Viajando com Albrecht Dürer

4 03 2016

Religious procession at Saragossa, Royal 16 G VI, f. 32v, Chroniques de France ou de St Denis, Paris, after c. 1332Procissão religiosa em Saragossa, c. 1332-1350

Chroniques de France ou de St. Denis, Paris

Royal 16 G VI, f. 32v

British Library

 

Notas do Diário de Viagem de Albrecht Dürer, em 1520.

 

“No domingo depois da procissão de Nossa Sra. da Assunção vi uma grande procissão da Igreja de Nossa Senhora na Antuérpia, quando a cidade inteira de todas as classes e ofícios se aglomerou, cada qual vestido de acordo com sua posição na sociedade.  E todas as classes e guildas traziam as bandeiras, pelas quais podiam ser reconhecidos.  Em intervalos grandes e caras velas-postes eram carregadas e os longos trombones francos de prata. Ainda na tradição germânica havia muitas flautas e tambores. Todos instrumentos vivamente tocados.

Vi a procissão passar pela rua, as pessoas enfileiradas, cada homem mantendo uma certa distância de seu vizinho, mas as filas eram próximas umas das outras. Havia ourives, pintores, pedreiros, bordadores, escultores, marceneiros, carpinteiros, marinheiros, pescadores, açougueiros, curtidores, tecelões, padeiros, alfaiates, sapateiros — de fato trabalhadores de todos os naipes, e muitos artesãos e negociantes que trabalham para sua sobrevivência.  Da mesma forma, lojistas e comerciantes, e seus assistentes de todo tipo estavam lá. Depois deles vinham os atiradores com suas armas, arcos e flechas, os cavaleiros e os soldados a pé também. Seguia então um grande grupo de senhores magistrados.  Logo vinha um grupo todo em vermelho, vestido em nobre e  esplêndida maneira. Antes deles, no entanto, vieram todas as ordens religiosas e membros de algumas fundações muito devotos, todos em suas diferentes vestimentas.”

 

 

Travel Diary, Dürer, em W.M. Conway, Literary Remains of Albrecht Dürer (Cambridge; University Press, 1889): text slightly revised by J.B.R.

Encontrado em The Portable Renaissance Reader, editado por James Bruce Ross e Mary Martin McLaughlin, New York, The Viking Press: 1958, p. 232-233.

 

[Tradução é minha]





Albrecht Dürer nos Países Baixos

15 05 2014

 

 

Durer, retrato de homem em sua viagem à Holanda e Bélgica.Retrato de homem com vista de Sint-Michielsabdij, na Antuérpia, 1520
Albrecht Dürer (Alemanha, 1471-1528)
Ponta de prata sobre papel, 13 x 19 cm
Musée Condé, Chantilly

 

No dia 3 de agosto de 1520 chegava à Antuérpia Albrecht Dürer, acompanhado de sua esposa e de uma empregada. Ele viajava para confirmar com Carlos V a pensão que lhe havia sido dada. A essa altura Dürer já era muito conhecido na Europa em grande parte por causa das extraordinárias xilogravuras que produzira.

Hoje, preparando notas para uma futura aula, tive o prazer de recordar algumas passagens do diário que o pintor manteve enquanto viajava, que não só nos deixa entrever  a vida no início do século XVI na Antuérpia, assim como o respeito com que o pintor era tratado por diversos dignitários nas cidades por onde passou.

Não sei se o diário de Albrecht Dürer já foi traduzido para o português. Uma breve pesquisa na internet me deu a impressão de que não foi. Vou traduzir para vocês do inglês uma passagem para que tenhamos a visão de um pouquinho do gosto da época

Domingo, era dia de Santo Osvaldo, os pintores me convidaram para o salão da sua guilda, a mim e à minha esposa e empregada. Todo o serviço era de prata e havia outros ornamentos suntuosos e carnes preciosas. Todas as esposas também estavam lá. E à medida que fui levado à mesa todos os convidados ficaram em pé em ambos os lados da mesa como se eu fosse um grande senhor. E entre eles havia homens de grande estatura social, que se comportaram com muito respeito e grande cortesia para comigo, e prometeram fazer todo o possível em seu poder me satisfazer.  E enquanto eu lá estava sentado com toda essa honra, o Síndico [Adrian Horebouts] de Antuérpia, veio com dois serventes e me presentearam com quatro recipientes de vinho em nome dos conselheiros da cidade de Antuérpia, e pediram para que ele dissesse que eles queriam dessa forma mostrar o respeito que tinham por mim e assegurar sua boa vontade. Pelo qual eu lhes retornei o meu agradecimento, modestamente oferecendo os meus serviços. Depois disso veio Mestre Peter [Frans], o marceneiro da cidade  e me presenteou com dois recipientes de vinho e com a oferta de seus serviços. Então, depois de termos nos divertido por muito tempo até tarde, eles nos acompanharam até a casa com lanternas, com muita honra. E me rogaram para que eu estivesse sempre confiante da boa vontade deles, e prometeram que qualquer coisa que eu quisesse fazer, eles estariam prontos para ajudar. Então eu lhes agradeci e fui dormir.”

 

Travel Diary, Dürer, em W.M. Conway, Literary Remains of Albrecht Dürer (Cambridge; University Press, 1889): text slightly revised by J.B.R.

Encontrado em The Portable Renaissance Reader, editado por James Bruce Ross e Mary Martin McLaughlin, New York, The Viking Press: 1958, p. 227-28





À espera dos acontecimentos no Rio Grande, Rev. 1932

6 09 2008

Agitações politicas no Rio Grande do Sul.
Agitações políticas no Rio Grande do Sul.

 

6 de setembro de 1932

 

 

A cidade esteve calma.  Nota-se porem que todos anseiam pela revolução do Rio Grande.  As vistas de todos se voltam para lá, na esperança de um auxílio indireto do povo gaúcho, o qual, conforme notícias de jornais, está se revoltando, a lado de São Paulo.  

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 142 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

As crianças se agitam em toda parte do estado.

As crianças se agitam em toda parte do estado.





“Precisamos vencer!” — Revolução de 1932

5 09 2008
Principais operações aéreas governistas contra a baixada santista em 32

Principais operações aéreas governistas contra a baixada santista em 32

 

5 de setembro de 1932

 

Nos dias anteriores nada houve  de extraordinário.  Começam a alastrar-se notícias da revolução no Rio Grande.  Essas notícias, propaladas talvez com exageros, vieram encorajar as forças paulistas que já se iam esmorecendo e se desesperançando da vitória.

 

É notável um traço psicológico no soldado paulista nato: ele não crê, agora, piamente na vitória das armas, mas, julga que, apesar da derrota provável, deve continuar a revolução ainda que essa revolução seja uma perene perturbação da ordem!    O orgulho paulista é que está mantendo elevado, o moral das nossas tropas.  E esse orgulho é tanto que o paulista, talvez, depois de sua derrota no campo de luta, não se sinta vencido e pretenda hostilizar perenemente os representantes da ditadura que por ventura venham para assumir postos de direção em São Paulo.  

 

Não deve existir na História exemplo de maior disposição para a guerra.

 

Admirável:  o soldado paulista sabe que tem maior n°, mas sabe também que o adversário tem melhores armas e maior munição;  entretanto, o soldado paulista vai para a trincheira só com uma frase nos lábios: precisamos vencer!

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Nota paulistade 5000 réis.

Nota paulistade 5000 réis.

 

Nota paulista de 10.000 réis.

Nota paulista de 10.000 réis.

 

 

Nota paulista de 20.000 réis.

Nota paulista de 20.000 réis.

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 140,-141 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Voluntário Paulista na Revolução Constitucionalista

Voluntário Paulista na Revolução Constitucionalista





Consta grande agitação popular no Rio — Revolução de 1932

28 08 2008

 

 

26 de agosto de 1932

 

 

Nada de importante se registrou hoje quanto à luta nos setores do sul.  A cidade esteve calma e livre de boatos.  Consta apenas continuar grande agitação popular no Rio.

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Um pouco antes de embarcar

                               Um pouco antes de embarcarem…

27 de agosto

 

Nada se registra hoje  digno de nota.  Há relativa calma na cidade.  Tropas entram para descanso e chegam outras com destino ao front.

 

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

 

Preparação do rancho

                                              Preparação do rancho.

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 139 – 140, em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

 

Morre o coronel Júlio Marcondes Salgado.

Morre o coronel Júlio Marcondes Salgado.





Tropas da ditadura forçam Buri — Revolução de 1932

26 08 2008

 

Batalhas nas trincheiras em 1932, foto da coleção de Carlos Souza Nazar

Batalhas nas trincheiras em 1932, foto da coleção de Carlos Souza Nazar

 

22 de agosto de 1932

 

Nada de importância.

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

 

Tropas federais na estação de Mogiana de Itapira, 1932

Tropas federais na estação de Mogiana de Itapira, 1932

 

 

 

23 de agosto de 1932

 

Boatos de revolta no Rio.  Chega um batalhão na cidade e vai partir.  Tropas da ditadura forçam Buri.  Calma na frente de Guapiara.

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Dia e noite seguiam tropas para a frente. Revolução de 1932.

  Dia e noite seguiam tropas para a frente.  Revolução de 1932, São Paulo.

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 139, em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

 

 

Tanque em assalto à região ocupada pelas forças do Leste Brasileiro,  Renault, 1932

Tanque em assalto à região ocupada pelas forças do Leste Brasileiro, Renault, 1932





Aviões para bombardear Buri — Revolução de 1932

24 08 2008

 

Avião usado pelos Constitucionalistas em 1932.

                    Avião usado pelos Constitucionalistas em 1932.

20 de agosto de 1932

 

 

Muito boato.   Levantes por toda parte: Rio, Minas, Rio Grande, Paraná,  Amazonas.  Se boatos ganhassem batalhas, a luta se teria terminado hoje.

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Tropas do RS acampadas no campus do Instituto Biológico em 1932.

Tropas do RS acampadas no campus do Instituto Biológico em 1932.

 

 

21 de agosto de 1932

 

Nada de importante a registrar hoje.  Um avião de caça e uma esquadrilha foram bombardear Buri.

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

300 soldados governistas passam para o lado Constitucionalista.

300 soldados governistas passam para o lado Constitucionalista.

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 138, em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Batalha nas trincheiras.  Foto Coleção Carlos de Souza Nazar.

Batalha nas trincheiras. Foto Coleção Carlos de Souza Nazar.








%d blogueiros gostam disto: