12 de outubro de 1492: Descoberta das Américas

12 10 2017

 

 

Salvador Dali (Espanha, 1904-1989) A descoberta da América,  1959, ost, 410 x 284 cm, Museu de  São Petersburg o, Florida.jpgA descoberta da América,  1959

Salvador Dali (Espanha, 1904-1989)

óleo sobre tela,  410 x 284 cm

Museu de Salvador Dali

São Petersburgo, Flórida, EUA





Minha arma … Rosa Montero em “A História do rei transparente”

15 08 2017

 

 

RAMON CASAS (Espanha, 1866-1932)Entre capítulos, 1890-, ost, 41x 32, Museu Nacional d_art de Catalunya.Entre capítulos, 1890

Ramon Casas (Espanha, 1866-1932)

óleo sobre tela, 41 x 32 cm

Museu Nacional de Catalunha

 

 

“… A pena treme entre meus dedos a cada vez que o aríete investe contra a porta. Um sólido portão de metal e madeira que não tardará a despedaçar-se. Pesados e suados homens de ferro se amontoam na entrada. Vêm à nossa procura. As Boas Mulheres rezam. Eu escrevo. É a minha maior vitória, minha conquista, o dom do qual me sinto mais orgulhosa; e as palavras, embora estejam sendo devoradas pelo grande silêncio, hoje constituem minha única arma.”

 

 

Em: História do rei transparente, Rosa Montero, Rio de Janeiro, Ediouro:2005, página 9





Imagem de leitura — José Benlliure y Gil

11 07 2017

 

 

José Benlliure y Gil (Spanish, 1855-1914)A Good Tale, 'J. Benlliure' oil on panel, 21 x 32 cmUma boa história

José Benlliure y Gil (Espanha, 1855-1914)

óleo sobre placa,  21 x 32 cm





Grandes começos…

25 06 2017

 

 

 

Carlos ygoa ( espanha, 1963)-Lendo, ost, 60x73Lendo

Carlos Ygoa (Espanha, 1963)

Óleo sobre tela, 60 x 73 cm

 

 

“Sou mulher e escrevo. Sou plebeia e sei ler. Nasci serva e sou livre.”

 

 

Em: História do rei transparente, Rosa Montero, Rio de Janeiro, Ediouro:2005 — primeiras frases …





Palavras para lembrar — Jacques Attali

12 04 2017

 

 

barrau-laureanoLeitura ou lendo à janela, 1891

Laureano Barrau Buñol (Espanha, 1863-1957)

óleo sobre tela,  80x 64 cm

Coleção Particular

 

 

 

“Eu escrevo os livros que gostaria de ler.”

 

Jacques Attali

Salvar





Imagem de leitura — Josep Duran

18 03 2017

 

 

 

josep-duran-espanha-1849-1928-revendo-um-album-1872-ost-74x-98-museu-nacional-dart-de-catalunya

Revendo um álbum, 1872

Josep Duran (Espanha, 1849-1928)

óleo sobre tela,  74 x 98 cm

Museu Nacional de Arte da Catalunha

Salvar





Resenha: “Kafka e a boneca viajante”de Jordi Sierra i Fabra

11 02 2017

 

 

 

1939-524_wFooting no Central Park, 1905

William Glackens (EUA, 1870- 1938)

óleo sobre tela, 64 x 81 cm

Cleveland Art Museum

 

 

Em 2007 o Ministério da Cultura da Espanha deu a esse livro, Kafka e a boneca viajante, o Prêmio Nacional de Literatura Infantil e Juvenil. Desde então a publicação tem recebido atenção não só do público infanto-juvenil, mas sobretudo do leitor maduro, aquele que também sonha com um lado suave do escritor checo Franz Kafka, conhecido por obras angustiantes, de cunho surrealista como A metamorfose e O processo. A razão é simples não conhecemos toda a obra de Kafka, mesmo ele tendo morrido aos 40 anos em 1924.

Há ainda manuscritos de Kafka que não foram destruídos após sua morte, como o escritor havia instruído seu testamenteiro Max Brod. A ordem foi, na verdade, prontamente desobedecida. E alguns livros publicados. Mas nem todos. Estima-se que haja centenas de obras acabadas ou não, sem publicação. Hoje, são fruto de uma interminável batalha entre as atuais herdeiras e o estado de Israel. Além disso, Kafka, que era conhecido por muitos casos românticos, deixou em poder de sua última amante uma série de cadernos e cartas que foram confiscados pela Gestapo. Tudo isso suscitou através de décadas muitas teorias fantasiosas sobre o que restou. Entre elas estariam algumas cartas que Kafka escreveu de consolo a uma menina que ele encontrou chorando, num parque de Berlim. Ela estava triste com a perda de sua boneca. Essas cartas, que nunca foram encontradas, fazem parte das lendas do remanescente legado do escritor. Baseando-se neste causo romântico Jordi Sierra i Fabra escreveu a deliciosa e lírica narrativa de Kafka e a boneca viajante.

 

kafka_e_a_boneca_viajante_1305303527b

 

Firmemente apoiado nos relatos de Dora Diamant, última companheira de Kafka, que mencionou a existência das cartas, o autor tece uma história comovente, criativa e delicada de um “carteiro de bonecas” que recebe e lê as cartas que Brígida, a boneca fujona escreve para Elsi, a menina inconformada, de diversos lugares do mundo.

Jordi Sierra i Fabra entrelaça dados conhecidos da vida de Franz Kafka com o romance das cartas e o resultado é uma obra fina, sutil, sensível e agradável. Um relato em que o jovem leitor aprende um tantinho sobre o autor checo e pode se encantar com a história de Brígida.

A obra ganha muito com as ricas ilustrações de Pep Monserrat.

 

jordi-sierra-i-fabraJordi Sierra i Fabra

 








%d blogueiros gostam disto: