Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público

9 04 2019

 

 

 

photo_41_28_70_binkawest_1147561947_fDezembro 2018, Leblon, Rio de Janeiro.

 

Já perdi a conta do número de pessoas que me pede a volta dessa popularíssima faceta do blog da Peregrina. Cansei.  Mas reconheço a fascinação que essas fotos, sob o nome de: Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público, têm exercido sobre os nossos visitantes. Volto a tentar manter as fotos que servem de inspiração a leitores e a fotógrafos.





Na tradição clássica: Nascimento de Dionísio

10 01 2019

 

 

 

dyonisos

 

Ânfora com o nascimento de Dionísio, entre 500 — 490 a. E.C.  [DETALHE]

Atribuído ao Pintor de Diosfos

Local de criação: Grécia, Sterea Hellas Evoia, Ática

Estilo grego, arcaico, com figuras negras

Argila, 20,5 cm, 12, 8 cm, 11, 8 cm diâmetro

Bibliothèque nationale de France

 

Lado oposto: Cena com Atenas e Hércules

 

 

O nascimento de Dionísio, deus grego, se prestou a diversas representações nas artes desde éa Grécia Antiga aos dias de hoje.  Dionísio teve como progenitores Zeus e Sêmele, que foi uma princesa de Tebas, filha de Cadmo, herói fundador daquela cidade.  Sêmele, de grande beleza, acabou seduzida por  Zeus , que se disfarçou de homem comum.   Para conquistá-la  Zeus prometeu a Sêmele  nunca lhe negar qualquer desejo.  Nesse meio tempo,  Hera, que já era casada com Zeus, não gostou da traição do marido e irmão.  Tomada por ciúmes,  Hera construiu um plano para se desfazer de Sêmele.  Disfarçou-se  de serva da princesa, e acabou por convencer a jovem a pedir uma prova de amor de Zeus. Queria que ele demonstrasse que  era quem dizia ser e que viesse vê-la com as roupas mais brilhantes que conseguisse.

É preciso lembrar algo importante para o desenrolar desta história.  A existência do rio Styx (Estige)  fronteira entre o céu e o inferno e caminho para a entrada ao submundo depois da morte, tinha águas com poderes milagrosos, tornando invulnerável quem nelas mergulhasse. Uma promessa feita  pelo rio Styx (Estige) era o voto mais sagrado que poderia ser feito.  E qualquer promessa não cumprida, Styx cobraria. Por isso, todos os juramentos feitos pelos deuses eram feitos à margem de suas águas, sendo obrigados a cumpri-los.  Por isso Zeus se  encontrou-se em dificuldades para atender ao pedido de Sêmele.  Acabaria por contrariar sua própria palavra ao Styx.

Zeus cumpriu a promessa feita à amada, consciente do que algo terrível lhe aconteceria, porque havia jurado pelo Styx,  rio da imortalidade, coisa que nem mesmo uma divindade poderia romper. Foi, então punido.  Sêmele transformou-se em pó.  Transformou-se em pó por não aguentar o brilho das vestimentas de Zeus.  Tudo que ele pode fazer foi salvar seu filho, retirando-o do ventre materno  aos seis meses de gestação, gerando-o em sua própria coxa, até o nascimento.

 

 

219a





Quem diria… — poesia infantil de Alzira Chagas Carpigiani

28 12 2018

 

 

 

http://csaimages.com/images/istockprofile/csa_vector_dsp.jpg

 

 

Quem diria…

 

Alzira Chagas Carpigiani

 

O gambá agora
anda elegante,
passa até perfume
e desodorante.
Ele pôs um fim
na tal história
do fedor danado.
Quer saber por quê?
Eu conto o segredo:
– O gambá cheiroso
está apaixonado!

 





Minutos de sabedoria: Olavo Bilac

11 10 2018

bote-fe-no-brasil

 

 

“A pátria não é a raça, não é o meio, não é o conjunto dos aparelhos econômicos e políticos: é o idioma criado ou herdado pelo povo.”

 

Olavo Bilac





Sobre Magritte, Murilo Mendes

26 07 2018

 

 

Magritte, o sobretudo de Pascal, OST, MenilO sobretudo de Pascal,  1954

[Le manteau de Pascal]

René Magritte (Bélgica, 1898-1967]

óleo sobre tela, 59 x 49 cm

The Menil Collection, Texas

 

 

“Todavia certos pintores — como também certos escritores — apesar de praticarem o culto do sonho e do inconsciente, que muito antes de Freud os ligava aos românticos (especialmente a Novalis, Achim von Arnin, Hoffmann e Nerval), não eram de fato uns instintivos, mesmo porque percebiam nitidamente a polaridade entre forças cerebrais e forças ancestrais. Em breve fundou-se uma linha divisória da teoria e da prática. Pascal escrevera: “Nous sommes automate autant qu’esprit“. Os revisionistas poderiam alterar a fórmula e dizer “Nous sommes esprit autant qu’ automate“. Não foi por acaso que alguns adeptos da doutrina passaram sem choque para o marxismo, que comporta, além de seu aspecto destruidor e polêmico, toda uma construção. O surrealismo, teoricamente inimigo da cultura, tornou-se num segundo tempo um fato de cultura; e muitos surrealistas, superando a técnica do automatismo, dispuseram-se a trabalhar com um método planificador. Por isso mesmo, quando há uns vinte anos atrás Breton procedeu em Nova Iorque à revisão analítica do movimento, a contragosto incluía Magritte entre os pintores surrealistas, insinuando que o seu processo de compor não era automático, antes plenamente deliberado”.

 

Em: Transístor, Murilo Mendes, Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 1980,p.188-9.

 





“Lápis coloridos” poesia de Maria da Gaça Almeida

25 05 2018

 

 

colorindo, Marli Soares Borges, aquarela_01Ilustração de Marli Soares Borges.

 

 

 

Lápis coloridos

 
Maria da Graça Almeida

 

Perfilados, apontados,
estão todos bem guardados
numa caixa tão bonita,
desenhada e com fitas!

São eretos, são brilhantes
coloridos, elegantes!
Têm o corpo de madeira,
têm a cor na cabeleira!

O azul colore o céu,
o verdinho aviva as folhas.
Pra pintar um bom painel,
o tom fica a sua escolha.

Tenho um sol brilhante e belo
com o lápis amarelo!
Lápis preto escurece
e o desenho entristece.

Com o branco passo apuros,
mas às vezes nele aposto,
sua cor em fundo escuro
quando vejo sempre gosto!
 





Nossas cidades: São Luís

15 05 2018

 

 

 

KAMINAGAI, Tadashi, São Luís,ost, 1953 e sit. São Luís inf. dir.,53 x 71,5 cmSão Luís, 1953

Tadashi Kaminagai (Japão, 1899 — França, 1982)

óleo sobre tela, 53 x 71 cm








%d blogueiros gostam disto: