Nossos companheiros natalinos: gatinhos

24 12 2019

 

 

23F7AEA000000578-2869918-image-a-194_1418299864060

2c9392d77729f5b201222ec497da4efb

2c7429b642c5af78aea026de6f4e93b6

5d979c7d0b11b245eed1420b0e3d4612

1702d805643471339714457ce6774277-Christmas-Tree-and-Christmas-Gifts-the-Cat-Looking-Oil-Painting-Christmas

92be54b247a43cc2ee569ab4aef0955b

dfd7bd30cc05d319a3f17b5be423f494

77d690294be35bedad78b81958f8c2d4

cd2170c2e77318d49841d3e29a17d9e6

gatinho 123989795961341950_sLsuaPnj_c

gatinho de coleira festiva

Christmas-Kittens-Download-GraphicsFairy

35d5ad570239a0836eca317301ba721c

 

GATINHO xcat32

GATINHOS 320f7dc3084dea4cbe7d869fa382aef2

GATINHO, PORTA, ÁRVORE DE NATAL MENINO, FINLÂNDIA hyvaa-joulua-ja-onnellista-uutta-vuotta06

GATINHOS 41c7c2cd115f7c1db89a2afac4317aae

GATINHOS RTEmagicC_animals_13

 





Gato pensa? poesia infantil de Ferreira Gullar

3 08 2015

 

 

7 gatinhosIlustração anônima.

 

Gato pensa?

 

Ferreira Gullar

 

Dizem que gato não pensa
mas é difícil de crer.
Já que ele também não fala
como é que se vai saber?

A verdade é que o Gatinho,
quando mija na almofada,
vai depressa se esconder:
sabe que fez coisa errada.

E se a comida está quente,
ele, antes de comer,
muito calculadamente,
toca com a pata pra ver.

Só quando a temperatura
da comida está normal,
vem ele e come afinal.

E você pode explicar
como é que ele sabia
que ela ia esfriar?





Gato Félix mostra que tem muitas vidas!

8 04 2009

gatinho-assustadoGatinho assustado. 

 

 

 

 

 

Bombeiros ficaram surpresos quando conseguiram salvar um gato chamado Félix, encontrado ainda vivo debaixo de escombros de um edifício que desabara há cinco semanas, na cidade de Colônia na Alemanha.   O bichano sobrevivente, que tem 12 anos de idade, estava em meio à papelada dos arquivos da cidade, cujo prédio havia desmoronado no dia 3 de março próximo passado.  O acidente matou duas pessoas.  Mas o gatinho Félix se saiu bem, com vida e feliz apesar do susto.  Ele foi encontrado em meio aos montes de arquivos de papel que provavelmente amenizaram a queda a medida que as paredes e  pedaços de cimento do edifício caíam.  Félix saiu de lá com vida e  com boa saúde, de acordo com os bombeiros, que primeiro viram suas patinhas e só depois ouviram os fracos miados, enquanto recolhiam os escombros.

Fonte: Reuters





Xadrez — poesia infantil de Sidonio Muralha

31 07 2008

 

 

 

Xadrez    

 

 

É branca a gata gatinha

É branca como farinha.

É preto o gato gatão

É preto como o carvão.

E os filhos, gatos gatinhos,

São todos aos quadradinhos.

Os quadradinhos branquinhos

Fazem lembrar mãe gatinha

Que é branca como a farinha.

Os quadradinhos pretinhos

Fazem lembrar pai gatão

Que é preto como carvão

Se é branca a gata gatinha

E é preto o gato gatão,

Como é que são os gatinhos?

Os gatinhos eles são,

São todos aos quadradinhos.  

 

Sidonio Muralha, (Lisboa, 1920 – Curitiba, 1982)

 

 

Do livro:

A televisão da bicharada, Sidonio Muralha. Global: 1997, São Paulo. Originalmente publicado em 1962.

 

 





TÊNIS, poema de Guilherme de Almeida, infantil

21 07 2008

 

TÊNIS

 

A titia

borda e espia

o gato branco, enroscado

no feltro verde da mesa

e acordado,

com certeza.

 

Um novelo

cai.  E, ao vê-lo,

o gato bate na bola

e a bola, branca de neve,

pula e rola,

fofa e leve…

 

Silenciosa,

vagarosa,

 uma duas angolinhas…  

a bola solta uma lenta,

longa linha

que se aumenta.

 

Pouco a pouco,

no mais louco

desnorteante corrupio,

a bola desaparece.

Mas o fio

Cresce… cresce…

 

 

Guilherme de Almeida

 

 

 

Guilherme de Andrade e Almeida – (SP 1890 — SP 1969) foi um advogado, jornalista, poeta, ensaísta e tradutor brasileiro.

 

Principais Obras

Poesia

Nós (1917);

A dança das horas (1919);

Messidor (1919);

Livro de horas de Soror Dolorosa (1920);

Era uma vez… (1922);

A flauta que eu perdi (1924);

Meu (1925);

Raça (1925);

Encantamento (1925);

Simplicidade (1929);

Você (1931);

Poemas escolhidos (1931);

Acaso (1938);

Poesia vária (1947);

Toda a poesia (1953).

Ensaios:

Do sentimento nacionalista na poesia brasileira, (1926);

Ritmo, elemento de expressão (1926)

 








%d blogueiros gostam disto: