Papa-livros, leitura para fevereiro: Jeff em Veneza, morte em Varanasi, de Geoff Dyer

26 01 2011

 

Mulher contemplando o mar , 1933

Max Beckmann (Alemanha, 1884 – EUA, 1950)

Óleo sobre tela

Museu Ludwig, em empréstimo do Museu de Arte de Bremen

—-

—-

A partir deste mês vou colocar aqui, a escolha que o grupo Papa-livros fez para leitura e discussão.  Assim aqueles que quiserem acompanhar as nossas leituras estarão a postos.

Leitura para FEVEREIRO, discussão a partir do dia 21.

SINOPSE ( com texto das descrições das editoras brasileiras e portuguesa):

—-

O jornalista Jeff Atman está em Veneza para cobrir a abertura da Bienal de Arte. Espera ver muitas obras de arte, ir a muitas festas e beber muitos bellinis. Não espera conhecer a sedutora irresistível galerista americana e  Laura, que irá mudar completamente a sua curta estadia na cidade e o faz protagonista de um romance incandescente que provoca mudanças e revelações radicais.

 Outra cidade, outro trabalho: desta vez nas margens do Ganges, em Varanasi. Por entre as multidões, os ghats e o caos da mais sagrada cidade hindu, espera-o um tipo diferente de transformação.  Nessa segunda história, um narrador misterioso, que pode ser ou não o mesmo Atman visto em Veneza, tem sua estada ampliada na Índia, em uma missão jornalística. Mas o que seriam apenas alguns dias transformam-se em meses. Assim, entre turistas e peregrinos nas margens do rio Ganges, em Varanasi, a cidade mais sagrada da Índia, ele passa de ator a observador. Torna-se testemunha do romance de um casal de turistas e de episódios que refletem prazeres aos quais renunciaria.

Pontuado por meditações sobre o amor erótico e o anseio espiritual, Jeff em Veneza, Morte em Varanasi confirma Geoff Dyer como um dos mais notáveis escritores da Grã-Bretanha. Com diversas referências a clássicos como Morte em Veneza, de Thomas Mann; O fio da navalha, de Somerset Maugham, e Venice Observed, de Mary McCarthy, foi saudado pela crítica como um livro divertido, elegante, sensual, engraçado, bem-construído e absolutamente fascinante.  

Nessas duas aventuras  o autor aborda o desejo em todas as suas manifestações: o desejo de sensações, de fuga e de se tornar outra pessoa, seja por meio do amor ou da arte, seja através do entorpecimento ou da transformação espiritual. O resultado é um livro repleto de alusões aos mitos sobre essas duas velhas cidades debruçadas sobre a água, que se tornaram ícones da arte ocidental e da religiosidade oriental.

Uma narrativa muito bela sobre amor erótico e desejo espiritual, Jeff em Veneza, Morte em Varanasi é divertido, elegante, sensual, cômico, engenhoso e absolutamente cativante. Consagra Geoff Dyer como um dos mais provocantes e originais escritores britânicos.

—-

Título: Jeff em Veneza, Morte em Varanasi 

Autor: Geoff Dyer 

Tradução:  José Rubens Siqueira

Editora: Intrinseca 

ISBN: 9788598078861 

Número de Páginas: 320   

 





Conselhos a um escritor de ficção, várias opiniões — I

22 05 2010

 

Ilustração, Snoopy escreve seu romance, Charles M. Schulz.

No ano passado, foi lançado nos Estados Unidos um livro que se tornou líder de vendas:  10 rules of good writing [10 regras da boa escrita].  Recentemente , o autor deste sucesso  Elmore Leonard, foi lembrado pelo jornal The Guardian da Inglaterra, que repetiu um sumário dessas regras e pediu também a outros autores que listassem suas recomendações para a boa escrita.

Traduzo livremente o artigo.

Elmore Leonard

 

10 regras para se escrever bem:

1 –  Não comece o texto com o tempo.  Se for para criar uma atmosfera, e não uma reação do personagem ao tempo, você não deve se prolongar.  O leitor tenderá a ir em frente procurando por gente.  Há exceções.   Se você for Barry Lopez, que tem mais maneiras de descrever gelo e neve do que um esquimó, como no seu livro Artic Dreams [Sonhos do Ártico], você poderá fazer qualquer descrição de tempo que queira.  

2 – Nenhum extra: prólogo, introdução, prefácio.  Evite os prólogos: eles podem ser cansativos, especialmente se for um prólogo após uma introdução que vem depois de um prefácio.  Mas estes, em geral, só são encontrados em trabalhos de não-ficção.  O prólogo num romance é a história anterior e você pode inseri-la quando quiser.  Há um prólogo no livro de John Steinbeck Sweet Thursday, mas tudo bem, porque o personagem do livro justifica o que as minhas regras expõem.   Ele diz: “Gosto de muito diálogo num livro e não gosto de ter alguém me contando sobre a aparência do cara que está falando.  Eu quero imaginar a cara dele a partir da maneira como ele fala.”

3 – …disse.  [é o bastante!].  Use sempre o verbo “disse” para indicar o diálogo.  A sentença do diálogo pertence ao personagem; o verbo é uma interferência do escritor.  Mas “disse” é muito menos manipulador do que “murmurou”, “mentiu”, “aconselhou”, “suspirou”.  Lembro-me de uma vez em que Mary McCarthy acabou um diálogo com “ela asseverou” e tive que parar de ler para ir ao dicionário. 

4 –  Fora com os advérbios.   Nunca use um advérbio para modificar o verbo “disse”… ele sobriamente advertiu.  Para usar o advérbio dessa maneira ( ou em quase todas as maneiras) é um pecado mortal.  O escritor  se expõe ao usar uma palavra que distrai a atenção e que pode interromper o ritmo da troca de idéias.  Tenho um personagem em um de meus livros que explica como ela escrevia romances históricos; “cheios de estupros e advérbios”.

5 –  Pouquíssimos pontos de exclamação! Mantenha o número dos pontos de exclamação sob controle.   Só é permitido usar dois ou três por cada 100.000 palavras de prosa.  Se você tem  a habilidade de exclamações como a do escritor Tom Wolfe, você pode colocar muito mais.

6 – Corte os: de repente ou equivalentes de “tudo foi para as cucuias”.  Nunca use as expressões “De repente” ou “ e tudo foi para o brejo”.   Essa regra não precisa de explicações.  Já notei que escritores que usam “de repente” raramente têm controle sobre os pontos de exclamação.

7 – Evite dialetos regionais.  Use raramente dialetos regionais.  Quando você começar a escrever palavras foneticamente em um diálogo e encher as páginas com apóstrofes, você não vai conseguir parar.  Preste atenção, por exemplo, na maneira como Annie Proulx captura o sabor das vozes de Wyoming no seu livro de contos Close Range.

8 – Não detalhe os personagens. Evite as  descrições detalhadas dos personagens, Steinbeck notou isso.  No livro de Ernest Hemingway Hills Like White Elephants, como era a aparência da americana com ele?  “ Ela tinha tirado o chapéu e o pousara sobre a mesa. “   Este é o único traço de uma descrição física na história.

9 – Não perca tempo com paisagens.  Não descreva coisas e paisagens com  muitos detalhes, a não ser que você seja uma Maragaret Atwood e consiga pintar cenas com linguagem.  Você não deve interromper uma cena de ação, o movimento da história, não deve pará-la.

10 – Não escreva o que você não leria.  Tente deixar de lado as partes que os leitores pularão.  Pense no que você pula quando lê um romance: longos parágrafos de prosa que você vê que têm palavras demais no seu conteúdo. 

A regra mais importante, que contém todas as outras 10:  se soa como prosa, re-escreva.

Mas quem é Elmore Leonard para dar conselhos?

Ele é um escritor que começou sua carreira escrevendo faroeste.  Depois voltou sua atenção para a ficção detetivesca: crime e mistério.   Ele é um escritor dos mais prolíficos.   Já escreveu mais de 30 romances, a maioria deles grandes sucessos de vendas.  É um escritor que é levado a sério  pelo mundo literário.  Elmore Leonard nasceu em Nova Orleans, Louisiana (EUA), em 1925.  Muitos de seus romances foram adaptados para o cinema.  Também é roteirista e redator de publicidade. Tornou-se conhecido a partir dos anos 80, quando chamou a atenção da crítica e do público. Sua obra recebeu diversas premiações, entre elas o Grand Master Award da associação Mystery Writers, concedido apenas aos autores cujo conjunto de suas publicações deu contribuição significativa para o desenvolvimento do gênero. Ele tem seis livros publicados pela Rocco, entre eles Ponche de rum, que inspirou ao cineasta Quentin Tarantino o filme Jackie Brown. Os outros são: Maximum Bob, Pronto, Cárcere privado, Irresistível paixão e Cuba Libre.

Pascoal, sobrinho do Professor Pardal, escrevendo uma carta, ilustração Walt Disney. 

Diana Athill

—–

Nascida em 1917, Diana foi funcionária da BBC na Segunda Guerra. Em sua longa carreira de editora trabalhou com autores do calibre de Elias Canetti, Philip Roth e John Updike, ajudando André Deutsch a consolidar a empresa que levava seu nome, uma das mais prestigiosas casas editoriais de seu país.

1 – Leia em voz alta para você mesmo.  Esta é a única maneira de saber se o ritmo das frases está certo.

2 – Corte ( talvez isso devesse ser CORTE):  só as palavras essenciais contam.

3 –  Você não precisa acabar com as suas frases favoritas, mas aquelas que lhe são muito caras, aquelas das quais você está orgulhoso, volte a lê-las.  Invariavelmente seu texto ficará melhor sem elas.

Margaret Atwood

 

Margaret Atwood é canadense.  Publicou seu primeiro livro aos 22 anos. Hoje, sua extensa e diversificada bibliografia conta com mais de 30 títulos, entre romances, coletâneas de contos, poesias, livros infantis e textos não-ficcionais. Sua vasta experiência inclui também roteiros para rádio e televisão. Traduzida para dezenas de idiomas, sua obra já lhe rendeu prêmios como o Booker Prize, recebido no ano 2000 pelo romance O assassino cego. A autora ostenta títulos honorários de mais de dez universidades e já teve um livro adaptado para o cinema.

1 – Para escrever num avião leve um lápis.  Canetas vasam.  Mas se o lápis quebra, você não pode apontá-lo, porque não pode levar o apontador dentro do avião.  Então, leve dois lápis.

2 – Se ambos os lápis quebrarem, você poderá afiar  a ponta, numa emergência,  com uma lixa de unhas.

3 – Leve algum material em que escrever.  Papel seria bom.  Numa emergência pedaços de madeira ou seu próprio braço servem.

4 – Se você usa um computador, sempre proteja o seu novo texto com um pen drive.

5 – Faça exercícios para as costas.  Dores tiram a atenção.

6 – Mantenha a atenção do leitor.  (Isso fluirá melhor se você conseguir manter a sua própria atenção).  Mas você não conhece o leitor, então é como caçar com uma única bala no escuro.  O que fascina A certamente aborrecerá B.

7 – Provavelmente você precisará de um bom dicionário, de uma gramática elementar e de uma boa dose de realidade.  Isso quer dizer:  nada é de graça.  Escrever é trabalho duro.  Também é uma aposta.  Você não tem plano de aposentadoria.  Outras pessoas podem lhe ajudar um pouco, mas – basicamente você estará sozinho, por si só.  Ninguém o está forçando a fazer isso:  é sua escolha, não reclame.

8 – Você jamais poderá ler seu próprio livro com a ingênua antecipação com que lê a primeira página de um novo livro, porque você o escreveu.  Você conhece os bastidores; viu como os coelhos foram escondidos dentro do chapéu.   Então, peça a um ou dois amigos para lerem o texto antes que você o envie para uma editora.  Esse amigo não deve ser alguém com quem você mantém um relacionamento amoroso, a não ser que vocês queiram se separar.  

9 – Não se sente no meio da floresta.  Se você se perder no enredo ou se tiver um bloqueio, volte nos seus passos at onde você se perdeu.  Aí, pegue a  outra estrada.  E/ou mude de personagem.  Mude o tempo verbal.  Mude a primeira página.

10 – Uma oração pode funcionar.  Ou ler uma outra coisa.  Ou visualizar ininterruptamente o Santo Graal que é o final, a versão publicada e esplendorosa do seu livro.

Ilustração Pato Donald escritor,  Walt Disney.

Roddy Doyle

 

Roddy Doyle nasceu em Dublin, Irlanda, em 1958. Escreveu diversos romances, muitos  adaptados para o cinema. Também foi ganhador do Man-Booker Prize, em 1993. O autor também escreve roteiros e scripts para o cinema. Mora em Dublin.

1 – Não coloque a foto de seu escritor favorito na sua mesa de trabalho, principalmente se ele for um daqueles famosos que se suicidou.

2 – Seja generoso consigo mesmo.  Preencha páginas o mais rápido possível; espaço duplo, ou escreva pulando uma linha.  Veja cada nova página como um pequeno triunfo.

3 – Até que você chegue à página 50.  Aí acalme-se, e comece a se preocupar com a qualidade.  Sinta a ansiedade, ela faz parte do trabalho.

4 – Dê um nome ao seu livro o mais rápido possível.  Tome posse dele, visualize-o.  Dickens sabia que Bleak House se chamaria assim antes de começar a escrevê-lo.  O resto deve ter sido mais fácil. 

5 – Restrinja suas visitas a uns poucos portais na internet, por dia.  Não procure por livros na rede, a não ser que seja para pesquisa.

6 – Mantenha próximo um dicionário, mas guarde-o no junto coma as ferramentas do jardim ou atrás da geladeira, em algum lugar que você precise fazer um esforço para consultá-lo.  Provavelmente as palavras que lhe vêem à cabeça serão adequadas, como “cavalo”, “correr”, “disse”.

7 – Vez por outra seja seduzido.  Lave o chão da cozinha, pendure as roupas lavadas.  É pesquisa.

8 – Mude de idéia.  Boas idéias em geral são assassinadas por melhores idéias.  Eu estva escrevendo um romance sobre um grupo chamado  The Partitions.  Aí decidi chamá-los The Commitments. [NT: Ele se refere ao seu grande sucesso nas telas do cinema, ao filme que, no Brasil, levou o título Loucos pela Fama.]

9 –  Não procure pelo livro que você ainda não escreveu na Amazon.com.

10 – Gaste alguns minutos por dia trabalhando no blog do seu livro, mas depois volte ao trabalho.

Helen Dunmore

 

Helen Dunmore é uma poetisa inglesa, romancista e escritora de livros infanto-juvenis.  Ganhou já diversos prêmios de ficção entre eles o Orange Prize.  Alguns de seus livros infanto-juvenis são hoje em dia adotados nas escolas britânicas.  Ela mora em Bristol.

—-

1 – Acabe cada dia de escrita enquanto você ainda quer continuar a escrever.

2 – Ouça o que você escreveu.  Um erro no ritmo de um diálogo pode mostrar que você ainda não entende seus personagens tão bem quanto o necessário para transcrever suas vozes.

3 – Leia as cartas de Keats.

4 – Releia, re-escreva, releia, re-escreva.  Se o texto ainda não estiver certo jogue-o fora.  Vai se sentir bem, e você não quer ficar cheio de poemas mortos e histórias que tem tudo neles menos a vida de que precisam.

5 – Memorize seus poemas.

6 – Torne-se membro das organizações profissionais que contribuem para os direitos dos autores.

7 —  Um problema de texto com freqüência é resolvido se você sai para uma longa caminhada.

8 —  Se você acha que tomar conta das crianças e da casa vão estragar a sua escrita lembre-se do escritor J.G. Ballard.

9 – Não se preocupe com a posteridade. Como Larkin observou “ o que sobreviverá de nós é o amor”.

Ilustração Walt Disney, Nestor e Peninha conversam sobre um livro.

—-

—-

Geoff Dyer

 

Geoff Dyer nasceu em Cheltenham, Inglaterra, em 1958, e estudou em Oxford. É autor de três romances, de diversos livros de não-ficção, e escreve artigos para publicações como The Guardian, The Independent, New Statesman e Esquire.

—-

1 – Nunca se preocupe com as possibilidades comerciais do seu projeto.  Isso é ou não preocupação  para os agentes e editores.   Conversa com meu agente americano.  Eu: “ Estou escrevendo um livro tão chato, com possibilidades comerciais tão pequenas, que se você publicá-lo provavelmente vai perder o seu emprego.”  Agente:  “É exatamente isso que me faz querer manter o meu emprego.”

2 – Não escreva em lugares públicos.  No início dos anos 90 fui morar em Paris.  Pelas razões conhecidas pelos escritores:  naquela época se você fosse apanhado escrevendo num bar na Inglaterra, você poderia ter apanhado, enquanto em Paris, nos cafés…  desde então tenho aversão a escrever em público.  Hoje acredito que deva ser feito só em casa, como qualquer outra atividade de limpeza.

3 – Não se torne um daqueles escritoires que se limitam a passer a vida inteira bajulando Nabokov.

4 – Se você usa um computador, faça melhorias, estabeleça novos parâmetros nas correções automáticas.  A única razão de permanecer file ao meu pobre computador é que eu já investi tanta imaginação nele, construindo uma das melhores pastas de auto-correção da história literária.   Palavras perfeitamente soletradas aparecem com apenas algumas poucas teclas:  “Niet” se transforma em “Nietzsche”, “phoy” se torna “photography”  e assim por diante.  Genial!

5  — Mantenha um diário.  Um dos meus maiores arrependimentos é de nunca ter mantido um diário.

6 – Tenha alguns arrependimentos.  Eles são energia.  Na página eles se transformam em desejos.

7 – Trabalhe mais de uma idéia ao mesmo tempo.  Se tiver que fazer uma escolha entre escrever um livro e não fazer nada eu sempre escolherei a última opção.  Só se eu tenho uma idéia para dois livros é que eu escolho trabalhar num ao invés do outro.  Tenho sempre que me sentir como escapando de algum projeto.

8 – Tome cuidado com os clichês.  Não só os clichês com que Martin Amis está sempre brigando.  Há respostas que são clichés, assim como expressões.  Há clichês de observação e de pensamento – até mesmo de conceito.   Muitos romances, até mesmo alguns razoavelmente bem escritos, têm clichês no formato assim como clichês nas expectativas.

9 – Escreva todos os dias.  Crie o hábito de colocar suas observações em palavras e gradualmente isso se tornará instintivo.  Essa é a regras mais importante de todas e eu, naturalmente, não a sigo.

10 – Nunca ande numa bicicleta sem freios.  Se alguma coisa se mostra muito difícil, desista e faça alguma outra coisa.  Tente viver sem ter que se submeter à perseverança.  Mas para escrever tudo é perseverança.  Você tem que insistir.  Quando eu estava com uns 30 anos eu ia malhar, apesar de detestar fazer isso.  A intenção era pospor o dia em que eu iria parar de ir.  É isso o que escrever é para mim:  uma maneira de pospor o dia em que eu não o farei mais, o dia em eu entrarei numa depressão tão profunda que será indistinguível da felicidade total.

Anne Enright

 

Anne Enright (1962, Dublin, Irlanda) arrematou o Man Booker Prize de 2007 com o romance O Encontro, um mergulho no passado de uma família disfuncional. Atualmente é crítica de Literatura do Guardian.  Teve seus textos publicados nas revistas New Yorker, Granta e London Review of Books. Os recônditos da vida familiar, tema central de suas obras, são explorados em linguagem inventiva.

—-

1 – Os primeiros 12 anos são os piores.

2 – A maneira de escrever um livro é na verdade escrever um livro.  Uma caneta é útil, bater à máquina também.   Esteja sempre colocando palavras na página.

3 – Só os escritores ruins pensam que seu trabalho é realmente bom.

4 – Descrições são difíceis.  Lembre-se de que toda descrição é uma opinião sobre o mundo.  Acha o seu ponto de vista.

5 – Escreva o que quiser.  Ficção é feita de palavras numa página; realidade é feita de outra coisa.  Não importa o quão a sua história é “real”, ou quanto é “inventada”:  o que importa é a sua necessidade.

6 – Tente ser preciso sobre as coisas.

7 – Imagine-se morrendo.  Se você tivesse uma doença incurável você acabaria o seu livro?  Por que não?  O que aborrece nesta vida de 10 semanas de sobrevivência é o que está errado como seu livro.   Mude.  Pare de argumentar com você mesmo.   Mude. Vê?  É fácil.  E ninguém precisou  morrer.    

8 – Você também pode fazer tudo isso com uísque.

9 – Divirta-se.

10 – Lembre-se, se você se sentar  à sua mesa de trabalho por 15 ou 20 anos, todos os dias, sem contar os fins de semana, isso mudará algo em você.  Simplesmente acontece.  Pode mudar a sua disposição, mas consolida outra coisa.  Faz você ficar mais livre.

Ilustração: Margarida escreve em seu diário, Walt Disney.

Richard Ford

 

Richard Ford é um escritor americano, romancista e contista, vencedor do Pulitzer Prize.  Alguns de seus livros já foram passados para o cinema com grande sucesso.

—-

1 – Case-se com alguém que você ame e que ache que você ser escritor é uma idéia maravilhosa. 

2 – Não tenha filhos.

3 – Não leia críticas.

4 – Não escreva críticas ( seu julgamento é sempre preconceituoso).

5 – Não tenha discussões com sua mulher de manhã ou tarde da noite.

6 – Não beba e escreva ao mesmo tempo.

7 – Não escreva cartas para o editor ( ninguém está interessado).

8 – Não deseje mal aos seus colegas.

9 – Pense que a sorte dos outros é um bom encorajamento para você.

10 – Se possível, não deixe ninguém lhe encher o saco.

 —

Jonathan Franzen

—–

Nasceu em Western Springs, Illinois, em 1959.  Colabora com as revistas The New Yorker e Harper’s. Foi eleito pela revista literária Granta um dos vinte melhores jovens romancistas americanos. Polêmico, recusou-se a ir ao talk show de Oprah Winfrey, um dos programas de TV de maior audiência dos Estados Unidos, para divulgar o romance As correções.

—-

1 – O leitor é um amigo, não é um adversário, nem um espectador.

2 —  Ficção que não é a aventura pessoal de um autor num mundo desconhecido ou perigoso não vale a pena ser escrita, só vale a pena ser escrita por dinheiro.

3 – Nunca use a palavra “então” como conjunção – temos “e” para essa função.  Substituir “então” é uma maneira preguiçosa, para um autor sem ouvido, para o problema de “e” demais numa página.

4 – Escreva na Terceira pessoa a não ser que você tenha um primeira voz muito distinta e que se ofereça sedutoramente.

5 —  Quando uma informação se torna gratuita e accessível universalmente, a pesquisa volumosa para um romance se torna tão sem valor quanto a informação.

6 – A mais pura ficção autobiográfica requer pura invenção.  Ninguém escreveu uma história mais autobiográfica do que “ A Metamorfose”.

7 – Você vê mais se sentando imóvel do que indo atrás.

8 –  É duvidoso que qualquer pessoa com uma conexão à internet na sua área de trabalho esteja escrevendo boa ficção.

9 – Verbos interessantes raramente são muito interessantes.

10 – Você precisa amar antes de ser implacável.

Ilustração: Mickey tenta escrever, Walt Disney.

Esther Freud

 

Nasceu em Londres em 1963, filha do pintor Lucien Freud e bisneta de Sigmund Freud.  Foi atriz antes de se dedicar à literatura.

—- 

1 – Corte as metáforas e símiles.  No meu primeiro livro prometi a mim mesma que não iria usar qualquer uma delas – mas eu me quebrei a promessa – durante um por de sol no capítulo 11.  Ainda enrubesço quando leio essa passagem.

2 – Uma história precisa de ritmo.  Leia em voz alta para você mesmo, se não parece mágico há algo que está faltando.

3 – Editar é tudo.  Corte até que você não possa cortar mais.  O que resta em geral ganha vida.

4 – Ache a melhor hora do dia para escrever e escreva.  Não deixe qualquer outra coisa interferir.  Depois não fará a menor diferença se a sua cozinha está bagunçada. 

5 – Não espere pela inspiração.  Disciplina é o segredo.

6 – Confie no seu leitor.  Não precisa explicar tudo.  Se você sabe alguma coisa e se colocou vida nisso, os leitores também saberão.

7 – Não se esqueça até mesmo suas regras foram feitas para serem quebradas.

Neil Gaiman

 

Neil Gaiman é um autor inglês, de romances e quadrinhos que escolheu viver nos Estados Unidos, em Minneapolis.  É internacionalmente conhecido como roteirista por seu trabalho na série Sandman.  Gaiman não se fixou nos quadrinhos, também escreve roteiros para séries televisivas e atualmente vem se dedicando à carreira literária. 

—–

1 – Escreva.

2 –  Coloque uma palavra atrás da outra.  Ache a palavra certa, escreva-a.

3 —  Acabe o que você está escrevendo.  Não importa o que seja necessário, chegue ao fim.

4 – Ponha o que escreveu de lado.  Leia como se não tivesse nunca lido antes.  Mostre aos amigos cujas opiniões você respeita e que gostam do tipo de ficção que você escreve.

5 – Lembre-se:  quando alguém diz que há alguma coisa errada ou que não se entusiamaram, eles estão quase sempre certos.  Quando eles dizem a você exatamente o que está errado e mostram como consertar, eles estão quase sempre errados.

6 – Conserte o texto.  Lembre-se de que, mais cedo ou mais tarde, antes de chegar à perfeição, você terá que deixar o texto ir embora e continuar a sua vida, começar a escrever seu próximo texto.  Perfeição é como querer caçar o horizonte.   Vá em frente.

7 – Ria-se de suas próprias piadas.

8 – A principal regra da escrita é que se você faz isso com bastante segurança e confiança, você tem permissão de fazer o que quiser.  (Esta talvez seja uma regra para vida assim como para a escrita.  Mas é verdadeira para a escrita).  Então, escreva sua história como ela precisa ser escrita.  Escreva com honestidade e conte-a da melhor forma possível.  Não sei se há qualquer outra regra.  Nenhuma que seja importante.

Ilustração, Chico Bento estuda ao som de música, Maurício de Sousa.

David Hare

 

Dramaturgo e argumentista inglês, nascido em 1947, em St. Leonards, no Sussex.

—-

1 – Escreva só quando tiver alguma coisa para dizer.

2 – Nunca siga os conselhos de pessoas para quem o resultado não tem importância.

3 – Estilo é a arte de sair do caminho e não de se colocar nele.

4 – Se ninguém encenar a sua peça, encene você mesmo.  

5 – Piadas são como os pés e as mãos de um pintor.  Talvez não seja o que você pretenda fazer, mas você tem que saber fazê-las no caminho.

6 – O teatro pertence primeiramente ao jovem.

7 – Ninguém chega a consitencia sendo um dramaturgo.

8 —  Nunca vá a um festival de pessoas da TV com pretensões de festival literário.

9 – Nunca reclame de não ser compreendido.  Você escolhe se quer ser compreendido ou não.

10 – As duas palavras mais deprimentes na língua inglesa são: “ficção literária”.

PD James

—–

Phyllis Dorothy James, OBE, nasceu em Oxford, Inglaterra.  É a Baronesa James de Holland Park, membro da House of Lords (Câmara dos Lordes) e uma escritora britânica de ficção policial que usa o nome P. D. James ao assinar as suas obras.   É reconhecida como uma das escritoras que mais influenciaram o género literário do romance de mistério, sendo especialmente notável a forma como caracteriza as suas personagens e a sua habilidade em construir atmosferas cheias de detalhes.

——

1 – Aumente o seu poder com as palavras.  Palavras  são a matéria prima da sua arte.  Quanto maior o seu vocabulário mais efetiva a sua escrita. 

2 – Leia amplamente e com discriminação.   Má escrita é contagiante.

3 – Não só planeje escrever – escreva!  É só escrevendo, e não sonhando a respeito, que você poderá desenvolver o seu próprio estilo.

4 – Escreva aquilo que você precisa escrever, e não o que está na moda no momento, ou  o que você acha que será vendável.

5 – Abra a sua mente para novas experiências, particularmente para o estudo das pessoas.  Nada que acontece com um escritor – feliz ou trágico – é desperdiçado.

FIM DA PRIMEIRA POSTAGEM — PRÓXIMA POSTAGEM CONTINUAÇÃO COM OUTROS AUTORES.








%d blogueiros gostam disto: