Jacques Le Goff: um adeus sentido

3 04 2014

540px-Roi_de_France_Louis_IX_en_mer_vers_TunisSão Luís rumo à Tunísia, em sua segunda cruzada, depois de 1332, antes de 1350.

Mahiet, Mestre do Missal de Cambrai

Cambrai, Bibliothèque municipale ms. no. 224

Há pessoas que nos influenciam apesar de nunca as termos visto ou encontrado.  Devo muito a Jacques Le Goff, o grande historiador que faleceu dia 1º aos noventa anos, em seu país de origem, França. Não, ele não sabia da minha existência. Nunca trocamos uma palavra em carta, email, telefone. Ao que eu saiba não temos amigos em comum. Mas seus livros fizeram parte da minha vida, uma grande parte da minha vida.

Não fui uma criança prodígio. Não descobri em tenra idade aquela habilidade que outros dissessem, “vá estudar história da arte …  Você tem sensibilidade nata para o assunto“. Pelo contrário, cheguei aqui por caminhos tortos, becos sem saída, pela constante reinvenção e redirecionamento dos meus objetivos. Quem hoje examinasse os meus boletins dos anos de adolescência descobriria que minhas notas em história não eram boas.  Ninguém poderia imaginar que este seria o caminho a ser traçado no futuro.  Não.  O oposto parecia apontar no horizonte.  Pensei seriamente em fazer medicina, isso depois de pensar em ser astrônoma e engenheira naval.  O curso de letras que foi a entrada para as ciências humanas, não havia sido minha primeira escolha. E a história da arte aconteceu de surpresa, caminho conduzido em parte por uma excelente professora de literatura, na Universidade Federal Fluminense, que ao ensinar Balzac trouxe para a sala de aula imagens de quadros franceses da época. Ideias trocadas, informações sobre pintores e descobri que havia a tal história da arte.  Que influência bons professores exercem sobre seus alunos!

785px-Boethius_initial_consolation_philosophyInicial iluminada, Boécio ensinando a seus alunos, 1325

Manuscrito: Consolação da filosofia, Itália (?)

MS Hunter 374 (V.1.11), Glasgow University Library

Há mais de uma maneira de se ensinar. Minha paixão pela história só se acendeu, através de dois grandes historiadores cujos livros, lidos paulatinamente, parágrafo a parágrafo, incendiaram minha imaginação e me acompanharam desde então a qualquer hora, em qualquer momento: Arnold J. Toynbee e Jacques Le Goff.  Toynbee já havia morrido quando fui apresentada ao seu trabalho. Um bom escritor vive para sempre através de seus leitores, e sua prosa era de fácil entendimento. Apaixonante sua visão da imensa continuidade da história, para não falar de sua erudição.  Jacques Le Goff foi o outro historiador que marcou a minha formação principalmente aquela formação pós-universitária, quando temos a liberdade de ir atrás dos pequenos detalhes que nos deixam curiosos, sem a preocupação de preencher um currículo ou uma determinada etapa da vida.  Jacques Le Goff foi aquele historiador de quem eu esperava as novas publicações com ansiedade. Foi ele quem fez a história europeia pós-império romano viva para mim. Concentrando-se no homem comum ele coloriu o mundo pré-renascentista de tal maneira e com tanta precisão que podemos nele ver as raízes de muito das nossas vidas diárias hoje.  Não sou medievalista.  Minha porção de especialização formal é a era moderna europeia: 1860-1945. Pelo menos foi assim que deixei os bancos universitários.  Mas a cada nova contribuição de Le Goff e de todos aqueles que ele formou mais me virei para a Europa medieval, esses grandes e sedutores séculos. Séculos que parecem cantos de sereia nos levando a profundezas enigmáticas. Mesmerizantes.  É portanto com muito pesar que recebo a noticia de que não poderemos mais contar com suas brilhantes publicações.  Registro então o vazio que sinto pelo que não virá, e o agradecimento pela riqueza do que ele nos deu.

 





Lembrando as crianças dos hábitos sadios!

29 08 2011

Lavando as mãos, ilustração de Marguerite Davies, 1924.

Asseio

1 – Tome banho todos os dias.

2 – Lave as mãos antes das refeições.

3 – Escove os dentes pela manhã e após cada refeição.

4 – Ande sempre limpo.

5 – Não durma com roupa usada durante o dia.

6 – Não cuspa no chão.

7 – Não leve objetos à boca.

8 – Não molhe os dedos para virar as páginas dos livros.

Café da manhã, ilustração de Dorothea J. Snow.

Alimentação

1 – Faça refeições a  horas certas.

2 – Não coma em excesso.

3 – Mastigue os alimentos.

4 – Coma menos carne e mais vegetais.

5 – Conserve os alimentos ao abrigo das moscas.

6 – Não beba muita água às refeições.

7 – Não coma gulodices entre as refeições.

Hora de acordar, ilustração Kay Draper.

Respiração

1 – Procure respirar o ar livre e puro.

2 – Evite respirar pela boca.

3 – Não durma em quartos fechados ou com muita gente.

4 – Não use plantas e flores no quarto de dormir.

5 – Evite ficar muito tempo em quartos mal ventilados.

6 – Não se demore nos quartos onde estiverem pessoas doentes.

7 – Pela manhã ao levantar-se, respire o ar livre, enchendo bem o peito.  Faça isso cinco a dez vezes por dia.

8 – Quando tossir ou espirrar, use sempre o lenço.

Em: Criança brasileira, 3º livro de leitura, edição especial para o estado de Minas Gerais, Theobaldo Miranda Santos, Rio de Janeiro, Agir: 1952.





Não faça pouco de uma paixão! Lembre-se de Vladimir Nabokov.

3 02 2011
Ilustração, Hervé.

—–

—–

O hábito não faz um monge, assim como um diploma em direito não faz um advogado ou um diploma em história faz um historiador.  Recentemente, uma leitora respondeu a uma de minhas postagens, criticando-a porque o livro em consideração, apesar de ser de história do Brasil, não havia sido escrito por um historiador formado.  Isso é o que eu chamo de burocracia da mente.  Não publiquei o comentário porque era uma crítica desleal a um autor de grande responsabilidade.  Além do mais, não acredito na premissa de que um diploma seja necessário para que um produto de pesquisa seja de qualidade.   Hoje, então, dando uma vista d’olhos na rede, tive a minha teoria comprovada e ainda por cima uma bela história de interesse para contar.

Em 25 de janeiro deste ano, o jornal americano The New York Times, publicou um artigo assinado por Carl Zimmer, titulado Nonfiction: Nabokov Theory on Butterfly Evolution Is Vindicated , onde aprendemos que o famoso escritor americano de origem russa, Vladimir Nabokov, além de excelente escritor, autor do romance Lolita, entre muitos outros títulos, era um grande estudioso amador dos lepidópteros.  E que suas teorias, a respeito da migração de borboletas da Ásia para as Américas, através de milhões de anos em pequenos vôos, acabam de ser verificadas corretas, como foi demonstrado na semana passada por cientistas dedicados aos estudos de DNA, que publicaram suas conclusões na revista científica The Proceedings of the Royal Society of London.

—-

—-

—–

—–

Há mais nessa notícia do que o fato de Nabokov saber do que falava quando se referia a borboletas.  Há mais nela do que aprender que sua paixão por borboletas teve as sementes fertilizadas pelo amor de seus pais a esses insetos e que Nabokov era um colecionador sério desses insetos, participando de expedições para a captura de variados espécimes de borboletas.  Ficamos sabendo também que Nabokov provavelmente teria se transformado num cientista, dedicado aos lepidópteros, se a Revolução Russa de 1912, não tivesse motivado a família Nabokov a emigrar.  Durante a estadia na Europa, ainda muito antes de sua ida para os Estado Unidos, Vladimir Nabokov continuou os estudos (autodidatas) das borboletas, visitando as mais diversas coleções e tomando notas detalhadas sobre o que via.    Essa paixão viva é demonstrada, ainda em 1928, quando dedica o dinheiro ganho pela publicação do romance Rei, Valete, Dama, ao financiamento de uma excursão aos Pireneus, em que ele e sua esposa, Vera, conseguiram capturar mais de 100 espécimes.

Nos Estados Unidos, Vladimir Nabokov foi o curador de lepidópteros no Museu de Zoologia Comparada da Universidade de Harvard – o que demonstra que mesmo para instituições com o prestígio da Universidade de Harvard, competência e não diplomas é o que importa.  [ Há uns três dias atrás falei das vantagens do pragmatismo americano, esse episódio demonstra em parte o de que eu falava.]

—-

—-

Ilustração: Borbolera 21, de Rana Sadat Aghili.

—–

—-

A descoberta de que a teoria de Nabokov estava certa é sensacional.  E nos lembra de alguns pontos importantes sobre as coisas a que nos dedicamos.

—  uma mente criativa consegue imaginar soluções para problemas.  Uma mente criativa pensa fora dos padrões estabelecidos, “fora da caixa”.  Nabokov com conhecimento e dedicação conseguiu superar a falta de dados precisos – que não existiam na época – para chegar a conclusões corretas sobre a evolução das borboletas nas Américas!

—  se alguém, você ou seu filho, ou alguma outra pessoa no círculo de influência ama um assunto, ou uma atividade incentive-o.  Dê corda.  É essa paixão que lhe dará asas nos momentos difíceis e que lhe dará raízes para crescer.

Refletindo sobre o artigo das borboletas de Nabokov eu me lembrei de um programa SEM CENSURA, com Lwdwig Waldez, em que ele dizia, muito corretamente “seu filho detesta história e adora matemática.”   Você colocaria o seu filho com aulas particulares em que matéria?  História?  Não!   Não!   Deve colocá-lo para ter aulas em matemática e assim ele se transformará no melhor que existe naquele campo.

É disso, na verdade que precisamos.  Precisamos incentivar as paixões, como a de Nabokov por borboletas,  precisamos adubar os interesses daqueles que nos rodeiam.  Porque só com dedicação e amor, muito amor ao que se faz, pode-se deixar uma marca, uma marca indelével para a posteridade, pode-se contribuir para o mundo que nos rodeia.   Pensem nisso!

©Ladyce West, Rio de Janeiro: 2011

—–

——

VEJA O VÍDEO DE LWDWIG WALDEZ,

e abaixo os links para as duas primeiras partes dessa entrevista.

——

——

—–

—-

1 — http://www.youtube.com/watch?v=l8u27KE2gvs&feature=related

—-

2 — http://www.youtube.com/watch?v=M22hVEMQVLs&feature=related

—-





Quer melhorar o desempenho do seu filho? Mande-o para a horta

1 09 2010

 —-

—–

Uma pesquisa desenvolvida pela Royal Horticultural Society com o apoio da National Foundation for Educational Research (NFER) indica que crianças que tem contato com hortas nas escolas alcançam um melhor desempenho acadêmico, físico e social em comparação com alunos que não ter acesso a esses ambientes.

Segundo o estudo, essas crianças ainda apresentam maior facilidade durante a alfabetização e se tornam mais preparadas para os desafios da vida adulta. Para chegar ao resultado, o grupo entrevistou mais de 1,3 mil professores de 10 escolas diferentes. “O objetivo primordial da pesquisa é traçar o perfil das hortas como um recurso natural, sustentável e que tem a capacidade de ofertar benefícios curricular, social e emocional aos alunos“, diz o texto introdutório do estudo.

Entre os resultados mais significativos citados pelo artigo estão: maior conhecimento e compreensão científica; literacia e numeracia reforçadas, incluindo a utilização de um vocabulário mais amplo e maior habilidades orais; aumento da sensibilização sobre as estações do ano e da compreensão do processo de produção de alimentos; aumento da confiança, da resiliência e da auto-estima; desenvolvimento de habilidades físicas, incluindo habilidades motoras de alta complexidade; desenvolvimento de senso de responsabilidade; desenvolvimento de uma atitude positiva sobre escolhas alimentares saudáveis; desenvolvimento de comportamento positivo; melhorias no bem-estar emocional.

A pesquisa indica ainda que os benefícios das hortas não se limitaram aos alunos. Professores, assistentes, reitores e demais membros da comunidade escolar também sentiram mudanças positivas após a implantação dos espaços.

Fonte: Terra





Meninas: maior igualdade, melhor em matemática

9 01 2010

Um estudo realizado nos EUA mostra que, em países onde há mais igualdade entre os sexos, as meninas tendem a ter um melhor desempenho em matemática do que os meninos – apesar de terem menos confiança do que eles na matéria.

A pesquisa, realizada em três universidades americanas e publicada na revista da Associação Americana de Psicologia, mostra ainda que a falta de confiança das meninas em suas habilidades, no mundo inteiro, pode explicar por que elas acabam optando menos por carreiras em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.  “Estereótipos sobre inferioridade feminina em matemática são um contraste claro com os verdadeiros dados científicos“, disse Nicole Else-Quest, professora de psicologia da Villanova University e principal autora do estudo.

Nossos resultados mostram que as meninas obtêm os mesmos resultados que os meninos quando recebem as ferramentas educacionais corretas e têm modelos de mulheres que fazem sucesso na carreira científica.”  Else-Quest e sua equipe analisaram dados de dois estudos internacionais que, juntos, englobam mais de 493 mil estudantes entre 14 e 16 anos, em 69 países.

Um estudo se concentra no conhecimento geral do aluno sobre matemática, e o outro avalia a habilidade de cada um de usar suas habilidades matemáticas no mundo real, além de verificarem o nível de confiança do estudante e o quanto acreditavam que saber matemática seria importante em suas carreiras.    Segundo os cientistas, os resultados apresentavam poucas diferenças em relação ao sexo do aluno, mas havia muitas variações entre meninos e meninas de país para país.

Os pesquisadores também perceberam que, em países onde o nível da educação das mulheres e seu envolvimento político era melhor, as meninas tendiam a ter um melhor desempenho em matemática.   “Esta análise nos mostra que, enquanto a qualidade da educação e o currículo afetam o aprendizado das crianças, também pesam o valor que escolas, professores e pais dão a ele. As meninas podem ter um desempenho igual ao dos meninos se forem incentivadas“, afirmou Else-Quest.

Fonte: Terra





E você? O que sabe sobre o “erro de Aristóteles”?

7 01 2010
Ilustração, Walt Disney.  Pato Donald estuda matemática.

Há mais de 2.300 anos, Aristóteles errou.  Agora, no ano passado, um turbilhão de atividades acadêmicas está de repente se aproximando de uma resposta para um problema similar à pergunta de quantas pessoas cabem em um fusca da Volkswagen ou em uma cabine telefônica.  Com a diferença de que, nesse caso, os matemáticos não têm pensado no agrupamento de pessoas, mas de sólidos geométricos conhecidos como tetraedros.

É extraordinária a quantidade de artigos escritos sobre isso no ano passado“, disse Henry Cohn, matemático da Microsoft Research New England. O tetraedro é um objeto simples de quatro lados, cada um, um triângulo. Para o problema do agrupamento, pesquisadores estão observando os chamados tetraedros regulares, cujos lados são idênticos a um triângulo equilátero. Jogadores de Dungeons & Dragons reconhecem esse formato triangular de pirâmide em um dado usado no jogo.

Aristóteles equivocadamente acreditava que tetraedros regulares idênticos agrupados perfeitamente, como cubos idênticos, não deixavam espaços entre eles, preenchendo 100% do espaço disponível. Mas não é o que acontece, e 1,8 mil anos se passaram para que alguém apontasse que ele estava errado. Mesmo depois disso, o agrupamento de tetraedros atraiu pouco interesse. Mais séculos se passaram.

 —

Aristóteles equivocadamente acreditava que tetraedros regulares idênticos agrupados perfeitamente, como cubos idênticos, não deixavam espaços entre eles, preenchendo 100% do espaço disponível.

Um enigma similar sobre qual a melhor forma de agrupar esferas idênticas possui uma história mais célebre.   Aqui, a resposta era óbvia.  Elas devem ser empilhadas como laranjas no supermercado (com uma densidade de agrupamento de 74%), e foi isso que Johannes Kepler conjecturou em 1611.   Mas provar o óbvio levou quase quatro séculos, até Thomas C. Hales, um matemático da Universidade de Pittsburgh, conseguir esse feito em 1998 com a ajuda de um computador.

Com os tetraedros, o melhor arranjo de agrupamento não é óbvio, e depois de ter sido constatado que os tetraedros não se agrupavam perfeitamente, ficou a impressão de que eles não se agrupavam bem de maneira alguma. Em 2006, dois pesquisadores da Universidade de Princeton, Salvatore Torquato, um químico, e John H. Conway, um matemático, relataram que a melhor forma de agrupamento encontrada por eles preenchia menos de 72% do espaço – um agrupamento mais espaçado do que o das esferas.

Isso contestava a conjectura matemática de que, entre os chamados objetos convexos (sem cavidades, buracos ou orifícios), as esferas teriam o agrupamento ideal mais espaçado.

—-

Aristóteles contemplando o busto de Homero, 1653

Rembrandt van Rijn (Holanda, 1606-1669)

Óleo sobre tela,  143,5 x 136,5 cm

The Metropolitan Museum of Art, NY

O artigo de Princeton levou Paul M. Chaikin, professor de física da Universidade de Nova York, a comprar centenas de dados tetraedros e pedir a um aluno do ensino médio que enchesse aquários de peixes e outros recipientes com eles. “Imediatamente, percebemos que conseguíamos um agrupamento maior do que 72%“, disse Chaikin, que havia trabalhado anteriormente com Torquato no agrupamento de esferas achatadas, ou elipsóides. (Descobriu-se que as esferas achatadas têm um agrupamento mais denso do que as esferas regulares.)

O artigo de Princeton também levou Jeffrey C. Lagarias, professor de matemática da Universidade de Michigan, a pedir que Elizabeth Chen, uma de suas alunas de mestrado, estudasse o agrupamento de tetraedros. Chen se recorda do que Lagarias lhe disse: “Você precisa superá-los. Se você superá-los, será muito bom para você.

Chen examinou centenas de arranjos ao longo das semanas subsequentes, e, ela disse, “vários deles se destacaram pela alta densidade.” Seu melhor arranjo facilmente superou o de Conway e Torquato, com uma densidade de agrupamento de quase 78%, superior ao das esferas.

Na verdade, nem meu orientador acreditou em mim”, Chen se lembra. Depois de produzir modelos físicos dos tetraedros e demonstrar os padrões de agrupamento, ela convenceu Lagarias de que seus agrupamentos eram tão densos quanto ela havia afirmado e finalmente publicou sua descoberta há um ano.

Enquanto isso, Sharon C. Glotzer, professora de engenharia química, também da Universidade de Michigan, estava interessada em descobrir se os tetraedros podiam se agrupar como cristais líquidos. “Nos envolvemos nisso porque estávamos tentando desenvolver novos materiais com propriedades ópticas interessantes para a Força Aérea“, ela disse.

Glotzer e seus colegas criaram um programa de computador que simulava o agrupamento dos tetraedros e seu arranjo sob compressão. Em vez de cristais líquidos, eles descobriram estruturas complexas de quasicristais, com padrões quase, mas não exatamente, repetidos. “Essa foi a coisa mais surpreendente e maluca“, Glotzer disse.

Examinando os quasicristais, eles conseguiram encontrar uma estrutura periódica que representou outro salto na densidade de agrupamento: superior a 85%. No mês passado, quando essa descoberta ficou pronta para publicação na revista Nature, um grupo da Universidade Cornell, usando um método de pesquisa diferente, encontrou outro agrupamento com densidade similar.

Mas enquanto a estrutura de Glotzer era surpreendentemente complexa “um padrão de repetição formado por 82 tetraedros “, o cristal da Cornell era surpreendentemente simples, com apenas quatro elementos. Também é surpreendente para os pesquisadores o fato dos tetraedros nas simulações de Glotzer tenderem a estruturas complexas de quasicristais quando o melhor agrupamento é na verdade uma estrutura muito mais simples.

Isso faz parte da surpresa em relação a isso“, disse Cohn, da Microsoft Research. “Cada um desses agrupamentos parece muito diferente.” Alguns dias antes do Natal, Torquato e Yang Jiao, aluno de mestrado, relataram que haviam ajustado a estrutura da Cornell, aumentando ligeiramente a densidade de agrupamento para 85,55%.

Ficaria chocado se esse agrupamento atual fosse o mais denso“, Torquato disse em entrevista na semana passada. “Ele é apenas o mais denso por enquanto.”

Torquato não precisa ficar chocado. Na segunda-feira, Chen, aluna de mestrado da Universidade de Michigan, divulgou um novo avanço, que descreve uma família de agrupamentos que incluem as últimas estruturas de Cornell e Princeton. Mas ele também inclui um melhor agrupamento. O cálculo foi verificado por simulações do grupo de Glotzer. O novo recorde mundial de densidade de agrupamento de tetraedros: 85,63%.

—-

—-

Tradução: Amy Traduções

Artigo original no The New York Times.  Em português:  Terra





Brasileiro, onde está a tua Pátria?, poema de Ronald de Carvalho para o dia 7 de setembro

7 09 2009

 

 

bandeira, Morandini, designer, de seu blogBandeira do Brasil

Morandini, designer ( de seu blog: http://blog.morandini.com.br/ )

Técnica mista com folhas de árvores

 

Brasileiro, onde está a tua Pátria?

Ronald de Carvalho

Tua Pátria não está somente no torrão em que nasceste!

tua Pátria não se levanta num simples relevo geográfico.

O solo em que pisas,

as águas em que te refletes,

o céu que te alumia,

as árvores que te dão vozes, fruto e sombras,

as fontes que te dessedentam,

o ar que respiras,

recebeste, em partilha, com todos os homens sobre a terra.

Tua pátria não é um acidente geográfico!

Brasileiro,

se te perguntarem: Onde está a tua Pátria?

responde:

— Minha Pátria está na geografia ideal que os meus

Grandes Mortos me gravaram no coração;

no sangue com que temperaram a minha energia;

na essência misteriosa que transfundiram no meu caráter;

na herança de sacrifícios que me transmitiram;

na herança cunhada a fogo;

no ferro, no bronze, no aço das Bandeiras, dos Guararapes, das Minas da Inconfidência, da Confederação do Equador, do Ipiranga e do Paraguai.

Minha Pátria está na consciência que tenho de sua grandeza moral e nessa lição de ternura humana que a sua imensidade me oferece, como um símbolo perene da tolerância desmedida e infinita generosidade.

Minha Pátria está em ti, Minha Mãe! No orgulho comovido com que arrancaste das entranhas do meu ser a mais bela das palavras, o nome supremo: — BRASIL!

 

 

Em: Criança Brasileira: quinto livro de leitura [admissão e quinta-série], Theobaldo Miranda Santos, Rio de Janeiro, Agir: 1949

 

ronald-de-carvalho

 

Ronald de Carvalho (RJ, 1893 — RJ, 1935), foi um poeta e político brasileiro. Participou da Semana de Arte Moderna, em São Paulo,  em 1922.  Em concurso realizado pelo Diário de Notícias, em 1935, foi eleito Príncipe dos Prosadores Brasileiros, em substituição a Coelho Neto.

Obras:

Luz Gloriosa, 1913

Pequena História da Literatura Brasileira, 1919

Poemas e Sonetos, 1919

Afirmações: um ágape de intelectuais, 1921

Epigramas Irônicos e Sentimentais, 1922

O espelho de Ariel, 1923

Estudos Brasileiros, 1924

Jogos pueris, 1926

Toda a América, 1926

Imagens do México, 1929

Caderno de Imagens da Europa, 1935

Itinerário: Antilhas, Estados Unidos, México, 1935








%d blogueiros gostam disto: