Chichico Alkmim — o fotógrafo de Diamantina

7 08 2017

 

 

Freiras de um colégio de DiamantinaFreiras de um colégio em Diamantina, foto de Chichico Alkmim.

 

O Instituto Moreira Salles no Rio de Janeiro está com uma maravilhosa exposição do fotógrafo Chichico Alkmim (1886 – 1978) que se estabeleceu em Diamantina em 1912, montando seu estúdio definitivo em 1919. Autodidata ele fotografou tudo e todos em Diamantina deixando um belíssimo documento da cidade e da história social do Brasil.

 

acv_imgcapa_1492742376Retrato de estúdio, foto de Chichico Alkmim.

 

 

acv_imgcapa_1492741721Retrato de homem, foto de Chichico Alkmim.

 

A exposição apresenta mais de 200 fotografias, das 5.000 fotos em negativos de vidro, que hoje estão sob os cuidados do Instituto Moreira Salles. As fotografias cobrem Diamantina de 1912 a 1950, quando Chichico deixou de fotografar.  Como desenvolveu uma técnica de mais de um negativo sobre uma placa de vidro, calcula-se que haja mais de 10.000 fotos documentando a população e a cidade de Diamantina.

 

Parque Municipal da Cavalhada Velha, atual praça ...Parque Municipal de Cavalhada Velha, hoje Praça Doutor Prado, foto de Chichico Alkmim.

 

barBar em Diamantina, foto Chichico Alkmim.

 

acv_imgcapa_1492643856Moças em Diamantina, foto de Chichico Alkmim.

 

Não há como não nos emocionarmos com as fotografias. A exposição é um retrato de um Brasil que já passou, mas que ainda se faz presente culturalmente.  Não sei quantas vezes rodopiei pelas imagens, da primeira à última sala da exposição. Se você se interessa pela história do Brasil, ou pela fotografia não pode perder a oportunidade de conhecer Chichico Alkmim de perto.  E não deixe de assistir ao documentário sobre o fotógrafo, lá mesmo na Instituto Moreira Salles.

 

acv_imgcapa_1492636926Chichico Alkmim fotografado por sua esposa, Miquita.

 

SERVIÇO

Exposição Chichico Alkmim, fotógrafo

Instituto Moreira Salles, Rio de Janeiro

13 de maio a a 1º de outubro de 2017

Curadoria de Eucanaã Ferraz

 

Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea.

CEP 22451-040 – Rio de Janeiro/RJ.

Tel.: 21 3284-7400.

Horário de visitação: de terça a domingo e feriados (exceto segunda), das 11h às 20h.

 

Não perca!





Clube de Leitura de Rio das Ostras

6 07 2017

 

 

19787216_835356063295565_3605760935805239449_oPrimeiro encontro do Clube de leitura de Rio das Ostras.

 

 

Foi com muito prazer que vimos o Clube de Leitura de Rio das Ostras se formar e ter uma promissora primeira reunião.  Sua organizadora é membro do nosso grupo de leitura, Ao pé da letra, que se reúne na cidade do Rio de Janeiro, no quarto domingo do mês.  Lili Moreira, a organizadora em Rio das Ostras  é psicóloga e há anos trabalha com livros e literatura, além do exercício da psicologia.  Carioca, morou no Nordeste brasileiro de onde retém um pequeno cantar na fala.  Voltou há pouco tempo para o nosso estado.  Apesar de residir em Rio das Ostras, continua membro do grupo de leitura Ao pé da letra.

Agitando a cena cultural da cidade praieira, Lili Moreira apostou em abrir um grupo de leitura.  E deu certo.  Parabéns!

O grupo funciona da seguinte maneira: nas reuniões um livro é votado para leitura durante o mês seguinte.  Cada membro lê o livro por sua conta.  Dá-se então o encontro, em dia e hora marcados, e os temas trazidos à tona pela leitura são então discutidos por todos os presentes. Novas sugestões de leitura são consideradas e votadas para o mês seguinte.

Parabéns a todos.  Muito sucesso, que o grupo siga os exemplos do Ao Pé da Letra (um ano e meio de existência) ou do grupo Papalivros (há quatorze anos e meio lendo livros sem interrupção)!





Filhotes fofos!

21 05 2017

 

 

focaFocas: mãe e filha.





Natureza maravilhosa: coruja das neves

30 04 2017

 

121452659.8lJourRp.HarfangLandingAgainWeb8Coruja-das-neves em vôo, foto Mike Reshitnyk.

A coruja-das-neves ou coruja-do-ártico (Bubo scandiacus) é uma espécie de ave estrigiforme pertencente à família Strigidae. Ela mede de 53 a 65 cm de comprimento e com as asas abertas 125 a 150 cm. Podem pesar de 1,8 kg até 3 kg.  O macho é todo branco enquanto a fêmea tem penas mais acinzentadas. Olhos amarelos e bico preto completam as cores dessa ave.  O bico é adunco e parcialmente escondido na penugem.  Mora nas regiões geladas dos Estados Unidos, Canadá, Alasca, no norte da Eurásia, e no Ártico. No inverno migram para o sul. Caça dia e noite, uma variação da maioria das corujas, pois nos meses em que está região ártica os dias são claros quase 24 horas. Alimenta-se de pequenos roedores, coelhos, outras aves menores e ocasionalmente de peixes.  Vivem em média 9 anos.  [Wikipedia]

Salvar

Salvar





Filhotes fofos!

9 04 2017

 

 

Buba, suiçaBuba, ursinho, com sua mãe Ursina, no Juraparc, Mont-d’Orzieres, Suíça.

 





Filhotes Fofos!

2 04 2017

 

KOALAanimals-san-diego-zoo-koala1-horizontal-large-galleryCoala mãe e filho.  San Diego Zoo.




Natureza maravilhosa: Peixe cúbico de bolinhas

12 03 2017

 

 

9110610760_8ed9f36eec_b

 

 

Não encontrei o nome desse peixe em português, o que usei é uma tradução minha.  Alguém sabe como se chama?  Em latim, é conhecido como Ostracion cubicus. Quando jovem parece uma caixinha amarela de bolinhas pretas (isso me lembra aquela música “Yellow Polka-dot Bikini”).  Mas muda de cor, quando fica mais velho… o amarelo vai se apagando…  Uma foto abaixo mostra um espécime  mais velho.

Ele é natural dos lugares longínquos para nós brasileiros: oceanos Pacífico e Índico.  Come algas, esponjas, crustáceos, moluscos e pequenos peixes. E tem uma maneira interessante de se defender, quando precisa, solta uma proteína líquida, venenosa para outros peixes.  Não vive em cardumes, é solitário.

Mas… vejam bem, em 2006 foi musa inspiradora de um carro da companhia Mercedes Benz — Carro Biônico.

 

800px-Kofferfisch_(Ostracion_cubicus)_02Espécime mais velho.

Salvar

Salvar

Salvar








%d blogueiros gostam disto: