Uma história, duas versões, uma experiência rica e inesquecível

14 03 2014

KAWASE HASUI (1883 - 1957) - RAIN AT SHINAGAWA (Tokyo) , Woodcut, 1931.Chuva no Shinagawa, Tóquio, 1931

Kawase Hasui (Japão, 1883-1957)

Xilogravura policromada

Às vezes o acaso nos traz experiências interessantes. Tudo o que se precisa é ter o bom-senso de abrir as portas ao que acontece.  Há quatro semanas saí de casa para ir ao cinema.  Gosto muito de cinema, mas não me consideraria uma conhecedora profunda.  Nada além de ir regularmente ver a grande tela.  Há semanas que merecem mais de um filme.  Há semanas como a do Carnaval no Rio de Janeiro que merecem seis ou sete filmes!  Pois eu havia lido no jornal uma resenha muito interessante de um filme japonês. Gosto muito dos filmes orientais: japoneses, chineses e indianos. Gosto de me expor a outras estéticas.  Sempre que possível  vou atrás de filmes produzidos em lugares exóticos.  Como sou uma pessoa meio distraída, daquelas que faz uma coisa pensando em outra, que nunca sabe bem onde colocou o telefone celular e tem que telefonar do fixo para o seu próprio celular para achá-lo, saí de casa e fui ver o filme japonês sem prestar muita atenção à lista do jornal.

105706.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Era uma vez em Tóquio foi o filme que vi.  Não era o filme que eu imaginava ir ver. Cópia antiga, restaurada. Preto e branco. Tela pequena e uma história fascinante de um Japão pós-guerra, aparecendo ainda  conservador, diferente do Japão que conhecemos hoje, moderno, produzindo bens que nos seduzem. Homens e mulheres  em trajes tradicionais, cenas de natureza bucólica. A história é sensível.  Reflete as mudanças no Novo Japão de pós-guerra.  Filhos que saem de casa, de pequenos vilarejos e vão para Tóquio. Chegando lá transformam-se.  Casam-se, formam famílias e na procura pela sobrevivência nessa nova ordem social, não têm mais tempo para os pais. É um filme belíssimo, de grande sensibilidade na caracterização dos personagens, antiquado mas com uma magnífica fotografia. Dirigido por Yasujiro Osur o filme foi votado como melhor filme de todos os tempos numa pesquisa do British Film Institute com 358 diretores de todo o mundo. Se é ou foi “o melhor filme de todos os tempos”, não posso dizer, porque não tenho conhecimento para isso. Mas fiquei bastante impressionada e feliz de tê-lo conhecido.

24

Passados cinco dias me encontro em outra parte da cidade vendo o filme que tinha a intenção de ver originalmente, Era uma vez em Tóquio.  Tenho uma memória visual bastante boa, graças à minha profissão. É assim que historiadores da arte fazem associações entre artistas e suas obras.  Logo na primeira cena eu notei que estava vendo o mesmo filme. [A primeira cena tem uma alusão direta ao filme original no posicionamento da câmera]. Mas dessa vez o filme era a cores e em um Japão moderno.  Chamava-se agora, Uma família em Tóquio. Dirigido por Yôji Yamada, é uma refilmagem do anterior, celebrando o que Yasujiro Ozu fizera em 1953. E foi uma experiência extraordinária.  Foram duas horas encantadoras em que pude apreciar muito mais do que o filme, mais do que sua fotografia, do que o roteiro.  Pude rever a história de novo, perceber as mudanças feitas,os detalhes e relembrar os ângulos de onde as cenas haviam sido filmadas.  Não me lembro de ter tido uma experiência tão rica ou gratificante no cinema anteriormente.

Para quem se interessa em classificar, em ordenar o mundo, vou frustrá-los porque não consigo me decidir sobre a versão de que mais gosto. O filme de 2013 mostra um Japão bem mais descontraído, mais moderno.  No entanto sua paisagem permanece singularmente bucólica e as tradições familiares, ainda que tenham sofrido mudanças, parecem requerer o mesmo grau de sensibilidade no trato.  As situações estão adaptadas, há mudanças em alguns personagens, há outro que aparece, mas não senti nenhuma perda emocional com o que foi engendrado para a versão moderna. Psicologicamente o filme é fiel à primeira versão.  Estou acostumada a ver filmes baseados em romances. Vez por outra vejo refilmagens.  Recentemente vi a refilmagem de Cape Fear (1991), na televisão.  Mas não conhecia a primeira filmagem de 1962. Não me interessou.  Achei teatral demais.  Parte do que me seduziu nessa “experiência japonesa”, foi justamente não conhecer o primeiro filme e depois de cinco dias ver o segundo. Com a facilidade que temos hoje, pela internet, e se você é curioso sobre cinema, recomendo fazer o download desses dois filmes e vê-los em ordem. Acredito que venha a ser uma experiência inesquecível.





Os melhores filmes para mulheres de Oprah

24 11 2008

 

Walt Disney

Ilustração: Walt Disney

 

A revista Oprah selecionou o que acredita serem os melhores 20 filmes para mulheres.  Aqui está a lista dos 10 primeiros filmes.  Diga-me se você concorda

 

 

1 – Marocco (1930)  No Brasil: Marrocos

 

Amy Jolly (Marlene Dietrich) é uma cantora de boate que ruma de navio para o Marrocos. Durante a viagem ela conhece o rico e sofisticado Monsieur La Bessiere (Adolphe Menjou), que lhe oferece “ajuda” neste país estranho. Logo que chegam ao Marrocos Amy arruma trabalho como cantora em um café, onde se mistura à elite com oficiais e soldados da Legião Estrangeira da França. Marlene Dietrich seduz homens e mulheres com sua apresentação na boate Mogador.  E também quando se deixa levar pela paixão pelo legionário estrangeiro representado por Gary Cooper.  Direção:  Josef von Sternberg, com Gary Cooper, Marlene Dietrich, Adolphe Menjou

 

 

2 —  Camille (1936)  No Brasil: A dama das camélias

 

Inspirado em história de Alexandre Dumas Filho  foi sucesso numa adaptação teatral. Greta Garbo é a escolha ideal para a cortesã mais famosa do mundo, uma mulher arrebatadora, que sacrifica tudo por amor.  Este filme deu à Greta Garbo indicação ao Oscar de Atriz e prêmio de Melhor Atriz pelos Críticos de Nova York. Direção: George Cukor, com Greta Garbo, Robert Taylor, Lionel Barrymore, Elizabeth Allan.

 

 

3 – Notorious (1946) No Brasil: Interlúdio

 

Alfred Hitchcock dirige Ingrid Bergman nesta história passada no Rio de Janeiro:  Ingrid Bergman e Cary Grant,  representam o casal impossibilitado de se apaixonar.  Ela é filha de um espião alemão preso pelo governo dos EUA e, para evitar a morte do pai, é obrigada a ajudar o governo americano a prender inimigos mais importantes. Ele é um agente do governo que vai comandar a operação, monitorando para que tudo saia nos mais perfeitos moldes planejados.  Direção: Alfred Hitchcock, com Cary Grant,  Ingrid Bergman, Alicia Huberman, Claude Rains.

 

 

4 – The French Lieutenant’s Woman (1981)  No Brasil:  A mulher do tenente francês

 

Baseado no romance de John Fowles, com roteiro de Harold Pinter (indicado para o Oscar por este trabalho).  Retrata a história passada na Inglaterra vitoriana, quando um aristocrata decide deixar a noiva de família nobre  para ficar com uma jovem discriminada pela sociedade. No presente, a mesma história é interpretada no cinema por dois atores que vivem um romance proibido fora das telas. Indicado para seis categorias do Oscar, incluindo melhor filme e atriz (a terceira indicação de Meryl Streep).  Direção: Karel Reisz, com Meryl Streep, Jeremy Irons, Hilton McRae, Emily Morgan.

 

 

5 – The English Patient (1996)  No Brasil:  O Paciente inglês

 

Baseado no romance de Michael Ondaatje com o mesmo título.  Durante a Segunda Guerra Mundial, uma enfermeira cuida de um homem vitimado por terríveis queimaduras. Em seu leito de morte, ele relembra seu passado e um tórrido romance que teve com uma mulher casada. Direção de Anthony Minghella, com Ralph Fiennes, Kristin Scott Thomas, Juliette Binoche e Willem Dafoe.  Vencedor de 9 Oscars.

 

 

6 – The Women (1939)  No Brasil:  As mulheres

 

Comédia de costumes escrita por Clare Boothe Luce.  A ação se passa nos glamorosos apartamentos da alta sociedade de Manhattan.  O filme mostra um enfoque ácido das vidas de esposas ricas e poderosas.  Durante todo o filme não aparece um único homem, embora sejam muitos citados, e o tema central seja os relacionamentos das mulheres com eles. Este detalhe foi de tamanha importância, que mesmo nos quadros dos cenários ou nos porta-retratos somente figuras femininas estão representadas – até mesmo os diversos animais de estimação que apareceram eram fêmeas. A única exceção é um pôster de um touro. Filmado em preto e branco, na abertura apresenta um desfile de modas filmado em technicolor.  Direção de George Cuckor, com Norma Shearer, Joan Crawford, Rosalind Russell, Mary Boland, Paulette Goddard.

 

 

7 – Julia (1977)  No Brasil: Júlia

 

Baseado nas memórias da escritora Lillian Hellman.  Duas amigas de infância têm seus destinos completamente mudados com a vinda da Segunda Guerra Mundial e com a ascensão do nazismo. Julia, que vive na Europa, pede para sua amiga Lillian, que se tornara uma escritora famosa, que contrabandeie dinheiro para as vítimas do nazismo.  Direção de Fred Zinnemann, com Jane Fonda e Vanessa Redgrave, Jason Robards, Maximillian Schell.  Vanessa Redgrave e Jason Robards ganharam, cada qual, o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

 

 

8 – Desperate Seeking Susan (1985) No Brasil: Procura-se Susan desesperadamente

 

Roberta uma dona de casa entediada de Nova Jersey, ocupa seus dias lendo os classificados pessoais e acompanhando pelo jornal um romance entre “Jim” e “Susan”, uma misteriosa personagem que parece levar o tipo de vida liberada com a qual Roberta só pode sonhar. Até que um dia, ela aparece em um encontro do casal na cidade de Nova Iorque… E após uma pancada na cabeça, um ataque de amnésia transforma Roberta em Susan, e conduz a loucos caminhos de intriga, risos e romance.  Direção de Susan Seidelman, com Mark Blum, Rosanna Arquette, Aidan Quinn, Madonna.

 

 

 

9 – The thruth about cats and dogs (1996) No Brasil:  Feito cães e gatos

 

Uma veterinária trabalha como apresentadora em um programa de perguntas no rádio, onde fala sobre os cuidados que se deve ter com os animais de estimação e também responde dúvidas dos ouvintes. Bem-sucedida profissionalmente mas frustrada quanto à sua vida amorosa, é surpreendida quando um agradecido ouvinte  deseja retribuir pessoalmente os conselhos ditos de uma forma fina e bem-humorada.  Quando ele pergunta como ela é, com medo de ser rejeitada, ela descreve sua vizinha, uma desajeitada modelo,  mas alta, loura e vistosa. Sem intenção de aparecer neste encontro, acaba entrando em ação quando a situação foge de controle e se complica, tanto para ela como para sua amiga.  Direção de Michael Lehmann, com Jeneane Garofalo, Ben Chaplin, Uma Thurman, Jamie Foxx.

 

 

10 – Romy and Michelle’s high school reunion (1997) No Brasil: Romy e Michelle

 

Romy e Michele sofreram um bocado na escola nas mãos do coleguinhas. Uma década depois de se formarem, as amigas resolvem ir à festa de 10 anos aparentando ser aquilo que não são para não passarem maus bocados de novo. Direção de David Mirkin, com Mira Sorvino, Lisa Kudrow, Janeane Garofalo, Alan Cumming.

 

 

Hoje o blog Batata Transgênica traz também a lista dos melhores filmes de mulherzinha.  Dê uma checada lá. 





Algumas considerações no dia nacional do livro

29 10 2008
Ilustração Mauricio de Sousa

Ilustração Maurício de Sousa

 

Hoje, dia 29 de outubro, comemoramos no Brasil o Dia Nacional do Livro.  Para nós, pessoas cuja vida diária revolve em torno de livros, de publicações, de aprendizagem, de estudos, de divertimento, nada mais natural que se celebre, de fato, o livro.  Esta data foi escolhida por ser o aniversário da Biblioteca Nacional.

Há diversas comemorações no Brasil que nos levam à idéia da leitura e ao livro.  Há o Dia Internacional do Livro, O Dia Internacional do Livro Infantil, O Dia do Livro Infantil no Brasil, e assim por diante.  Talvez todas estas comemorações nos façam pensar mais em livros, na sua importância e no que eles podem nos dar.  E esta série de datas comemorativas reflete em parte a sensibilidade brasileira sempre pronta para uma boa comemoração, para uma festividade.

No entanto, quanto mais dias temos reservados para a lembrança dos livros, parece que menos atenção damos a eles durante o resto do ano.  Eu gostaria de não ter nenhum dia comemorativo, mas saber que todos os dias, são de FATO o dia do livro.  Que não estamos só fazendo um agrado aos nossos próprios egos, dizendo: Eu participei, eu comemorei o livro, a semana do livro, o dia do livro

Eu gostaria de ver uma mudança radical na maneira como nós nos relacionamos com os livros.  Eu gostaria de ver uma pequena revolução cultural no Brasil aonde a imagem de alguém lendo um livro não só fosse corriqueira como uma imagem de algo desejável.  Que o rapaz que lê, não seja aquele bobão, mas o que ganha a mocinha bonita.  Que a jovem que lê não se case com o primeiro que aparecer, mas com o homem que vá respeitar seus estudos e até mesmo gostar dela por isso.  Gostaria de ver:

1- novelas da televisão em que todos, separadamente, numa hora ou outra aparecessem lendo: um jornal, um livro, etc.  Que eu me lembre, o personagem de novela mais recente dedicado aos livros foi retratado por Tony Ramos, como Miguel, o livreiro romântico em Laços de família (2000). 

2 – personagens  cujas vidas são melhoradas pela leitura.  Pelo estudo.  Por exemplo, programas como Ó Pai Ó, que descrevem um cortiço na Bahia, exponham um personagem que conseguiu sair de onde estava pelo estudo, pelo valor que deu aos livros.

Esta mensagem de que ler um livro é uma coisa importante e corriqueira infelizmente não chega ao público brasileiro.

Eu consigo me lembrar de diversos filmes estrangeiros em que o drama, a comédia, a sensibilidade, a tragédia, se passa numa escola, com bons e maus professores, com bons e maus alunos. Cheios de clichês, mas que mal ou bem levam a mensagem ao público da importância de uma educação, da importância do livro e das escolas.   Não vou aqui mencionar nenhum dos filmes americanos que são produzidos todos os anos às centenas que retratam a vida nos últimos anos das escolas.   Nós, brasileiros, por bem ou por mal, não fazemos estes filmes.  Por que?  Porque são muito comerciais?  [esta é a grande disparidade do cinema brasileiro — certos filmes não são feitos porque são muito comerciais; outros filmes são feitos e não têm público.  O segundo tipo de filme só pode ter público depois que o primeiro for feito!]  Será que filmes sobre escolas  não refletem os valores da sociedade?  Não acredito.

Pode-se sim fazer obras primas do cinema com filmes passados em escolas.  E para que eu não fique só no exemplo americano, vou dar um exemplo americano, um inglês e um francês.  Mas há centenas de outros: Sociedade dos Poetas Mortos, EUA, 1989, Guerra dos Botões, França, 1962,  Se…, Inglaterra, 1968.  Isto para não se falar dos livros de sucesso como Harry Potter que fizeram carreira mostrando uma escola, seus alunos e professores.

Há também heróis sedutores dedicados à leitura e aos livros nos filmes estrangeiros:  Um lugar chamado Notting Hill, Eua/Grã-Bretanha, 1999; Ser e ter, França 2002; Somos todos diferentes, Índia, 2007.

Era este tipo de envolvimento eu esperava que nós já tivéssemos conseguido no Brasil.  Vamos deixar para lá as comemorações superficiais, as boas palavras sobre uma melhor educação, que esquecemos rapidamente em 24 horas.  Que tal reformarmos o nosso horizonte de desejos?  E se nas novelas, nos programas de televisão, no nosso dia a dia, víssemos exemplos de pessoas que saem da pobreza através da educação?  Elas existem.  Eu sei.  Eu conheço algumas.  Por que para sair da pobreza precisamos fazê-lo pelo: esporte?  pelo corpo de modelo? pelo gingado da cabrocha?

Nem todos nós nascemos para ser presidente do Brasil!  Mesmo assim conseguimos ter sucesso estudando e tendo prazer na leitura e ainda assim levar uma vida decente e que nos dá satisfação.








%d blogueiros gostam disto: