Rio de Janeiro: uma joia tropical

22 01 2021

Praia com figuras

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 – 1962)

aquarela sobre papel, 36 x 50 cm.





Balaio, poema de Wilson W. Rodrigues

24 08 2020

Homem com cavalos

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 – 1962)

óleo sobre  tela, 32 x 40 cm

 

 
Balaio

 

Wilson W. Rodrigues

 

 

Deixa o meu balaio velho

que guardei como lembrança

do tempo em que no balaio

levava muita esperança…

 

Eu mesmo fiz o balaio,

entrancei-o em sua trança,

cantando as minhas cantigas

que aprendi quando criança.

 

Com o balaio nas costas,

tive tanta ilusão mansa,

pensei até que amaria

a filha do rei de França.

 

Com tanta coisa sonhei!

Tudo se foi sem tardança…

Só meu balaio ficou

com minha desesperança.

 

Em: Bahia Flor: poemas, Wilson W. Rodrigues, Rio de Janeiro, Editora Publicitan: 1949.p. 55.





O cavalo na arte brasileira

8 04 2019

 

 

 

 

Cândido Portinari, Cabeça de Cavalo, lápis de cera, sd, 10x8,5Cabeça de cavalo

Cândido Portinari (Brasil, 1903 – 1962)

lápis de cera, 10 x 8 cm

 

 

Plinio Afonso Frantz, Disparada,2009,ast, 80 x 70Disparada, 2009

Plinio Afonso Frantz (Brasil, 1943)

acrílica sobre tela, 80 x 70 cm

 

Lucilio de Albuquerque - (1877 - 1939) - Cena do interior com cavalos - OST - Assinado CID - Med. 85 x 107 cmCena do interior com cavalos

Lucilio de Albuquerque ( Brasil, 1877 – 1939)

óleo sobre tela,  85 x 107 cm

 

ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)Cavalo,1990, ast 60x81Cavalo, 1990

Aldemir Martins (Brasil, 1922 – 2006)

acrílica sobre tela, 60 x 81 cm

 

 

BIANCO, Enrico,Carregando Cana, 1973,óleo s chapamad. ind., 35 x 25 cmCarregando Cana, 1973

Enrico Bianco (Itália/Brasil, 1918 – 2013)

óleo sobre chapa de madeira industrializada, 35 x 25 cm

 

 

 

CARYBÉ, HECTOR(ARGENTINA-BRASIL, 1911-1997)Marinha com Cavalos,Têmpera e vinil,1958, 25 x 35 cmMarinha com Cavalos,1958

Hector Carybé (Argentina/Brasil, 1911-1997)

Têmpera e vinil, 25 x 35 cm

 

alberto massuda 40 x 60 cmOST 40 x 60 cmSem título

Alberto Massuda (Egito/Brasil, 1925 – 2000)

óleo sobre tela, 40 x 60 cm

 

 

GEORGINA DE ALBUQUERQUE (Taubaté, São Paulo, 1885 - Rio de Janeiro, 1962) Cena Rural com Cavalos. Óleo stela. Ass. cie. 60 x 88 cm. Cena Rural com Cavalos

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 -1962)

Óleo sobre tela, 60 x 88 cm

 

 

Mario Zanini (1907-1971) Cavalos,1963,ost,34x57Cavalos, 1963

Mario Zanini (Brasil, 1907-1971)

óleo sobre tela, 34 x 57 cm

 

 

BANDEIRA DE MELLO - Cavalos tempera e óleo sobre aglomerado, 46X72cm. Assinado 1967. Medida da moldura 48X74.5cm.Cavalos, 1967

Lydio Bandeira de Mello (Brasil, 1929)

tempera e óleo sobre aglomerado, 46 X 72cm.

 

 

Nelson Jungbluth (Brasil,)Querência,2007,ácrilicasduratex,100 x 100 cmQuerência, 2007

Nelson Jungbluth (Brasil, 1921 – 2008)

ácrilica sobre duratex, 100 x 100 cm

 

 

JORDÃO DE OLIVEIRA (1900 -1980). Cavalos no Campo, óleo s tela, 60 x 92. Assinado e datado (1935) no c.i.d.Cavalos no campo, 1935

Jordão de Oliveira ( Brasil, 1900 -1980)

óleo sobre tela, 60 x 92 cm

 

 

TERUZ, Orlando (1902 - 1984), Cavalo, 1940, ost, 65x80Cavalo, 1940

Orlando Teruz (Brasil, 1902 – 1984)

óleo sobre tela,  65 x 80 cm

 

 

 





Eu, pintora: Georgina de Albuquerque

21 03 2019

 

 

 

Georgina de albuquerqueAutorretrato, 1904

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885- 1962)

óleo sobre tela

Museu Nacional de Belas Artes





Flores para um sábado perfeito!

29 12 2018

 

 

 

GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1885 - 1962) - Flores - ost - 50 x 65Flores

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 – 1962)

óleo sobre tela, 50 x 65 cm





Era uma vez um palácio imperial…

3 09 2018

 

 

SILVIO PINTO, Quinta da Boa Vista - óleo sobre madeira - 52x71cm - ass., datado e localizado cid. 1947 - Rio. Obra adquirada em leilão do Copacabana Palace (Coleção particular ROSANAQuinta da Boa Vista, 1947

Sylvio Pinto (Brasil, 1918-1997)

óleo sobre madeira, 52 x 71 cm

 

MODESTO BROCOS(1852-1936)Vista de S. Christovão,ost,34 x 49 cmVista de São Cristóvão

Modesto Brocos (Espanha/Brasil, 1852 -1936)

óleo sobre tela, 34 x 49 cm

 

Belmiro de ALmeida, Palácio de São CRistovao, 1894Palácio de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista, 1894

Belmiro de Almeida (Brasil, 1858- 1935)

óleo sobre tela, 26 x 46 cm

MAR, Museu de Arte do Rio de Janeiro

 

Georgina de Albuquerque, Domingo na Quinta da Boa Vista, ost. 98 x 111cmDomingo na Quinta da Boa Vista, s.d.

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 – 1962)

óleo sobre tela, ost. 98 x 111cm

 

GUSTAVO DALL'ARA-Quinta da Boa Vista - ost - 55 x 58 - 1919 - Coleção FadelQuinta da Boa Vista, 1919

Gustavo Dall’ara (Itália, 1865 – 1937)

Óleo sobre tela – 55 x 58 cm

Coleção Fadel

 

 

TEIXEIRA DA ROCHA - Quinta da Boa Vista - Óleo sobre madeira - 51 x 92 - 1906Quinta da Boa Vista, 1906 

Teixeira da Rocha (Brasil, 1863- 1941)

Óleo sobre madeira, 51 x 92 cm





Flores para um sábado perfeito!

23 06 2018

 

 

GEORGINA DE ALBUQUERQUE - Vaso de Flores, O.S.T, assinado no canto inferior esquerdo.45x37 cm.Vaso de flores

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885-1962)

óleo sobre tela, 45 x 37 cm





Domingo, um passeio no campo!

28 01 2018

 

 

Georgina de Albuquerque, Paisagem, oscartao colado em madeiraPaisagem

Georgina de Albuquerque (Brasil 1885 – 1962)

óleo sobre cartão colado em madeira





Maternidade na arte brasileira

14 05 2017

 

 

Georgina de Albuquerque, Maternidade, óleo tela, 159 x 139 cm,1930s, Museu D. João VIMaternidade, década de 1930

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885-1962)

óleo sobre tela, 159 x 139 cm

Museu D. João VI, Escola de Belas Artes, UFRJ

 

 

AURELIO D'ALINCOURT (1919-1990). Maternidade, óleo s tela, 66 X 81.Maternidade

Aurélio d’Alincourt (Brasil, 1919-1990)

óleo sobre tela, 66 x 81 cm

 

 

quissak-jr-a-mae, 1975,-oleo-sobre-tela-80 x 60 cmA mãe, 1975

Ernesto Quissak Júnior (Brasil, 1935-2001)

óleo sobre tela, 80 x 60 cm

 

 

REYNALDO FONSECA (1925) - Mãe e Filho. Óleo s tela. Ass. cid. Ass. e datado no verso.Med. 70 x 50 cm.Mãe e filho

Reynaldo da Fonseca (Brasil, 1925)

óleo sobre tela, 70 x 50 cm

 

 

Pedro Bruno (1888-1949) Maternidade, o.s.m. - 37 x 37 cm. Ass.Maternidade

Pedro Bruno (Brasil, 1888-1949)

óleo sobre madeira

 

 

ELON BRASIL - Maternidade Kamayurá - Mista sobre tela

Maternidade Kayamurá

Élon Brasil (Brasil, 1957)

Técnica mista sobre tela

 

 

SCLIAR, Carlos (1920 2001) Mãe, vinavil - 56 x 37 cm. Ass. e datado 69 frente eMãe, 1969

Carlos Scliar (Brasil, 1920 – 2001)

Serigrafia sobre vinil, 37 x 56 cm

 

 

gutmangb_aleitamentoCena de aleitamento, c. 1930

Guttmann Bicho (Brasil, 1888-1955)

óleo sobre tela (marouflage)

CAPS, Ernesto Nazareth, Ilha do Governador, RJ

 

 

BERNARDELLI, Félix (1866 - 1905) Mãe e filha, o.s.t. - 36 x 28 cm. Ass. e dat. 1897.Mãe e filha, 1897

Félix Bernardelli (Brasil, 1866-1908)

óleo sobre tela, 36 x 28 cm

 

 

MARIA ALCINA (Brasil, 1944) - ÓLEO SOBRE TELA - 60X50Maternidade

Maria Alcina (Brasil, 1944)

óleo sobre tela, 60 x 50 cm

 

 

Enrique ARavena, (Chile-Brasil, 1948) Maternidade, ost, 80 x 60 cmMaternidade

Enrique A Ravena (Chile/Brasil, 1948)

óleo sobre tela, 80 x 60 cm

 

 

Vicente do Rego Monteiro (Brasil, 1899-1970) Maternidade, acrílica sobre tela, década de 1960, 63 x 53 cmMaternidade, década de 1960

Vicente do Rego Monteiro (Brasil, 1899-1970)

acrílica sobre tela, 63 x 53 cm

Salvar





Os colonos, poesia de Paulo Setúbal

25 04 2017

 

 

GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1885 - 1962) - Colheita, o.s.e., 29,5 X 38,5 cm,Colheita

Georgina de Albuquerque (Brasil, 1885 – 1962)

óleo sobre tela, 29 x 38 cm

 

 

Os Colonos

 

Paulo Setúbal

 

Lá vem o dia apontando…

Que afã! Já todos de pé!

Ruidosos, tagarelando,

 

Vão os colonos em bando

Para os talhões de café.

 

À luz do sol que amanhece,

Por montes, por barrocais,

Por toda parte esplandece,

Com sua esplêndida messe,

O verde dos cafezais.

 

Começa o rude trabalho.

Que faina honrada e feliz!

Inda molhados de orvalho,

Flamejam, em cada galho,

Os bagos como rubis.

 

Trabalham.  que ardor de mouro!

Todos derriçam café.

Parece um rubro tesouro,

Que cai numa chuva de ouro,

Dos ramos de cada pé.

 

Ao meio-dia, aos ardores

Do alto sol canicular,

Os rudes trabalhadores,

Ao longo dos carreadores,

Põem-se todos a cantar.

 

Pela dormência dos ares,

Sob estes céus cor de anil,

Cantam canções populares,

Que lá, dos seus velhos lares,

Trouxeram para o Brasil.

 

Aqui, um forte italiano,

Queimado ao sol do equador,

Solta aos ventos, belo e ufano,

Num timbre napolitano,

A sua voz de tenor!

 

Há uma terna singeleza

Nas trovas que um outro diz;

Um rapagão de Veneza

Tem, no seu canto, a tristeza

Das águas do seu país.

 

E uma sanguínea espanhola,

De grandes olhos fatais,

Em baixa voz cantarola

Uns quebros de barcarola,

Magoados, sentimentais…

 

Que cantem! … Essa cantiga

Brotada do coração,

Seja a prece que bendiga

A terra que hoje os abriga,

A pátria que lhes dá pão.

 

Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1967, Coleção Henriqueta, pp. 56-57.

 

 

Salvar

Salvar








%d blogueiros gostam disto: