Teto de vidro nos prêmios literários

12 06 2015

 

 

154-To-Kill-A-Mockingbird-Book-Realism-Bird-PaintingO sol é para todos *

Camille Engel (EUA, contemporânea)

óleo sobre tela, 50 x 40 cm

www.camille-engel.com

* [O título em inglês, To Kill a Mockingbird, faz trocadilho com o título do romance da escritora americana Harper Lee, conhecido no Brasil como O sol é para todos, e em Portugal como, Mataram a cotovia]

 

Um estudo por Nicola Griffith, abrangendo os principais prêmios literários em língua inglesa, nos últimos quinze anos, mostra que livros com personagens principais masculinos têm sido favorecidos nas premiações literárias. Ou seja, se o autor deseja ser premiado, seu personagem principal deve ser masculino.  Livros sobre mulheres, com personagens femininos têm menor chance de serem premiados.

O estudo revelou ainda que, contrário ao bons ventos da igualdade de direitos, há um teto de vidro nas editoras segregando mulheres nos postos mais baixos. Postos de chefia e de decisão editorial não estão  nas mãos de mulheres. Os números da pesquisa não deixam dúvida de que há uma preferência pelo ponto de vista masculino.

E, no entanto, há mais mulheres leitoras do que homens, no mundo inteiro. Assim como há mais mulheres no mundo do que homens em números absolutos. O ponto de vista feminino sobre a vida, sobre o mundo não deveria ser negligenciado.

Seria o mesmo aqui no Brasil?

 

Para o artigo inteiro: The Guardian





Serviço, uma arte em extinção no Rio de Janeiro

22 05 2014

 

 

Robin Cheers (EUA) browsing_the_stacks, 2007

Passando os olhos nas estantes, 2001

Robin Cheers (EUA, contemporânea)

www.robincheers.com

 

Na semana  passada uma amiga me recomendou a leitura do livro de Ana Miranda, O peso da luz:  Einstein no Ceará, publicado em 2013. Ela o estava lendo e gostando.  Saí do nosso encontro na sexta-feira e fui diretamente à uma pequena mas excelente livraria em um shopping ao lado de casa.  Eles não tinham e nunca tinham ouvido falar dessa publicação.  Esta é a minha livraria favorita por aqui, mas reconheço que é muito pequenina. O sistema eletrônico deles não é ligado ao mundo apesar de dar a impressão oposta por ter algumas telas de computação à vista.  Uma busca no meu celular mostrou que o livro havia sido publicado por uma pequena editora: Armazém da Cultura.  Nesta livraria ninguém se ofereceu para que eu encomendasse o livro através deles. Estranhei porque sou conhecida no local, freguesa antiga. Saí desapontada e me perguntando por que não havia interesse deles em satisfazer esta cliente?

Sábado pela manhã, saí para um passeio a pé e um almoço leve em uma livraria próxima, aqui na zona sul do Rio de Janeiro, no final do Leblon. Esta livraria é bem grande, tem um café-restaurante ao fundo onde sempre encontro amigos. Em geral é uma livraria bem badalada pela inteligência carioca frequentadora de noites de autógrafos diversas.  Lá, a mesma cena se repetiu. Não sabiam da existência do livro, não tinham ideia do que se tratava e, sinceramente, pela linguagem corporal não estavam interessados em saber do meu problema em localizar o livro. Ainda sugeriram que eu pudesse estar com nome do autor errado, porque o único livro recente de Ana Miranda era Semíramis. Desinteressados de verem o livro no meu celular eles trataram de me despachar o mais rápido possível. Esta livraria também não estava conectada à internet e não podia fazer uma busca para descobrir detalhes do livro. Rapidamente a atendente detrás do balcão de vendas para onde eu havia dirigido as minhas perguntas, se virou para o cliente seguinte, ignorando a minha frustração, incapaz de oferecer seus serviços para me ajudar nessa tarefa.

 

eafa47a3-9b84-4e4b-a8c0-a75dedefd734

Corri então a outra livraria, a dois quarteirões dali, no mesmo bairro. Essa é parte de uma cadeia grande. Situação semelhante.  Mas devo dizer, para ser justa, o tratamento foi muito mais afável e com maior calor humano.  Os empregados pelo menos fizeram um esforço para amenizar a minha frustração.  Haviam sido, obviamente, treinados para tentarem satisfazer o cliente.

Não entendo do que está por trás de uma livraria.  Não é meu papel saber as limitações de uma livraria, de seus problemas em representar uma editora. Isso é papel para o proprietário do estabelecimento.  O meu é vir com o dinheiro e comprar aquilo que eles aparentemente se propõem a vender.  Não acreditei que eu não pudesse achar um livro de uma escritora brasileira do calibre de Ana Miranda, em todas as livrarias do Rio de Janeiro.  Mas este sendo o caso, não entendo os motivos que fizeram com que não houvesse interesse em preencher o meu pedido em qualquer uma das três livrarias visitadas. Não se tratava de um “João da Silva” que publicou seu livro na impressora de casa.

Acabei achando o livro, em uma livraria bem maior.  Esta tem o catálogo online, possui um acervo generoso e conexões no Brasil inteiro. Entendo que algumas livrarias não tenham livros de editoras menores ou menos conhecidas. Principalmente livrarias independentes. Mas me aborrece ver que ninguém teve o interesse de me SERVIR, ou seja de achar para mim aquilo que eu procurava. Nenhuma  das três se ofereceu para que eu encomendasse com elas a compra do livro.  Francamente esse comportamento não acontece em uma livraria no exterior.

Falta aqui aquele senso de que custa muito dinheiro ao proprietário do estabelecimento trazer o cliente à sua porta. É dinheiro investido em anúncios, em manter a loja aberta, os empregados trabalhando; investimento na página da internet, na página das redes sociais [mesmo que as redes sociais sejam gratuitas, há que colocar uma pessoa trabalhando nessas páginas] e até mesmo o custo do aluguel numa das áreas mais nobres da cidade. Tudo isso é custo.  E é alto. Quando aquele cliente entra na loja precisa sair satisfeito com o tratamento que teve. Todas três livrarias foram reprovadas porque nenhuma delas ofereceu uma solução, criativa ou não, para esta cliente que queria comprar.

Em outros países um telefonema para a competição estaria em ordem.  A livraria reservaria o livro lá no outro estabelecimento, que compete com ela. Ou pediria  a alguém, um empregado, que fosse à livraria competidora e comprasse o livro. Sim, eles não teriam o lucro imediato, mas teriam a minha fidelidade.  Em outros países, não deixar o cliente sair sem uma solução para o seu problema é o lema do comércio. “Pode deixar, teremos o volume aqui, amanhã de manhã“, ou “a Sra. fique tranquila, levamos o volume até sua casa amanhã“.  Ao invés de criticar em um tom irônico o cliente que deseja o livro de uma pequena editora, como me aconteceu na segunda parada, o vendedor diria: “interessante esta editora, precisaremos ver que mais podem ter em seu catálogo…”  Mesmo que seja simplesmente por educação. Em outros lugares do mundo, já tive livros entregues no meu hotel, até mesmo na próxima cidade da viagem… É essa a atenção de que o cliente precisa. Enfim o cliente é rei, ele manda, porque é ele quem compra. Sem o consumidor não há comércio. Depois, no futuro, essas livrarias irão reclamar, dizer que as vendas online as obrigaram a fechar.  Dirão que não aguentaram porque a competição era muito grande. Mas o que faltou foi a consciência de que o cliente que entrou naquele estabelecimento precisa sair satisfeito, não importa a dificuldade, o exotismo de sua necessidade.

Ainda não comecei a ler o livro de Ana Miranda. Ele se encontra entre outros cinco livros comprados na mesma tarde, na livraria em que o encontrei. Estão empilhados porque compro muitos livros. Repousam sobre a mesa de trabalho, ao lado do computador.





Dominância anglófona…

3 02 2014

Anthony A. González, Reading a Poem_de Daily Painters of Texas de ANTHONY A. GONZÁLEZLendo um poema

Anthony A. González (EUA)

óleo sobre tela

www.obra-de-gonzalez.com

Bisbilhotando na internet hoje, cheguei a essa estatística que coloco abaixo porque me pareceu estarrecedora, os dados são de 2007 ou seja quase sete anos atrás, mas acredito que não tenha havido qualquer mudança significativa. Refere-se a livros publicados em tradução.

2% dos livros publicados no Reino Unido e nos Estados Unidos são traduções.

13% na Alemanha

27% na França

28% na Espanha

40% na Turquia

70% na Eslovênia

Não tenho os dados sobre o Brasil. Não achei. Talvez não tenha sabido procurar. Talvez caia sob o véu do silêncio que aflige a nossa cena editorial.

Essas estatísticas foram mencionadas no artigo Writers attack ‘overrated’ Anglo-American literature at Jaipur Festival, do jornal inglês The Guardian, sobre a acusação de escritores não anglófonos da dominância mundial da literatura produzida nos países de língua inglesa.  Não vou entrar no assunto, nessa postagem, mas me pergunto se no século XIX também havia muita reclamação sobre a dominância do francês nas letras mundiais, que dadas as devidas proporções me parece ter sido igualmente abrangente.  Fica aqui a consideração.





Um gesto que fala: Paulo Coelho na Feira do Livro de Frankfurt

8 10 2013

GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1885-1962) A Leitura ost, Ass. cid 42 x 32 cm.A leitura, s/d

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1882-1962)

óleo sobre tela, 42 x 32 cm

No início de setembro uma pequena notícia, durante a Bienal do Livro, aqui no Rio de Janeiro, atraiu a minha atenção: descobriu-se que apesar das vendas de livros de ficção terem aumentado muito no Brasil, os leitores brasileiros preferiam a ficção estrangeira.  Preferem-na em grandes números.  A leitura de ficção no Brasil aumentou no último ano 42%, mas só tivemos 11% de aumento nas vendas do mesmo gênero por escritores nacionais.  Os brasileiros se recusam a comprar e a se render ao encanto dos escritores brasileiros. Isso não me pareceria normal não estivesse eu envolvida em projetos de divulgação da leitura. Sei que é verdadeiro. É uma daquelas nossas vergonhas, que varremos para debaixo do tapete, porque desvendá-la e trazê-la à luz, estragaria os prazeres de muita gente que se acredita responsável pela cultura nacional.

Aplaudo portanto o gesto de Paulo Coelho quando se recusou a participar como representante dos escritores brasileiros na maior feira de livros do mundo, a Feira de Frankfurt, na Alemanha, onde o Brasil é o país homenageado, este ano. Como divulgado pela Folha de São Paulo o escritor brasileiro mais vendido no mundo inteiro fez um ato de imolação a favor dos autores de ficção no Brasil, os verdadeiramente aclamados pelo público, aqueles que são lidos e relidos, e que representam a sociedade brasileira, de fato.

Reynaldo Fonseca, Leitura interessante, glicê, 55x65cm tiragem 10Leitura interessante

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

gravura glicée, tiragem 10

Paulo Coelho não aprova “a maneira como o Brasil representa sua literatura“.  Concordo.  Os critérios de escolha são uma incógnita.  Por que?  Porque uma feira como a de Frankfurt, uma feira comercial que tem representantes de editoras estrangeiras querendo fazer negócios, comprar livros brasileiros de autores brasileiros, deveria ser um local onde os escritores que mais agradam aos brasileiros, os escritores que mais vendem no Brasil, fossem escolhidos para nos representar. Por que imaginar que eles gostariam de comprar autores que não têm apoio dos leitores?  As editoras não são ONGS.  São negócios.  Vivem de comprar e vender.  Se não apresentamos autores vendáveis, roubamos de nós mesmos a oportunidade de fazermos a nossa cultura conhecida.

Fico surpresa com as escolhas de autores.  Como explicar, por exemplo, que escritores como Eduardo Spohr, Thalita Rebouças, André Vianco, Raphael Draccon só para citar alguns, não estejam na lista daqueles que representam o gosto do leitor brasileiro?  Alguns dos escritores brasileiros indo à feira só são fenômeno de vendas porque têm contratos governamentais.  Cadê na lista os escritores que conseguem se fazer sem qualquer desses apoios?  Que conseguem se apoiar em si mesmos, naquilo que escrevem?

Maria Sylvia cordeiro, menina lendo, ost 80 x 100Menina lendo, s/d

Maria Sylvia Cordeiro (Brasil, contemporânea)

óleo sobre tela, 80 x 100 cm

Manoel Costa Pinto disse que os autores escolhidos eram aqueles agraciados com os principais prêmios de literatura do país e com “qualidade estética”.  “Qualidade estética”?  O que é isso? E, sinceramente, escolher os autores que ganharam prêmios literários…  esse é justamente o problema do Brasil.  Na maioria da vezes damos prêmios a quem o brasileiro não lê e ignoramos acintosamente aqueles que são sucesso comercial. Eliminar quem é sucesso de vendas no Brasil é uma posição pretensiosa, de quem usa uma forma e quer que seus representantes sejam só desse ou daquele jeito, que caibam nos limites da “qualidade estética” do momento.  Isso é um posicionamento elitista de quem acredita que o leitor, que não subscreve certa política, certa filosofia, o leitor, que não leva a sério as considerações filosóficas dos “profetas” da nossa literatura,  é um ignorante, um imbecil, que não sabe escolher.  É uma posição anacrônica que não cabe numa sociedade pluralista, numa sociedade onde ler faz parte daquilo que se faz por entretenimento, por diversão, por gosto.

Vergonha nacional este tipo de escolha “que vem de cima”.  Esta lista nos rouba de uma melhor representação de quem somos para o mundo.  Uma vergonha que Eduardo Sphor, autor que já vendeu mais de 600.000 volumes no Brasil, não esteja lá nos representando, nem Vianco, nem Thalita Rebouças, nem Raphael Draccon que são autores com fã-clube no Brasil.  Pobre Brasil que continua a ver literatura como uma maneira de seleção de classe social, como um divisor de águas entre “os iluminados” e o povo. Estamos muito mal servidos, como em tudo o mais no país, para ser franca.





O que é um sucesso editorial no Brasil?

9 08 2013

Yan-Nascimbene-19 Yan Nascimbene

Ilustração Yan Nascimbene.

Nesta semana o jornal gaúcho Zero Hora publicou duas matérias de interesse para quem se preocupa com a baixa taxa de leitura no Brasil.  O foco de ambas as publicações foi o número de volumes impressos por título.  Nos grandes centros do Brasil, parece que a leitura anda aumentando.  Cá pela zona sul do Rio de Janeiro, ir a uma livraria no fim de semana é ocasião certa de encontrar dezenas de pessoas se acotovelando, como se livros estivessem sendo distribuídos gratuitamente.  Além disso, podemos ter a certeza de encontrar casualmente vizinhos, amigos, colegas de trabalho que, sem combinação prévia, acabam emendando a compra de um livro em um bate-papo informal no café da livraria ou no café mais próximo.  Quer a livraria fique num shopping ou tenha portas abertas para a rua, o burburinho no local é de aquecer o coração de quem se preocupa com a educação brasileira.

Mas observando o número de exemplares publicados nas nossas edições de sucesso, os números parecem ridiculamente pequenos para o tamanho da nossa população.  As maiores tiragens de livros no país são de 600.000 – seiscentos mil – volumes.  Nesse nicho ficam os autores de grandes vendas internacionais como a trilogia iniciada com o volume 50 tons de cinza de E. L. James. O último volume da trilogia, 50 tons de liberdade, já saiu com mais de 500.000 – quinhentos mil —  exemplares impressos. Parece muito não é mesmo?  Mas somos 197.000.000  — cento e noventa e sete milhões – 600.000 exemplares são equivalentes a  ⅓ de 1%.  Parece insignificante.  E essa é a maior tiragem de um livro no Brasil.  Triste.

adam_pekalski menino dragãoIlustração Adam Pekalski.

Grandes sucessos editoriais de autores brasileiros têm ainda menores tiragens.  Aqui focamos nos brasileiros. Os dois títulos de maior tiragem são elevados pelas religiões em que se firmam.

Ágape, do padre Marcelo Rossi – 500.000

Casamento blindado de Cristiane e Ricardo Cardoso – filha e genro do Bispo Edir Macedo – 230.000

Só depois é que encontramos o mega-seller Laurentino Gomes.

1889 – tem edição de 200.000

Seguido por:

Manuscrito encontrado em Accra de Paulo Coelho  — 100.000

Luís Fernando Veríssimo – novo título ainda não divulgado – sairá com 100.000 também

Carcereiros de Dráuzio Varella – 80.000

Guia politicamente incorreto da filosofia – Luís Felipe Pondé – 50.000

A graça da coisa de Martha Medeiros – 50.000

Mas há também o que poderíamos chamar de círculo vicioso.  De acordo com o Consultor Editorial Carlos Carrenho, as tiragens grandes não refletem só a expectativa das editoras.  As livrarias também preferem os livros com maior tiragem.  De acordo com ele “A primeira coisa que as livrarias perguntam é qual a tiragem inicial. Usam a informação para avaliar o tamanho da aposta naquele título.”

Assim fica difícil quebrar barreiras.  Se as livrarias não estão interessadas em tiragens menores, como pode o autor aumentar as suas vendas até que consiga um número razoável em volume de venda?  Porque diferente de outros países as nossas editoras não se dedicam a promover os títulos que publicam.  Comparo com os Estados Unidos, onde morei por muitos anos, e não vejo por aqui a dedicação que as editoras de lá dão ao promover os livros que publicam.  É claro que lá também se pede muito dos escritores.  Eles viajam de uma costa a outra do país dando entrevistas e se encontrando com leitores em livrarias, cafés, grupos de leitura, exaustivamente.  Isso não vejo acontecer por aqui fora do eixo Rio-São Paulo.  Ocasionalmente sim, mas não regularmente.

Temos ainda muito o que fazer no Brasil.

FONTES:

Saiba quais são os livros de maior tiragem no Brasil

Tiragens iniciais gigantescas de livros indicam tendências de mercado e estratégia de vendas





O mutável mundo da literatura

23 10 2011

Em um barco, 1888

[Retrato da artista Maria Yakunchikova  e auto-retrato]

Konstantin Korovin (Rússia, 1861 —  França, 1939)

óleo sobre tela

Galeria Tretyakov, Moscou.

Muito assunto interessante foi ventilado no excelente artigo sobre a indústria do livro, no blog Roundtable, da revista literária Lapham’s Quarterly. Curtis White pondera sobre o que frequentemente esquecemos: a literatura é mutável.  Ela é tão viva quanto são vivas as indústrias de que depende.  Livrarias, editoras, críticos e mais recentemente as publicações de massa são todas entidades em constante mutação.  E no centro dessas forças mutantes está a disputa pelo poder de determinar o que se considera literatura.  O resultado depende de quem é a autoridade do momento.   Há algum tempo atrás eram os donos das editoras e de livrarias que definiam o que era literatura.   Hoje, estamos vendo a luta entre grandes grupos de leitores, clubes de leitura na televisão, por exemplo, que discutem livros através da mídia e as equipes de marketing das casas editoriais.

No passado podia até ser diferente.  Curtis White lembra que no século XIX havia pouca diferença entre o editor e a livraria.  Muitas vezes os editores arriscavam seus próprios pescoços – o perigo de processo e prisão podia rondar as casas editoriais.  Mas era comum que livrarias vendessem os livros que elas mesmas publicassem o que tornava a casa editorial um negócio que vivia do marketing direto.   Precedendo as “noites de autógrafos”, hoje populares em qualquer canto do mundo, o famoso editor John Murray, que correu sérios riscos ao publicar a poesia de Lord Byron, estabeleceu em sua livraria/casa editorial,  o programa Às quatro com amigos quando leitores poderiam ir tomar chá com o autor.

Terraço, 2007

Evert Thielen (Holanda, 1954)

têmpera sobre madeira, 40 x 50 cm

www.evertthielen.com

Essa conexão de livrarias com seus leitores continuou, apesar de estar morrendo, até os dias de hoje – mas só com as pequenas livrarias.   Nos anos 50 a 70 ainda havia nos Estados Unidos muitas livrarias que se orgulhavam do serviço que prestavam aos seus clientes.   Apesar da fácil acessibilidade a títulos de qualquer editora — realmente o sistema de distribuição nos Estados Unidos é extraordinário – as livrarias pequenas, independentes americanas passaram a oferecer exatamente o que as grandes livrarias em cadeia ofereciam, com pouquíssimas exceções.  No final dos anos 90 praticamente só as grandes cadeias de livrarias compravam títulos de editoras de pequeno ou médio porte.

Para Curtis White a desmoralização do serviço que livrarias prestavam aos seus clientes vem de ter-se mantido, nos EUA, um modelo baseado na década de 1930, que não funciona mais nos dias de hoje:  a consignação.  Esse modelo se baseava em representantes das editoras – pessoas que não liam e que não entendiam nada sobre os livros que vendiam –  que iam de livraria em livraria colocando livros em consignação, como se livros fossem mercadoria que estivesse enchendo armazéns e de quem alguém precisasse se desfazer colocando à venda em qualquer lugar.  As livrarias, por sua vez, aceitavam esses livros como se estivessem adquirindo decoração para suas lojas, para que afinal se parecessem livrarias.   Pois o que interessava mesmo eram os livros que tinham vendas garantidas tais como memórias de celebridades, confissões de políticos que estavam no ocaso de uma carreira política, livros óbvios de auto-ajuda,  que eram colocados nas mesas de maior evidência na entrada desses estabelecimentos.

Meninas lendo, 1965

Norman Neasom (Inglaterra, 1915-2010)

aquarela

O grande problema do sistema de consignação como foi instituído é que permite que as livrarias,  sem gastar um centavo, tenham acesso a novos livros, novos títulos e retornem todos os livros que a editora mandou meses atrás, sem que haja ou que tenham tido qualquer interesse, ou feito qualquer esforço para que a venda desses livros se concretizasse.   Essas livrarias não conseguem vender os livros porque ninguém trabalhando nelas lê ou se dá ao trabalho de ler esses livros.  Tornou-se consequentemente um círculo vicioso.

Mas agora, as coisas ainda estão piores, como escritores e poetas independentes descobriram.  Nos últimos dez anos, para todos nós que nos acostumamos com o auxílio do computador, o ato de comprar um livro está cada vez mais dependente da oferta eletrônica da Amazon, do Google e talvez da Barnes & Noble.

Especialistas – no caso John O’Brien , editor  – consideram que o maior perigo para a indústria editorial nos EUA está na Amazon.  A companhia virtual está agora tomando o lugar de distribuidora e editora e não há casa editorial que possa competir com isso.   John O´Brien esá convencido que a Amazon procura o controle da publicação e da distribuição, o que para ele seria uma horrenda perspectiva já que a companhia teria o poder de determinar o que pode ser publicado e em que termos.   Quando isso acontecer eles poderão estipular o preço dos livros e estabelecer aqueles que se tornarão best-sellers.   Ao que tudo indica, eles poderão fazer isso porque parece que serão – no futuro, talvez até no futuro próximo — a única companhia no mercado.  As grandes casas editoriais dos Estados Unidos  estão por sua vez acreditando que o futuro está incerto já que tudo leva a crer que só duas companhias estarão no mercado editorial: Amazon e Google.   A possibilidade de falência para todas as outras é real.

Sob os eucaliptos, s/d

Claude Fossoux (França, 1946)

óleo sobre tela, 60 x 73 cm

A maior nota de precaução fica com a seleção que a Amazon e até a Google venham a fazer sobre o que publicar.  Apesar de Curtis White prever um futuro desastroso para as publicações literárias – de literatura como a conhecemos, sem necessariamente ser um sucesso financeiro – eu acredito que alguma solução que ainda não conhecemos virá ao nosso encontro, uma outra maneira de se publicar aquilo que pode não ser lucrativo.  Basta haver um problema para podermos pensar num caminho para a solução.  Os seres humanos continuarão a escrever.  A escrever tanto a prosa ou poesia comerciais quanto aquelas que podem até ter maior significado mas que não teriam apelo financeiro para o grande público.  Isso não vai mudar.  Os seres humanos continuarão a ser criativos.  Tanto os escritores quanto os homens de negócios. E alguma solução, alguma nova maneira de conduzirmos o comércio da literatura virá a aparecer.  Afinal como Curtis White mencionou no início, muitas foram as mutações da literatura.

©Ladyce West, 2011





Dez milhões de futuros escritores na língua inglesa, será?

13 11 2010

Ilustração, Onde está Wally?  — de Martin Handford.

A revista americana More Intelligent Life publicou um artigo by Alix Christie, intitulado We ten million, que me deixou estarrecida quando li a projeção matemática, feita pela autora, sobre o número que pessoas que gostaria de ter sua obra publicada.  Ainda que o artigo enverede pelos caminhos da frustração de um escrito desconhecido ao receber cartas e mais cartas de rejeição, o que me impressionou DE FATO, foi a simples matemática que ela menciona ao calcular o número de aspirantes à carreira de escritor.  Se você estiver interessado em saber como um escritor se sente com essas rejeições de ano após ano, sugiro que siga o link nessa postagem.  Por outro lado, vou fazer a tal matemática da autora. 

Alix Christie acredita que esteja perto de 10.000.000 [isso mesmo, dez milhões] o número de pessoas que pretendem publicar seus primeiros livros, em inglês.   Como chegou a essa figura?  É fácil.  Começou com o número de novos títulos publicados anualmente no mundo, aproximadamente: 250.000.  Voltou-se então para o número de novos títulos publicados anualmente em inglês: 100.000.   Esses manuscritos, por sua vez, devem representar, mais ou menos, ¼ dos livros representados por agentes.  100.000 x 4 = 400.000  Mas este número é na verdade uma pequeníssima porção dos manuscritos que esses agentes receberam para representar.  Ela acredita que possa ser 1/10, ou seja:  400.000 x 10 = 4.000.000 manuscritos nas mãos de agentes, por ano.  Se levarmos em conta que nem todo pretendente a escritor tem um agente, o número de 10.000.000 mencionado anteriormente parece bastante razoável.  

Não é de arrepiar?





Leitura aumenta graças à Copa!

18 05 2010

 

A Copa do Mundo fez crescer o volume de lançamentos de livros relacionados ao esporte no Brasil. De olho nos leitores fanáticos por futebol, editoras lançaram no mercado mais de dez títulos ligados ao tema, que tratam desde listas de melhores atletas até dados históricos, apostando que a empolgação com a proximidade do torneio também impulsione as vendas. E os resultados já começam a aparecer: só nas lojas da Livraria Cultura foi registrado um aumento de 460% nas vendas de títulos relacionados a futebol no primeiro trimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, e a perspectiva é de que as vendas aumentem ainda mais com a proximidade do torneio.

O mercado editorial evoluiu bastante no que se refere a futebol. A Copa é uma efeméride e atrai interesse de obras sobre as seleções, especialmente. Antes não vendia porque fazia-se livros sobre futebol voltado para antropólogos, filósofos, acadêmicos de modo geral. Hoje fazemos livros voltados para torcedores, e nossos números não param de crescer“, afirma Pedro Almeida, publisher da Editora Lua de Papel.

A mais ativa dentre as editoras que decidiram apostar na Copa do Mundo foi a Contexto. Ao todo, nove volumes foram colocados no mercado pela empresa. Seis livros fazem parte de uma coleção intitulada “Os Onze Maiores do Futebol Brasileiro” – técnicos, goleiros, laterais, volantes, camisas 10 e centroavantes. Entre os autores estão jornalistas esportivos de renome, como Milton Leite, Marcelo Barreto e Sidney Garambone. De acordo com a editora, a ideia foi contar com jornalistas conhecidos para chamar a atenção dos leitores. Outros dois livros lançados pela editora também prometem levantar discussões: “As Melhores Seleções Brasileiras de Todos os Tempos” e “As Melhores Seleções Estrangeiras de Todos os Tempos“.

Contudo, o livro da Contexto que, embora trate de futebol, extrapolou o foco de livro de História foi “O Futebol Explica o Brasil: Uma História da Maior Expressão Popular do País“, do jornalista Marcos Guterman. A obra trata da ligação do esporte com a sociedade brasileira, desde a chegada ao País pelas mãos (e pés) de Charles Muller até a Copa de 2002 e teve como base a tese de mestrado apresentada por ele. “O livro foi lançado em novembro justamente para escapar do rótulo de lançamentos da Copa, mas entrou no pacote da editora por causa do mundial. Hoje ele é encontrado na prateleira de esportes, mas ele é um livro de História“, conta Guterman.

Grande parte dos lançamentos nessa véspera da Copa do Mundo trata, no entanto, sobre a história do evento. E nenhum dos livros lançados atingiu a profundidade que “O Mundo das Copas“, do jornalista Lycio Vellozo Ribas, conseguiu. Em uma obra de mais de 600 páginas, ele traz uma verdadeira enciclopédia sobre a competição, com fichas técnicas e textos sobre todos os jogos da história do torneio, iniciada em 1930, além de resultados de eliminatórias, curiosidades e estatísticas sobre todos os atletas que já participaram da mais importante festa do futebol. “Cada Copa é influenciada por tudo o que acontece ao redor, então também cito fatores extracampo, como política“, explica.

Entre os livros sobre futebol, o de Ribas vem obtendo os melhores resultados de vendas nas livrarias. “Nossa ideia era de fazer um produto numa tiragem limitada, visto que se trata de uma obra para venda num período curto, de pouco mais de 70 dias. E enfrentamos outro dilema: trabalhar com um preço bem acessível. Assim, tivemos de encarar uma edição gigante, de 30 mil exemplares. Ficamos apreensivos no lançamento, mas na segunda semana percebemos que tínhamos acertado nas apostas de tiragem e preço. Mais de 70% da tiragem já está vendida“, conta Almeida, da Lua de Papel, responsável pela publicação de “O Mundo das Copas“.

O sucesso já faz a editora pensar em lançar uma segunda edição ao fim da Copa da África, atualizada com o que ocorrer na competição. Ribas, que também mantém um blog para promover o livro, já está trabalhando na atualização. “Mas, se o Brasil for mal na Copa, pode diminuir o interesse dos leitores“, admite.

Outra editora que também está apostando em livros sobre a história das Copas do Mundo é a Panda Books, que lançou no mercado duas obras por conta da competição: “Os 55 Maiores Jogos das Copas do Mundo“, de Paulo Vinícius Coelho, e “A História das Camisas de Todos os Jogos das Copas do Mundo“, do jornalista Rodolfo Rodrigues, do colecionador e administrador Paulo Gini e do ilustrador Maurício Rito – um livro com desenhos e histórias dos uniformes que cada seleção usou em jogos de Mundiais. Já a editora Girassol aposta no livro “A História da Copa do Mundo“, oficial da Fifa, que tem como diferencial a capa em formato e com textura de bola de futebol.

Os bons números de vendas e a empolgação dos torcedores ajuda, assim, a reforçar o mercado de publicações sobre futebol no País. “Na Europa sempre se vendeu mais livros sobre futebol, mas nosso mercado cresceu muito nos últimos anos e hoje conseguimos colocar livros sobre futebol nas listas de mais vendidos, o que não tem acontecido por lá“, conclui Almeida.

 

MÁRIO SÉRGIO LIMA, COM COLABORAÇÃO DE WLADIMIR D’ANDRADE – Agência Estado




O futuro dos livros impressos: há esperanças!

7 05 2010

 

No início deste ano, a maioria dos jornais, tanto aqui no Brasil como lá fora, fez retrospectivas da 1ª década do século.  Houve muitos best-sellers em diversos campos de publicações para que se tenha uma boa perspectiva do mercado editorial aqui e no mundo.  Às vezes a aparição do livro eletrônico parece confundir um pouco o assunto.  O sucesso dos leitores eletrônicos [ A Amazon teve um sucesso enorme de vendas com o seu kindle no Natal passado] e  o lançamento dos livros eletrônicos da Google; o aumento de todos nós com a dependência da leitura de livros e documentos na rede] tudo parece estar contribuindo para uma grande mudança no mercado.  Essa previsão traz insegurança entre os editores.  É  natural que o  tradicional mundo editorial esteja cauteloso quanto ao futuro.  Mas tudo indica que a venda de livros — quer impressos ou eletrônicos —  ainda tenha um futuro brilhante.  No Brasil a venda de livros continua a crescer de ano para ano, mas há editoras que mostram relutância em se engajarem no mercado eletrônico.  É difícil dizer como o leitor brasileiro irá se comportar num mercado que ofereça tanto o livro em papel quanto o livro eletrônico.  No entanto acredito que o mercado editorial ande mais temeroso do que deveria estar e previsões de uma catástrofe editorial não parecem realistas.    

A crítica literária, ou os intelectuais, por  outro lado, esperneiam se comiserando quanto a qualidade do produto que é publicado, porque não vê crescimento no que considera “leitura de substância”.  Realmente para editoras poderem crescer e lucrar [afinal minguém abre uma editora para perder dinheiro, é um negócio como qualquer outro] elas terão que oferecer mais daquilo que o publico deseja.  Com esse assunto em mente, lembrei-me de um perfil sobre o sucesso das publicações na primeira década do século desenhado por Lee Ferguson, para a CBC News e fui de volta às minhas notas.  Coloco aqui o artigo publicado no final do ano passado, em 5/11/2009, pela  CBC News  do Canadá, intitulado Reading the signs: the biggest publishing phenomena of the decade, [Interpretando as pistas:  o maior fenômeno de publicação da década], para consideração das modas e do que fez sucesso nos últimos dez anos.  Vou traduzir esse artigo livremente, do inglês, para que todos nós possamos considerar os pontos mencionados, quando possível coloquei os títulos em português.

“Neste final de década com uma indústria editorial sofrida que tenta sobreviver à crise econômica, há um vigoroso debate sobre o futuro.  E tudo indica o final precoce da palavra impressa.  Mas, se olharmos para os livros e para as tendências editoriais que marcaram a primeira década do século, vemos uma realidade diferente.  Os leitores, por mais cansados que estivessem não chegaram a perder a fé nos livros. 

 

Conectando-se:

Um dos subprodutos da era digital é o excesso de informação.   Não obstante, um bom número de escritores decidiu navegar pelo pântano de idéias e trazer para a superfície algumas significativas conexões.   Thomas Friedman delineou as “pressões” que fazem o mercado global um campo de batalha igual para todos no seu O mundo é plano: uma breve história do século XXI (2005), enquanto Steven D. Leavitt e Stephen Dubner usaram teoria econômica para explicar tudo desde de uma gangue de drogas de Chicago até as taxas de abortos no Freaknomics (2005).  O ensaísta nova-iorquino Malcolm Gladwell pode até ser considerado o mestre deste curioso sub-gênero.  Conseguindo sucesso com Blink: a Decisão Num Piscar de Olhos (2005) e  Fora de série: outliers (2008) seu estilo popular levando em consideração símbolos accessíveis a todos desde A rua Sésamo aos calçados Hush Puppies, fez dele uma das modas que ele mesmo descreveu no livro O Ponto da Virada (2000).

 

O código Da Vinci:

Salman Rushdie o considerou “um livro tão ruim que dá aos livros ruins um nome ruim”.  Mais de 80 milhões de leitores discordam.  Publicado em 2003, a aventura com uma trama bastante intrincada sobre um professor de simbologia que tenta resolver um assassinato no Louvre, explorou tudo aquilo pelo que os leitores do mundo inteiro precisavam:  mistério, religião, locais exóticos e teorias de conspiração com o Santo Graal e Maria Madalena adicionados para ficar no ponto.   O código Da Vinci deu a todo mundo um tópico de conversa e se transformou no livro mais popular da década. 

 

 

Ilustração Walt Disney, Minie escolhe um livro.
 
 

O debate sobre Deus:

Deus esteve na frente  e no centro de diversos livros na década.  Um grupo de escritores ateus desacreditou de sua existência: O fim de fé de Sam Harris (2005), Deus não é grande: como a religião envenena tudo de Christopher Hitchens (2007) e  Deus, um delírio de Richard Dawkins (2006). (Este último gerou uma pequena indústria de repostas raivosas que incluíram títulos como O ateu iludido [De Douglas Wilson] e O dilema de Dawkins: iludido ou não [de Michael Austin – não traduzido no Brasil]).  Dois dos livros mais rigorosos e reflexivos da década sobre espiritualidade forma publicados graças a teóloga Karen Armstrong [ Em defesa de Deus – The case for God – não achei a tradução no Brasil] e Deus é, do autor premiado com o Prêmio Giller, David Adams Richards [sem tradução no Brasil].  Não há claros vencedores no debate religioso, só uma sensação muito forte de que todo mundo nos anos 2000 estava no meio de uma crise de fé.  Mesmo assim, as vendas na Bíblia subiram vertiginosamente. 

 

Fato ou ficção?

Como Joan Didion e Dave Eggers podem provar a primeira década do século foi uma ótima época para as lembranças.  Mas depois que o livro aprovado por Oprah [Winfrey] Um milhão de pedacinhos de James Frey mostrou ser uma coleção de eventos exagerados e emocionalmente explorados, a rainha vesperal da televisão o derrubou com estrondo pelo mundo inteiro.  A autobiografia se tornou subitamente suspeita, e autores de J T Leroy [Maldito coração, Sarah] a Herman Rosenblat {não encontrei seus livros publicados no Brasil] foram chamados de falsos.   David Sedaris, [Pelado, Eu falar bonito um dia, De veludo cotelê e jeans: crônicas autobiográficas, Engolido pelas labaredas] uma das verdadeiras estrelas literárias da década, foi um dos poucos memorialistas a aparecer sem prejuízos, talvez porque tenha sempre tido o bom senso de admitir que mistura ficção com realidade.

 

Literatura de mulherzinha:

Na primeira década do século houve uma onda da mania Bridget Jones; uma meia dúzia de autoras criaram uma nova safra de personagens de sucesso, tais como Os delírios de consumo de Becky Bloom [Sophie Kinsella], Diários de Nanny [Emma McLaughlin and Nicola Kraus], O diabo veste Prada [Lauren Weisberger], o cânone de Candace Bushnell [ Janey Wilcox: Alpinista Social, a série de livros Sex and the City]: heroínas em grande parte neuróticas, com empregos agonizantes em Manhattan, sempre à procura de um Martini e de um bom par de sapatos.   Já que livros com capas cor de rosa provaram ser de grande sucesso econômico – o consumismo de Becky Bloom virou uma franquia – parece provável que as pernas torneadas da literatura de mulherzinha continuarão a ter sucesso na década começando em 2010. 

 

 

Ilustração de Jonathan Burton, inspirada num quadro de Seurat.

 

A nova vanguarda global:

 

Quando o romance pluri-cultural, passado num bairro ao norte de Londres de Zadie Smith, Dentes Brancos foi publicado, no ano 2000, ele abriu uma das tendências mais interessantes da década: a ficção global.  A cacofonia de diversas vozes se seguiu com: a tragédia de Khaled Hosseini retratada em O caçador de pipas;  a ode de Monica Ali [Um lugar chamado Brick Lane] aos imigrantes de  Bangladesh, de 2003;  e O Tigre Branco, de Aravind Adiga, sobre a Índia desconhecida, que lhe deu o Man Booker em 2008.  Nesse ínterim o autor de origem libanesa nascido em Montreal Rawi Hage nos seduziu com o De Niro’s Game (2006) e Cockroach (2008), [seu único título no Brasil, sai este ano, Exílio, agora em maio] provando que a excelência literária não pertence só ao grupo de homens caucasianos de meia idade. 

 

Tudo virou verde:

 

Ele não foi eleito president, mas Al Gore mesmo assim deixou sua marca quando em 2006 lançou o livro (acompanhado do filme) Uma verdade inconveniente.  Seu livro foi um de muitos sobre os efeitos do aquecimento global, na década que viu títulos tais como Hell and High Water [não traduzido para o português, o título do autor Joseph Romm encontrado nas nossas bandas é Empresas Eco-eficientes] e Field Notes from a Catastrophe  [ da autora Elizabeth Kolbert, cujo único livro em português que encontrei foi Planeta Terra em Perigo, que não sei se é o mesmo — os títulos são muito diferentes].  Mas talvez a voz mais pungente no assunto tenha sido a de Tim Flannery, o cientista australiano cujo livro Os Senhores do Tempo – O Impacto do Homem nas Alterações Climáticas e no Futuro do Planeta (2006) baixou nas livrarias com a força de uma tsunami. Com sua escrita clara e urgente e pesquisa meticulosa, o sucesso de vendas de Flannery convenceu os leitores de que a hora da mudança era agora.

  

Os narradores diferentes:

 

Uma menina assassinada que se comunica do além (Uma vida interrompida, de Alice Sebold); um menino autista participante de um inexplicável mistério ( O estranho caso do cachorro morto de Mark Haddon); um hermafrodita preso entre gêneros ( o livro de Jeffrey Eugenedes, Middlesex) – esses foram alguns dos personagens que nos fascinaram com suas histórias excêntricas na década passada.   E, ao longo do tempo, os protagonistas deixaram de ser estranhos para serem verdadeiros trapaceiros.  O quase sinistro monólogo do paquistanês em  O fundamentalista relutante, de Mohsin Hamid e o sobrevivente de naufrágio que passou sete meses num barco com um tigre de Bengala de 200 quilos, no livro A vida de Pi, de Yann Martel forçaram os leitores a questionarem suas próprias percepções dos acontecimentos da década, quando histórias da carochinha e narradores pilantras apareceram em grande número.

 

Ilustração, Maurício de Sousa.

 

Alimento para o cérebro:

Graças a Eric Schlosser com seu alarmante País Fast Food (2001), muitos de nós começamos a década conscientes de que nunca mais olharíamos para um nugget de frango do MacDonald’s da mesma maneira.   Um imenso bufê de livros sobre comida foi então produzido com escritores alardeando de tudo, desde a dieta ecologicamente correta, à vida orgânica, aos méritos da gordura.    Precisamos da tentadora prosa do jornalista Michael Pollan para nos sentirmos felizes de novo com uma refeição.  Pleiteando ingredientes verdadeiros e uma refeição simples ao invés de substâncias que parecem comida, em ambos os livros Em defesa da comida: um manifesto e The Omnivore’s Dilemma: A Natural History of Four Meals [não traduzido para o português] Pollan nos ajudou a fazer sentido de novo da nossa comida.

 

 

Harry Potter/ Crepúsculo:

Se alguns livros de ficção pareciam obrigatórios para todos, um outro gênero pareceu até mesmo ainda mais sedutor sobre os leitores: a fantasia.   A medida que pequenos Trouxas lutaram para ter em suas mãos o último volume da série do Harry Potter, J. K. Rowling se tornou a primeira escritora bilionária do mundo.  Assim que a mania de Harry Potter parecia estar diminuindo, os românticos sugadores de sangue de Stephanie Meyer da série Crepúsculo deram às meninas adolescentes e às editoras à procura de lucros alguma coisa do que falar. “

 

***





Romances celulares, você leria?

22 02 2009

CELL NOVELS-assembled image.indd

Há dois meses, no final de 2008 li uma reportagem de Dana Goodyear na revista The New Yorker que me deixou ao mesmo tempo feliz e preocupada.  O artigo chamado Carta do Japão: eu romances, considera que em 2007 quatro dos cinco romances mais vendidos no Japão haviam sido escritos em telefones celulares.  

 

Dana Goodyear centralizou seu artigo na experiência de Mone uma jovem de 21 anos que em março de 2006, achando-se casada, sem muito o que fazer, começou a escrever um romance, em grande parte baseado nos seus próprios diários de adolescente.  Na casa de sua mãe, à espera do marido completar um curso em Tóquio,  Mone se acomodou em sua antiga cama e começou a escrever seu romance no telefone celular.  Neste mesmo dia ela começou a postar o que escrevia num portal japonês chamado Maho i-Land ( A Ilha Mágica), sem nunca dar uma segunda olhadela no que havia escrito nem pensando num roteiro.  No terceiro dia de postagem Mone começou a ter contato com leitores de sua prosa que já se encontravam intrigados com as aventuras de Saki, personagem que narra o romance em questão.  O Sonho Eterno, nome que dera aos seus escritos, havia conquistado leitores que lhe pediam mais capítulos.

 

cell-writing-elizabeth-o-dulemba

 

Em meados de abril Mone havia terminado seu primeiro romance, dezenove dias depois de ter iniciado o trabalho.  Nesta altura, seu marido também acabara o curso e ela voltou a Tóquio.   Eis que de repente ela se vê procurado por uma casa editorial que queria publicar seu romance como um livro comum.  Em dezembro de 2006, o livro,  O Sonho Eterno, com aproximadamente 300 páginas foi lançado e distribuído pela Tohan, transformando-se imediatamente num dos dez mais vendidos livros do Japão em 2007.  No final daquele ano, romances escritos em telefones celulares haviam tomado 4 dos 5 primeiros lugares de mais vendidos em ficção.  O romance Linha vermelha de Mei, vendeu 1.800.000 exemplares, e ficou em segundo lugar para o romance Céu de Amor, de autoria de Mike, conseguiu o primeiro lugar em vendas.  

 

Estes escritores hoje em dia chamados de escritores de celulares conseguiram depois deste sucesso serem completamente reconhecidos como parte de um movimento cultural.  Inicialmente houve um grande rebuliço nas letras japonesas.  Muitos temiam que esta literatura, em grande parte direcionada a adolescentes viesse a acabar com a tradicional arte da escrita japonesa.  Mas logo descobriram que este não é o caso. 

 

Para jovens japoneses, e especialmente para meninas, os celulares são sofisticados, baratos e há mais de dez anos facilmente conectáveis com a internet.  Na verdade, 82% dos japoneses entre 10 e 21 anos de idade usam telefone celular.  Há uma geração inteira crescendo acostumada ao uso do celular como um mundo deles portátil, por onde eles compram, usam a internet, jogam videogames, vêem televisão em portais na web explicitamente dedicados aos celulares. 

 

cell-writing2

 

Este fenômeno daqui a pouco deixará de ser só japonês.  Com os novos IPhone e com serviços de entrega de textos como Twitter, os hábitos americanos estão no momento se desenvolvendo paralelamente aos japoneses.  Há nos EUA dois portais Quillpill e Textnovel, ambos ainda em beta, que oferecem modelos para a escrita e a leitura de ficção em celulares.  

 

A indústria editorial japonesa que havia encolhido por mais de 20% nos últimos 11 anos, abraçou o fenômeno da ficção celular com gosto.  Editoras já começam a contratar escritores para este tipo de ficção, e a distribuir capítulos dessas histórias por uma pequena taxa.  É a volta dos seriados, tal qual muito livros do século XIX foram escritos, com a diferença de terem sido publicados nos jornais.  Em 2007, 98 romances originalmente produzidos em celulares foram publicados em forma de livro.   Mais uma vez a internet mostra também como o a rede de conhecimentos de uma pessoa pode servir de base para o apoio inicial e para o sucesso mais tarde de um membro da sociedade.  Como Yoshida – um executivo em tecnologia – descreve, é um esforço coletivo.  Seus fãs lhe dão apoio e o encorajam a continuar no seu processo criador,  — eles ajudam na criação.   Depois eles compram o livro para re-afirmar aquela conexão, aquela “amizade” que têm com o autor.  

cell-writing-drawing-by-anthony-zierhut

 

Sozinhas estas jovens adolescentes escritoras e leitoras de ficção no celular estão mudando os costumes tradicionais.  Agora, para esta geração o sinal da tribo, é gostar de ler.  

 

Com tanto sucesso em ficção,  por que eu fiquei ao mesmo tempo feliz e preocupada?  Feliz, porque acho que qualquer incentivo à leitura é positivo. A leitura expande os conhecimentos, a imaginação.  Ela fertiliza o cérebro, ela nos mantem flexíveis nos modos de pensar, de ver e de calcular.   Preocupada, bem, fiquei mais com a escala da diferença tecnológica brasileira.  Por mais que tenhamos grandes cérebros trabalhando no Brasil em tecnologia, tenho a sensação de que o abismo entre as sociedades mais desenvolvidas tecnologicamente e nós se aprofunda.  Contrariando muitas projeções de desenvolvimento e de capacitação.  Isso é preocupante.   E muito.

 








%d blogueiros gostam disto: