Palavras para lembrar — Fred Coelho

6 04 2016

 

 

Galienni (França, contemp) Marguerite lisant Duras, 2003, ost, 60 x 60Marguerite lendo Duras, 2003

Galienni (França)

óleo sobre tela, 60 x 60 cm

 

 

 

“Quando tudo mais sufoca, um bom livro pode nos arrastar através da madrugada.”

 

Fred Coelho





“Época de jambo”, texto de Fred Coelho

3 09 2015

 

 

Gino Bruno, Leitura, Óleo sobre tela, 65 alt X 50 larg (cm), acidLeitura

Gino Bruno (Itália/Brasil, 1899-1977)

óleo sobre tela, 65 x 50 cm

 

 

“O Jambeiro-vermelho é uma espécie originária da Malásia, país invadido pelos portugueses em 1511. Eles partiram de Goa e conquistaram a região de Malaca, transformando o estado em uma cidade importante para a história da navegação ibérica durante sua fenomenal expansão pelos mares. Ou seja, na mesma época em que pingavam desterrados pela costa de Pindorama, as frotas portuguesas construíam igrejas e fortalezas sob a sombra do Jambeiro-vermelho. Após governarem por mais de um século, foram derrotados pelos holandeses em 1641, período em que, supostamente, vigorava um tratado militar de não agressão entre as duas potências ultramarinas por conta dos embates em Pernambuco. Provavelmente o Jambo veio parar entre nós nesse momento de ligação transversal do Brasil com a Malásia, via portugueses e holandeses. Será daí, dessa origem transatlântica, seu cheiro leve de memória do tempo mordido?”

 

Em: O Globo,coluna Época de jambo, 2º caderno, quarta-feira, 02/09/2015, p. 2.

 

Link

 





O escritor e o leitor — Fred Coelho

25 02 2015

 

 

André Netto, About little secrets 38, Óleo sobre Tela, 110 x 100About Little Secrets 38

André Netto (Brasil,contemporâneo)

óleo sobre tela, 110 x 100 cm

www.andrenetto.com

 

“Quem gosta de literatura sabe que o escritor e o leitor ocupam o mesmo lugar na hierarquia do texto. Ainda que o primeiro exiba uma força maior de visibilidade (o leitor é, em tese, anônimo na hora da leitura), sem o segundo ele simplesmente vaga solitário no deserto das palavras. Aos que leem, cabe a libertação da escrita em direção aos múltiplos sentidos que ela pode e deve oferecer ao mundo.”

 

Fred Coelho

 

Em: O Globo,coluna Responsas, 2º caderno, quarta-feira, 25/02/2015, p. 2.

 

Link para a coluna inteira








%d blogueiros gostam disto: