Ruminando sobre famílias, texto de Andréa Pachá

23 11 2014

 

Tarsila do Amaral, A família, 1925, ost, 79x101,5cm Coleção Torquato Sabóis Pessoa, SPA família, 1925

Tarsila do Amaral (Brasil, 1886-1973)

óleo sobre tela, 79 x 101 cm

Coleção Torquato Sabóia Pessoa, SP

 

É uma pena que os reencontros nem sempre suscitam os sentimentos de que o tempo não passa. Festas de família, amigos e  parentes afastados pelo fluxo natural da vida costumam, de alguma maneira, resgatar o frescor da juventude e a carinhosa atividade quando vez ou outra se juntam compulsoriamente na maturidade. Não é rara a transformação de velório, antessalas de hospitais, missas e Natais em datas de celebração da saudade e de desejo de reviver momentos nos quais a única preocupação era compartilhar as mesmas alegrias e os mesmos prazeres.

 

É verdade que nem todas as famílias e nem todos os amigos traduzem esse desejo. Há os que a vida sepulta e afasta para sempre, roubando de cada um o pedaço de humanidade e do que temos de melhor na experiência de dar e receber amor.

Eu olhava os cinco irmãos, todos com mais de meio século de idade, se acomodando para o início da audiência e me perguntava em que momento eles perderam a intimidade que seguramente existiu, ainda que em uma longínqua infância. Brincaram de pique e de amarelinha? Mataram aulas em segredo? Foram cúmplices nas traquinagens e nos primeiros amores?

Não se olhavam com saudade e, exceto pelo gesto de Letícia que aos 53 anos buscava acolhida nos ombro de Lígia, a mais velha, pareciam estranhos ou, no máximo, conhecidos.  Aos 62 anos de uma vida que não deve ter sido fácil, Lígia parecia mãe da irmã caçula. Os três do meio eram homens. Fisicamente se pareciam bastante, tanto pelos traços marcantes quanto pelo destino duro que a vida lhes impôs.

A mãe morreu quando todos já eram maiores de idade. Na ausência do pai, cresceram como foi possível. Econômicos nas manifestações de carinho, tinham urgência de sair rapidamente do fórum, cada qual com o seu compromisso. ”

 

Em: Segredo de Justiça, Andréa Pachá, Rio de Janeiro, Agir: 2014, pp: 102-103, capítulo 21: Acerto sem contas.





Irmãos…

17 07 2014

 

 

Zinaida Serebryakova,Garotos, 1919Garotos, 1919

Zinaida Serebriakova (Ucrânia, 1884-1967)

óleo sobre tela

 

Dizem que não há dor maior do que a da morte de um filho. Deve ser verdade. Mas a dor de quem perde um irmão é muito grande também, porque irmãos são as nossas referências de vida. Em circunstâncias normais eles foram os cúmplices de travessuras. Além disso eles nos mostram as variadas interpretações da mesma educação, do mesmo lar, dos mesmos pais. Muitos são nossos melhores amigos, aqueles que defendemos dos outros, que aprendemos a proteger. Irmãos são aqueles com quem conseguimos nos comunicar sem trocar palavras; com quem dividimos memórias da infância; percepções sobre outros, parentes, vizinhos, amigos. São aqueles com quem implicamos e que amamos profundamente. Eles são a nossa introdução à diversidade, a opiniões, gostos, maneiras de viver diferentes das nossas.  São os únicos que se dão ao direito de nos criticar e que, por mal ou bem, ouvimos. Irmãos são aqueles que são sempre chamados pelo nome do outro, quando os pais se confundem; são também aqueles a quem nomeamos quando algo mal feito foi descoberto: “Foi o … [fulano], não fui eu…” Irmãos são aqueles seres com quem sempre podemos ser crianças, descer às familiares brincadeiras, as mais primárias, sem perdermos o respeito, mesmo depois de adultos. São em muitos casos as pessoas em quem mais confiamos, para quem fazemos sacrifícios muitas vezes heroicos, cujas mortes ou desaparecimentos mais nos ferem.

Esta semana meu cunhado faleceu. Ele era o único irmão, o mais velho, de meu marido. Tendo perdido meu irmão caçula há 11 anos, sei bem o deserto referencial que envolverá meu cara metade. Não importa a diferença de idades, não importa posturas políticas opostas, diferentes gostos no esporte, nos amigos, na maneira de viver, de rir, de chorar, do prazer no trabalho às escolhas amorosas. Não importa se um é conservador e o outro liberal, se um é religioso e o outro é ateu, a perda é muito maior do que se imagina. A cortina cai em um mundo inteiro de referências que formam a essência da nossa identidade. Ninguém mais poderá sorrir com olhos, silenciosamente, em uma reunião familiar quando alguém lembrar das piadas do tio caduca ou das manias do pai que reaparecem nos netos. Foram-se os momentos de reconhecimento da mãe refletida no irmão ou os relâmpagos de compreensão a nível mais profundo do que os amigos podem desconfiar. Acabou-se o conforto de que só os que se conhecem a vida inteira conseguem usufruir. Não haverá mais o cúmplice, o parceiro, o amigo. Conheço bem esse deserto. Por todas essas perdas sinto por meu marido. Sinto muito.

Esse relacionamento entre irmãos, descrito acima, pode não existir. Não é a realidade para todas as famílias. Cada um de nós conhece alguém que não se dá com seus irmãos. Sabemos de brigas, de traição, ciúmes e inveja entre membros da mesma família. A história mais antiga da natureza humana, Caim e Abel, exemplifica essa situação. Mas não é a norma, nem é inevitável. Ainda bem que meu marido e seu irmão puderam usufruir de um relacionamento equilibrado, de respeito mútuo, verdadeiramente fraterno. O falecimento de um deixa um vácuo imenso na vida do outro. Só o tempo acalmará a dor da perda.

©Ladyce West, Rio de Janeiro: 2014





E a vida segue…

7 09 2012

Luiz Oscar Dubeux

O mundo está mais vazio.  Oco.  As energias não reverberam como antes.  Há uma grande distância entre os objetos.  E estou impressionada que a vida continue normal à minha volta, com pessoas indo e vindo, passeando, conversando, dançando, determinando em quem votar nas próximas eleições, como se não notassem essa mudança no cosmos.   Ah, sim, o mundo mudou, mas foi só para mim, minha família e umas duas ou três dezenas de pessoas que tinham em comum um elo, um amigo, um homem, quase excêntrico, solitário, monástico e católico: Luiz Oscar Dubeux.

Era nosso amigo.  Não só amigo meu e de meu marido.  Era daqueles amigos da família.  L.O. como o chamávamos carinhosamente apareceu no nosso horizonte há aproximadamente 26 anos.  Eu não morava no Brasil na época. Havia uma crise de saúde, um momento delicado, de apreensão na família: cirurgia e especialistas de fora.  Espreitando a situação estava o enigma do discurso médico, um grande empecilho.  A língua estrangeira era dominante e a necessidade de traduções precisas se fazia necessária.  L.O. era  fluente em inglês.  Na verdade sobrevivia ensinando inglês para brasileiros, mas, sobretudo português para estrangeiros.  Algumas traduções documentos e livros recheavam o seu dia a dia.  Habilitou-se a fazer a interpretação simultânea e assim fez-se indispensável,  com sua capa de super-herói disfarçando a vida ascética, de doação.

Passada a bem-sucedida cirurgia, ficou amigo.  Primeiro de meu irmão e sua família.  Depois de minha mãe e de meu outro irmão, naquela época solteiro. Participava de almoços de domingo na casa de mamãe.  Era membro com quem contávamos nas festas de aniversário, na feijoada comemorativa, incluído paulatinamente em todos os rituais familiares.  Passou muitos Natais conosco.  E alguns Anos-Novos também, quando se celebrava o seu aniversário, com atraso de 24 horas.  Era do dia 30 de dezembro. Curioso sobre muitos assuntos culturais, amava a Inglaterra e quase tudo inglês.  Ouvia a BBC pelo rádio bem antes do tempo em que ela surgiu na TV a cabo. Era versado em “britanices”, aquelas pequenas idiossincrasias que fazem os britânicos adoráveis.  Apaixonado pelo cinema desde criança, pois seu pai trabalhara para a Cia. Severiano Ribeiro, aqui no Rio de Janeiro, L.O. tinha assunto sempre, a qualquer hora e se expressava num português maravilhoso, correto, preciso, de vocabulário rico e frases inteiras.  Era um prazer escutá-lo, mesmo se não subscrevêssemos suas opiniões.

Andarilho inveterado, ia a pé à casa de seus alunos. Andava por prazer.  Conhecia todos os caminhos, trilhas e cortes das matas do Rio de Janeiro, porque ia da Gávea, onde morou desde a década de 1960, à Floresta da Tijuca.  Andava também pelo bairro, até uns sete ou oito  anos atrás.  Costumava caminhar  a qualquer hora do dia ou da noite, até que, já mais idoso, foi assaltado numa noite: caiu, quebrou os óculos e se machucou seriamente, quebrando os dentes da frente nessa ocasião.  A partir desse evento, à noite só dava a volta no quarteirão de seu prédio.  Mesmo com o crescimento galopante do bairro, quase todos por aqui o conheciam.  Tomava café no Shopping onde lia o jornal diariamente.  Conhecia e falava com todo mundo. Sabia o nome de todos os seguranças das ruas, conhecia os porteiros dos prédios, os donos dos estabelecimentos comerciais, os garçons, os jornaleiros e principalmente os moradores mais diversos, seus cachorros, e o nome de seus cachorros.

Luiz Oscar era um homem sociável.  Muito sociável.  Amante da musica clássica, custou a se “computarizar” e se o fez, foi graças aos amigos.  Solteirão, como falava minha mãe.  Havia uma noiva escondida em alguma época de seu passado, vítima de uma morte prematura.  Orgulhava-se de ter  sido aluno do Colégio Padre Antônio Vieira, aqui no Rio de Janeiro e  ainda tinha amigos dos tempos de escola. Católico à moda antiga, participava da missa em latim, celebrada na PUC e ocasionalmente ia ao Mosteiro de São Bento para uma missa cantada.  Mas não fazia proselitismo.  Um quase monge, tinha o lugar na família que muitos padres costumavam ocupar em priscas eras: era parte presente, sempre convidado, sempre bem-vindo, sempre afável, sempre consultado.  Bom ouvinte.

Boas amizades só florescem e dão frutos quando respeitamos “o outro” intacto, pleno.  E não era difícil aceitar os hábitos e vieses de Luiz Oscar, porque eles nos enriqueciam e nos mantinham em deslumbramento.  Inveterado documentador de sua própria existência L.O. escrevia tudo que se passava com ele diariamente.  Era, portanto, capaz de nos dizer: eu o conheci pela primeira vez no dia tal, da semana tal, do ano…  Sabia das datas e do que havia feito e com quem precisamente.  Provavelmente mais consequência de uma vida solitária do que por obsessão irracional.  Como bom tradutor e professor de línguas colecionava expressões em português, inglês britânico e americano.  Tinha uma centena de projetos em andamento… Também conseguia se lembrar de todas as datas importantes em sua vida assim como na vida de seus amigos.  Não havia um aniversário sem felicidades, uma viagem de que chegássemos sem as boas-vindas num telefonema cordial.   Como andarilho observava a cidade à sua volta, à sua maneira.  Sabia a distância aproximada dos lugares que frequentava em metros, passos e minutos a pé.  Sabia o número de degraus da maioria das escadarias que subia.  Foi o responsável por eu ter andado a praia de Copacabana diversas vezes, quando morei naquele bairro, contanto o número de edifícios de frente para o mar… Ele sabia.  Eu, que andava pela manhã para me exercitar, caí na esparrela de verificar se ele estava certo.  Diferimos.  Mas chegamos ao motivo: havia edifícios cujas entradas eram pelas ruas laterais e não considerados “de frente” para o mar. Dou exemplos de suas maneiras de entreter a mente para ilustrar essa mente alerta, para lembrar o homem que foi.  Perdemos L.O. esta semana.  Morreu como viveu,  só.  Sem familiares à sua volta.  Vai-se para tristeza dos muitos amigos, sua família por escolha.  Meu marido não terá mais o companheiro dos chopes de quintas-feiras, dos vídeos de filmes antigos e sentirá a ausência do torcedor da seleção brasileira nos jogos internacionais. Meu marido perde seu melhor amigo no Brasil.

E a vida segue.





100 anos! É hora de comemorar!

1 09 2012

Meu pai, 1980.

Ontem, se estivesse vivo, meu pai teria completado cem anos. A família se reuniu numa pizzaria para celebrar.  Três gerações, dezoito pessoas, se encontraram.  Foi uma reafirmação dos laços de família, um encontro muito feliz. Hoje tenho um misto de gratidão, nostalgia e profunda felicidade ao repensar esse delicioso encontro familiar. Não somos uma família muito grande e apesar de morarmos todos próximos, aqui no Rio de Janeiro, os afazeres diários muitas vezes nos deixam sem nos ver por meses.  Uma reunião como esta veio em boa hora: não há mais ninguém vivo da geração de meus pais.  Somos eu, meu irmão, minha cunhada e meus primos, agora os “cabeças” da família. E à medida que vemos nossos filhos crescerem, e já outra geração vir aparecendo, os bisnetos da geração de papai, há uma maravilhosa sensação de comunidade que se consolida e que me faz uma pessoa muito satisfeita e completa. Gosto saber que pertenço a esse grupo, esse meu grupo.

Depois dessa celebração à vida e à família fui permeada por um carinho imenso aos que estiveram lá para esse momento de camaradagem e alegria: Harry, meu marido e Ricardo-Celso, meu irmão; Claudine, minha cunhada, meus sobrinhos: Christiane, Rômulo, Anna Paula, Heitor-Gessner.  Meu sobrinho-neto: Matheus; meus primos, Murilo, Lúcia, Ronaldo, Rogério, Gisela e Vera Regina. Minha prima-sobrinha e afilhada: Cecília e Júlio, sobrinhos netos e primos, Bruno e Beatriz.  A todos o meu carinho e agradecimento por momentos de imensa felicidade e plenitude. Amo muito minha família.





A vida como experimento: memórias de família

30 04 2012

Hoje seria o aniversário de meu irmão mais novo.  Era sempre festa, porque 30 de abril é sempre véspera de feriado nacional.  Dizem que não há dor mais cruel do que aquela de pais que perdem seus filhos.  Mas posso garantir que a saudade não acaba quando se perde um irmão caçula, de repente, sem aviso.   Eu era sete anos mais velha de modo que me lembro bem de seu nascimento.  Com meu outro irmão, o do meio (sou a mais velha) é diferente: não consigo me lembrar da vida sem ele, já que há 3 anos e meio de diferença entre nós.  Tenho vagas lembranças ajudadas, sem dúvida, por fotos antigas mas a vida familiar sempre o incluiu.

A cada ano que passa procuro achar uma maneira diferente de me lembrar de Marcus.  No primeiro ano mandei rezar uma missa.  Fui sozinha.  Não convidei ninguém.  Não queria impor nada a parentes ou amigos, não queria que ninguém se sentisse na obrigação de prestar apoio.  Havia algo de revolta em mim, uma revolta generalizada, contra o mundo inteiro.

Hoje vou me lembrar de Marcus de outra maneira.  Tem a ver com drosófilas.  Sim, drosófilas, aquelas mosquinhas de frutas, de bananas…  Talvez eu tenha que dar uma ideia da nossa família antes disso, um pequeno esboço.

Não cresci numa família muito normal… Quem cresceu?  A nossa diferença eram os nossos interesses…  Quaisquer que eles fossem éramos incentivados a desenvolvê-los.  É claro, desde que fossem honestos, não estivessem relacionados a vícios e a projetos fora da lei.

Desde pequeno Marcus gostava das ciências.  Não dava para saber, em sua tenra idade,  que se tornaria um engenheiro de estruturas, um matemático [dedicado à matemática pura] e mais tarde um programador de computação, porque seus interesses variavam das exatas às naturais.  Incentivados por meu pai, que era um cientista, um químico e físico, um verdadeiro Professor Pardal, que inventava de tudo, que acreditava no experimento como meio de entender o universo, passamos nossa infância dedicados às mais variadas experiências práticas.  Essa que vos fala, hoje uma historiadora, que como adulta esteve sempre ligada às artes visuais, literárias e à história, passou muitas horas montando navios de plástico – quando pensava em ser engenheira naval; olhando estrelas com mapas celestiais – quando pensava em ser astrônoma;  montando protótipos de moléculas de carbono com biscoitos Maria e Maisena – quando estava de amores com a química orgânica.   Ilustro assim a nossa infância, para melhor situar a Fazenda de Drosófilas.

Marcus tinha entre sete e oito anos quando descobriu, por causa dos irmãos mais velhos e de seus pais, a genética.  A nossa família já se prestava a esse estudo, porque conseguimos ser tão diferentes uns dos outros, na aparência, digo.  Tenho cabelos louros escuros acinzentados e olhos azuis.  Meus dois irmãos nasceram com cabelos bem escuros e olhos negros.  A genética era de fácil compreensão para nós.  Mas Marcus precisava provar que assim era de fato.  E não havia nada mais fácil para isso do que ter uma Fazenda de Drosófilas.

As drosófilas, vulgarmente conhecidas como moscas de fruta, são frequentemente utilizadas para demonstrar a genética porque elas:

1)      Se reproduzem com rapidez e facilidade.

2)      Podem ser diferenciadas pela cor dos olhos.

De um antigo aquário, Marcus fez um terrário, ou seja, colocou terra no fundo e uma fazenda finíssima, como um micro filó, para sua cobertura, muito bem atada a toda volta.  As drosófilas ficavam lá dentro.  E é claro que ele colocava frutas que iam apodrecendo para que essas mosquinhas ficassem felizes: casa e comida de graça…  Quem não ficaria?  Hospedaram-se ali e se reproduziram.  E Marcus separava as moscas de acordo com os olhos, passando-as para outros pequenos terrários. Todo prosa, ele voltava da escola e ia direto ver as moscas. Não me lembro exatamente do final desse experimento, só das consequências.

Moramos num país tropical.  Terra em que se plantando tudo dá.  E o solo do terrário, que havia sido simplesmente trazido do jardim, apresentava agora outros bichinhos, umas minhocas gorduchas, que não eram as que a gente conhecia.  Resolveu criá-las também.  Francamente, minha mãe deve ter arranjado um lugar no céu, porque aguentar como aguentou essas coisas todas acontecendo ali, na área de serviço, do lado de fora da cozinha, só com abnegação e muita paciência com os filhos e com o marido.  Porque a criação desses invertebrados testou sua paciência.  Para saber o que estava crescendo ali no seu terreno, no seu microsítio, na fazenda miniatura, Marcus colocou de tudo nessa terra.  Já não se importava mais com as mosquinhas…  Agora queria saber exatamente o ciclo de vida desses seres que haviam aparecido do nada… da terra do jardim… de óvulos que ele não vira e não havia reconhecido.  E numa época em que não se reciclava lixo orgânico, meu irmão conseguiu colocar naquela terra da fazenda ovos inteiros, sobras de legumes, pó de café, pedaços de frutas, folhas de mate, de chá; tudo que fosse orgânico era misturado ali naquele mundo.  Gênesis ao vivo e a cores.

Semanas se passaram.  Talvez meses.  O período da engorda foi grande.  Tudo orquestrado por Marcus, com assistência técnica de papai, que a essa altura já havia comprado alguns livros de classificação de invertebrados tropicais, de insetos comuns no Rio de Janeiro.  Os sebos e as livrarias sempre ficavam felizes quando papai fazia uma visita.  Essa é a verdade.  Tudo corria bem.  Novas minhoquinhas, novas lagartinhas sempre chegando ao mundo.  Podíamos ver tudo pelos  vidros do terrário, quando estes não estavam cobertos de limo.  Eu já não passava muito por perto.  Não tenho muita simpatia por invertebrados.  Mas me lembro bem do dia em que vovó, que morava conosco, gritou.  Escandalosamente.  Grito de vó escandaloso junta família, empregada, vizinhos, todo o bairro. Evidentemente o sítio andava pequeno para tantos habitantes e a criação do Marcus – sejam lá quais tenham sido os animaizinhos – achou por bem explorar outros terrenos, quando descobriram  — ou fizeram?  – uma pequena abertura na tela. Os bichinhos, que pelos gritos de vovó poderiam ter sido dinossauros, haviam se libertado daquela prisão e encontrado algumas dobras da roupa que saíra da corda, empilhada, limpinha, pronta para passar…

Foi o que bastou.

Talvez essa experiência o tenha levado às exatas.  Não sei.  Mas Marcus sempre se referia à Fazenda de Drosófilas com muito orgulho.  Não há melhor maneira de lembrá-lo.

Marcus e eu, foto de uma daquelas máquinas em Nova York.




Que lembranças você deixará para os seus sobreviventes?

30 08 2010

Gerânios em potes, ilustração sem nome do autor.

—-

Recentemente participei de uma reunião de família lembrando a data de aniversário de uma tia que se estivesse viva faria cem anos. Duas gerações se recordaram de momentos em que tia Maria-Emília havia tido um papel importante: por um gesto, uma palavra, uma série de atitudes; por seus quitutes – Quadradinhos Norma, de longe o favorito da família: certamente o meu, além de suas Barquetes de queijo. Depois de algumas semanas desse encontro, nem sei a razão, vim a me lembrar de outra faceta, outro aspecto de sua influência nas minhas memórias, que não cheguei a relatar naquela noite: o seu jardim, mais especificamente seus gerânios.

Essa foi a minha única tia que morava em casa com jardim. Cidadã urbana, crescendo no Rio de Janeiro, num edifício de apartamentos, jardins sempre foram, para mim, entidades de outro mundo, mantidas por jardineiros, mais ou menos capazes, que dobravam como porteiros, ou vice-versa. Sempre gostei de jardins, mas sua manutenção era algo altamente misterioso.

Um dos meus primeiros encontros com os mistérios do jardim de tia Maria-Emília foi quando, aluna da terceira série, tive como dever de casa levar uma plantinha para a sala de aula, colocá-la na janela e cuidar dela. Já tínhamos a essa altura, criado feijão em algodão molhado, e batatas doces em água, cujas folhas caíam felizes de vasos pendurados na parede da escola. Com o novo projeto em mente rumamos, mamãe e eu, à casa de titia. Lá, encantada com as avencas, plantinhas mimosas que cresciam na pedra úmida do morro por trás da casa, recebi das mãos de minha tia meu primeiro projeto de jardinagem. Foram na verdade três avencas levadas para a escola em sucessivos projetos de jardinagem frustrados. Consegui matar a todas três durante o ano letivo. Mamãe já estava sem graça de pedir mudas à minha tia… Paramos o projeto. Papai me arranjou um cacto que não cresceu nem morreu. Simplesmente existiu pelo resto do ano. Achei daí por diante que não tinha muita afinidade com jardins além de apreciar sua sombra, suas flores e seus perfumes. Isso eu sabia fazer!

Das curiosidades marcantes do jardim de titia havia a abundância das flores azuis da Bela-Emília, arbustos que ladeavam a escada de entrada. Até hoje, quando passo pela praça Antero de Quental no Leblon e vejo Belas-Emílias florindo em profusão passa-me pela mente a casa de titia. Havia também uma grande bananeira na frente da casa – só decorativa: um leque gigante de plumagem verde, cujos frutos não eram comestíveis e um cantinho, numa jardineira alta, fazendo divisa com a casa ao lado, onde titia plantava gerânios: coloridas bolotas de flores vermelho alaranjadas. Como eu gostava daquelas flores e de seu perfume!

 —-

—-

Cartão Postal de felicidades, originário da Holanda

—–

—–

Minha tia Maria-Emília visitou a Europa comigo. Não fisicamente. Mas esteve presente nos meus pensamentos quando passei pelos Alpes austríacos, onde, num início de primavera, muitas jardineiras, penduradas logo abaixo dos peitoris das janelas, apareciam cheias de gerânios. Essas flores arredondadas ajudavam a decorar as casas de madeira do Tirol, feitas já bastante alegres pelas pinturas de guirlandas coloridas em seus exteriores. Nessa mesma viajem, mais tarde, quando atravessei para a Itália, logo apareceu tia Maria-Emília, de novo, apreciando comigo os gerânios que cascateavam pelas paredes de estuque antigo, caindo das sacadas de Veneza.

Quando finalmente tive minha primeira casa com jardim, na época em que morei nos Estados Unidos, resolvi logo, logo, plantar gerânios em vasos de barro colocados em pontos de grande visibilidade na varanda de madeira — um deck – que arrematava os fundos da casa e de onde podíamos inspecionar o quintal. Gostaria naquele momento de ter tido o conselho de tia Maria-Emília. Principalmente depois que descobri ser alérgica ao gerânio. Alérgica ao óleo perfumado de suas folhas aveludadas. Alergia de contato, só. Facilmente resolvido com um par de luvas ou até mesmo, quando o desejo de tocar na maciez de suas folhas arredondadas e crespinhas na borda me tiravam do sério, com uma lavagem das mãos, rápida, com sabonete, imediatamente depois do toque sedutor. Mesmo assim, insisti nesse passatempo. Mas o gerânio não se dá bem durante o inverno americano. Deixado do lado de fora, morre com o frio. Trazido para dentro de casa, tampouco sobrevive, não recebe luz suficiente pelos meses de outono/inverno para permanecer saudável. Não tinha jeito.

Essas lembranças me assaltaram quando decidi, recentemente, no meio de uma noite mal dormida, com algumas horas em claro, na madrugada carioca, colocar alguns gerânios no peitoril da janela de meu quarto. Tenho certeza de que esta decisão me levará a lembrar daqueles ótimos momentos de uma infância feliz e despreocupada, e muitas vezes ainda me lembrarei de minha tia.

Nunca sabemos pelo que seremos lembrados depois de nossa morte. Nem se chegaremos a ser lembrados — bem ou mal —     pelas pessoas que nos conheceram.  Dizem que continuamos vivos enquanto somos lembrados pelos que aqui ainda se encontram. Às vezes achamos que seremos lembrados por alguns ditos, por nossos escritos, mas raramente imaginamos que nossos pequenos projetos sejam causa das recordações que deixamos para trás.  Mas acredito que é o que se faz com paixão, por puro prazer, aquilo que nos imortaliza, nem que seja por uma ou duas mais gerações.

©Ladyce West, Rio de Janeiro: 2010





Dicas para pais ajudarem os filhos na escola

7 07 2009

lendo conto de fadas, elizabeth shippen green

Lendo conto de fadas, cartão postal

Elizabeth Shippen Green (EUA 1871-1954) 

Ilustradora de livros. 

 

 

Veja algumas dicas:

A psicopedagoga Andrea Garcez ensina os pais a ajudar os filhos no dever de casa e estimulá-los a ler.

 – Reserve uma mesa, nunca cama ou sofá, para estudos, com livros, revistas, tesoura, cola e lápis de cor.

– Tempo: para os menores do 1º ano, estabeleça entre 15 e 20 minutos. Do 7º ano em diante: entre 1 e 2 horas.

– Fazer o dever pela criança a torna insegura e faz com que os professores acreditem que o aluno está bem.

– Pais devem acompanhar as tarefas dos filhos, mas cabe à escola ensinar. Professores podem escolher temas atuais, explorar recursos da mídia, da Internet, criar desafios, competições saudáveis e expor os trabalhos.

 

O hábito da leitura é fundamental para o sucesso escolar e profissional. É difícil criá-lo se a família não lê. Os pais ensinam mais através de atos do que de palavras.

PORTAL TERRA








%d blogueiros gostam disto: