Um novo dinossauro homenageia Confúcio

19 03 2009

tianyulong-confuciusi

 

 

 

Uma equipe de cientistas chineses e americanos anunciaram a descoberta do fóssil de um dinossauro do grupo dos ornitópodos (herbívoros), encontrado na província de Liaoning, na China. O fóssil indica que o animal teria tido algo parecido com plumas, o que modificaria a teoria sobre a origem da plumagem dos animais pré-históricos.

 

A descoberta do animal que teria vivido no período Cretáceo Inferior, entre 144 e 99 milhões de anos, foi publicada na revista científica britânica Nature.

 

Batizado como Tianyulong confuciusi, o fóssil tem em várias partes do corpo estruturas filamentosas externas parecidas com plumas, afirmam os cientistas.

 

Essas estruturas, que não apresentam sinais de ramificações, têm o mesmo tamanho e estão agrupadas em três zonas, mais uma quarta, na cauda, onde são mais longas, de até 6 centímetros.

 

Até agora, os especialistas acreditavam que os pássaros atuais, que vêm a ser dinossauros com plumas, descendiam dos terópodes, dinossauros carnívoros bípedes do grupo dos saurísquios que viveram desde o Triásico superior até o Cretáceo superior (há entre 228 e 65 milhões de anos).

 

No entanto, o fóssil descoberto por Hai-Lu You, da Academia Chinesa de Ciências Geológicas, e Lawrence Witmer, da Universidade Americana de Ohio, desafiaria a teoria, pois apresenta indícios de plumas, mas, por outro lado, pertence à família dos pequenos heterodontossauros, do grupo dos ornitópodes (fitófagos).

 

Artigo baseado no portal Terra.





Nós e a comida cozida

22 02 2009

cook

 

Neste último número da revista The Economist, há um artigo muito interessante sobre a evolução do ser humano.  Nele o professor da Universidade de Harvard, Richard Wrangham considera a probabilidade dos seres humanos terem se desenvolvido em humanos principalmente pelo descobrimento e manutenção do hábito de se comer alimentos cozidos.  Ou seja, depois que aprendemos a cozinhar os alimentos encontrados na natureza, depois que aprendemos a assar a carne dos animais que caçávamos, o desenvolvimento do ser humano  se modificou  muito e facilitou o crescimento dos nossos cérebros da maneira que conhecemos.

 

 

Cozinhar é universal para todos os seres humanos.  Não há uma única cultura, um único grupo humano que não dependa da preparação da comida no fogo.    E há ainda um outro detalhe de grande importância de acordo com a pesquisa de Wrangham:  o consumo de uma refeição em que o alimento é cozido no início da noite, em grupo, com família e amigos, é padrão, é o normal em todas as sociedades conhecidas.  E que sem cozinhar seu alimento o cérebro humano – que consome de 20 a 25% da energia do corpo – não poderia trabalhar o tempo todo.  Ele ainda advoga que a humanidade e a comida cozida nasceram simultaneamente.

 

Com o cozimento dos alimentos há 3 grandes mudanças que favoreceram o desenvolvimento de seres humanos como os conhecemos: 1)  moléculas nos alimentos são quebradas em fragmentos de mais fácil digestão.  2)  As moléculas de proteína quando quebradas revelam cadeias de aminoácidos em que as enzimas digestivas  podem ser mais facilmente processadas.  3) O calor amacia os alimentos.  Isto os faz mais fáceis de digerir.  Assim o corpo usa menos calorias para ingerir e digerir o alimento cozido do que o faz com o alimento cru.

 

Para a defesa de sua tese, Dr. Wrangham, usou de pesquisas em diversos outros campos. Para maior detalhamento do que ele fez, por favor, clique aqui:  THE ECONOMIST.   É importante, no entanto, lembrar que a contribuição que ele faz ao estudo da evolução do ser humano é a ligação entre a comida cozida e a humanidade.





A baleia e suas pernas, novo passo para entender a evolução.

21 09 2008
Esqueleto da Baleia Georgiacetus

Esqueleto da Baleia Georgiacetus

 

Mark Uhen, paleontologista do Museu de História Natural, em Tuscaloosa, do estado de Alabama nos Estados Unidos encontrou evidência de que antigas espécies da baleia Georgiacetus nadavam usando duas pernas traseiras.  Como mostra a ilustração do Instituto Smithsonian.  Uhen começou analisando ossos fósseis encontrados por arqueólogos amadores.  As amostras que lhe trouxeram haviam sido encontradas nas margens de rios nos estados do Alabama e do Mississipi e eram de ossos da antiga baleia Georgiacetus cujo habitat havia sido próximo ao Golfo do México, há 40 milhões de anos, na época em que o estado americano da Flórida ainda estava quase totalmente submerso.  Estas baleias atingiam aproximadamente 4 metros de comprimento e tinham dentes muito pontiagudos.

 

Sabe-se que os ancestrais das baleias andavam sobre quatro pernas, assim como outros mamíferos e eram animais semi-aquáticos. Com o tempo eles vieram a ser animais aquáticos e as pernas da frente viraram nadadeiras, enquanto perderam as ancas e pernas de trás.  Os vertebrados conhecidos do homem hoje são capazes de nadar usando uma grande variedade de técnicas.  As mais conhecidas são: o pedalar com os quatro membros, pedalar só com os membros traseiros, ondular os quadris, ondular a cauda e oscilar com a cauda.  Tudo indica que estes novos fósseis possam explicar melhor a evolução da maneira de nadar das baleias.  

 

 

Ilustração de Mary Parrish

Ilustração de Mary Parrish

 

Este ainda é um dos grandes mistérios no estudo e na compreensão da anatomia e evolução do maior mamífero aquático.  Descobrir quando as baleias se transformaram para se adaptarem melhor à água está sempre presente nos estudos sobre evolução da vida no nosso planeta.  Muitas baleias de hoje ainda mostram traços de uma pélvis e há algumas baleias, que nascendo com algumas características recessivas, nascem com vestígios de pernas traseiras.  Com os estudos de Mark Uhen a baleia Georgiacetus parece ser um passo na evolução: mostra indício de ter nadado com a oscilação dos quadris.

Fontes: Newswise, Physorg





A mágica do canto dos pássaros desvendada

22 07 2008
Canarinho.  MW Editora & Ilustrações

Canarinho. MW Editora & Ilustrações

A grande variedade de notas musicais registradas pelos pássaros nos cantos matinais tem sido através dos séculos motivo de inspiração para músicos, poetas, artistas e qualquer indivíduo que tenha o prazer de ainda poder ouvir o canto dos pássaros onde mora.  

 

Agora, um estudo publicado na revista virtual Public Library Science em conjunto com a Universidade da Dinamarca do Sul, parece ter desmascarado o mistério envolvendo o canto matinal dos pardais europeus:  eles têm, em comum com as cobras naja, com as pombas e muitos peixes, músculos vocais extremamente rápidos.  A rapidez de vibrações musculares, causa um grande leque de sons, era considerada bastante rara,  mas depois destes últimos estudos observando o canto dos pássaros,  descobriu-se que esta habilidade é muito mais comum, e talvez cubra um número muito maior de espécies, do que antes fora imaginado.  

 

Para um pardal, ou um pássaro europeu comum, a média de 250 vezes por segundo de abertura e fechamento das cordas vocais é o necessário para produzir as melodias  maravilhosas que ouvimos.   Esta variedade de contrações musculares permite que cada pássaro tenha um repertório próprio para sua espécie, destinado a cada situação.  Com este tipo refinamento vocal os pássaros controlam com precisão a voz, o volume e a vibração necessários para o sucesso de sua sobrevivência.








%d blogueiros gostam disto: