tanto em espanhol quanto em francês. Esse foi a primeira de muitas pequenas histórias e poemas que li em espanhol. Mas o gosto por essa leitura nunca me seduziu. Anos mais tarde, com os meus dezesseis anos, já fluente em francês, graças à Aliança Francesa, não tive problema em ler em francês, mas nunca me senti confortável com a leitura em espanhol, até hoje.

Se continuo a ler muito devo à minha mãe esse maravilhoso entretenimento. A leitura foi um dos maiores elos de união entre nós duas; personalidades tão diferentes, com gostos tão semelhantes.

 

©Ladyce West, Rio de Janeiro, 2014.




Quadrinha para o Dia das Mães

10 05 2014

 

 

Mãe  e filha, gatinhoIlustração, desconheço a autoria.

 

– “Não há mãe melhor que a minha”

diz a filha à mamãezinha.

E a mãe, sorrindo: – “Filhinha,

melhor que a tua era a minha”…

 

(Lia Pederneiras de Faria)





Quadrinha para o Dia das Mães

9 05 2014

 

 

mãe ninando o bebe. frederick richardson, 1975Ilustração de Frederick Richardson, 1975.

 

Tão pequenino e, no entanto,
traduz o amor mais profundo;
que nome existe, mais santo,
do que o teu, mãe, neste mundo?

(Cecília Cerqueira Cavalcanti)








%d blogueiros gostam disto: