Resenha: “Regras de Cortesia”, por Amor Towles

18 07 2019

 

 

 

stella_brooklyn_bridgeA ponte de Brooklyn: variação sobre um tema antigo, 1939

Joseph Stella (Itália/EUA, 1877 – 1946)

óleo sobre tela, 178 x 107 cm

The Whitney Museum of American Art, Nova York

 

 

Encantada com Um cavalheiro em Moscou, do escritor americano Amor Towles, procurei seu primeiro livro, Regras de Cortesia, publicado sem grande fanfarra, no Brasil, em 2012, pela Editora Rocco, com tradução de Léa Viveiros de Castro.  Temerosa dessa leitura não chegar aos pés do feitiço da anterior, fui devagar à fonte, li outros autores no intervalo, para poder apreciar a obra de maneira mais distante.  Levei um pouco mais de tempo para sucumbir ao charme da voz narrativa de Amor Towles neste livro.  Mas acabei a leitura tão encantada quanto com o livro anterior. E hoje, não consigo me decidir qual deles mais me agrada.

Amor Towles traz para seus textos imagens novas em linguagem sedutora.  Regras de Cortesia se passa em um único ano. Cobre do Ano Novo de 1937-38 a dezembro de 1938.  A personagem principal, aquela que me fascinou, com a qual reconheci o verdadeiro espírito da nova-iorquina típica, cavadora, trabalhadora, desenvolta, diligente,  buliçosa, filha de imigrantes que acredita na possibilidade de crescer e subir na vida, é Katey Kontent que, vinda de Brighton Beach em Brooklyn, trabalha como  secretária numa firma de advocacia em Wall Street e mora na pensão da Sra. Martingale, junto a outras jovens como ela.  Katey está alerta para todas as oportunidades de crescimento. Neste fim de ano de 1937, está acompanhada da amiga, Eve Ross, jovem do interior do país, filha de pequenos fazendeiros, que também sonha em escapar do destino que lhe parece inevitável na cidade natal, fugindo para Nova York, a tentar sorte e fortuna.  Juntas passam uma das mais interessantes comemorações de Ano Novo, quando conhecem Theodore (Tinker) Grey, rapaz de família abastada, que ambas reconhecem como um bom partido, ainda que provavelmente fora de suas possibilidades sociais.  Temos aí o trio de personagens que constrói a história de Regras de Cortesia.

 

e7c3fbdbb4dbe7c102e03799ac51d50fac25712c

 

Mais do que a trama entre esses personagens, Amor Towles delineia uma Nova York excitante e cheia de possibilidades para quem consegue, como Katey Kontent,  navegar Manhattan de cima abaixo, dos bairros boêmios aos ricos fronteiriços ao Central Park.  Jovem e energética, Katey nos leva aos quatro cantos da ilha, passando por mais de um emprego, por uma gama de conhecidos das classes abastadas, através das quatro estações do ano.  Ao final de 1938 encontramos Katey no alto escalão de sociedade nova-iorquina como secretária da Condé Nast.  Um ano extraordinário para os três personagens cujas vidas se entrelaçam.

 

 

9-6-n_LibraryViveLeLivreCROPPED-622x313

 

Regras de Cortesia é um retrato de uma época, o retrato vibrante da grande cidade americana, no desenvolvimento que viria a torná-la a capital mundial depois da Segunda Guerra.  Através de Katey, Ema, Tinker e seus companheiros temos a sensação de rever o final da década de 1930, pós-Depressão e testemunhar o espírito que melhor define a maneira de ser nova-iorquina. Um excelente retrato do espírito da época, ou Zeitgeist. Leitura fartamente recomendada para quem gostaria de presenciar o espírito do que levou ao desenvolvimento de Nova York,  da segunda metade do século XX e dos EUA.

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem incentivos para a promoção de livros.

 

 





Cuidado, quebra: Vaso Vidro Soprado Século XXI

18 04 2019

 

 

71099840aa6080c138fd25db829d081a

Vaso Flor selvagem

Vidreiro Tom Michael (EUA, contemporâneo)

Vidro, forma livre, semi-transparente

Altura: 18 cm Diâmetro: 16 cm

www.tommichael.com

 

Vidro soprado, feito à mão e decorado com vidro saturado com prata.  Assinado e numerado. Vaso 5677.

 





Em três dimensões: William Henry Rinehart

8 07 2018

 

 

 

24233821.4386f90a.640Latona e seus filhos: Apolo e Diana, 1870 esta versão, 1874

William Henry Rinehart (EUA, 1825 – 1874)

Mármore, 117 x 167 x 78 cm

Metropolitan Museum of Art, Nova York

 

DETALHE

DUjSOO8WkAAHAIr

 

NOTA: Latona era uma deusa do anoitecer.  Filha de  Febe e Céos foi mãe de Apolo e Diana.  Amante de Júpiter. Ela era a deusa  associada à maternidade e protetora das crianças.

 

 

 





Imagem de leitura — Thomas Baker

23 11 2016

 

 

thomas-bakereua-contemporaneo-leitura-enfadonha-ost60-x-75-cmLeitura enfadonha

Thomas Baker (EUA, contemporâneo)

óleo sobre tela, 60 x 75 cm

Salvar





Imagem de leitura — Allen Tucker

26 10 2016

 

 

allen-tucker-eua-1866-1939retrato-em-cinza-920ost-76-x-63cmRetrato em cinza, 1920

Allen Tucker (EUA, 1866-1939)

óleo sobre tela, 76 x 63 cm





Palavras para lembrar — Adam Smith

18 07 2016

 

 

scott Harding (EUA,1965) Leitura de verão, ost, 28 x 36cmLeitura de verão

Scott Harding (EUA, 1965)

óleo sobre tela, 28 x 36 cm

 

 

“Os livros constituem um mundo melhor dentro do mundo.”

 

 

Adam Smith (1723-1790)





Cuidado, quebra! Figura Maia do século VIII

16 06 2015

 

 

METROPOLITAN, sec viii, figura em ceramica maia,Figura em indumentária completa, século VII-VIII

Cultura Maia, Península do Yucatan, México

Cerâmica policromada, 29 cm de altura

Metropolitan Museum, Nova York

Salvar





Esmerado: mocassins Kiowa

14 05 2015

87.88.57a,b

Mocassins de cano alto, c. 1890/1900

Kiowa – tribo Kiowa de Oklahoma

couro, camurça, tinta, metal e miçangas de vidro.

Museu de Arte de Portland, Oregon, EUA

In_Summer,_KiowaKiowas no verão, fotografia em platina colorida a mão, de Rinehart, F. A. — Biblioteca Pública de Boston.




Resenha de “Americanah”: um olhar sobre os EUA

21 01 2015

 

 

Heidi Berger, (alemanha, 1944) Leitura 2(1) 2010Leitura 2, 2010

Heidi Berger (Alemanha, 1944)

técnica mista

www.heidiberger.com

 

 

Americanah visa primeiramente o leitor americano, seguido de possíveis imigrantes. Gira, sobretudo, em torno das maneiras de inclusão e exclusão social por raça nos Estados Unidos, concentrando-se nas distinções e nas nuances sociais adotadas pela sociedade inteira: brancos, negros e todas as outras variantes de raça em que o país se subdivide. Lido por quem nunca viveu por lá, o romance corre o risco de dar origem a interpretações redutivas do escopo cultural daquela sociedade. Essa simplificação pode também ser uma barreira na apreciação do leitor estrangeiro aos diversos desdobramentos do romance que relata quase verbatim situações do cotidiano americano que passam despercebidas tanto pelos nativos – iludidos pela própria familiaridade da vida comum–, como pelos visitantes estrangeiros que não conseguem notar os diferentes matizes da ironia e da separação de tribos naquela sociedade. Mais do que isso, Chimamanda Ngozi Adichie, nascida na Nigéria, explora o ambiente para o qual imigra, de uma posição inigualável: observadora detalhista, estrangeira com forte identidade cultural nativa e negra. Consegue com essa base segurar um enorme espelho que reflete a sociedade americana, como um todo, com sua enorme classe média e os intelectuais politicamente corretos.

A pergunta é: estará o americano comum aberto a ver sua própria imagem de um ângulo diferente, incapaz de usar a desculpa de que a crítica vem de uma pessoa com os paradigmas colonialistas? Não sei. A julgar pela resposta de vendas do livro nos EUA, pode-se dizer que pelo menos uma boa parcela dos leitores do país tentou ver a América pelos olhos da autora. Não se pode deixar de frisar, no entanto, que muito do que foi escrito pela autora, não teria sido aceito não fosse ela africana e negra. Ninguém melhor do que ela, portanto, para chamar atenção sobre as pequenas variações de comportamento a que um imigrante precisa se submeter para finalmente se perder na nova sociedade que escolheu. A autora também tomou para si mostrar, através de exemplos, a complexa trama que suporta e separa, que desagrega e asfixia a população negra no país.

 

63ac4681-b75e-47e9-9640-887c215bf313

Não me surpreende que este livro tenha sido recipiente de um dos maiores prêmios literários americanos o National Book Critics Circle Award, além de ser considerado um dos dez mais importantes livros do ano pelo The New York Times, em 2013, é bem escrito e aborda um tema polarizante de maneira diferente. Em breve: a personagem principal, Ifemelu, criada na classe média nigeriana, consegue uma bolsa de estudos para uma pequena universidade no estado da Pensilvânia. Chegando lá tem que encontrar emprego para sobreviver e pagar ainda uma quantia que resta da bolsa de estudos parcial que recebeu. O trabalho que alavanca sua carreira é o de babá de uma família bem situada. Eventualmente Ifemelu namora o primo desta senhora para quem trabalha, o primeiro relacionamento sério que tem depois de ter deixado na Nigéria o amor de sua vida, Obinze. O namorado, um verdadeiro príncipe encantado, alto, louro, boa pinta, e rico, muito rico, a trata muitíssimo bem. Nesse meio tempo, Ifem [Ifemelu] que continuara com seus estudos, trabalha e começa um blog, que trata da visão de um negro africano sobre o racismo, os negros americanos, e também questões de identidade. O blog tem grande sucesso e logo logo Ifem se vê deixando o emprego para trás, pois consegue viver de palestras sobre esse tema, nas mais diversas localidades. Tem a vida perfeita, mas lhe falta algo. Eventualmente um novo relacionamento surge, desta vez com um professor universitário, negro, americano, intelectual engajado. O relacionamento é bom, mas Ifem depois de algum tempo percebe que há um espírito autoritário neste homem, que prefere a sua interpretação da realidade à dela. Passados quinze anos nos EUA, depois de uma pletora de experiências, Ifem, que ainda sentia que algo lhe faltava, embarca de volta à Nigéria. Encontra-se mudada. A dificuldade de se adaptar é inicialmente um choque. Procura o amor de sua vida e é só através dele, como vemos na última cena, que finalmente Ifemelu se rende em aceitar a Nigéria, em si mesma.

 

p018kb6nChimamanda Ngozi Adichie

 

A Segunda Guerra Mundial e suas consequências foram o mais importante tema literário do século XX, seguido próximo da imigração, problemas de identidade do imigrante e o retorno à terra materna. Mas o imigrante africano nos Estados Unidos é um tema novo, cheio de observações interessantíssimas. Chimamanda Ngozi Adichie tenta esgotá-lo. Mas há muito ainda a ser analisado. Digo que a autora tenta esgotar o assunto por sua intermitente tentativa de colocar a personagem Ifem em variadas circunstâncias, que depois sugerem uma entrada no blog, que nós leitores do romance acompanhamos a cada postagem. O blog é de longe a melhor parte dessa narrativa, misto de jornalismo e estudo antropológico, repleto de ironias e de fino humor, para mim, acabou sendo o ponto de apoio do romance. Por isso mesmo, há muitas ocasiões em que o enredo parece se contorcer para justificar uma entrada no blog. Isso leva a que detalhes sejam esquecidos ou muito levemente pincelados. Exemplos que vêm à mente são: a) a traição de Ifem ao príncipe encantado – algo que em nenhum lugar antes do evento o leitor é levado a desconfiar b) incomoda a falta de detalhes de como Obinze, o verdadeiro amor de Ifemelu, se torna milionário na Nigéria,depois de ter dado com os burros n’água na sua tentativa de imigração para a Inglaterra. Com 516 páginas, umas poucas frases para arrematar a história não seriam nenhuma adição extenuante ao romance.

De fato, esta observação leva a outra crítica: será que realmente a autora precisava de meio milheiro de páginas para contar sua história? Esta se encomprida no meio, parece repetitiva. Mesmo intrigada pelo retrato da sociedade americana que conheço bem, achei que a autora deu muitas voltas, desnecessárias, para levar a história à frente. Senti falta do editor que aconselha ao corte, que ajuda o escritor a se tornar mais leve, menos narcisista com seu texto. Por tudo isso, recomendo com algumas restrições ao leitor brasileiro, o romance Americanah.

 

 

Nota: tenho que agradecer às integrantes do grupo de leitura Papa-livros que me ajudaram a esclarecer alguns pontos importantes dessa leitura. Em ordem alfabética: Camille Ramos, Chaia Zismán, Inez de Mello e Souza e Maria Eugênia Pondé. Obrigada, meninas, pelo carinho.





Imagem de leitura — Carl Aldana

19 10 2014

 

 

Carl_Aldana (Guatemala, Guatemala, 1938)Susan folheando, 1992

Carl Aldana (Guatemala/EUA, 1938)

 








%d blogueiros gostam disto: