A presidência letrada: o que lêem os presidentes?

29 09 2010
Presidente dos Estados Unidos Barack Obama

Recentemente no jornal carioca O GLOBO os atuais candidatos à Presidência da República responderam a perguntas sobre os livros que haviam lido e que mais os marcaram.  As respostas foram tão variadas quanto os candidatos, mas havia uma tendência a citação dos clássicos, literários ou políticos, de Proust a Machado de Marx a Nietzche, como se uma leitura mais atual, até mesmo sobre a nossa história não pudesse ser mencionada sem aprovação dos partidos.  É claro que este tipo de pergunta é considerada de somenos importância no nosso país. Basta examinarmos aqueles a quem elegemos.  Pena! 

 Lendo um artigo de Tevi Troy de11 de setembro na National Review intulado Freedom Frenzy: A Look at Presidential Reading Lists  What they say about our presidents, and us.[ Frenesi de Liberdade:  Um olhar nas listas de leitura presidenciais: o que elas falam  sobre os nossos presidentes, e a nosso respeito] podemos perceber entre outros aspectos, as grandes diferenças não só de educação mas culturais entre os dois países gigantes da América do Norte e da América do Sul.  

 Não vou fazer aqui uma comparação entre os presidentes do Brasil e o dos EUA.  Seria extremamente injusto para conosco.  Vou simplesmente relacionar a lista de leitura de Barack Obama e as consequências de suas escolhas no mercado americano, que se preocupa em seguir o que qualquer presidente lê e principalmente este presidente.  

Enquanto passava duas semanas de férias no refúgio presidencial de verão em Martha’s Vineyard, o presidente americano decidiu comprar e ler o mais recente romance de Jonathan Frazen,  Freedom [ Liberdade].  Algumas semanas depois, o jornal The New York Times mencionou em três lugares diferentes este fato, o que indica, como Tevi Troy mostra,  que os americanos estão sempre querendo saber o que seu presidente está lendo e que há uma grande atração, uma mística sobre o assunto.  E é claro que quando um presidente americano lê um livro, é muito bom para as vendas desse livro.  Vejamos:

 —

No dia 8 de março, o Barack Obama mencionou que estava lendo o livro lançado em 1986, de Edmund Morris, The Rise of Theodore Roosevelt . – uma biografia do vigésimo sexto presidente dos Estados Unidos,[1901 a 1909]. Imediatamente as vendas desse volume, originalmente publicado 24 anos antes, subiram para 7.000 volumes. 

 

—-

As vendas do livro de Richard Price, Lush Life  [ no Brasil, Vida Vadia, Cia das Letras: 2009] dobraram em tamanho por várias semanas depois que  a Casa Branca colocou esse título de um romance passado em Nova York nos dias de hoje,  numa lista de leitura de Obama.

 —

Outra obra da mesma lista, Kent Haruf , Plainsong ,publicada em 2000 vendeu 5.000 cópias mais que o normal em 2010.

 Como Tevi Troy menciona não é só este presidente,  Barack Obama,  que eleva as vendas de livros que a população americana descobre estarem sendo lidos por seus presidentes.  O mesmo interesse ocorre e ocorreu com outros presidentes. 

 É  fascinante —  não é mesmo? – ver um presidente de um país desenvolvido dando-se ao trabalho de ler, não só “os clássicos” mas o que está sendo publicado.  Tão, mas tão longe da nossa realidade que chego a suspirar.  Que tempos melhores nos afaguem.

———-

A lista completa dos livros que Barack Obama levou para ler nas suas 2 semanas de descanso em Martha’s Vineyard:

The Way Home de George Pelecanos ~ suspense em Washington. D.C.

Vida Vadia,  Richard Price ~ romance que se passa no Lower East Side, em Nova York.

Hot, Flat & Crowded,  Thomas Friedman ~ sobre os benefícios para a América com  a proteção ao meio ambiente. 

John Adams, David McCullough ~ biografia do segundo presidente dos EUA.

Plainsong, Kent Harul ~ romance sobre 8 personagens diferentes vivendo em Colorado.





O poder econômico de um prêmio literário

27 11 2008

 

 

Quando via um grande prêmio de literatura como o Man Booker Prize ser dado a alguém sempre ficava com pena dos escritores que são mencionados como finalistas, mas que não tiveram suas obras agraciadas.  Menciono o Man reading-hammockBooker porque eles anunciam com antecedência os escritores finalistas, e então sabemos quem perdeu.  Hoje, voltando à página deste prêmio, procurando por uma referência sobre um autor inglês, encontrei uma resposta de A. S. Byatt, vencedora do Man Booker em 1990 com o livro Possessão, Companhia das Letras: 1992, São Paulo, dizendo que ela finalmente iria ter dinheiro suficiente para construir seu sonho de longa data: uma piscina na sua residência na França (Provence).

 

Diversas coisas passaram pela minha cabeça.  Primeiro fiquei desapontada.  E me perguntei por quê?  Por que desapontada? Estaria eu esperando uma resposta do tipo  finalista a Miss Universo?  Quero acabar com a fome no mundo!  Não, eu mesma afastei aquele pensamento, rapidinho.   Depois veio aquele sentimento: acho que não gosto dessa pessoa, deve ser muito voltada para si mesma: do time do eu, eu, eu.  Até procurei me lembrar se havia gostado mesmo daquele livro de sua autoria, Possessão Só me lembro que havia uma correspondência maravilhosa.  Esse foi o tempo de muitos livros epistolares no meu horizonte!

 

Depois de alguns momentos de reflexão fui à cata de prêmios e de valores.  E num instante aprendi a não me sentir mal pelos autores que não ganharam o maior prêmio, porque funciona como se eles estivessem concorrendo ao reading-woman-with-parasol-in-redprêmio de Miss Brasil: onde a primeira colocada leva tudo, mas a segunda concorre para Miss Mundo, a terceira para um outro prêmio, ou vice-versa, e ainda tem o prêmio Miss Simpatia, Miss Fotogênica, etc.  Bem com os autores finalistas do Booker, há também mais; além do fato de para sempre serem mencionados como: finalista do Man Booker Prize.   

 

Pegando carona no próprio portal do Man Booker, vi que  dos 13 livros da longa lista de finalistas deste ano, 11 tiveram um aumento significativo de vendas na semana seguinte à publicação da lista.  O livro de Salman Rushdie,  The Enchantress of Florence  [No Brasil – A Feiticeira de Florença, Cia das Letras: 2008, SP] continuava onde já estava, na liderança de vendas em 7/8/2008, mas teve um aumento de 56.5%  nas vendas do momento em que seu nome foi mencionado entre os 13 finalistas.  O livro de Linda Grant, The Clothes on Their Backs [ sem publicação no Brasil] teve proporcionalmente o maior aumento nas vendas dos finalistas.  Havia até então vendido simplesmente 13 volumes na semana anterior, terminada em 26/7/2008.  Na semana seguinte à inclusão do livro entre os finalistas do Booker, este livro vendeu 144 volumes.

 

Outro aumento de vendas ocorreu com o livro de Tom Rob Smith,  Child 44 [No Brasil – Criança 44, Record: 2008, Rio de Janeiro] , aparentemente uma escolha que causou alguma controvérsia entre o público e aumentou as vendas deste livro de suspense por 250% ; isto para um livro que já havia vendido 8.000 volumes antes de ser nomeado para a longa lista de finalistas.   

 

Não tenho os números para a vendagem dos títulos depois que a pequena lista de 6 finalistas foi anunciada.  Havia este ano dois escritores estreantes Steve Toltz e Aravind Adiga.  Este, o autor de  The White Tiger [No Brasil —  O tigre branco, Nova Fronteira: 2008, Rio de Janeiro]  que ganhou o prêmio, os £50.000 do primeiro lugar e mais os £2.500 que cada um dos 6 finalistas receberam.  

 

Com orgulho, como deve ser feito, os administradores do Man Booker Prize mostram como este prêmio auxilia o reconhecimento do autor e de sua obra. nobu_lisant_409 Eles citam que Anne Enright, (vencedora em 2007) com o livro The Gathering, [No Brasil – O Encontro, Alfaguara Brasil: 2008, RJ] fez uma tour mundial para lançamento de seu livro.  O mesmo aconteceu com Kiran Desai, (vencedor em 2006) com o livro The Inheritance of Loss [No Brasil – O Legado da Perda, Alfaguara Brasil: 2007, RJ].  Em 2005,  o livro vencedor de John Banville,  The Sea  [No Brasil — O Mar, Nova Fronteira:2007, RJ] vendeu 250.000 volumes depois do prêmio e as vendas, de acordo com seu editor,  aumentaram dramaticamente para os antigos títulos do autor.  Em 2004 o livro The Line of Beauty, de Alan Hollinghurst [no Brasil – A linha da beleza, Nova Fronteira: 2005, RJ] vencedor do maior prêmio chegou às listas dos mais vendidos, o mesmo acontecendo com os vencedores de 2002, Life of Pi de Yann Martel [ No Brasil, A vida de Pi, Rocco:2004, RJ] e o de 2003, Vernon God Little de DBC Pierre [No Brasil – Vernon God Little, Record: 2004, RJ].

 

Procurei e não consegui este tipo de informação sobre vendas no Brasil depois que um livro ganha um prêmio respeitável.  Informação no Brasil, principalmente levando em conta vendas editoriaís, são segredos guardados a sete chaves.  Falta muito para termos o acesso a informação generalizada que acontece principalmente nos países de língua inglesa.  Mas duvido que as vendas dos nossos escritores aumentem significativamente depois que eles se descobrem vencedores de prêmios.  Primeiro, que não conseguimos ainda determinar qual é o prêmio mais importante no Brasil.  Há correntes a favor deste ou daquele.  E depois, quem é aqui no Brasil, uma pessoa comum, letrada, lida, que você ouve dizer:  leia Fulano de Tal, porque ele foi um dos finalistas do Prêmio X, e esses escritores são sempre muito bons?  Esse prêmio tem sempre em mente, não só o valor literário mas também o pulso do gosto do publico leitor? Você conhece alguém que diga isso a respeito do Prêmio Jabuti, Prêmio Portugal Telecom, Prêmio São Paulo de Literatura?  Eu não conheço…  Será um problema de marketing?  Por que eles não estão chegando às pessoas que eu conheço que lêem de 40 a 60 livros por anos?  Fica aqui a minha pergunta. 

 

Ah, sim, e para terminar, se um dia eu ganhar um prêmio assim, vocês não precisam se preocupar: ele não vai para uma piscina na França.  Garanto que não haverá evasão de divisas.  Consigo usar satisfatoriamente o dinheiro por aqui mesmo, onde moro… 





Salman Rushdie continua seduzindo…

5 10 2008
Escritor Salman Rushdie

Escritor Salman Rushdie

 

No próximo dia 14 de outubro teremos a divulgação do Man Booker Prize, o maior prêmio literário da Inglaterra e na opinião de muitos o maior prêmio literário do mundo ocidental.  No início de setembro deste ano, no dia 9, a lista dos que estavam concorrendo ao prêmio foi divulgada pela maioria dos jornais de língua inglesa.  Este ano, para o prêmio de romance, a lista ficou reduzida a estes seis títulos e autores, surpreendendo os amantes de Salman Rushdie, que tenho certeza contavam que o The Enchantress of Florence, estivesse entre os seis livros finalistas. 

 

Em 2008 os 6 finalistas para o Man Booker Prize são:

 

Aravind Adiga, The White Tiger, Editora: Atlantic – O TIGRE BRANCO – ainda sem trad.                           

 

Sebastian Barry,  The Secret Scripture, Editora: Faber & Faber – TESTAMENTO SECRETO – ainda sem trad.

                        

Amitav Ghosh, Sea of Poppies, Editor: John Murray – MAR DE PAPOULAS – ainda sem trad.                                 

 

Linda Grant,  The Clothes on Their Backs, Editora:Virago – AS ROUPAS COM QUE SE VESTEM– ainda sem trad.

 

Philip Hensher, The Northern Clemency, Editora: Fourth Estate – A CLEMÊNCIA VEM DO NORTE – ainda sem trad.

           

Steve Toltz, A Fraction of the Whole, Editora: Hamish Hamilton – UM PEDACINHO DO TODO – ainda sem trad.

 

Midnight's Children, de Salman Rushdie, o melhor de todos

 

 

 

A razão da surpresa é simples: em julho deste ano, o Man Booker Prize, como parte das comemorações de seus 40 anos de existência, anunciou uma competição extra.  Pediam que se votasse no melhor livro de todos os que já haviam ganho o Man Booker Prize no passado.  Só uma outra vez havia a mesma entidade feito uma seleção semelhante.  Fora em 1993.  Supreendemente, Salman Rushdie e seu Midnight’s Children –[ Os Filhos da Meia-noite,  Cia das Letras], ganhou o voto de O MELHOR MAN BOOKER PRIZE, as duas vezes, em 1993 e em 2008. 

 

Originalmente Os Filhos da Meia-noite tinha sido escolhido como melhor livro do ano de 1981.  E em 1993, ganhou por voto popular a posição de Melhor Man Booker Prize até então.  Quando a competição foi repetida em 2008, o livro voltou a ganhar a honra, ainda por voto popular.  Ao término da competição, no dia 8 de julho, com os 7800 votos  tabulados, o livro de Salman Rushdie ganhou com 36% dos votos.  Os eleitores foram em sua maioria da Grã-Bretanha (37%) e dos EUA (27%).

 

Os finalistas, que concorreram com Os Filhos da Meia-noite foram:

 

Pat Barker, The Ghost RoadA estrada fantasma, 1995, sem tradução

Peter Carey —  Oscar e Lucinda ( Record) — 1988

JM Coetzee —  Desonra (Cia das Letras) — 1999

JG Farrell — The Siege of KrishnapurA tomada de Krishnapur, 1973, sem tradução

Nadine Gordimer — The Conservationist – 1974 , O conservacionista, sem tradução

 

Dada a grande popularidade de Salman Rushdie foi recebida com grande surpresa a noticia de que seu livro The Enchantress of Florence, que estava entre os 12 da lista longa do Booker, não tivesse ficado entre os 6 finalistas.  Este seria mais um Man Booker Prize para o escritor indiano que tem um constante namoro com este prêmio literário.  Vejamos:

 

The Enchantress of Florence, 2008, entre os 12 finalistas.

Man Booker International Prize 2007, concorrente – prêmio dado de 2 em 2 anos

Shalimar The Clown, 2005, entre os 12 finalilstas

The Moor’s Last Sigh, 1995, entre os 6 finalistas

The Satanic Verses, 1988, entre os 6 finalistas

Shame, 1983, entre os 6 finalistas

Midnight’s Children, 1981, vencedor

 

 

É então com grande antecipação que esperamos os resultados do Man Booker Prize,  deste ano.  Meu voto vai para Amitav Ghosh.  Mas veremos!





Perseguindo o sonho, Milton Hatoum em Órfãos do Eldorado

4 08 2008

 

Tarsila do Amaral, Floresta, 1929, óleo/tela, Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Tarsila do Amaral, Floresta, 1929, óleo/tela, Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Órfãos do Eldorado, uma novela de 100 páginas pode quase ser chamada de um discurso sobre a decadência.  Decadência dos sonhos, das fortunas, da economia.  A decadência como objeto de observação e fascinação dos turistas, a decadência da política local, das mores sociais.  Até mesmo a decadência do sonho, da esperança, que não encontram um eco na realidade amazônica retratada aqui.  

 

Não que Milton Hatoum tenha deixado de lado a ficção.  Não é esta a minha observação.  Mas sua ficção está ainda mais fluida neste livro do que em anteriores.  Esta é uma ficção, tecida através de memórias anteriores às do personagem principal, e fatos históricos mencionados que cobrem mais de um século.  A fluidez da narrativa dá um leve toque de sonho, de irrealidade porque vamos e voltamos a um passado sem forma, a uma passado interpretado pela criança que foi Arminto Cordovil:  a visão que ele tem de seu pai e de sua infância e adolescência. 

 

Esta maneira amorfa e característica da fluidez de pensamentos — que já encontrei anteriormente neste autor nos dois outros livros que li: Dois Irmãos e Cinzas do Norte —, deixa a narrativa aberta.  Ela se rebela às datas históricas, às informações precisas.

Não que Milton Hatoum trabalhe com o realismo mágico.  Mas as idas e vindas de seus personagens com lembranças e projeções no futuro mantêm uma nebulosidade proposital mostrando traços familiares com fantasias noturnas e sonhos reveladores.

 

A história pode ser descrita em poucas palavras: Arminto se apaixona por Dinaura uma moça local, que não fala, evasiva, com quem ele tem uma noite de amor inesquecível, e a quem ele jamais volta a ver.   Recebi este livro, emprestado por uma amiga, excelente leitora, com a observação de que esta era uma bela história de amor.  

 

Mas discordo redondamente.  A história da perseguição de Arminto por Dinaura, sua obsessão do início ao fim da novela, para mim, é a personificação da constante procura pelo Eldorado, que ilude a todos que se estabeleceram e que se estabelecem, ainda hoje, na Amazônia.  A procura de Dinaura é a grande aventura, repleta de elementos fantásticos, do mundo, do amor, de tudo que jamais será tal como a terra prometida.  Ela, assim como o Brasil, como a Amazônia, é uma moça local, e é natural então que se encontre rodeada pelos caminhos encontrados na ilha encantada das histórias das cunhatãs.

 

Este é um discurso alegórico sobre a esperança cega de algo melhor, e a decadência que se estabelece quando se procura obsessivamente uma realidade, um sonho, inexistente.

 

 

Órfãos do Eldorado, Milton Hatoum, São Paulo, Cia das Letras:2008  — 107 páginas.

 

 

Lucila Wroblewski.

Milton Hatoum, foto: Lucila Wroblewski.

 





Vamos dar a volta ao mundo com um romance policial?

28 07 2008

 

Esta postagem é baseada no artigo Crime fiction: Around the world in 80 sleuths [Romance policial: a volta ao mundo com 80 detetives] de Jonathan Gibbs.  Que saiu na terça-feira passada, dia 22/7/2008, no The Independent, na Grã-Bretanha.

 

Como sabemos a Europa está entrando de férias – o mês mais popular para férias UE é agosto.  Assim, Jonathan Gibbs, nos dá a idéia de viajarmos pelo mundo com os nossos detetives, sem sair de casa, economizando não só a preciosa gasolina, mas aprendendo sobre mais lugares do que uma viagem faria possível.   A lista é longa.  Fiz uma busca na internet onde encontrei diversos livros em português.  Mesmo sem passarmos por 80 detetives, podemos dar a volta ao mundo.

 

 

E você, pensando em tirar férias?

 

 

Explicação dos códigos de cores:

 

Azul: país ou cidade que visitamos. 

 

Verde: título da obra.  Sempre que possível a sugerida.  Se não é possível mas existe outro livro do autor em português colocamos o título aqui e mencionamos o livro sugerido que ainda não está traduzido.

 

Cinza claro:  Nenhuma obra do autor encontrada em português.  Mas mantive aqui na lista para aqueles que lêem também em inglês e que gostariam da sugestão.

 

NB: se a obra não existe no Brasil, mas descobrimos que existe em Portugal, coloquei aqui a versão portuguesa.

 

 

 

Vamos viajar:

 

1. Groenlândia: assassinato em Copenhaguem.  Mas Smilla Jaspersen  vai até a costa na busca do assassino no livro de Peter Hoeg.  [Senhorita Smila e o Sentido da Neve, Companhia das Letras: 1994] 

 

2. Reikjavik: Arnaldur Indridason com seu inspetor  Erlendur dá o tom à Escandinávia.

[A cidade dos vidros, Record: 2008]

 

3. Ilhas Shetland: Ann Cleeves, sem tradução para o português.  Sugestão: Read ‘Raven Black’ (Ed. Pan)

 

4. Glasgow:  Sem tradução para o português.  Sugestão: ‘Garnethill’ (Bantam Ed.)

 

5. Edinburgo: Inspetor Rebus, de Ian Rankin passa seu tempo nesta cidade.  [Questão de sangue, Companhia das Letras: 2007]  Sugestão: ‘Knots and Crosses’ (Orion Ed.)

 

6. Irlanda do Norte: Sem tradução para o português.  Irlanda do Norte é o  local  onde o bibliotecário Israel Armstrong decifra os mistérios, criados por Ian Samson.  Sugestão: ‘The Case of the Missing Books’ (4th Estate)

 

7. Irlanda Rural ou o Interior da Irlanda: Leonie Swann é o escritor que recomendam nesta área.  A Editora Rocco estava programada para lançar um livro no segundo semestre de 2007 – o primeiro deste autor no Brasil – mas até agora este lançamento não aconteceu.  Sugestão:  ‘Three Bags Full’ (Ed Black Swan)

 

8. Dublim:  Autor: Declan Hughes.  Até agora sem tradução para o português.  Sugestão: ‘The Wrong Kind of Blood’ (John Murray)

 

9. Yorkshire: Autor:  Wilkie Collins, A Pedra da Lua, Record: 2001

 

10. South Wales  Autor:  Robert Lewis. Até agora sem tradução para o português.   Sugestão: ‘The Last Llanelli Train’ (Serpent’s Tail)

 

11. Oxford Autor: Colin Dexter, O assassinato no canal de Oxford, Paulicéia: 1991

 

12. Londres: Autor: Derek Raymond, também conhecido como Robin Cook.  Diversos títulos em português. 

 

13. Brighton  Autor: Peter James Até agora sem tradução para o português.   Sugestão: ‘Dead Simple’ (Pan)

 

14. Normandia: Georges Simenon, Maigret e a velha senhora, Livros do Brasil: 1995; Diversos títulos em português. 

 

15. Paris: para ler alguém além de Maigret, procure pelo Inspector Adamsberg nos livros de Fred Vargas, O homem dos círculos azuis, Editora Cia das Letras, 2006.  Outros títulos em português.

 

16. Galicia:  policial Leo Caldas é o herói deste escritor noire Domingo Villar. Sugestão: ‘Water-Blue Eyes’ (Arcadia)

 

17. Lisboa: o inglês Robert Wilson criou o Inspetor Zé Coelho no Portugal de hoje em:  Uma pequena morte em Lisboa, Editora Record, 2002.

 

18. Madrid: livros de Rafael Reig . Sugestão: ‘Blood on the Saddle’ (Serpent’s Tail)

 

19. Marselha: escritor Jean-Claude Izzo, histórias de guangues organizadas ou desorganizadas.  Inspetor Montale resolve.  Caos total Editora Record, 2002. Outros títulos em português.

 

20. Berna, Suiça: escritor, Friedrich Glauser tem o seu personagem Sargento Studer resolver crimes nos Alpes.  Sugestão: In Matto’s Realm (Bitter Lemon Press)

 

21. Meiringen, Suiça.  Arthur Conan-Doyle, Memórias de Sherlock Holmes.  Há duas edições brasileiras no momento. Editora Martin Claret, 2005  e também Editora LP&M , 2005.

 

22. Toscana: autor Michele Giuttari com seu super chefe de policia Michele. Sugestão:

‘A Florentine Death’ (Abacus)

23. Roma.  A sugestão Cabal não está traduzida.  Mas de Michael Dibdin em português temos; Vendetta, Editora Cia das Letras, 1998. [infelizmente não se passa em Roma]

 

24. Sicilia:  Andrea Camilleri velho conhecido dos brasileiros apresentou seu Inspetor Montalbano  neste livro:  A forma da água, Editora Record, 1999 .  Muitos outros títulos em português.

 

25. Atenas: Inspetor Costas Haritos, criação do autor Petros Markaris, nos mostra uma Grécia que os turistas não vêem.  Nenhuma tradução no Brasil. Uma em Portugal: Jornal da Noite, Editora Asa, 2006. Sugestão dada: ‘Zone Defence’ (Vintage)

 

26. Áustria  Paulus Hochgatterer leva o crime aos Alpes austríacos.  Sugestão: ‘The Sweetness of Life’ (Quercus)

 

27. Praga:  Pavel Kohout. Sugestão: ‘The Widow Killer’ (Picador US)

 

28. Frankfurt: o escritor  Jakob Arjouni, criou o grande detective turco Kemal Kayankaya e seus livros tem um ritmo frenético.  Kismet, Editora Best Seller, 2002.  Sugestão: ‘Happy Birthday, Turk’ (No Exit Press)

 

29. Amsterdã:  Inspetor Piet Van der Valk aparece no livro de Nicolas Freeling, Por causa das gatas, Editora Edameris, 1967.  Há muitos outros livros deste autor em português – autor publicado nos anos 60 e 70.  

 

30. Berlim:  Na  lista de super detetives precisa estar  Emil Tischbein, criação de Erich Kästner.  Sugestão: ‘Emil and the Detectives’ (Red Fox)

 

31. Breslau, Polônia:  Qualquer um dos 4 livros de  Marek Krajewskis com o Inspetor Eberhard Mock.  Sugestão ‘Death in Breslau’,  (published in translation by Quercus)

 

32. Königsberg, Prússia, autor: Michael Gregório e seu herói Hanno Stiffeniis.  Crítica da razão criminosa,  Editora Paneta do Brasil: 2006

 

33. Ystad, Suécia,  Inspeor Wallander em Ystad, mostra a popularidade Henning Mankell, responsável por grande crescimento na ficção criminalística da Escandinávia. Assassinos sem rosto, Editora Cia das Letras: 2001. Outros livros do autor em português.

 

34. Copenhagem; Per Toftlund  é o detective do autor Leif Davidsen.   Sugestão: The Serbian Dane’ (Arcadia)

 

35. Noruega.  Karin Fossum criou o Inspetor.  Só em Portugal: O Olhar de um desconhecido, Editora Presença, 2005

 

36. Lapônia: Kerstin Ekman criou o Inspetor Torsson, que anda de skis. Sugestão:

‘Blackwater’ (Picador)

 

37. Helsinki O autor Matti Joensuu colocou o detetive, finlandês,  Inspetor Harjunpaa, no mapa mundial.  Sugestão: ‘The Priest of Evil’ (Arcadia)

 

38. São Petersburgo, Rússia: Leia do autor inglês, R.N. Morris as aventuras do detetive Porfírio Petrovich, criado por Dostoevisky em Crime e Castigo. 

O machado gentil, Editora Planeta do Brasil: 2007

 

39. Moscou: Não histórias passadas na Rússia contemporânea.  Mas Boris Akunin  faz a gente se esquecer disto com seus romances policiais.  Leia:  Rainha do inverno, Editora Objetiva: 2003.  Há outros títulos do autor no Brasil.

 

40. Istambul: autora inglesa cujos livros se baseiam na Turquia.  Sugestão:

‘Belshazzar’s Daughter’ (Headline)

 

41. Alaska: o autor americano Michael Chabon tem no Detective Meyer Landsman um policial intenso.  Só encontrei deste autor em português: Garotos incríveis, Editora Record: 2000.  A sugestão havia sido ‘The Yiddish Policemen’s Union’ (Harper)

 

 

42. Honolulu: Só há um grande detective havaiano, e seis livros de suas aventuras.  O autor é  Earl Derr Biggers e o detective: Charlie Chan com sua grande gfamília de 14 filhos. [apesar de eu ter lido Charlie Chan em português ainda jovem, não encontrei nenhuma edição brasileira no momento].  Em Portugal seus livros estão circulando. A casa sem chaves, Editora Livros do Brasil: 1991.  Há outros títulos em Portugal também, pela mesma editora.

 

43. Seattle: GM Ford.  Sugestão: ‘Fury’ (Pan)

 

44. São Francisco – Sugestão: Cinnamon Kiss (Phoenix), não existe ainda no Mercado brasileiro, mas há diversos outros livros de Walter Mosley em português.

 

45. Los Angeles James Ellroy criou o Detetive Lloyd Hopkins, que exemplifica seu trabalho.  Los Angeles, cidade proibida, Record, 1997. Há outros títulos do mesmo autor em português.

 

46. Las Vegas, o divertido livro de CaroleDouglas:  ‘Catnap’ (Forge)

 

47. Chicago: a autora Sara Paretsky já fartamente conhecida no Brasil é a recomendada.   No ardor das chamas, Editora Rocco, 2001.

 

48. Ontario:  o canadense  sempre coloca suas histórias no frio do Canada.  Sugestão: ‘Forty Words For Sorrow’ (Harper)

 

49. Montreal: Kathy Reichs, Segunda-feira de luto, Editora Ediouro: 2006. Sugestão feita: ‘Déjà Dead’ (Arrow)

 

50. West Point, New York  o romance de época de Louis Bayard, O pálido olho azul, Editora Planeta do Brasil, 2007.

 

51. Massachusetts: A série de Jesse Stone, que se passa na pequena cidade de  Paraíso, é produto da mente de Robert B Parker.  Seus livros só encontrei em português de Portugal, pela Editora Europa-America.  Entre diversos títulos não achei a Sugestão: ‘Night Passage’ (No Exit Press)

 

52. Nova York: descubra  Rex Stout.  Seus romances são liderados pelo detetive Nero Wolfe.  Apesar de diversos títulos existirem no Brasil, o livro recomendado, só aparece na internet com a edição de Portugal.  Orquídeas Negras, Editora Livros do Brasil: 1997.

 

53. Brooklyn: Jonathan Lethem escreveu este livro de suspense com um detetive Amador com a syndrome de Tourette.   Ótimo livro fora dos padrões.  Brooklyn sem pai nem mãe, Editora Cia das Letras, 2002.

 

54. Washington DC é território de George Pelecanos que escreveu uma dúzia de livros passados nesta capital.  Sugestão: ‘The Big Blowdown’ (Serpent’s Tail) . Não achei, mas há diversos títulos traduzidos para o português.

 

55. New Orleans: Dave Robicheaux Sugestão: ‘Heaven’s Prisoners’ (Phoenix)

 

56. Miami: Nick Stone  e seu Max Mingus.  Sugestão: ‘Mr Clarinet’ (Penguin)

 

57. Havana: Leonardo Padura fez seu herói o detective cubano Mario Conde, conhecido no mundo.  Sugestão: ‘Havana Blue’ (Bitter Lemon)

 

58. México: Paco Ignacio Taibo II é o escritor policial do México.  Conheça: Mortos incômodos, falta o que falta, Editora Planeta do Brasil: 2002

 

59. Caribe: na falta de autores locais, a sugestão feita foi o livro de Agatha Christie, O mistério no Caribe, Editora LP&M: 2007, estreando Miss Marple.

 

60. Rio de Janeiro: Inspetor Espinosa de Luiz Alfredo Garcia-Roza foi sugerido com o título: O silêncio da chuva, Editora Cia das Letras: 2000; ou Editora Cia de Bolso: 2005 

 

 

 

61. Buenos Aires: Manuel Vazquez Montalban fez desta cidade a localização do maravilhoso policial: O quinteto de Buenos Aires, Editora Cia das Letras: 2000.  

 

62. Marrocos: Abdelilah Hamdouchi é o primeiro autor árabe do gênero policial a ser traduzido para o ingles.  Sugestão: ‘The Final Bet’ (Modern Arabic Literature)

 

63. Argel:  Yasmina Khadra em geral tem suas histórias passadas em Cabul.  Mas em Double Blank (Toby Press) a localização é a cidade de Argel.  Outros livros deste autor podem ser encontrados em  português.

 

64. Israel: Os romances deste herói, Omar Yussef, professor de história, são muito interessantes pelo conteúdo, leia de Matt Rees, O traidor de Belém, Editora Planeta do Brasil: 2007.

 

65. Egito: Voltamos a Agatha Christie com Morte no Nilo, Editora Nova Fronteira: 2006. Um clássico com Hercule Poirot.

 

66. Jeddah: Zoë Ferrari: Sugestão ‘The Night of the Mi’raj’ (Little, Brown)

 

67. Botsuana, o maravilhoso  Alexander McCall-Smith é o autor do livro recomendado:  Agencia n° 1 de mulheres detetives, Editora Cia das Letras: 2003.

 

68. Mumbai Vickam Chandra.  Sugestão: ‘Sacred Games’ (Faber)

 

69. Calcutá:  Satyajit Ray mais conhecido pelos seus filmes é também autor.  Sugestão:   ‘The Adventures of Feluda’ (Puffin)

 

70. Mongólia:  Michael Walters: Sugestão, ‘The Shadow Walker’ (Quercus)

 

71. Mar de Bering: Nada melhor do que Estrela Polar, Editora Record: 1989 de Martin Cruz Smith, o livro seqüencia de seu favorito do público Parque Gorki.  Estrela Polar só achei em sebos, parece estar esgotado. Há outros livros do autor em tradução.

 

72. Beijing: Diane Wei Liang, O olho de jade, Editora Record: 2008 criou a detetive Mei Wang.  A recente publicação no Brasil nos deixa ver um pouquinho da China atual.

 

73. Tokyo:  há alguns detetives japoneses, mas para um tradicional livro policial passado no Japão sugestão:  David Peace, Ano zero, primeiro volume da trilogia.  Recentemente traduzido para o português, publicado em Portugal: Tóquio, ano zero, Editora Tinta da China: 2008

 

74. Shanghai: Qui Xiaolong criou o Inspetor Chen.  Ótimo retrato da China atual.  Sugestão: ‘Death of a Red Heroine’ (Sceptre)

 

75. Laos: O humor do escritor inglês Colin Cotterill permeia as páginas de seus livros.  Sugestão: ‘The Coroner’s Lunch’ (Quercus)

 

76. Bangcoc: O canadense Christopher G Moore já há tempos é conhecido pelo seu detetive americano na Tailândia.  Sugestão: ‘The Risk of Infidelity Index’ (Atlantic)

 

77. Territórios do Norte [Austrália]: Sugestão: autor australiano Adrian Hyland,  ‘Diamond Dove’ (Quercus)

 

78. Vitória, Austrália: Recomendação: Peter Temple, The Broken Shore.  Deste autor só encontrei um outro livro, em Portugal: Abismo de Sangue, Editora Gótica: 2008.

 

79. Nova Zealândia:  Ngaio Marsh é uma escritora clássica de policiais.  Junto com Christie, Sayers e Allingham é uma das rainhas do crime.  Diversos livros dela se encontram traduzidos e esgotados.  Só encontrados por mim em portal de livros usados. Sugestão: ‘Vintage Murder’ (Harper)

 

80. Polo Sul: Greg Rucka romance gráfico: Whiteout: morte no gelo, Editora Devir: 2007

 

 

Assim termina a nossa lista.  Mesmo sem todos os títulos mencionados, poderemos fazer uma volta ao mundo com estes detetives.  Espero que vocês aproveitem para pegar uma carona.

 

Bon Voyage!

 

 








%d blogueiros gostam disto: