Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público

9 04 2019

 

 

 

photo_41_28_70_binkawest_1147561947_fDezembro 2018, Leblon, Rio de Janeiro.

 

Já perdi a conta do número de pessoas que me pede a volta dessa popularíssima faceta do blog da Peregrina. Cansei.  Mas reconheço a fascinação que essas fotos, sob o nome de: Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público, têm exercido sobre os nossos visitantes. Volto a tentar manter as fotos que servem de inspiração a leitores e a fotógrafos.





Natureza maravilhosa: Trachyandra sp

17 03 2019

 

 

 

TrachyandraTrachyandra sp.

 

Trachyandra é um género botânico pertencente à família Asphodelaceae. Descrita pela primeira vez como gênero em 1843. É uma suculenta, nativa do leste e do sul da África, assim como do Iêmen e Madagascar . Muitas das espécies são endêmicas da África do Sul. 

 

Trachyandra2Trachyandra sp.

 

As instruções abaixo são válidas para todas as suculentas.  A Trachyandra sp é bastante rara por aqui e não achei maneira específica de manutenção desta planta.

Suculentas são plantas resistentes à seca. Armazenam água em suas folhas, caules e raízes. O armazenamento de água lhes dá uma aparência carnuda, conhecida como suculência. Você não pode esquecer dessas plantas completamente.  Mas elas precisam de pouca atenção. Para precisar de pouca manutenção, é melhor fazer um investimento de cuidados no início. Certifique-se de que as plantas tenham boa drenagem. Você pode comprar solo de cactos ou adicionar areia ou cascalho ao solo comum.  É preciso que seu contêiner tenha um orifício na parte inferior para drenagem.

 

PP-Albuca-ConcordianaTrachyandra sp.

 

Suculentas são plantas de crescimento lento.  Coloque-as firmemente juntas no recipiente. Após o plantio, regar bem, então deixe o solo secar entre regas.  Suculentas não gostam de se enraizar na água. Eles precisam de mais água na primavera e no verão, mas menos no inverno, quando entram em uma fase inativa.





Bordados no postal, a arte de Francesca Colussi Cramer

24 02 2019

 

 

 

40abecc81f260acb4b5af476283c7783Arte de Francesca Colussi Cramer.

 

A artista Francesca Colussi Cramer que trabalha na Grã-Bretanha levou adiante a antiga técnica de bordados em cartões postais, conhecida por mostrar trajes típicos de regiões europeias ou mesmo mensagens, como vemos nos exemplos abaixo.

 

 

postcards 2Cartões postais de traje típicos de regiões diversas de Portugal.

 

m1022_p1Cartão postal com bordado e mensagem

 

Nas obras de Fracesca Cramer temos postais ou fotografias antigas com inesperadas, belas e cuidadosas intervenções, em bordado, que dão caráter distinto ao material escolhido.

 

46149182_750169782019054_3860800116558233396_nArte de Francesca Colussi Cramer.

 

“MARJORIE, AUGUST 1957”, 2018 (detail) Hand embroidery on vintage photo. “Marjorie, August 1957, Francesca Cramer.

 

Francesca-Colussi-Cramer-04Arte de Francesca Colussi Cramer.

 

Por vezes engraçadas, outra hora parte de um questionamento, não importa o enfoque, somos obrigados a reconsiderar o que vemos a imaginar o bloqueado, ou prestar atenção ao que, de fato, sobrou da imagem inicial.

 

francescacramer-1 (2)Arte de Francesca Colussi Cramer.

 

47165035_277114946270011_8633363327223390820_nArte de Francesca Colussi Cramer.

 

tumblr_p4npsjNHb31qccpz7o2_1280 (2)Arte de Francesca Colussi Cramer.

 

Extravagante nas suas escolhas, singular no acabamento de seus pontos de cruz, Francesca Cramer é autora de obra mirabolante, volátil e pitoresca.  Dá valor ao que esquecemos e questiona o que vê.   Vale a pena observar seu trabalho.

 

47583353_416330575574367_8548457025836130578_nArte de Francesca Colussi Cramer.

 

47692498_2223690264585565_1552340727414336747_nO que se faz com todo esse futuro? Arte de Francesca Cramer.

 

49527174_184803729143457_6733024200648895418_nArte de Francesca Colussi Cramer.

 

tumblr_p4npsjNHb31qccpz7o8_1280Arte de Francesca Colussi Cramer.

 

francescacramer-1 (3)Arte de Francesca Colussi Cramer.




Natureza maravilhosa: Faisão dourado

22 07 2018

 

 

Pheasant-BirdFaisão dourado

 

O faisão dourado (Chrysolophus pictus) é uma espécie de ave galiforme da família Phasianidae originária das montanhas da China Central, da Birmânia e de algumas outras partes da Ásia, no Brasil também é conhecida como Cateleuma.

A fêmea tem uma aparência muito diferente do macho.  Como acontece com muitas aves, a fêmea difere do macho na aparência.  Ele, todo engalanado.  A faisoa, modesta nas cores.  O macho adulto cresce até quase 1 metro de comprimento. A  cauda ocupa 2/3 desse total.

 

douradoGDois faisões dourados

 

faisão-dourado-fêmea-100847797Faisoa.  (O feminino de faisão também pode ser faisã)  A preferência é de quem escreve.




“Jacinto”, texto de Eça de Queirós

16 07 2018

 

 

8547f88f72ecad7dc93a8994f80218bcFotografia de jovem desconhecido, século XIX.

 

Jacinto

 

Eça de Queirós ou Eça de Queiroz

 

Este delicioso Jacinto fizera então vinte e três anos, e era um soberbo moço em quem reaparecera a força dos velhos Jacintos rurais. Só pelo nariz, afilado, com narinas quase transparentes, duma mobilidade inquieta, como se andasse fariscando perfumes, pertencia às delicadezas do século XIX. O cabelo ainda se conservava, ao modo das eras rudes, crespo e quase lanígero; e o bigode, como o dum Celta. ca[ia em fios sedosos, que ele necessitava aparar e frisar. Todo o seu fato, as espessas gravatas de cetim escuro que uma pérola prendia, as luvas de anta branca, o verniz das botas, vinham de Londres em caixotes de cedro; e usava sempre ao peito uma flor, não natural, mas composta destramente pela sua ramalheteira com pétalas de flores dessemelhantes, cravo, azaléa, orquídea ou tulipa. fundidas numa mesma haste entre uma leve folhagem de funcho.”

 

[Exemplo de Retratos Descritivos]

Em: Flor do Lácio, [antologia]  Cleófano Lopes de Oliveira, São Paulo, Saraiva: 1964; 7ª edição. (Explicação de textos e Guia de Composição Literária para uso dos cursos normais e secundário) p. 74.





Natureza maravilhosa: Bengala doce Sorrel

9 07 2018

 

 

florrara10Flor Bengala Doce Sorrel (Oxalis versicolor )

 

 

Bengala doce Sorrel (em referência à bala de Natal vermelha e branca em forma de uma bengala), a Oxalis versicolor  é uma  planta que pertence à família Oxalidaceae, encontrada na África do Sul.

Cresce de um bulbo, chega a ter de 8 a 15 cm  de altura.  Forma, assim, uma cama de folhas verdes, cada folha composta de três folhetos alongados. No final do verão e início do outono, brotos tubulares brancos estreitos se formam na ponta de caules finos. Um rebordo escarlate curvo para cada pétala dá a aparência de uma bengala doce. As flores se abrem em plena luz do sol, mas permanecem enroscadas em outros momentos.

Candy_Cane_icon





O verde do meu bairro: Ipê rosa

2 07 2018

 

 

 

gal osorio junho 2018 assIpê rosa em flor, Praça General Osório, Ipanema, Rio de Janeiro.

 

Ipê rosa, [androanthus heptaphyllus] é árvore original das regiões tropical e subtropical. É nativa das Américas Central e Sul, podendo ser encontrada entre o sul do México ao norte da Argentina. Floresce de maio a agosto. Sua madeira é preciosa. Chega a 30 metros de altura e seu tronco pode ter uma circunferência de 90 cm. Precisa de abelhas e pássaros para polinização.





O verde do meu bairro: Palmeira Bismarck

14 05 2018

 

 

 

DSC03312assPalmeira Bismarck iluminada pelo sol, Praça Santos Dumont, na Gávea, no Rio de Janeiro.

 

 

Sempre gostei desta palmeira [Bismarckia nobilis] com seus grandes “abanos” prateados que contrastam tão bem com os verdes do jardim!  Esses leques naturais não passam de duas dezenas na planta madura, e sempre têm cor pálida, cinza, como prata à luz do sol.  Suas  folhas dão a impressão de estarem seguras pelas mãos de bailarinas invisíveis, amarradas em um único tronco, que abrem seus leques em dança delicada, sensual,  à moda oriental.

Esta palmeirinha pode chegar a altura de 25m, mas só a conheço pequena, talvez com no máximo 8-10 metros.  Ao lado das palmeiras reais, e de outras árvores de grande porte, parece pequena, quase uma joia, como a que vemos na foto.

Gosta de sol pleno ou pouca sombra. Precisa de muito espaço em uma área de paisagem, de boa drenagem e de boa irrigação.  Não é natural do Brasil.  Original de Madagascar, e introduzida aqui, no século passado, chama-se Palmeira Bismarck em homenagem ao primeiro chanceler do Império Alemão Otto von Bismarck.  No Brasil também é conhecida como palmeira azul.  Pode ser plantada em clima tropical e subtropical, em ambientes úmidos ou secos. Para reprodução precisa de palmeiras macho e fêmea plantadas próximas para polinização.  Ambas florescem e dão uma semente em cada fruto.

Por causa de sua aparência espetacular é favorita entre paisagistas de grandes jardins.





O verde do meu bairro: Lágrimas de Cristo

10 04 2018

 

 

 

DSC03688Lágrimas de Cristo,[Clerodendron thomsoniae], na Gávea, RJ.

 

 

Minha rua é de um único quarteirão.  Vai da esquina com edifícios a outra de casas à moda antiga.  Como todos os prédios da rua pagam uma companhia de segurança particular, as casas continuam a ter aquele ar de vivendas onde crianças podem e devem brincar no jardim, mesmo que muitas dessas casas hoje sirvam para pequenos escritórios onde trabalham não mais que cinco a oito pessoas.  Sim, ainda temos aquela impressão de rua puramente residencial.

Numa dessas casas/escritório há essa belíssima trepadeira chamada popularmente de Lágrimas de Cristo.  Floresce abundantemente na primavera e no verão.  Suas flores vão do rosa claro ao branco, mas a característica mais marcante é que há pétalas vermelhas bem no centro dessas flores, corolas vermelhas, que se projetam para fora e para o chão, como podemos ver na foto abaixo.

 

DSC03689Lágrimas de Cristo,[Clerodendron thomsoniae], na Gávea, RJ, DETALHE.

 

Procurando mais informações sobre essa maravilhosa trepadeira que fornece uma verdadeira tela natural dando privacidade à casa, soube que ela também se adapta ao interior das casas, desde que o ambiente seja bastante iluminado e que sejam colocadas em vasos pendentes. A palavra chave aqui é local muito iluminado, porque precisa de muita luz.  O que ela não suporta é frio…  Precisa de suporte para crescer em jardins.

 

DSC03687Lágrimas de Cristo,[Clerodendron thomsoniae], na Gávea, RJ, vista na grade.

 

É uma excelente opção para ser entrelaçada na grade de casa e ser apoiada em cercas.  Há muitos caramanchões que são guarnecidos por essas belas flores.  E com elas pode-se aproveitar mais a sombra no verão.

Não são originárias do Brasil.  Elas vêm da África Central. Para mais informações: Jardineiro.

 

DSC03690Lágrimas de Cristo,[Clerodendron thomsoniae], na Gávea, RJ, vista na grade, pétalas rosas e brancas.




Rio de Janeiro, 453 anos!

1 03 2018

 

 

arpoadorPraia do Arpoador

 

 

assinadaBarra da Tijuca

 

 

escada fundos assinadaEscada dos fundos, Casa de Rui Barbosa

 

 

DSC01567 assinadaParque das Crianças, Jardins do Palácio do Catete

 

 

1-maio1st.jpgPraça Santos Dumont, Gávea

 

 

MIRONGA, Av. RIO BRANCOassinada.jpgRestaurante Mironga, Avenida Rio Branco, Centro

 

 

winterCopacabana no inverno

 

 

Digital StillCameraPescadores na Baía de Guanabara

 

 

DSC08810 assinada.jpgConcerto de choros, ao ar livre, Jardim Botânico

 

 

swanslineupCisnes na Lagoa Rodrigo de Freitas

 

 

Rua Riachuelo assinadaRua Riachuelo, Lapa

 

 

posto12Leblon, posto 12

 

cactus no LemePedra do Leme

 

 

DSC01236.jpgBoulevard Olímpico, Zona Portuária

 

 

micoVida selvagem

 

 

banhistas nas pedrasBanhistas  nas pedras

 

 

rio de janeiro corcovado.jpgCorcovado à noite

 

 








%d blogueiros gostam disto: